SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.53 issue327Hydration of binders in the presence of matrix and additivesMechanical performance of asphalt mixtures composed of synthetic calcinated clay aggregates author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cerâmica

Print version ISSN 0366-6913On-line version ISSN 1678-4553

Cerâmica vol.53 no.327 São Paulo July/Sept. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S0366-69132007000300006 

Características e efeito da fração granulométrica < 2 µm no comportamento de queima de uma argila

 

Characteristics and effect of the granulometric fraction < 2 µm on the firing behavior of a clay

 

 

C. M. F. Vieira; L. A. Terrones, R. Sánchez; S. N. Monteiro

Laboratório de Materiais Avançados - LAMAV, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF. Av. Alberto Lamego 2000, Campos dos Goytacazes, RJ 28013-602. vieira@uenf.br

 

 


RESUMO

Este trabalho tem por objetivo caracterizar a chamada "fração argila", isto é, com fração granulométrica < 2 µm, e avaliar por meio de dilatometria, análise termogravimétrica e térmica diferencial, e difração de raios X, seu efeito no comportamento de queima de uma argila sedimentar caulinítica. A amostra foi obtida por técnica de sedimentação baseada na lei de Stokes e submetida à caracterização mineralógica, química e morfológica por meio de difração de raios X, fluorescência de raios X e microscopia eletrônica de transmissão. Os resultados indicaram que a fração granulométrica < 2 µm da argila apresenta uma composição mineralógica constituída de caulinita, haloisita, mineral micáceo, goetita e gibsita. Durante a queima, a "fração argila" é a principal responsável pela sinterização da argila.

Palavras-chave: argila, caracterização, granulometria, mineralogia, queima.


ABSTRACT

This work has for objective to characterize the so-called "clay fraction", i.e., that fraction with particle size < 2 µm, and to evaluate by dilatometry, thermogravimetric and differential thermal analysis, and X-Ray diffraction, its effect on the firing behavior of a sedimentary kaolinitic clay. The "clay fraction" sample was obtained by the sedimentation technique based on the Stokes law and submitted for mineralogical, chemical and morphological characterization by X-Ray diffraction, X-Ray fluorescence and transmission electron microscopy. The results showed that the clay's granulometric fraction with size < 2 µm displays a mineralogical composition formed by kaolinite, haloisite, micaceous mineral, goethite and gibbsite. During the firing, this "clay fraction" is the main responsible for the sintering of the clay body.

Keywords: clay, characterization, particle size, mineralogy, firing.


 

 

INTRODUÇÃO

A granulometria de uma argila tem uma importante função no processamento de cerâmica vermelha, devido à sua relação direta com a composição mineralógica. A chamada "fração argila", associada a partículas com tamanho inferior a 2 µm, é geralmente constituída de argilominerais. Estes minerais, de origem secundária, são os principais responsáveis pelo desenvolvimento da plasticidade do sistema argila-água [1-3]. Outras características, como elevada área superficial, solubilidade e instabilidade térmica são típicas dos minerais secundários constituintes da "fração argila".

A plasticidade é uma propriedade fundamental para permitir que massas argilosas alcancem a consistência plástica adequada para serem conformadas pelo processo de extrusão [4, 5]. Para um mesmo tipo de argila, isto é, similar mineralogia, será mais plástica a argila que apresente maior quantidade de minerais argilosos. Isto significa que mais água será necessária adicionar para que se alcance o estado de consistência plástica. Vulgarmente argilas muito plásticas são denominadas de "gordas" ou "fortes". A utilização destas argilas em cerâmica vermelha pode trazer problemas de processamento, dificultando a etapa de conformação e secagem. Por outro lado, geralmente peças produzidas com estas apresentam uma resistência mecânica a verde e a seco satisfatórias, pois as partículas de argilominerais apresentam uma boa coesão entre si.

Durante a queima, a sinterização pode ocorrer em baixas temperaturas [6]. Entretanto, a baixa permeabilidade destas peças pode dificultar a saída de gases no estágio inicial de queima e podem retrair demasiadamente, acarretando defeitos no produto final. Desta forma, argilas "magras" ou "fracas", com menor teor de argilominerais e maior quantidade de quartzo, principal impureza das argilas, são geralmente utilizadas na formulação da massa cerâmica.

Devido à diversidade mineralógica, a sinterização de argilas é um fenômeno bastante complexo, sendo influenciado pelas características das matérias-primas e parâmetros de processo [7-10]. Em princípio, as diferentes frações granulométricas que compõem uma argila comportam-se de maneira distinta durante a sinterização.

