SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue3SBD-RESP in active search for leprosy casesPrezados Editores dos Anais Brasileiros de Dermatologia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.3 Rio de Janeiro May/June 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000300040 

CORRESPONDÊNCIA

 

 

Paulo Ricardo Criado

Associado-efetivo da SBD. Professor do curso de pós-graduação em Ciências (Dermatologia) da Faculdade de Medicina da USP

 

 

Aos Editores dos Anais Brasileiros de Dermatologia (Brazilian Annals of Dermatology)

Recebi, com muita satisfação, a notícia de que o periódico oficial da Sociedade Brasileira de Dermatologia passará a ser editado em língua inglesa. Esta quase centenária publicação médica, inicialmente denominada "Annaes Brasileiros de Dermatologia e Syphilographia (1925)" tem atendido de forma profícua aos anseios da comunidade dermatológica ao longo de sua honrosa história, promovendo a reciclagem profissional e fomentando a cultura da redação médica entre nossos pares.

No entanto, os tempos mudaram! A ciência médica é global e o mundo escolheu a língua inglesa há mais de sessenta anos como o código de troca de informações, quando a escola francesa dermatológica foi perdendo sua hegemonia para as escolas americana e inglesa. Não é desconhecido que todos os periódicos indexados no Medline, com fator de impacto relevante na Dermatologia (ou seja, lidos e citados por seus pares), tenham na língua inglesa sua redação científica. Como exemplo, entre alguns dos periódicos editados por sociedades dermatológicas congêneres, porém cujo berço linguístico não é o inglês, temos a Dermatology (publicação franco-suíça), o Journal of Dermatology (Associação Japonesa de Dermatologia), JDDG (Journal der Deutschen Dermatologischen Gesellschaft da Sociedade Alemã de Dermatologia), Acta Dermato-Venerologica (Escandinávia), International Journal of Cosmetic Science (Sociedade Francesa de Dermatologia), entre outras.

Há cerca de 30 anos, em um levantamento sobre vários programas internacionais de informação em ciência e tecnologia, Garcia1 já se posicionou sobre a adoção da língua inglesa na informação científica. "Os países de língua inglesa têm levado uma nítida vantagem sobre os demais, observando-se em outros países a tendência a adotar essa língua para fins de informação científica e tecnológica, como é o caso do Japão."

Assim, como a segunda maior sociedade de Dermatologia do mundo, a SBD deve adequar-se à realidade da ciência médica atual, possibilitando a todos o acesso à informação produzida aqui e, mais ainda, demonstrando quem somos e como podemos contribuir para o conhecimento dermatológico!

A língua portuguesa é rica e extremamente grandiosa, porém, definitivamente, não vai permitir que, no futuro, sejamos reconhecidos como capazes de exercer um papel relevante para a ciência dermatológica na aldeia global do século XXI.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Garcia MLA. Políticas e Programas Nacionais de Informação Científica e Tecnológica. Ci. Inf. 1980;9:5-39. [acesso 06 Maio 2011]. Disponível em: http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/download/1518/13492.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License