SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue329EditorialDecrease of the susceptibility to pyroplastic deformation of clays of Santa Gertrude’s region through addition of other raw materials author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cerâmica

Print version ISSN 0366-6913On-line version ISSN 1678-4553

Cerâmica vol.54 no.329 São Paulo Jan./Mar. 2008

https://doi.org/10.1590/S0366-69132008000100002 

Concretos refratários engenheirados com expansão controlada para panelas de siderurgia

 

Engineered refractory castables with controlled expansion for molten steel ladles

 

 

M. A. L. BraulioI; D. H. MilanezI; E. Y. SakoI; M. A. M. BritoII; L. R. M. BittencourtII; V. C. PandolfelliI

IGrupo de Engenharia de Microestrutura de Materiais - GEMM, Departamento de Engenharia de Materiais, Universidade Federal de S. Carlos, Rod. Washington Luiz, km 235, C.P. 676, S. Carlos, SP 13565-905, vicpando@power.ufscar.br
IIMagnesita S.A., Centro de Pesquisas e Desenvolvimento - CPqD, Praça Louis Ensch, 240, Contagem, MG

 

 


RESUMO

A seleção de revestimentos refratários para a siderurgia é dependente de fatores termodinâmicos e microestruturais. O emprego de óxidos termodinamicamente estáveis, como a alumina e a magnésia, é fundamental para o aumento de vida útil do produto, por meio da melhoria na resistência à corrosão. Em temperaturas elevadas, estes óxidos reagem entre si, resultando na formação de espinélio, um composto quimicamente adequado para o contato com escórias agressivas. Apesar desta vantagem, um extenso controle da espinelização in-situ é necessário, uma vez que esta reação possui caráter expansivo, podendo danificar a integridade estrutural do material. Deste modo, o objetivo deste trabalho é a análise do efeito das matérias-primas que constituem a matriz de concretos espinelizados sob a expansão residual resultante. Por meio deste estudo, concretos com microestruturas engenheiradas podem ser projetados, associando benefícios como elevada resistência à corrosão, devido à presença de espinélio, e tenacificação do sistema, decorrente de um estado de compressão gerado no revestimento da panela relacionado à expansão obtida em um espaço constrito. Sendo assim, concretos refratários adequados para esta aplicação podem ser produzidos, possibilitando vantagens econômicas associadas a um superior desempenho do revestimento refratário.

Palavras-chave: concreto refratário, espinélio, expansão.


ABSTRACT

Thermodynamics and microstructural analysis are of utmost importance to choose the best refractory lining for molten steel containers. In order to extend ladle lining life, thermodynamically stable oxides, such as alumina and magnesia, are essential. At higher temperatures, the in-situ reaction between these two oxides leads to the formation of spinel, which has an outstanding corrosion resistance. Due to this reaction, alumina-magnesia castables are liable to a great volume expansion. Because of this, controlling the spinel formation is fundamental to keep the integrity of the material. The extent to which this reaction affects the properties of these castables depends on the matrix raw materials. Considering this aspect, the aim of this study is to design a residual expansion based on previously engineered microstructure. Consequently, the association of chemical resistance and an excellent toughening mechanism can be attained, resulting in materials with better performance.

Keywords: refractory castables, spinel, expansion.


 

 

INTRODUÇÃO

Os revestimentos refratários das panelas de siderurgia estão expostos ao ambiente severo do processo de refinaria secundária, que envolve elevadas temperaturas, escórias agressivas e elevados tempos de residência [1]. Neste contexto, destacam-se os concretos do sistema alumina-magnésia, as quais apresentam uma característica particular que é a formação de espinélio in-situ em temperaturas superiores a 1000 ºC. O espinélio (MgAl2O4) possui uma excelente combinação de propriedades, como elevada refratariedade, resistência mecânica e resistência à corrosão.

No entanto, a formação de espinélio na matriz do concreto é acompanhada por uma expansão volumétrica, podendo comprometer estruturalmente o material. O efeito final da expansão volumétrica é dependente das matérias-primas da matriz deste concreto, composta por aluminas reativas, microssílica, magnésia e agentes ligantes. Parâmetros como tamanho de grão, área superficial, pureza e teor adicionado apresentam um forte efeito no comportamento de expansão deste material.

Considerando-se tais aspectos, o objetivo principal deste trabalho é garantir uma espinelização in-situ controlada durante a sinterização, por meio da engenharia de microestrutura do concreto. Deste modo, pode-se aproveitar as vantagens decorrentes da espinelização, contribuindo para a melhoria do desempenho e eficiência destes materiais quando aplicados na indústria siderúrgica.