Assim, este trabalho tem por objetivo caracterizar e avaliar o efeito do comportamento de queima da fração granulométrica < 2 µm de uma argila na consolidação das partículas.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

A argila estudada corresponde a um material sedimentar de origem flúvio-lacustre encontrado no município de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro. Esta argila vem sendo utilizada para fabricação de cerâmica vermelha, sobretudo tijolos e, em menor quantidade, telhas e pisos.

A fração granulométrica < 2 µm da argila foi avaliada comparativamente com sua granulometria natural, submetida a um peneiramento em malha de 20 mesh (< 840 µm), constituindo assim a "fração total". A fração < 2 µm foi obtida por técnica de sedimentação, baseada no princípio da lei de Stokes, de acordo com norma técnica [11].

A composição química das amostras foi realizada por fluorescência de raios X em equipamento Philips, modelo PW 2400. A composição mineralógica qualitativa foi obtida por difração de raios X (DRX), em difratômetro Seifert, modelo URD 65, operando com radiação Cu-Ka e 2q variando de 5º a 40º.

A morfologia das partículas foi observada por microscopia eletrônica de transmissão (MET). As imagens de MET foram obtidas num microscópio Jeol, modelo 2000FX da COPPE/UFRJ.

As análises termogravimétrica e térmica diferencial foram realizadas em analisador térmico simultâneo TA Instruments, modelo SDT 2960, utilizando atmosfera de ar e taxa de aquecimento de 10 ºC/min.

A análise dilatométrica foi realizada em um dilatômetro Orton com taxa de aquecimento de 10 ºC/min.

Foram preparados corpos-de-prova cilíndricos por prensagem a 20 MPa, com 3,13 cm de diâmetro e 0,8 cm de espessura. Os corpos de prova após secagem em estufa a 110 ºC, foram queimados em forno de laboratório em temperaturas variando de 400 a 1100 ºC com taxa de aquecimento de 3 ºC/min e tempo de patamar de 60 min. O resfriamento foi realizado desligando-se o forno.

As fases cristalinas de queima foram determinadas por DRX em amostras na forma de pó, utilizando o mesmo equipamento e procedimento como descrito anteriormente.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Composição mineralógica e química

A Fig. 1 apresenta os difratogramas de raios X das amostras de argila correspondentes às frações < 840 µm e < 2 µm. É observado que a amostra da "fração total" < 840 µm é composta pela caulinita, mineral micáceo, gibsita, goetita e quartzo. Já a "fração argila", < 2 µm, apresenta similar composição mineralógica em comparação com a "fração total", à exceção do quartzo. Isto indica que além de argilomineral, os hidróxidos apresentam-se com tamanho de partícula extremamente pequeno. Já o mineral micáceo pode está associado a um argilomineral, a ilita, e/ou a mica não hidratada, possivelmente do tipo muscovita. Se por um lado sedimentos quaternários, típicos da região de Campos são considerados recentes e não propícios a ocorrência de ilita, há na região sedimentos de origem marinha que são favoráveis à formação deste tipo de argilomineral.

 

 

A Tabela I apresenta a composição química das amostras. Observa-se que a "fração argila", < 2 µm, apresenta um menor teor de SiO2 e maior teor de que a "fração total". Isto indica um maior percentual de minerais argilosos presente na "fração argila". De fato, a razão SiO2/Al2O3 é um parâmetro indicativo da quantidade de argilomineral e quartzo. De acordo com a composição química teórica da caulinita, a razão SiO2/Al2O3 é de 1,18. Valores maiores que este indicam sílica livre na forma de quartzo. A "fração total" apresenta razão SiO2/Al2O3 de 1,50, enquanto na "fração argila" esta razão é praticamente a da caulinita pura de 1,16. Pode-se então inferir que existe uma excessiva quantidade de quartzo na "fração total" e alguma quantidade adicional de alumina na "fração argila" que está associado à presença de hidróxido de alumínio na forma de gibsita. Observa-se que o percentual de Fe2O3 é bem parecido para ambas às frações granulométricas. Isto indica que o ferro está presente na goetita, no mineral micáceo e possivelmente em substituição parcial ao Al na estrutura da caulinita. O incremento da perda ao fogo da fração < 2 µm está relacionado, predominantemente, ao aumento de mineral argiloso.

