SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 issue5Case for diagnosisDo you know this syndrome? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Anais Brasileiros de Dermatologia

Print version ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.5 Rio de Janeiro Sept./Oct. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000500031 

QUAL O SEU DIAGNÓSTICO?

 

Caso para diagnóstico

 

 

Mariane de Castro PerisseI; Camila FerronI; Ricardo Barbosa LimaII; Márcio Soares SerraIII; Carlos José MartinsIV

IPós-graduanda do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (HUGG - Unirio) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil
IIPós-graduando em Dermatologia; professor adjunto do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (HUGG - Unirio) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil
IIIMestre em Dermatologia; professor voluntário do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (HUGG - Unirio) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil
IVMestre em Dermatologia; professor adjunto e responsável pelo Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (HUGG - Unirio) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

Metástases cutâneas de câncer visceral são relativamente raras, com uma incidência de 0,7-10%. Os sítios primários mais frequentes são os tumores de mama, pulmão e cólon. Geralmente ocorrem após o câncer primário ser diagnosticado e significam mau prognóstico. Podem surgir como primeira manifestação em 20% das neoplasias em geral. As manifestações mais comuns são nódulos únicos ou múltiplos, assintomáticos, localizados com maior frequência no tórax anterior, no abdômen, na cabeça e no pescoço, por vezes, com aspectos clínicos inusitados, constituindo um desafio ao diagnóstico clínico.

Palavras-chave: Adenocarcinoma; Neoplasias cutâneas; Neoplasias gastrointestinais


 

 

RELATO DO CASO

Paciente masculino, 60 anos, com nódulos assintomáticos na face, no pescoço, no tórax e na bolsa escrotal há três meses. Relatava tabagismo, etilismo e uso de drogas ilícitas. Queixava-se de astenia, pirose e perda ponderal de 15kg nesse período. Ao exame, observaram-se nódulos eritematovioláceos de superfície lisa, alguns exulcerados, de consistência firme, medindo 0,5-2,0cm de diâmetro, assintomáticos, no couro cabeludo, na face, no pescoço, no tórax, nos membros superiores e na bolsa escrotal, bem como linfonodomegalias palpáveis nas regiões occipital e cervical posterior e aumento do volume abdominal com massa mal delimitada (Figuras 1 e 2).

 

 

 

 

Realizou-se biópsia de uma lesão e o exame histopatológico revelou infiltrado difuso na derme, presença de células com citoplasma claro com núcleo rechaçado para a periferia, caracterizando as células em anel de sinete (Figura 3). A endoscopia digestiva alta evidenciou lesões ulceradas e nodulares no antro, que também foram biopsiadas. A tomografia computadorizada (TC) de abdômen mostrou lesão infiltrante, estenosante no antro e corpo gástrico. A TC de tórax foi normal.

 

 

DISCUSSÃO

Diante do quadro clínico do paciente, formularam-se as hipóteses diagnósticas de linfoma cutâneo, criptococose em imunossuprimido e metástases cutâneas.

A conclusão do laudo histopatológico da lesão cutânea foi de adenocarcinoma metastático e da lesão do antro foi de adenocarcinoma gástrico pouco diferenciado com células em anel de sinete, conduzindo ao diagnóstico final de adenocarcinoma gástrico estágio IV com metástase cutânea. O paciente foi submetido à quimioterapia, porém evoluiu a óbito cinco meses após o diagnóstico da neoplasia.

Metástases cutâneas (MC) de câncer visceral são relativamente raras, com uma incidência de 0,7-10%.1 Os sítios primários mais frequentes são os tumores de mama, pulmão e cólon. Geralmente ocorrem após o câncer primário ser diagnosticado e significam mau prognóstico.2 Podem surgir como primeira manifestação em 20% das neoplasias em geral. Apesar de ser frequente, o câncer gástrico representa a origem de apenas 6% de todas as MCs nos homens e 1% nas mulheres.2 Fernandez et al., numa revisão de 11 casos de MC de adenocarcinoma gástrico (AG), constataram que, em 64% dos pacientes, elas foram a manifestação inicial da doença, como no caso relatado.3