Produção de concretos espinelizados

Os concretos refratários são usualmente constituídos de agregados, partículas finas (matriz), agentes ligantes e aditivos químicos. Para estes materiais, existem duas rotas distintas para a incorporação do espinélio. A primeira abordagem consiste na adição de espinélios pré-formados, como agregados ou na matriz do concreto. A segunda técnica é a de obtenção da espinelização in-situ, onde a magnésia e a alumina são acrescentadas à matriz e o espinélio é formado em temperaturas entre 1000 e 1500 ºC [2].

As principais vantagens do uso de espinélios pré-formados se relacionam à presença desta fase em temperaturas inferiores às de sua obtenção e à ausência de expansão decorrente da sua formação in-situ. No entanto, o processo de pré-espinelização apresenta um consumo considerável de energia, o que resulta em elevado custo, além de seu desempenho termo-mecânico não ser tão eficiente quanto aquele gerado in-situ. Na espinelização in-situ, as dificuldades encontradas se referem justamente aos problemas de expansão, sejam eles decorrentes da hidratação da magnésia ou mesmo da reação de espinelização. A vantagem é a geração de um espinélio finamente disperso por toda a matriz do concreto aumentando a resistência à penetração de escórias. Adicionalmente, a expansão proveniente da formação de espinélio propicia a tenacificação e densificação do material, melhorando o desempenho do material.

Com relação aos componentes da matriz (partículas finas) de concretos espinelizados in-situ são usualmente empregadas aluminas reativas, magnésias e microssílica. Nestes sistemas, os agentes ligantes mais importantes são os cimentos de aluminato de cálcio. Estas matérias-primas influenciam significativamente na reação de espinelização, alterando o resultado residual de expansão volumétrica.

Concretos refratários espinelizados in-situ

A espinelização in-situ é um fenômeno dependente da temperatura e do teor de magnésia presente. A temperatura inicial de formação do MgAl2O4, usando-se partículas precursoras micrométricas, é de aproximadamente 1000 ºC e sua geração aumenta significativamente com a elevação da temperatura para 1200-1400 ºC. O teor de magnésia também influencia no comportamento de expansão térmica deste tipo de concreto: quanto maior a quantidade de MgO presente, maior o teor de espinélio formado, o que resulta normalmente em maior expansão linear permanente, como mostra a Fig. 1 [3].

 

 

Outra questão importante se relaciona ao efeito do tamanho de grão da magnésia na espinelização: quanto maior o tamanho do MgO utilizado, maior é a variação linear permanente (Fig. 2) e maior a porosidade aparente do sistema [3]. Este fato é atribuído aos distintos coeficientes de expansão térmica da magnésia e da alumina e também à distribuição não uniforme do espinélio no concreto.

 

 

Adicionalmente, a pureza química e os outros componentes que constituem os grãos de MgO (como o CaO e a SiO2) também interferem na formação de espinélio. Conforme observado por Soudier, a utilização de uma magnésia de elevada área superficial implica em uma maior hidratação e aumento da atividade química da magnésia, resultando em uma formação mais rápida de espinélio. A Tabela I apresenta o efeito da maior formação de brucita em magnésias mais puras e com maior razão CaO/SiO2 [4].

 

 

Deste modo, parece coerente que o uso de magnésias mais grosseiras pode solucionar os problemas decorrentes de uma hidratação excessiva, já que esta é um fenômeno superficial. No entanto, é importante ressaltar que esta opção pode reduzir a quantidade de espinélio formado, além de poder gerar resultados deletérios, como uma maior expansão volumétrica ou micro-trincamento excessivo do concreto devido ao elevado coeficiente de expansão térmica da magnésia [4].

Outro aspecto que contribui para a expansão do sistema alumina-magnésia é a presença de cimentos de aluminato de cálcio. Além da espinelização, uma fase adicional que ocorre em alta temperatura é o CaO-6Al2O3 (CA6), devido a reação entre a alumina e a cálcia. Experimentalmente, verificou-se em concretos espinelizados in-situ que os cristais de CA6 formados penetram no interior dos grãos de aluminas tabulares. Em concretos aluminosos (sem espinélio), também são encontrados cristais de CA6, porém estes são menos interligados aos grãos e maiores em tamanho. Condições de processamento, como a temperatura de cura do concreto, influenciam no tamanho de cristal formado e nas propriedades físicas do produto [5].

Em concretos alumina-magnésia, os cristais de CA6 se formam tanto ao redor dos grãos como na matriz do concreto em temperaturas superiores a 1400 ºC. Adicionalmente, o CA6 pode ser encontrado no interior dos poros dos grãos de aluminas, devido a um rápido processo de difusão pelos contornos de grãos ou por um processo de transporte por vapor [5]. Com a elevação da temperatura para 1500 ºC, os cristais de CA6 são responsáveis por um mecanismo de ruptura dos grãos de alumina tabular (Fig. 3), causada por uma extensiva penetração no interior dos grãos de alumina.