Morfologia

A Fig. 2 apresenta uma micrografia obtida por MET da "fração argila", < 2 µm. É possível observar a predominância de partículas lamelares de formato pseudo-hexagonal com tamanhos menores que 2 µm, associadas com a caulinita. Partículas de morfologia tubular, associadas a haloisita, são também observadas em pequena quantidade. Este resultado evidencia a presença, do argilomineral haloisita nas argilas cauliníticas de Campos dos Goytacazes. Entretanto, sua identificação por DRX é dificultada devido à sobreposição de picos de difração com a caulinita. Além disso, a ocorrência de haloisita associada com partículas predominantes de caulinita é uma situação relativamente comum.

 

 

Comportamento térmico

As Figs. 3 e 4 apresentam as curvas de ATD/TG/DTG das frações < 840 µm e < 2 µm, respectivamente. Observa-se na Fig. 3 três picos endotérmicos a 59,0 ºC, 267,0 ºC e 497,6 ºC e um pico exotérmico a 947,8 ºC. Na curva de DTG, três picos correspondentes à perda de massa são observados. A perda de massa, 1,82%, do primeiro pico de DTG a 55,6 ºC corresponde também ao primeiro pico da curva de ATD e está associada à eliminação de água higroscópica. A perda de massa, 2,93%, do segundo pico de DTG a 263,0 ºC está associada à decomposição de hidróxidos como a goetita e gibsita. A perda de massa, 8,28%, do último pico de DTG a 495,9 ºC é a mais significante. Esta última perda de massa está associada à eliminação de água de constituição da caulinita, formando a metacaulinita. Em proporção em menor também ocorre eliminação de água de constituição da haloisita. Na Fig. 3 existe também, conforme mostra a seta, um discreto pico endotérmico associado à transformação alotrópica do quartzo-a para quartzo-b. Uma prova da existência deste pico será apresentada mais adiante neste trabalho, por dilatometria. Por fim, a 947,8 ºC é observado o único pico exotérmico que está associado a decomposição da metacaulinita com formação de novas fases [12-14].

 

 

 

 

Em comparação com a "fração total", < 840 µm, a "fração argila", < 2 µm, não apresenta o pico endotérmico correspondente ao quartzo. Por outro lado, a perda de massa associada à água de constituição da caulinita/haloisita, pico de DTG a 484,8 ºC, é mais significativa, 11,34%, do que a correspondente na Fig. 3. Este resultado indica ausência de quartzo e maior quantidade de mineral argiloso na "fração argila". Há também uma perda de massa de 1,2% (12,54 - 11,34) associado ao pico de DTG a 670,5 ºC. Este resultado pode estar relacionado com a eliminação de água de constituição de mineral micáceo ou de grupos de hidroxilas remanescentes dos minerais argilosos ou dos hidróxidos. A curva de DTG não mostra o tipo de reação que esteja ocorrendo.

Dilatometria

As Figs. 5 e 6 apresentam as curvas de dilatometria de peças cruas correspondentes às frações < 840 µm e < 2 µm, respectivamente. É evidente a diferença de comportamento das diferentes frações granulométricas avaliadas. A "fração argila", Fig. 6, apresenta maior retração e máxima taxa de sinterização em temperatura inferior, 890,9 ºC e temperatura de vitrificação, máxima retração, a 1050 ºC. Por outro lado, a "fração total", apresenta máxima taxa de sinterização a 1124,5 ºC e alcança o limite de detecção do equipamento a 1300 ºC.

 

 

 

 

Na Fig. 7 é possível concluir sobre a presença ou não do quartzo nas amostras estudadas. De acordo com a Fig. 7a nota-se que a 559,2 ºC ocorre uma mudança no ângulo da curva dilatométrica referente à presença de quartzo livre. Já na Fig. 7b não é observada variação na curva o que indica ausência de transformação alotrópica do quartzo.

 


 

Fases cristalinas de queima

As Figs. 8 e 9 apresentam, respectivamente, as curvas de DRX das frações < 840 µm e < 2 µm queimadas em temperaturas no intrvalo de 400 a 1100 ºC. Conforme pode ser observado na Fig. 8, a "fração total", < 840 µm, apresenta a 400 ºC, caulinita, mineral micáceo, hematita e quartzo. As diferenças em relação ao material natural consistem na ausência dos hidróxidos de ferro e alumínio, decompostos por volta de 267 ºC, e a presença de hematita, formada a partir da goetita. A partir de 600 ºC, a caulinita não é mais detectada, devido à formação, da fase amorfa, metacaulinita. Nenhuma mudança nas fases cristalinas ocorre até 900 ºC. Há 1000 ºC, as controvérsias fases de alumina-g e mulita, formadas a partir da decomposição da metacaulinita, são detectadas [12-14], além da formação de feldspato plagioclásio. Na temperatura de 1100 ºC, os picos de mulita aumentam de intensidade e o mineral micáceo não é mais detectado.

