SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue3Systemic capillary leak syndromeThe use of high frequency waves to treat onychomycosis: preliminary communication of three cases author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.3 Rio de Janeiro May/June 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000300032 

COMUNICAÇÃO

 

Úlceras de pernas e anticorpos anticardiolipinas*

 

 

Thelma Larocca Skare

Doutora. Prof.ª Titular da Disciplina de Reumatologia do Curso de Medicina da Faculdade Evangélica do Paraná - Curitiba (PR) - Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Fenômenos pró-trombóticos são descritos em úlceras de perna de diferentes etiologias. Neste trabalho, procurou-se verificar a prevalência de anticorpos anticardiolipina nestes pacientes. Para isso, estudaram-se 151 pacientes com úlcera de pernas e 150 controles, sendo obtidos dados clínicos e títulos de anticorpos anticardiolipina. Os anticorpos anticardiolipina foram detectados em 7,2% do grupo úlcera e 1,3% do grupo controle (p=0.01), todavia, as características clínicas não foram diferentes nos pacientes com e sem anticorpos anticardiolipina.

Palavras-chave: Anticorpos anticardiolipina; Insuficiência venosa; Pé diabético


 

 

Os fenômenos pró-trombóticos são descritos em pacientes com úlceras de perna e podem contribuir de alguma maneira, não só para o início do processo como para a dificuldade na cicatrização. 1 As deficiências de proteína C, S e a antitrombina III, as alterações genéticas do gene da protrombina e do fator V de Leiden têm sido identificadas nesses pacientes. 1 Os anticorpos antifosfolípides estão entre as causas mais comuns de trombofilia adquirida e sua presença parece ser mais comum em pacientes com úlceras de perna do que na população em geral. 2,3 Os principais anticorpos antifosfolipídeos são: os anticardiolipinas (aCls) Ig G e IgM, o lúpus anticoagulante e a ‚2 glicoproteína I. 4

Mackenzie et al 1 estudando 88 pacientes com úlcera de perna encontrou aCls em 14% deles. Alagözlü et al 2 analisando70 pacientes com diabetes mellitus (35 com úlceras e 35 sem) encontrou uma prevalência de aCls maior nos com ulcerações. A presença dos aCls está ligada ao perfil genético e, portanto, sujeita a variabilidade conforme a população examinada.

Nós estudamos 151 pacientes com úlceras de perna, comparando-os com 150 controles (pacientes sem úlceras e que compareceram para tratamento de afecções reumáticas de partes moles) para prevalência de aCls IgG e IgM. Nenhum dos pacientes ou controles tinha doença maligna, doença reumática inflamatória ou estava em uso de drogas, associadas com positividade para aCls (propanolol, clorpromazina, γinterferon, procaínamida, anti-TNF-α). 4

No grupo de úlcera, 81 tinham úlceras venosas, 50, diabéticas e 30 arteriais. Para inclusão como úlcera venosa, os pacientes deveriam ter varizes de membros inferiores, história de trombose venosa, edema vespertino, dermatite ocre e/ou lipoesclerodermatose. Para inclusão no grupo diabetes, os indivíduos deveriam ter história pregressa de diabetes mellitus comprovada ou glicose de jejum acima de 126mg/dl ou, ainda, glicemia 2h pós prandial acima de 200mg/dl. 5 Para inclusão no grupo arterial, eles deveriam apresentar razão < 0.7, entre pressão sistólica de membro inferior e superior. 6 Dados quanto a tempo de doença (úlcera) foram coletados, tais como: o uso de tabaco, a história pregressa de trombose venosa profunda e o grau de dor atribuído à úlcera pela escala visual analógica, onde era atribuído zero à ausência de dor e 10 ao maior grau de dor possível. Realizou-se exame físico com atenção ao número de feridas abertas e ao tamanho da área ulcerada (obtido multiplicando-se os diâmetros longitudinal e vertical da mesma). 7 Em casos de mais de uma úlcera, os valores obtidos isoladamente eram somados.

Os anticorpos anticardiolipina foram procurados por ELISA (Euroimmun ®, Lübeck, Germany) seguindo-se a técnica recomendada pelo manufaturador. Os valores de aCls acima de 10U/ml foram considerados positivos.

