SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue5Histoplasmosis and AIDS co-infectionCase for diagnosis author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.5 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000500029 

IMAGENS EM DERMATOLOGIA TROPICAL

 

Tungíase disseminada*

 

 

Andrelou Fralete Ayres VallarelliI; Elemir Macedo de SouzaII

IDoutor; consultório privado - São Paulo (SP), Brasil
IIProfessor-assistente e livre-docente da disciplina de Dermatologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM -Unicamp) - São Paulo (SP), Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

A tungíase é uma infestação zooantropofílica causada pela Tunga penetrans. É endêmica na América Latina e no Caribe. Ocorre, principalmente, em comunidades carentes e sem saneamento básico e em indivíduos que visitam áreas contaminadas. O local mais comum de penetração do ectoparasita é a região periungueal dos pés. Os autores mostram a ocorrência de uma forma disseminada num habitante da zona rural.

Palavras-chave: Doenças transmissíveis; Ectoparasitoses; Sifonápteros; Saneamento básico


 

 

A tungíase é uma infestação zooantropofílica causada pela fêmea, já fecundada, da Tunga penetrans, um ectoparasita hematófago que habita solo seco e arenoso e se dissemina mais nos períodos de estiagem (Figura 1).1-3 A maturação ocorre entre oito e 12 dias com aumento do abdome, que pode conter mais de 200 ovos. É endêmica na América Latina, no Caribe e na África subsaariana.4 Rotas comerciais e militares disseminaram a doença e há relatos de vários casos ocorridos com viajantes para áreas endêmicas.1,5-6 A forma de locomoção da pulga favorece a penetração na região periungueal dos pés (Figura 2), ocasionalmente nas mãos, nos cotovelos, nas coxas, na face, nas regiões glúteas e na região inguinal.6-8 Após a penetração, o local tornase inflamado e doloroso (Figuras 3 e 4). Sem tratamento, pode haver infecção secundária. O tétano é complicação comum. Há maior prevalência em comunidades pobres, sem ruas pavimentadas, onde as pessoas andam descalças.1,8-10 O diagnóstico é clínico e o tratamento consiste na remoção da pulga com agulha estéril.

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

1. Heukelbach J, de Oliveira FA, Hesse G, Feldmeier H. Tungiasis: a neglected health problem of poor communities. Trop Med Int Health. 2001;6:267-72.         [ Links ]

2. Heukelbach J, Wilcke T, Harms G, Feldmeier H. Seasonal variation of tungiasis in an endemic community. Am J Trop Med Hyg. 2005:72:145-9.         [ Links ]

3. Ugbomoiko US, Ariza L, Heukelbach J. Parasites of importance for human health in Nigerian dogs: high prevalence and limited knowledge of pet owners. BMC Vet Res. 2008;4:49.         [ Links ]

4. Gatti FR, Oliveira CM, Gatti TRSR, Sanches APG. Tungíase disseminada tratada com ivermectina. An Bras Dermatol. 2008;83:339-42.         [ Links ]

5. Hager J, Jacobs A, Orengo IF, Rosen T. Tungiasis in the United States: a travel souvenir. Dermatol Online J. 2008;14:3.         [ Links ]

6. Ferreira LA, Piazza AA, Belda W Jr, de Souza EM, Ferreira Velho PE. Tunga penetrans as a traveler's disease. Travel Med Infect Dis. 2009;7:381-2.         [ Links ]

7. Heukelbach J, Sahebali S, Van Marck E, Sabóia Moura RC, Feldmeier H. An unusual case of ectopic tungiasis with pseudoepitheliomatous hyperplasia. Braz J Infect Dis. 2004;8:465-8.         [ Links ]

8. Greco JB, Sacramento E, Tavares-Neto J. Chronic ulcers and myasis as ports of entry for Clostridium tetani. Braz J Infect Dis. 2001;5:319-23        [ Links ]

9. Feldmeier H, Eisele M, Sabóia-Moura RC, Heukelbach J. Severe tungiasis in underprivileged communities: case series from Brazil. Emerg Infect Dis. 2003;9:949-55.         [ Links ]

10. Cardoso AEC. Tungíase. An Bras Dermatol. 1990;65(Supl 1):S29-33.         [ Links ]

 

 

Endereço para Correspondência:
Andrelou Fralete Ayres Vallarelli
Av. Barão de Itapura, 950 - Conjunto 44, Botafogo
13020-431 Campinas - SP
Telefax: (19) 3234-2404 / 3201-6558 / 9790-8050
E-mail: andrelou@uol.com.br

Recebido em 22.02.2010.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 31.08.2010.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado na disciplina de Dermatologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - São Paulo (SP), Brasil.