 

 

 

 

Nas curvas de DRX, Fig. 9, da "fração argila", < 2 µm, observa-se a 400 ºC a presença de mineral micáceo, caulinita, e hematita. Em comparação com a amostra somente seca a 110 ºC, Fig. 1, a gibsita e goetita estão ausentes. Em comparação com a "fração total", Fig. 8, não é observada a presença de quartzo. A partir de 600 ºC não são mais observados picos de difração correspondentes à caulinita. A partir daí, nenhuma alteração ocorre nas fases cristalinas até 1000 ºC. A 1100 ºC, mulita e alumina-a sgo detectadas. Este tipo de mulita, conforme já mencionado, é proveniente da decomposição da metacaulinita. Já a alumina-a aparece de acordo com a seguinte seqüência: gibsita : alumina-c : alumina-k : alumina-a [15]. A menor intensidade de pico de fases cristalinas identificadas na "fração argila", Fig. 9, em comparação com a "fração total", Fig. 8, é um indicativo de maior formação de fase amorfa, devido à ausência de quartzo e elevada reatividade das partículas, da "fração argila".

 

CONCLUSÕES

O trabalho de caracterização e avaliação do comportamento de queima da fração de partículas < 2 µm de uma argila caulinítica de Campos dos Goytacazes permitiu concluir que: a "fração argila", < 2 µm, é composta de caulinita, haloisita, mineral micáceo e hidróxidos de ferro e de alumínio. A única diferença na mineralogia em comparação com a "fração total", < 840 µm, é a ausência de quartzo; a "fração argila" apresenta um início de sinterização em temperaturas mais baixas em comparação com a "fração total", acarretando maior retração linear; devido ao tamanho reduzido das partículas e predomínio de minerais argilosos, a "fração argila" é a principal responsável pela consolidação das partículas de uma argila na etapa de queima.

 

AGRADECIMENTOS

Ao CNPq, CAPES, FAPERJ e Tecnorte/Fenorte o apoio concedido a esta pesquisa na forma de auxílio e bolsas.

 

REFERÊNCIAS

[1] R. E. Grim, Am. Ceram. Soc. Bull. 44 (1965) 687.        [ Links ]

[2] A. G. Verduch, Bol. Soc. Esp. Ceram. Vidr. 24 (1985) 395.        [ Links ]

[3] P. S. Santos, Ciência e Tecnologia das Argilas, vol 1, 2ª Ed., Edgard Blücher, S. Paulo (1989) 3-4.        [ Links ]

[4] W. C. Lawrence, J. Am. Ceram Soc. 41 (1958) 147.        [ Links ]

[5] M. F. Abajo, Moldeo por Extrusión de los Productos Cerámicos de Construcción, Manual sobre Fabricación de Baldosas, Tejas y Ladrillos, Beralmar S. A., Barcelona (2000) 125.         [ Links ]

[6] S. N. Monteiro, C. M. F. Vieira, Ceram. Int. 30, 3 (2004) 381.        [ Links ]

[7] M. Dondi, G. Guarini, M. Raimondo, Tile & Brick Int. 15 (1999) 176.        [ Links ]

[8] M. M. Jordán, A. Boix, T. Sanfeliu, C. de la Fuente, Appl. Clay Sci. 14 (1999) 225.        [ Links ]

[9] G. Cultrone, E. Sebastián, K. Elert, M. J. de la Torre, O. Cazalla, C. Rodríguez-Navarro, J. Eur. Ceram. Soc. 24 (2004) 547.        [ Links ]

[10] M. Hajjaji, S. Kacim, M. Boulmane, Appl. Clay Sci. 21 (2002) 203         [ Links ]

[11] Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Determinação da Análise Granulométrica dos solos, NBR-7181-84 (1984).        [ Links ]

[12] K. Okada, N. Otsuda, J. Osaka, J. Am. Ceram. Soc. 69 (1986) C-251.        [ Links ]

[13] B. Sonuparlak, M. Sarikaya, I. A. Aksay, J. Am. Ceram. Soc. 70 (1987) 837.        [ Links ]

[14] W. M. Carty, U. Senapati, J. Am. Ceram. Soc. 81 (1998) 3.        [ Links ]

[15] Alcoa, Oxides and Hydroxides of Aluminum, Alcoa Technical Paper n. 19 (1987).        [ Links ]

 

 

(Rec. 15/05/2006, Ac. 18/05/2007)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License