SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue319Influence of grinding residual stresses on contact loading strength degradation in Y-TZPElectrodialysis uses in Paraíba bentonite clay dispersions to eliminate Ca2+ and Mg2+ and its influence on rheology author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cerâmica

Print version ISSN 0366-6913On-line version ISSN 1678-4553

Cerâmica vol.51 no.319 São Paulo July/Sept. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0366-69132005000300004 

Cinza da lenha para aplicação em cerâmica vermelha Parte I: características da cinza

 

Firewood ash for application in red ceramic Part I: characteristics of the ash

 

 

M. C. BorliniI; H. F. SalesI; C. M. F. VieiraI; R. A. ConteII; D. G. PinattiII; S. N. MonteiroI

ILaboratório de Materiais Avançados - LAMAV, Centro de Ciências e Tecnologia - CCT Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF Av. Alberto Lamego, 2000, Pq Califórnia, Campos dos Goytacazes, RJ 28013-600
IIFaculdade de Engenharia Química de Lorena FAENQUIL-DEMAR C.P. 116, Lorena, SP 12600-000 mborlini@terra.com.br

 

 


RESUMO

A lenha de eucalipto constitui-se no principal combustível utilizado pelas indústrias de cerâmica vermelha do município de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro. Em princípio, esta lenha tem características promissoras para adição em cerâmica. Assim, esse trabalho tem por objetivo caracterizar a cinza proveniente da combustão de lenha predominantemente de eucalipto visando a incorporação na massa de cerâmica vermelha processada em indústrias de Campos dos Goytacazes. Foram realizados ensaios de fluorescência de raios X, difração de raios X, distribuição de tamanho de partícula, análise térmica (ATD/TG), porosimetria de mercúrio e microscopia eletrônica de varredura. Os resultados mostraram que a cinza da lenha se apresenta como aglomerados de partículas, sendo constituída principalmente por Ca, Si, Mg, K e S.

Palavras-chave: cinza, lenha, cerâmica vermelha, caracterização.


ABSTRACT

The eucalyptus firewood is one of the main fuels used by the industries of red ceramic in the municipal area of Campos of Goytacazes, State of Rio de Janeiro. In principle this firewood has promising characteristics for addition into ceramics. Thus, the present work has for objective to characterize the ash generated from burning firewood aiming at its incorporation into red ceramic products. The ash was submitted to X-ray diffraction, chemical composition, particle size distribution, thermal analysis (ATD/TG), mercury porosimetry and scanning electron microscopy tests. The results showed that the ash of the firewood comes as agglomerates of particles, being constituted mainly by Ca, Si, Mg, K and S.

Keywords: ash, firewood, red ceramics, characterization.


 

 

INTRODUÇÃO

No município de Campos dos Goytacazes, situado no norte do Estado de Rio de Janeiro, há uma área de aproximadamente 900 km2 com abundância em argilas aluviais formadas por sedimentos quaternários levados pelo Rio Paraíba. O setor de cerâmica vermelha inclui mais de 100 indústrias de tamanhos diferentes e com uma produção, principalmente de tijolos, estimada em 60 milhões de peças/mês. O combustível mais utilizado pelas indústrias de cerâmica vermelha é a lenha. Com um consumo médio 0,4 m3/milheiro, densidade de 0,4 t/m3 e teor de cinzas da ordem de 3%, estima-se uma geração mensal de aproximadamente 300 t de cinzas. O tipo de lenha mais comumente utilizado pelas indústrias cerâmicas de Campos dos Goytacazes -RJ é proveniente do eucalipto. Em decorrência do uso da lenha, as indústrias cerâmicas tornam-se também grandes geradoras de cinzas.

Cinzas constituem um tipo de resíduo, contendo inclusive metais, que pode causar poluição do ar e ser responsável por graves problemas respiratórios na população atingida. Uma alternativa tecnológica para reduzir o impacto ambiental causado pela liberação indiscriminada de resíduos, particularmente as cinzas, seria a sua incorporação em produtos cerâmicos argilosos. Durante a fase de queima do processo de produção de cerâmica, a eliminação de metais potencialmente tóxicos pode ser promovida por volatilização, mudanças químicas e estabilização na fase vítrea, formada pela participação de aluminosilicatos e fundentes [1-4]. Além disso, o setor de cerâmica vermelha não requer controle rigoroso das matérias-primas, sendo mundialmente utilizado para incorporar resíduos industriais.

