SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue1Case for diagnosisDo you know this syndrome? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000100030 

QUAL O SEU DIAGNÓSTICO?

 

Caso para diagnóstico

 

 

Alexandre Moretti de LimaI; Sheila Pereira da RochaI; Carolina Mayana de Ávila BatistaII; Carmelia Matos Santiago ReisIII; Isabel Irene Rama LealIV; Lucas Emanuel de Lima AzevedoV

IEspecialista em clínica médica pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica; residente em dermatologia do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN/SES) - Brasília (DF), Brasil
IIAluna da graduação de medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde/Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (ESCS/Fepecs); interna do sexto ano de medicina da ESCS/Fepecs - Brasília (DF), Brasil
IIIDoutora em dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); supervisora da residência médica em dermatologia do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN/SES) - Brasília (DF), Brasil
IVEspecialista em patologia e citologia; preceptora de dermatopatologia da residência médica em dermatologia do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN/SES) - Brasília (DF), Brasil
VResidente em dermatologia do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN/SES) - Brasília (DF), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Esteatocistoma múltiplo é um raro transtorno genético autossômico dominante que se caracteriza por múltiplos cistos dérmicos de tamanho variável e assintomáticos. Descreve-se o caso de um paciente do sexo masculino, de 23 anos, com quadro clínico e evolutivo típicos dessa desordem.

Palavras-chave: Cistos; Mutação; Queratina-17


 

 

HISTÓRIA DA DOENÇA

Homem de 23 anos notou o surgimento de "caroços" no pescoço há cinco anos, com aumento progressivo no número dessas lesões nas regiões ântero-superior do tórax e inguinal, algumas evoluindo para lesões eritematosas com drenagem de conteúdo amarelado e com odor forte. Negava sintomas sistêmicos. Antecedentes: negava lesões semelhantes em familiares. Ao exame apresentava lesões pápulo-nodulares de 0,5 a 2,0 cm, de coloração amarelada ou da cor da pele, principalmente na porção ântero-superior do tórax, região cervical lateral (Figura 1) e região inguinal bilateral. Exame histopatológico de fragmento de pele retirado da região anterior do tórax demonstrava a presença de formação cística na derme com glândula sebácea em sua parede (Figura 2) e revestida por epitélio pavimentoso estratificado típico cuja camada córnea mostrava aspecto ondulado, refringente e fortemente eosinofílico (Figura 3). Exames laboratoriais sem alterações.

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS

Esteatocistoma múltiplo (EM) é um raro transtorno genético que se caracteriza por múltiplos cistos dérmicos de tamanho variável e assintomáticos.1,2,3 Sua etiopatogenia permanece obscura, porém existem várias teorias para sua origem, tais como: os EMs são resultados de cistos sebáceos de retenção; têm natureza nevoide ou hamartomatosa; ou são uma variedade de cisto dermoide.4

As lesões são comumente encontradas na região do tronco e nas extremidades proximais, embora outros locais também sejam descritos, como axilas, vulva, região central do tórax e região inguinal (comum em mulheres).4 Em outras regiões, como face e couro cabeludo, as lesões são raramente encontradas.3 Apresentam um crescimento lento e um conteúdo que pode ser líquido ou cremoso.1 Embora a maioria das lesões sejam assintomáticas, algumas delas podem inflamar e supurar.3

Os diagnósticos diferenciais incluem várias doenças: acne conglobata ou nódulo-cística, hidroadenite supurativa, cisto dermoide, milia, cisto piloso, cisto mixoide e pseudofoliculite da barba.4

A doença começa na adolescência ou no início da idade adulta e incide igualmente em ambos os sexos. Tem caráter autossômico dominante, embora vários casos esporádicos tenham sido descritos.1,2 Tem sido associada com paroníquia congênita tipo 2, líquen plano hipertrófico, hidroadenite supurativa, acroceratose verruciforme e hipo-hidrose.1,5

A mutação da queratina 17, uma proteína encontrada em diversas estruturas epiteliais, tais como leito ungueal, folículos pilosos e glândulas sebáceas, tem sido implicada na gênese do esteatocistoma familiar, bem como da paroníquia congênita tipo 2. Nos casos esporádicos não foi encontrada essa mutação, o que sugere um caráter multifatorial dessa doença.2,6