Uma prevalência de 7,2% (n=12) de aCls no grupo de úlcera contra 1,3% (n=2) no controle foi encontrada. No grupo controle, encontraram-se aCls tipo IgG e em baixos títulos. No grupo úlcera, encontraram-se aCls em 12 pacientes (7.2%) sendo os valores de aCl IgG entre 10.2 e 47.9 GPL/ml e os de aCl IgM entre 11.2 e 65.7 MPL/ml. Comparando-se os diferentes tipos de úlcera com a população controle, encontrou-se aumento de aCls nas formas venosas (p=0.02) e diabéticas (p=0.01), mas não nas arteriais (p=0.31).

Pacientes com úlcera e presença de aCls não diferiram daqueles sem o anticorpo quanto a sexo (p=0,98), tamanho da úlcera (p=0.6), gravidade da dor (p=0.67), número de úlceras (p=0.38) e tempo médio de existência da úlcera (p=0.69). A exposição ao fumo foi mais frequente naqueles com úlceras e presença de aCls (p=0.012).

A presença dos aCls, em pacientes com úlcera de perna, não é bem entendida. Eles podem ser consequência de infecções locais repetidas ou podem estar presente antes do aparecimento de úlcera, uma vez que úlceras de perna fazem parte do espectro clínico da síndrome do anticorpo antifosfolípide. 8, 9 Reconhecer o seu papel pode ser importante para o tratamento, uma vez que essas manifestações respondem ao uso de anticoagulantes e antimaláricos.

Concluímos que existe um aumento de aCls, em pacientes com úlceras venosas e diabéticas, mas não nas arteriais. As características clínicas das úlceras não auxiliam na identificação dos pacientes aCl positivos.

 

REFERÊNCIAS

1. Mackenzie R, Ludlam CA, Ruckley CY, Allan Pl, Burns P, Bradbury AW. The prevalence of trombophilia in patients with chronic venous leg ulceration. J Vasc Surg. 2002;35:718-22.         [ Links ]

2. Alagözlü H, Bakici Z, Gültekin F. Anticardiolipin antibody positivity in diabetic patients with and without diabetic foot. J Diabetes Complic. 2002;16:172-5.         [ Links ]

3. Alcaraz I, Lafreve I, Wiart T, Lafon C, Forzy G, Modiano P. Leg ulcers and antiphospholipid antibodies: prospective study of 48 cases. Ann Dermatol Venereol. 1999;126:313-6.         [ Links ]

4. Khamashta MA, Hugues GRV. The clinical aspects of the antiphospholipid syndrome. In: Lahita RG, ed. Systemic Lupus Erythematosus, 2004; San Diego: Elsevier, p.1107-23.         [ Links ]

5. Culloch D. Screening for Diabetes mellitus. [Internet]. Versão 16.3 de outubro 2008. [acesso 5 Nov. 2008]. Disponível em: http://www.uptodate.com/home/index.html.         [ Links ]

6. Grey JE, Enoch S, Harding KG. ABC of wound healing: venous and arterial leg ulcers. Br Med J. 2006; 332: 285-8.         [ Links ]

7. Kantor J. Margolis DJ. Efficacy and prognostic values os simple wound measurements. Arch Dermatol. 1998; 134: 1571-4.         [ Links ]

8. Shoenfeld Y, Blank M, Cervera R, Font J, Rashi E, Meroni P-L. Infectious origin of the antiphospholipid syndrome. Ann Rheum Dis. 2006;65: 2-6.         [ Links ]

9. Weistein S, Piette W. Cutaneous manifestations of antiphospholipid antibody syndrome. Hematol Oncol Clin N Am. 2008;22: 87-97.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Thelma Larocca Skare
Rua João Alencar Guimarães - 796 Casa Bairro: Santa Quitéria
80.310-420 Curitiba - PR, Brasil
Tel.: 41 9984-4144 (Alt.)
tskare@onda.com.br

Recebido em 16.09.2009.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 11.05.10.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no Serviço de Reumatologia e de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (PR) - Brasil.