SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.86 número6Vasculite de pequenos vasos como primeira manifestação clínica de paracoccidiodomicose: relato de casoLesões molusco-símiles em paciente com esporotricose índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Anais Brasileiros de Dermatologia

versão impressa ISSN 0365-0596

An. Bras. Dermatol. vol.86 no.6 Rio de Janeiro nov./dez. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962011000600027 

IMAGENS EM DERMATOLOGIA

 

Aspectos dermatoscópicos do siringocistoadenoma papilífero associado a nevo sebáceo*

 

 

Carolina Barbosa BrunoI; Fernanda Nóbrega CordeiroI; Fernando do Espírito Santo SoaresII; Gustavo Henrique Soares TakanoIII; Larissa Sena Teixeira MendesIV

IPós-graduação. Médica residente de dermatologia do Hospital Universitário de Brasília - Universidade de Brasília (HUB-UnB) - Brasília (DF), Brasil
IIPós-graduação. Médico dermatologista do Hospital Universitário de Brasília - Universidade de Brasília (HUB-UnB) - Brasília (DF), Brasil
IIIProfessor de patologia da Universidade de Brasília (UnB) - Brasília (DF), Brasil
IVPós-graduação. Médica residente de patologia do Hospital Universitário de Brasília - Universidade de Brasília (HUB-UnB) - Brasília (DF), Brasil

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

O siringocistoadenoma papilífero é uma neoplasia anexial benigna rara, com frequente diferenciação apócrina. Localiza-se preferencialmente no couro cabeludo e está associado ao nevo sebáceo em 40% dos casos. Apesar da variabilidade clínica, a histologia é característica. Há relatos da dermatoscopia de tumores anexiais, como poroma écrino, hidradenoma e angio-histiocitoma; porém, até o momento, não há descrição da dermatoscopia do siringocistoadenoma. Apresentamos aspectos dermatoscópicos de um caso de siringocistoadenoma associado a nevo sebáceo, visualizando-se padrão vascular polimorfo e vasos em ferradura.

Palavras-chave: Avaliação; Dermoscopia; Diagnóstico; Neoplasias de anexos e de apêndices cutâneos; Neoplasias cutâneas


 

 

INTRODUÇÃO

O siringocistoadenoma papilífero é uma neoplasia anexial benigna incomum, presente em 50% dos casos ao nascimento e, em 15 a 30%, desenvolvida durante a puberdade.1,2 Localiza-se frequentemente no couro cabeludo e na face.3,4 Origina-se de células indiferenciadas com potencial de diferenciação apócrina e écrina, sendo mais comum a presença do componente apócrino.4,5,6 Na maioria dos casos, o siringocistoadenoma papilífero está associado a outras neoplasias benignas, das quais o nevo sebáceo participa em 40% dos casos.3,6 O siringocistoadenoma papilífero e o tricoblastoma são as neoplasias que mais se desenvolvem no nevo sebáceo, porém outras também podem ser encontradas: hidradenoma nodular, siringoma, epitelioma sebáceo, siringoma condroide, triquilemoma, tricoadenoma, carcinoma sebáceo, carcinoma basocelular, cisto triquilemal e proliferações epiteliais basaloides, as quais podem confundir-se com carcinoma basocelular.5

Clinicamente o siringocistoadenoma papilífero apresenta lesões variadas e inespecíficas. O diagnóstico deve ser confirmado por exame histopatológico, ferramenta segura, uma vez que apresenta histologia característica.5 A dermatoscopia, ou microscopia de superfície, é um método para visualização de estruturas localizadas abaixo do estrato córneo.7 Sua principal indicação é o diagnóstico e acompanhamento de lesões pigmentadas da pele, com o objetivo de detectar melanoma na sua fase inicial; entretanto, a sua utilização vem estendendo-se para o estudo de lesões não melanocíticas, patologias de couro cabeludo, unhas e para a avaliação do padrão vascular de neoplasias cutâneas.7 Autores relataram o padrão dermatoscópico de neoplasias anexiais como poroma écrino, hidrocistoma e angio-histiocistoma.8,9,10 Não há na literatura, até o momento, descrição da dermatoscopia do siringocistoadenoma papilífero. Relatamos a clínica, a dermatoscopia e a histopatologia de um caso de siringocistoadenoma papilífero associado a nevo sebáceo e siringoma em uma mulher de 50 anos.

 

RELATO DE CASO

Paciente feminina, 50 anos, fototipo III, funcionária pública, hígida, apresenta lesão assintomática no couro cabeludo desde o nascimento. Há 15 anos notou modificação da lesão com episódios ocasionais de sangramento após trauma ao escovar os cabelos. Ao exame clínico, placa papulosa alopécica e amareloalaranjada na região parietal esquerda do couro cabeludo. Na periferia dessa placa, evidenciava-se lesão eritematosa, lobular e exofítica, com superfície de aspecto úmido (Figuras 1 e 2).

 

 

 

 

O exame dermatoscópico da placa papulosa amarelo-alaranjada apresentava estruturas redondas e ovais, isoladas ou agrupadas, de diversos tamanhos e coloração amarelo-esbranquiçada (Figura 3). A dermatoscopia da lesão exofítica demonstrou fundo eritematoso aparentemente dividido por estruturas lineares esbranquiçadas, que delimitavam lóbulos de diferentes tamanhos e continham estruturas vasculares de diversas formas: vasos lineares irregulares, glomerulares, e alguns vasos formando imagem semelhante a uma ferradura (Figura 4). Realizada exérese de toda a lesão.