Histologicamente, os esteatocistomas são cistos dérmicos revestidos por epitélio pavimentoso estratificado típico, cuja camada córnea mostra aspecto ondulado, refringente e fortemente eosinofílico. Glândulas sebáceas geralmente estão presentes na parede do cisto e pelos podem ocorrer em sua cavidade.1,4

As opções de tratamento são escassas e poucas têm um resultado satisfatório.1,2 Embora essa condição não represente uma ameaça à saúde do indivíduo, frequentemente é um problema cosmético, justificando assim o tratamento. A aspiração por agulha proporciona uma diminuição do tamanho das lesões, entretanto o resultado persiste apenas por alguns meses.7 A excisão cirúrgica, realizada por várias técnicas, também é descrita.1 Injeção de corticoide intralesional e incisão com drenagem são boas opções para as lesões inflamadas.2 A isotretinoína é conhecida por possuir propriedades anti-inflamatórias e por esse motivo é indicada para as lesões supuradas, porém com recidivas em alguns casos.8,9 A associação de isotretinoína e crioterapia em lesões não supuradas mostrou boa resposta clínica e cosmética. A crioterapia e a dermabrasão também podem ser utilizadas, mas mostraram resultados limitados, além de deixarem cicatriz residual.7 O uso do laser de CO2 é uma técnica ideal para o tratamento de lesões múltiplas e/ou localizadas em áreas esteticamente importantes, como a face, por não necessitar de anestesia, tratar as lesões em sessão única e ser um procedimento minimamente invasivo, apresentando cura rápida, bons resultados estéticos e baixa porcentagem de recidivas.10

 

REFERÊNCIAS

1. Vollman D, Smith GA. Epidemiology of lawn-mower-related injuries to children in the United States, 1990-2004.Pediatrics.2006;118: 273-8.         [ Links ]

2. Vidal S, Barcala L, Barberán J, Heras JA, Tovar JA, Baran R. A suppurating fistula from a cement foreign bodypresenting as a tumour of the nail. Acta Derm Venereol. 2000;80:313-4.         [ Links ]

3. Brodsky JW; Toppins AC; Silverman JB. Between a rock and a hard place: a case of petrous foreign body simu-lating an intra-osseous tumor. Foot Ankle Int. 2006;27:993-7.         [ Links ]

4. Adams DW; Cooney RT. Excision of a Dermatobia hominis larva from the heel of a South American traveler: a casereport. J Foot Ankle Surg. 2004; 43:260-2.         [ Links ]

5. Soon SL, Solomon AR, Papadopoulos D, Murray DR, McAlpine B, Washington CV. Acral lentiginous melanoma mimickingbenign disease: the Emory experience. J Am Acad Dermatol. 2003;48:183-8.         [ Links ]

6. Heins Vaccari EM, Lacaz CS, Rodrigues EG. Forma micetomatóide de infecçäo por Scedosporium apiospermum: registro de um caso. An Bras Dermatol. 1990;65:193-5.         [ Links ]

7. Horton LK, Jacobson JA, Powell A, Fessell DP, Hayes CW. Sonography and Radiography of Soft-Tissue ForeignBodies. AJR. 2001; 176: 1155-9.         [ Links ]

8. Jeswani T, Morlese J, McNally EG. Getting to the heel of the problem: plantar fascia lesions. Clin Radiol.2009;64:931-9.         [ Links ]

9. Eidelman M, Bialik V, Miller Y, Kassis I. Plantar puncture wounds in children: analysis of 80 hospitalized patientsand late sequelae. Isr Med Assoc J. 2003;5:268-71.         [ Links ]

10. Joseph WS, Le Frock JL. Infections complicating puncture wounds of the foot. J Foot Surg. 1987; 26(1 Suppl): S30-3.         [ Links ]

11. Sharma S, Azzopardi T. A Simple Surgical Technique for Removal of Radio-Opaque Foreign Objects From thePlantar Surface of the Foot. Ann R Coll Surg Engl. 2006;88:76.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Nilton Di Chiacchio
Rua Dr. Cesar, 62, conj. 35, Santana
CEP 02013-000 São Paulo (SP)
E-mail: ndichia@terra.com.br

Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 04.10.2010.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no ambulatório de dermatologia do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN/SES) - Brasília (DF), Brasil