SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue4Lentigo maligna treated with topical imiquimod: dermatoscopy usefulness in clinical monitoringMajocchi's granuloma author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.4 Rio de Janeiro July/Aug. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000400029 

IMAGENS EM DERMATOLOGIA TROPICAL

 

Rinosporidiose: manifestação cutânea*

 

 

Andrelou Fralete Ayres VallarelliI; Silvânia Pinheiro RosaII; Elemir Macedo de SouzaIII

IDoutor em consultório privado - São Paulo (SP), Brasil
IIMédica dermatologista e especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia; consultório privado - São Paulo (SP), Brasil
IIIProfessor-assistente e livre-docente da disciplina de dermatologia do departamento de clínica médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - São Paulo (SP), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A rinosporidiose é uma doença infecciosa zooantropofílica mucocutânea causada pelo Rhinosporidium seeberi. Caracteriza-se por massa polipoide, séssil ou pedunculada, eritematosa, moriforme e friável, principalmente, nas mucosas nasais e oculares. A ocorrência na pele é ocasional, por disseminação a partir da mucosa adjacente, inoculação direta ou generalização via hematogênica. Os autores apresentam o caso clínico de um menino de oito anos de idade, com lesão isolada localizada no epicanto medial do olho direito.

Palavras-chave: Doenças parasitárias; Doenças transmissíveis; Rhinosporidium; Rinosporidiose


 

 

A rinosporidiose é uma doença infecciosa, granulomatosa, mucocutânea, causada pelo Rhinosporidium seeberi. Ocorre, preferencialmente, na naso-orofaringe, ocasionalmente, na conjuntiva e no saco lacrimal e, esporadicamente, na uretra, na genitália, na laringe, nas cavidades paranasais e na pele (Figuras 1 e 2).1-3 Há relatos de casos nas Américas, na Europa, na África e na Ásia, com alta prevalência na Índia e no Sri Lanka.1,2,4 É endêmica na região ocidental do nordeste brasileiro.5 Ocorre pela inoculação dos esporos presentes em águas estagnadas ou pela poeira dos campos.6,7 É mais prevalente no sexo masculino, sobretudo, com acometimento nasal. A infecção ocular é mais frequente na mulher.1,2,6,8 A histologia e/ou citologia realizada após aspiração com agulha fina (FNAC) confirmam o diagnóstico (Figuras 3 e 4A).3 A primeira referência foi creditada a Malbran (1896). Guilhermo Seeber (1900) relatou o agente causal e o classificou como um protozoário da família Coccideoidaceae. A análise filogenética classificou-o como pertencente ao grupo Drip (Dermocystidium, rosette agent, Ichthyophorus, and Psorospernim), um parasita protista aquático (Figura 4B).2, 4, 9

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

1. Kumari R, Nath AK, Rajalakshmi R, Adityan B, Thappa DM. Disseminated cutaneous rhinosporidiosis: varied morphological appearances on the skin. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2009;75:68-71.         [ Links ]

2. Abud LN, Pereira JC. Rinosporidiose nasal - relato de quarto casos e revisão de literatura. Arq Interrn Otorinol. 2007;11:428-35.         [ Links ]

3. Deshpande AH, Agarwal S, Kelkar AA. Primary cutaneous rhinosporidiosis diagnosed on FNAC: A case report with review of literature. 2009;37:125-7.         [ Links ]

4. Fredricks DN, Jolley JA, Lepp PW, Kosek JC, Relman DA. Rhinosporidium seeberi: a human pathogen from a novel group of aquatic protistan parasites. Emerg Infect Dis. 2000;6:273-82.         [ Links ]

5. Fonseca APM, Fonseca WSM, Bona SH, Lopes Filho LL, Araújo RC. Rinosporidiose nasal: relato de dois casos. An Bras Dermatol. 1990;65:123-4.         [ Links ]

6. Dadá MS, Ismael M, Neves V, Branco Neves J. Two cases of nasal rhinosporidiosis. Acta Otorrinolaringol Esp. 2002;53:611-4.         [ Links ]

7. Boni ES, Saliba ZM, Sessino DB, Miranda JNR, Boni M. Rinosporidiose da conjuntiva-relato de caso. Arq Bras Oftalmol. 2002;65:103-5.         [ Links ]

8. Lupi O, Tyring SK, McGinnis MR. Tropical dermatology: fungal tropical diseases. J Am Acad Dermatol. 2005;53:931-51.         [ Links ]

9. Mattedi MGS, Cunha A, Boni ES, Palhano Júnior L. Rinosporidiose nasal: Relato de um caso. An Bras Dermatol. 1986;61:141-4.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Andrelou Fralete Ayres Vallarelli
Rua Dr. Antônio da Costa Carvalho, 577 - Ap. 91 - Cambuí
13024-050 Campinas - SP
Telefones: (19) 3234-2404
E-mail: andrelou@uol.com.br

Recebido em 14.03.2010.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 31.08.2010 .
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - São Paulo (SP), Brasil.