As MCs podem ocorrer por disseminação hematogênica, linfática, por contiguidade ou por implantação iatrogênica.1

O tipo histológico com maior tendência à metástase à distância é o adenocarcinoma com células em anel de sinete.4

As manifestações mais comuns são nódulos hemisféricos únicos ou múltiplos de consistência moderada a firme, de superfície lisa e brilhante. Também surgem como máculas, placas infiltradas endurecidas, lesões discoides e nódulos tumorais com telangiectasias ou ulcerações. Formações herpetiformes, zosteriformes ou erisipela-símiles são frequentemente mencionadas como padrões de disseminação cutânea. Alguns aspectos típicos são o carcinoma erisipelatoide, carcinoma em couraça e alopecia neoplásica. A maioria das MCs é assintomática, mas, algumas vezes, podem ser pruriginosas e, em estágios avançados, dolorosas.5

As MCs localizam-se em qualquer parte do corpo, porém, com maior frequência, no tórax anterior (33%), no abdômen (22%), na cabeça e no pescoço (10%).6 Na região umbilical, são conhecidas como nódulo da irmã Maria José.5 No AG, manifestam-se, geralmente, como nódulos únicos ou múltiplos, mais frequentemente na parede abdominal, sendo rara a MC generalizada.7

O tratamento é quase sempre paliativo. Quando são poucas lesões, a exérese cirúrgica e a radioterapia são as primeiras opções.6

A literatura registra um aumento na incidência de metástases cutâneas ao longo das últimas décadas, relacionado ao aumento da taxa de câncer e da sobrevida após o tratamento. Portanto, diante de nódulos cutâneos isolados ou múltiplos de aspecto inespecífico e consistência firme, o dermatologista deve sempre incluir as MCs entre as hipóteses diagnósticas, uma vez que sua presença modifica prognóstico da doença.

 

REFERENCIAS:

1. Hu SC, Chen GS, Lu YW, Wu CS, Lan CC. Cutaneous metastases from different internal malignancies: a clinical and prognostic appraisal . J Eur Acad Dermatol Venereol. 2008;22:735-40.         [ Links ]

2. Xavier MH, Vergueiro T de R, Vilar EG, Pinto JM, Issa MC, Pereira GB, et al. Cutaneous metastasis of gastric adenocarcinoma: An exuberant and unusual clinical presentation. Dermatol Online J. 2008;14:8.         [ Links ]

3. Aneiros-Fernandez J, Husein-ElAhmed H, Arias-Santiago S, Escobar Gómez-Villalva F, Nicolae A, O'Valle Ravassa F, et al. Cutaneous metastasis as first clinical manifestation of signet ring cell gastric carcinoma. Dermatol Online J. 2010;16:9.         [ Links ]

4. Ahn SJ, Oh SH, Chang SE, Jeung YI, Lee MW, Choi JH. Cutaneous metastases of gastric signet ring cell carcinoma masqueradingas allergic contact dermattitis. J Eur Acad Dermatol venereol. 2007;21:123-4.         [ Links ]

5. Nashan D, Müller ML, Braun-Falco M, Reichenberger S, Szeimies RM, Bruckner-Tuderman L. Cutaneous metastases of visceral tumors: a review. J cancer res clin oncol. 2009;135:1-14        [ Links ]

6. Segura Huerta A, Perez-Fidalgo JA, Lopez-Tendero P, Ginores R, Sarrio, Aparício UJ. Supervivência de trace años en una paciente com metástasis cutáneas aisladas de adenocarcinoma gástrico. An Med Interna. 2003;20:251-3.         [ Links ]

7. Lookingbill DP, Spangler N, Helm KF. Cutaneous metastases in patients with metastatic carcinoma: a retrospective study of 4020 patients. J Am Acad Dermatol. 1993;29:228-36        [ Links ]

 

 

Endereço para Correspondência:
Mariane de Castro Perisse
Rua Rita Ludolf 16/402 Leblon
22440-060 Rio de Janeiro - RJ
E-mail: mariperisse@gmail.com

Recebido em 17.10.2010
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 29.11.2010.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (HUGG - Unirio) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License