 

 

Embora a formação de CA6 possibilite a melhoria de algumas propriedades, como a resistência à corrosão e a resistência ao choque térmico, sua obtenção deve ser controlada, uma vez que pode gerar um trincamento excessivo, resultando na redução da resistência à penetração por escória e da resistência mecânica. Neste sentido, o controle do teor de cimento da composição torna-se uma variável importante para a otimização das formulações.

Outra matéria-prima que interfere nas propriedades de concretos alumina-magnésia é a microssílica, adicionada com a finalidade de gerar uma pequena quantidade de fase líquida para acomodar a formação de espinélio [6]. Apesar de ser utilizada em pequenas quantidades (normalmente, menos do que 1%-p), é grande o seu efeito nas propriedades dos concretos, especialmente na fluência, já que em temperaturas elevadas, fases de baixa refratariedade no sistema CaO-MgO-Al2O3-SiO2 (CMAS) são formadas. A razão CaO/SiO2 é um fator importante na determinação do teor e viscosidade do líquido formado, bem como na resistência mecânica a quente e resistência à fluência dos concretos refratários. O sistema ternário Al2O3-MgO-CaO, por outro lado, apresenta elevada refratariedade, devido às altas temperaturas dos pontos invariantes do diagrama [7].

A formação de fase líquida colabora também para a aceleração das reações de espinelização e formação de CA6. Observações experimentais em concretos alumina-magnésia ligados por cimento, por exemplo, indicam o crescimento de cristais aciculares de CA6 apenas em composições contendo microssílica (0,75%-p) contribuindo para a evolução das reações em altas temperaturas [8].

Sendo assim, diante da grande quantidade de variáveis que interferem na espinelização, a análise do efeito das matérias primas é de fundamental importância para se projetar a microestrutura desejada e se atingir as propriedades adequadas. Embora a literatura tenha abordado alguns aspectos relacionados à expansão, não é conhecida a origem dos concretos produzidos e seu processamento, o que dificulta a conclusão sobre a influência das matérias-primas na expansão. Deste modo, o presente trabalho visa isolar as variáveis microestruturais, para se atingir uma expansão engenheirada e controlada, contribuindo para o aumento de vida útil deste tipo de concreto e aumento de produtividade do setor siderúrgico.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

Neste trabalho, foram utilizados como agregados aluminas tabulares da Almatis-EUA, nas frações granulométricas na faixa de 6 a 0,2 mm.

A matriz dos concretos foi projetada com o uso de sínteres de magnésia (Magnesita S.A., Brasil), alumina reativa CL370 (D50=2,9 µm, Almatis, EUA) e microssílica 971 U (D50=0,2 µm, Elkem Materials, Noruega). Com relação aos sínteres de magnésia, foram escolhidos tamanhos granulométricos distintos (<45 µm e <100 µm) e diferentes purezas (95%-p e 98%-p de MgO). O ligante escolhido foi o cimento de aluminato de cálcio Secar 71 (Kerneos, França). Um policarboxiliato foi empregado como dispersante.

Foram projetadas formulações com coeficientes de empacotamento de partículas igual a 0,26 e 0,31 utilizando-se o modelo de Alfred [9]. Para auxiliar no projeto das formulações foi utilizado um software desenvolvido em parceria entre o grupo de pesquisa GEMM/DEMa/UFSCar e a Alcoa Alumínio S.A.. Os concretos foram elaborados com teores de água que garantem uma fluidez mínima inicial sobre vibração de 80%, garantindo-se uma moldagem adequada.

Para análise da espinelização in-situ foram utilizados os seguintes ensaios: flexão em três pontos para avaliação da resistência mecânica residual e medida da variação linear dimensional após queimas por cinco horas nas temperaturas de 1150, 1300 e 1500 ºC. Adicionalmente, foi utilizado o ensaio de expansão térmica em um equipamento Netzsch RUL 421E.

A análise das propriedades mecânicas por meio do ensaio de flexão 3 pontos (MTS Systems Corp., modelo 810, EUA) foi realizada em corpos de prova na forma de barras (25 mm x 25 mm x 150 mm). A taxa de aplicação de carga foi de 24,9 N/s e o módulo de ruptura foi obtido por:

onde, Pmáx é a força de ruptura (N), b é a largura do corpo de prova (mm), h é a altura do corpo de prova (mm) e L é a distância entre os dois apoios (mm).