A nível mundial há um crescimento acentuado de trabalhos sobre cerâmicas obtidas com adições de resíduos sólidos, incluindo cinzas [5-10]. As motivações deste crescimento são encontrar formas estáveis para disposição final das cinzas visando evitar seus efeitos poluentes ao meio ambiente. Algumas classes de tecnologias têm sido estudadas, como a obtenção de vitrocerâmicas a partir de cinzas puras [10-12] e a adição de qualquer resíduo na composição de massa de cerâmica tradicional [5-7, 13-15]. Em alguns casos, não se objetiva obter produtos de maior valor agregado, mas simplesmente estabilizar os poluentes contidos nas cinzas.

O presente trabalho teve por objetivo caracterizar a cinza proveniente da combustão de lenha predominantemente de eucalipto visando sua incorporação na massa de cerâmica vermelha. Foram realizados ensaios de caracterização mineralógica, química, física e microestrutural. Na Parte II desse trabalho será apresentado um estudo sobre o efeito deste tipo de cinza no processamento e propriedades de uma cerâmica vermelha.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

Nesse trabalho foi utilizada uma cinza proveniente da queima de lenha predominantemente de eucalipto pelas indústrias de cerâmica vermelha do município de Campos dos Goytacazes-RJ. Esta cinza foi caracterizada em termos de composição química e mineralógica, distribuição de tamanho de partícula, análise térmica (ATD/TG), porosimetria de mercúrio e microscopia eletrônica de varredura.

A composição química foi determinada por espectrometria de fluorescência de raios X (Philips PW 2400). A identificação das fases das cinzas foi realizada por difração de raios X (DRX). O DRX foi conduzido em amostras na forma de pó usando um difratômetro Seifert, modelo URD 65, operando com radiação Cu-Ka e 2q de 5 a 70º.

A distribuição de tamanho de partícula foi realizada por peneiramento e sedimentação de acordo com a norma ABNT NBR-7181 [16].

A distribuição de tamanho de poros foi determinada por porosimetria de mercúrio usando um aparelho Pore Size 9310 da Micromeritics.

A caracterização microestrutural da cinza foi realizada através de microscopia eletrônica de varredura (MEV) utilizando um microscópio Zeiss, modelo DSM 960.

A análise térmica da cinza foi realizada no laboratório do Grupo de Preparação e Caracterização GPCM/DFA/ IFGW da Universidade Estadual de Campinas. As análises termogravimétrica (TG) e termodiferencial (DTA) foram conduzidas simultaneamente em um instrumento NETZSCH modelo STA 409 EP, operando sob fluxo de ar e taxa de aquecimento de 10 ºC/min até a temperatura máxima de 1200 ºC.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Composição química e mineralógica

A Tabela I mostra a composição química da cinza investigada. A composição química é caracterizada basicamente por alta quantidade de CaO e SiO2 e com quantidades significativas de K2O e MgO. A quantidade elevada de CaO está relacionada a carbonato e hidróxido de cálcio enquanto o SiO2 está associado com a fase cristalina quartzo. A alta porcentagem de perda ao fogo (21,5% em peso) indica uma elevada fração de argilominerais. O teor relativamente elevado de K2O+Na2O mostra que a cinza pode agir como um fundente potencial e pode contribuir para melhorar as propriedades de queima através da redução da porosidade pela formação de fase líquida em reação com SiO2 e Al2O3. O MgO também pode atuar como fundente durante a etapa de queima. A cinza apresenta ainda traços de Ti, Ni, Rb.

A Fig. 1 apresenta os resultados da análise por DRX da cinza. Analisando os picos do difratograma verificase que a principal fase cristalina existente na cinza é o carbonato de cálcio confirmando os resultados da Tabela 1. Observa-se ainda a presença de quartzo, hidróxido e fosfato de cálcio.

 

 

Morfologia e granulometria

A Fig. 2 apresenta as micrografias da cinza. Observase que esta cinza é formada por aglomerados com uma forma predominantemente arredondada resultante da aglomeração de partículas. Ou seja, a cinza não se apresenta como partículas separadas, mas sim, como um produto sinterizado e bastante poroso em sua estrutura.

 

 

A Fig. 3 apresenta a distribuição granulométrica da cinza. Observa-se que esta apresenta tamanho de aglomerados compreendidos entre 2 e 0,01 mm. O tamanho médio observado é de 0,15 mm. A técnica empregada pode não ter sido adequada para determinar o tamanho real das partículas, sendo possível identificar apenas os aglomerados.

 

 

A Fig. 4 mostra a distribuição do tamanho dos poros da cinza. Pode ser observado que o diâmetro dos poros está na faixa de 0,0072 a 107,77 µm, sendo predominante o tamanho de poro de 0,9716 µm. A cinza apresenta uma densidade, medida por porosimetria de mercúrio, de 2,038 g/cm3 e uma porosidade aberta de 48,95%. A área superficial é de 26,34 m2/g. Esta porosidade relativamente alta da cinza pode facilitar a etapa de secagem das cerâmicas.