 

 

 

 

O exame histopatológico mostrou lesão hamartomatosa, caracterizada por acantose, papilomatose e várias glândulas sebáceas maduras superficializadas, compatível com diagnóstico de nevo sebáceo (Figura 5). Além disso, em área central da epiderme, a papilomatose era mais pronunciada, associando-se a invaginações e projeções papilares, cujo revestimento era cuboidal duplo. A camada luminal estava representada por células com núcleo oval, citoplasma eosinofílico e presença de secreção por decapitação, havendo evidência de debris celulares no lúmen. A camada externa consistia de células cuboidais com citoplasma claro e escasso. No estroma tumoral, presença de infiltrado plasmocitário discreto. Essas alterações caracterizam o siringocistoadenoma papilífero (Figuras 6 e 7). Por fim, foram visualizadas estruturas tubulares compostas por duas fileiras de células claras e com debris amorfos em seu lúmen, compatíveis com siringoma. Feito o diagnóstico de nevo sebáceo, siringocistoadenoma papilífero e siringoma em uma mesma lesão.

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

O uso da dermatoscopia para auxílio diagnóstico de tumores cutâneos não melanocíticos é relativamente novo se comparado à sua aplicação nas neoplasias cutâneas melanocíticas.10 Há poucos casos na literatura sobre a dermatoscopia de neoplasias anexiais, e os casos relatados referem-se à dermatoscopia de neoplasias anexiais como o poroma écrino, hidrocistoma e angio-histiocistoma.8,9,10 Entretanto, até o presente momento, não se sabe muito sobre a dermatoscopia do siringocistoadenoma papilífero e do novo sebáceo.

A dermatoscopia do nevo sebáceo mostra estruturas arredondadas com tom amarelo-esbranquiçado, agrupadas ou isoladas, que podem corresponder aos aglomerados de glândulas sebáceas maduras e superficializadas. A dermatoscopia do siringocistoadenoma chama a atenção para um padrão vascular polimorfo em um fundo rosa-leitoso. Esse padrão vascular polimorfo mostra vasos lineares, irregulares e glomerulares, sendo alguns envolvidos por um halo esbranquiçado e outros agrupados, formando o desenho de uma ferradura.

O dermatoscópio é uma ferramenta não invasiva que auxilia no diagnóstico e seguimento evolutivo de lesões dermatológicas, principalmente as melanocíticas.7 Diariamente aprendemos e definimos novos conceitos na dermatologia a partir da dermatoscopia. Não se sabe ainda o seu real valor no diagnóstico das neoplasias anexiais, que costumam ser incaracterísticas ao exame clínico; entretanto, no futuro, espera-se que possa contribuir para a identificação também desse grupo de lesões.

 

REFERÊNCIAS

1. Böni R, Xin H, Hohl D, Panizzon R, Burg G. Syringocystadenoma papilliferum. A study of potencial tumor supressor genes. Am J Dermatopathol. 2001;23:87-9.         [ Links ]

2. Karg E, Korom I, Varga E, Ban G, Turi S. Congenital Syringocystadenoma papilliferum. Pediatr Dermatol. 2008;25:132-3        [ Links ]

3. Philipone E, Chen S. Unique case: Syringocystadenoma papilliferum Associated with an eccrine nevus. Am J Dermopathol. 2009;30:806-7.         [ Links ]

4. Townsend TC, Bowen AR, Nobuhara KK. Syringocystadenoma papilliferum: an unusual cutaneous lesion in a pediatric patient. J Pediatr. 2004;145:131-3.         [ Links ]

5. Lever WF, Ahmed TSS. Tumors of the epidermal appendages. In: Elder DE, Elenitsas R, Johnson BL Jr, Murphy GF, Xu g, editors. Lever's Histopathology of the Skin. 10th. ed. Philadelphia: JB Lippincott; 2009. p. 879-80        [ Links ]

6. Barbarino S, McCormick A, Lauer SA, Milman T. Syrincocystadenoma Papilliferum of the Eyelid. Ophtal Plast Reconstru Surg. 2009;25:185-8.         [ Links ]

7. Rezze GG, Sá BCS, Neves RI. Dermatoscopia: o método de análise de padrões. An Bras Dermatol. 2006;81:261-8.         [ Links ]

8. Ferrari A, Buccini P, Silipo V, Simone P, Mariani G, Marenda S, et al. Eccrine poroma: a clinical-dermoscopic study of seven cases. Acta Derm Venereol. 2009;89:160-4.         [ Links ]

9. Sgambato A, Zalaudek I, Ferrara G, Giorgio CM, Moscarella E, Nicolino R, et al. Adnexal tumors: clinical and dermoscopic mimickers of basal cell carcinoma. Arch Dermatol. 2008;144:426        [ Links ]

10. Zalaudek I, Kreusch J, Giacomel J, Ferrara G, Catricalá C, Argenziano G. How to diagnose nonpigmented skin tumors: a review of vascular structures seen with dermoscopy : part II. Nonmelanocytic skin tumors. J Am Acad Dermatol. 2010;63:377-86.         [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência:
Carolina Barbosa Bruno
SGAN 604/605, Asa Norte
70840-050 Brasília, DF
E-mail: carolina.bruno@gmail.com

Recebido em 28.11.2010.
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 24.03.11.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

 

 

* Trabalho realizado no Hospital Universitário de Brasília - Universidade de Brasília (HUB-UnB) - Brasília (DF), Brasil.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons