SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue1Porphyria cutanea tarda and systemic lupus erythematosusErrata author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596On-line version ISSN 1806-4841

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000100036 

COMUNICAÇÃO

 

Reforma ortográfica da língua portuguesa no Brasil e na dermatologia*

 

 

Hélio Amante MiotI; Paulo Müller RamosII

IProfessor assistente doutor do Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina de Botucatu - Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp) - Botucatu (SP), Brasil
IIResidente do Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina de Botucatu - Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp) - Botucatu (SP), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A reforma ortográfica da língua portuguesa promoveu modificações na escrita em menos de 2% das palavras do vocabulário, porém essas alterações têm-se mostrado sensíveis no cotidiano médico. Os autores apresentam as principais mudanças das regras ortográficas e reúnem um grupo de exemplos de palavras cuja grafia foi alterada pela nova reforma, enfatizando os termos dermatológicos.

Palavras-chave: Dermatologia; Linguagem; Vocabulário


 

 

A língua é uma das manifestações culturais mais características de um povo, constituindo-se em elemento de integração nacional. Seu caráter dinâmico é inquestionável, o que promove a necessidade de reformas periódicas.1

O acordo ortográfico da língua portuguesa de 2009, ou reforma ortográfica, vigora no Brasil desde janeiro de 2009, e espera-se sua implantação definitiva até 2012. Apesar de controversa, houve a finalidade de aproximar as culturas dos oito países que empregam a língua portuguesa como idioma.2

Embora menos de 2% do léxico tenha sofrido mudanças, elas têm-se mostrado sensíveis no cotidiano da medicina e, por enquanto, geram divergências mesmo entre distintos dicionaristas.

Não há, até o momento, publicações que orientem as alterações decorrentes da reforma ortográfica na escrita médica. A dermatologia é especialidade com vocabulário vultoso, recheada de adjetivos e nomenclaturas próprias, que igualmente sofreram modificações.

A acentuação das palavras foi a alteração mais significativa.

Nas palavras homógrafas, os acentos diferenciais foram abolidos, como em: pelo, polo, pela, pera, para. Porém, nos casos em que distinguem os tempos e os números verbais, foram mantidos: pode/pôde, intervém/intervêm, tem/têm, vem/vêm, detém/detêm, convém/convêm, mantém/mantêm. Também foi mantido o acento diferencial em pôr/por.

Palavras grafadas com trema deixam de apresentá-lo. Dessa forma, unguento, arguição, frequente, subsequente, sequela, consequente, cinquenta, consanguíneo, sequência e tranquilo têm nova escrita. Os tremas decorrentes de nomes próprios e seus derivados não foram alterados, como em: Köbner, Schönlein, Schüller, Löfgren, Löwestein, Sjögren, Björnstad, Gökerman, Könen, Vörner, Münchausen, Müller e mülleriano.

Os acentos circunflexos foram excluídos das palavras terminadas no hiato oo, decorrendo disso: enjoo, voo, magoo, perdoo e povoo. Também foi suprimido o acento das palavras terminadas em eem; assim, as terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo de alguns verbos passam a ter nova grafia: creem, leem, veem e deem.

Cai o acento agudo dos verbos arguir e redarguir na segunda e terceira pessoas do singular e na terceira do plural do presente do indicativo: arguis, argui, arguem.

Desaparece o acento agudo nos grupos gue, gui, que, qui de verbos: enxague, averigue, apazigue, argui. Da mesma maneira, nos verbos terminados em guar, quar e quir quando pronunciados com o u tônico no presente do indicativo, subjuntivo e imperativo: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem. Porém, se pronunciados com a e i tônicos, essas vogais levam acento.

Paroxítonas com os ditongos abertos ói e éi perdem o acento (Tabela 1). Entretanto, oxítonas terminadas nos ditongos abertos éu, éus, éi, éis, ói, óis continuam acentuadas: herói, chapéu, troféu, papéis.

 

 

Palavras paroxítonas com i e u tônicos, quando precedidos de ditongo, deixam de ser acentuadas, como: feiura, baiuca e Bocaiuva. Contudo, oxítonas terminadas em i ou u seguidos ou não de s permanecem acentuadas; por exemplo: Piauí e tuiuiú.

A hifenização nunca foi assunto de lida fácil e constitui a maior polêmica da reforma. Usa-se o hífen diante de palavras iniciadas em h com os prefixos anti, macro, mini, proto, auto, sobre, super, ultra (Tabela 2 - linha a).

Por outro lado, quando o prefixo termina em vogal diferente da que inicia a segunda palavra, o hífen não é usado (Tabela 2 - linha b). Da mesma forma, não levam hífen palavras cujo prefixo termina em vogal e a primeira letra do segundo elemento começa com consoante diferente de r e s (Tabela 2 - linha c).

Não levam hífen e duplicam as letras as palavras cujo prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa em r ou s (Tabela 2 - linha d), exceto quando os prefixos terminam com r, como em: hiper-requintado, inter-resistente e super-revista.

São hifenizadas as palavras cujo prefixo termina com a mesma vogal que começa o segundo elemento (Tabela 2 - linha e).

Não levam hífen palavras com prefixo re seguido por elemento começando com letra e (Tabela 2 - linha f). Perdem o hífen as palavras cujo prefixo é póstero, assim como não são hifenizadas palavras que seguem o prefixo co, devendo-se suprimir a letra h do segundo elemento (Tabela 2 - linha g).

Levam hífen palavras cujo prefixo sub precede palavra iniciada com r: sub-região, sub-raça; assim como as palavras iniciadas por m, n e vogal precedidas pelos prefixos circum e pan (Tabela 2 - linha h).

Ganham hífen as palavras: tique-taque, tim-tim, mega-hertz e chá-da-índia. Por outro lado, passam a ser escritas sem hífen as palavras: xiquexique e tão só.

Composições de origem tupi-guarani exigem o hífen, como Mogi-mirim e jacaré-açu, bem como palavras precedidas pelos prefixos vice, ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró (Tabela 2 - linha i).

Palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constituem unidade semântica, além de palavras ligadas à taxonomia, permanecem com hífen (Tabela 2 - linha j). São exceções as palavras que, pelo uso, perderam a noção de composição, não levando hífen: mandachuva, paravento, paraquedas, paraquedista, pontapé.

Deve-se ainda repetir o hífen no início da nova linha se, no final da anterior, a partição de uma palavra ou a combinação de palavras coincidirem com o hífen.

O alfabeto reincorporou as letras k, w e y, totalizando 26 elementos e autorizando símbolos de unidades e medidas (kg, km e W), estrangeirismos e seus derivados (bowenoide, show).

Casos de fonética ambígua, como clitóris e clítoris, mantêm as duas formas de acentuação.

Mais que simples erudição, ou para minimizar o trabalho dos revisores de periódicos e de editoras, as mudanças ortográficas são definitivas e devem ser incorporadas à prática da escrita diária, pois são pertinentes à adequada comunicação profissional para as próximas gerações.3,4

 

REFERÊNCIAS

1. Kirby S, Dowman M, Griffiths TL. Innateness and culture in the evolution of language. Proc Natl Acad Sci U S A. 2007;104:5241-5.         [ Links ]

2. Tufano D. Michaelis. Guia prático da nova ortografia. São Paulo: Melhoramentos; 2008.         [ Links ]

3. Dirckx JH. The doctor's dyslexicon: 101 pitfalls in medical language. Am J Dermatopathol. 2005;27:86-8.         [ Links ]

4. Ferguson WJ, Candib LM. Culture, language, and the doctor-patient relationship. Fam Med. 2002;34:353-61.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Hélio Amante Miot
Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina da Unesp
Campus Universitário de Rubião Jr
18618-000 Botucatu - SP, Brasil
Tel./fax: 14 3882 4922
E-mail: heliomiot@fmb.unesp.br

Recebido em 13.08.2009.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 27.11.09.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia e Radioterapia da Faculdade de Medicina de Botucatu - Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp) - Botucatu (SP), Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License