 

 

Comportamento térmico

O comportamento térmico da cinza foi estudado por meio de análises de termogravimetria (TG) e termodiferencial (DTA). A Fig. 5 mostra as curvas de TG e DTA da cinza da lenha. Os aspectos fundamentais do comportamento térmico das cinzas são:

 

 

(A) pico endotérmico a 183 °C devido à perda de água adsorvida;

(B) pico endotérmico a 466 °C devido à desidratação de sulfato de magnésio (MgSO4.nH2O) [5];

(C) pico endotérmico em torno de 568 ºC associado à transformação alotrópica do quartzo-a para quartzo-b;

(D) pico endotérmico a 828 °C devido à decomposição do carbonato de cálcio e associado a uma perda de peso de ~ 15%.

 

CONCLUSÕES

A cinza obtida da combustão de lenha predominantemente de eucalipto em fornos para produção de cerâmica em Campos dos Goytacazes, exibe as seguintes características:

  • é especialmente rica em cálcio, sendo composta predominantemente por carbonato de cálcio;

  • apresenta aglomerados de partículas predominantemente esféricos e porosos e com tamanho médio de 0,15 mm.

  • quando a cinza for adicionada em argila, o teor relativamente elevado de óxidos alcalinos e alcalino-terrosos pode contribuir para redução da porosidade de queima através da formação de fase líquida.

     

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem à COPPE/UFRJ pela utilização do microscópio eletrônico de varredura, a GPCM/DFA/ IFGW-UNICAMP pela realização da análise térmica e a FAPERJ (protocolo nº 1700802004) pelo apoio ao trabalho desenvolvido. É também motivo de agradecimento o suporte parcial dado pela CAPES, CNPq e TECNORTE/ FENORTE.

 

REFERÊNCIAS

[1] M. C. Borlini, Dissertação de Mestrado, DEMAR, FAENQUIL (2002).         [ Links ]

[2] CTCV - Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro, Principais problemas Ambientais na Indústria Cerâmica, Portugal (1997).         [ Links ]

[3] A. Blasco, A. Escardino, G. Busani, E. Monfort, J. L. Amorós, J. Enrique, V. Beltrán, P. Negre, AICE-ITC, Espanha (1992).         [ Links ]

[4] M. Dondi, M. Marsigli, B. Fabbri, Tile & Brick Int. 13, 3 (1997) 218.         [ Links ]

[5] M. Dondi, G. Ercolani, G. Guarini, M. Raimondo, J. Eur. Ceram. Soc. 22 (2002) 1729.         [ Links ]

[6] M. Dondi, G. Guarini, M. Raimondo, I. Venturi, J. Eur. Ceram. Soc. 22 (2002) 1737.         [ Links ]

[7] M. Dondi, G. Guarini, M. Raimondo, A. Ruffini, J. Eur. Ceram. Soc. 22 (2002) 1749.         [ Links ]

[8] L. Barbieri, A. Corradi, I. Lancellotti, T. Manfredini, Waste Managementy 8, 22 (2002) 859.         [ Links ]

[9] C. R. Cheeseman, S. M. Rocha, C. Sollars, S. Bethanis, A. R. Boccaccini, Waste Management 10, 23 (2003) 907.         [ Links ]

[10] J. M. Kim, H. S. Kim, J. Eur. Ceram. Soc. 24 (2004) 2373.         [ Links ]

[11] A. Karamanova, M. Pelinoa, A. Hreglichb, J. Eur. Ceram. Soc. 23 (2003) 827.         [ Links ]

[12] A. Karamanov, M. Pelino, M. Salvo, I. Metekovits, J. Eur. Ceram. Soc. 23 (2003) 1609.         [ Links ]

[13] C. T. Kniess, K. W. Milanez, N. C. Kuhnen, H. G. Riella, A. M. Segadães, Fourth International Latin-American Conference on Powder Technology, Guarujá, SP (2003) cdrom, ref. 17/17.         [ Links ]

[14] I. S. Tavares, J. M. D. Soares, R. J. B. Pinheiro, Anais do 47° Congresso Brasileiro de Cerâmica, J. Pessoa, Pb (2003) cdrom, ref. 5-40.         [ Links ]

[15] L. M. H. Quintana, J. M. D. Soares, T. M. Pacheco, M. A. Aquere, T. Soares, Anais do 47° Congresso Brasileiro de Cerâmica, J. Pessoa, Pb (2003) cdrom, ref. 5-50.         [ Links ]

[16] ABNT, Solo – Análise Granulométrica, NBR – 7181 (1984) 13.         [ Links ]

 

 

(Rec.12/11/2004, Ac.03/06/2005)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License