A medida da variação linear dimensional (VLD) residual do material também foi efetuada em amostras na forma de barras (25 mm x 25 mm x 150 mm). O cálculo da VLD é obtido por meio da medida do comprimento inicial da barra (antes da sinterização) - Li - e do comprimento final da amostra (após sinterização) - Lf:

O acompanhamento da espinelização in-situ foi realizado pela análise da variação linear observada no ensaio expansão térmica, utilizando-se o resultado gerado pelo equipamento modelo RUL 421E, da Netzsch. Foram preparadas amostras cilíndricas (h=d=50 mm) com um furo central de 12,4 mm. O ensaio foi efetuado a uma taxa de 3 ºC/min até a temperatura de 1500 ºC, sob carga compressiva de 0,02 MPa. As amostras permaneceram nesta temperatura por um intervalo de 5 h. Os testes foram realizados em amostras verdes (pré-calcinadas a 600 ºC por 5 h), visando-se o estudo da formação de espinélio in-situ e sinterização do material.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O primeiro aspecto avaliado no concreto alumina-magnésia foi a variação do teor de cimento. Para tal, foram projetadas composições contendo 2, 4 e 6%-p deste material. Conforme a Fig. 4 é evidente a contribuição da presença de cimento na expansão resultante. A maior expansão para o concreto com maior teor de cimento é atribuída à formação de CA6. Como pode ser avaliada na Fig. 5, a taxa de variação dimensional aumenta significativamente em aproximadamente 1200 °C, associado ao fenômeno de espinelização. Já em 1500 °C, percebe-se uma maior taxa de variação linear com o aumento do teor de cimento, relacionada à formação de CA6. Devido à expansão excessiva, a resistência mecânica do concreto com 6%-p de cimento foi inferior à do concreto com baixo teor de cimento, ilustrado na Fig. 6.

 

 

 

 

 

 

Outro parâmetro que interfere na expansão é o tipo de magnésia adicionado. O tamanho de grão influencia no valor resultante de expansão, sendo que o aumento do tamanho de grão resulta em maior expansão, como mostra a Fig. 7. Evidentemente, esta expansão exagerada ocasiona um prejuízo na resistência mecânica do concreto, devido a um microtrincamento excessivo (Fig. 8). Tal resultado comprovou aqueles obtidos na literatura. [3].

 

 

 

 

Além do tamanho de grão, a pureza da magnésia também altera o comportamento do concreto com relação à expansão. Maiores purezas implicam em maiores teores de espinélio e, conseqüentemente, resultam em maior expansão. A Fig. 9 ilustra tal comportamento, indicando que o controle químico do tipo de magnésia utilizada pode auxiliar na obtenção da expansão resultante desejada. Novamente, a maior expansão gerada pelo sínter de maior pureza resulta em maior dano à resistência mecânica (Fig. 10).

 

 

 

 

Adicionalmente, a espinelização in-situ (e a expansão residual) é dependente da presença de microssílica. Esta matéria-prima age de forma particular nos diferentes tipos de concretos estudados. Por exemplo, no sínter mais grosseiro (<100 µm) a retirada da microssílica possibilita a redução da expansão volumétrica final, como indica a Fig. 11. Sendo assim, a microssílica deve ser analisada de forma cautelosa, uma vez que interfere no resultado final de expansão e nas propriedades mecânicas a quente.

 

 

CONCLUSÕES

Os componentes da matriz de concretos alumina-magnésia interferem significativamente na expansão resultante da espinelização in-situ. Primeiramente, a presença de cimento de aluminato de cálcio contribui com a expansão resultante, devido à formação de CA6. Sendo assim, cuidados com o teor de cimento possibilitam o controle da expansão volumétrica.

Outra maneira de engenheirar a expansão é a avaliação do tipo de magnésia adicionada. Tanto o tamanho de grão quanto a pureza da magnésia influenciam na expansão do sistema, sendo a análise destes aspectos fundamental para se atingir as propriedades finais desejadas.

Adicionalmente, a microssílica é uma matéria-prima da matriz que altera de forma particular a expansão do sistema. No presente estudo, sua adição resultou em maior expansão volumétrica, indicando a possibilidade de alteração das propriedades do concreto por meio do controle do teor de microssílica.

Sendo assim, o conhecimento destes parâmetros e de seus efeitos nas propriedades do concreto é fundamental para a busca de uma expansão controlada que permita a tenacificação do sistema em ambientes constritos. Deste modo, materiais de elevados desempenhos podem ser obtidos, levando ao aumento de vida útil e maior produtividade de panelas para o refino secundário de aço.

 

AGRADECIMENTOS

À FAPESP, ao CNPq e à Magnesita S.A. pelo apoio para realização deste trabalho.

 

REFERÊNCIAS

[1] S. Mukhopadhyay, P. K. Das Poddar, Ceram. Int. 30 (2003) 369.         [ Links ]

[2] T. A. Bier, C. Parr, C. Revais, Proc. ALAFAR'97, San Juan, EUA (1997).         [ Links ]

[3] K. Ide, T. Suzuki, K. Asano, T. Nishi, T. Isobe, H. Ichikawa, J. Techn. Assoc. Refract. 25 (2005) 202.         [ Links ]

[4] J. Soudier, Proc. Unified Int. Conf. Refract., Orlando, EUA (2005).         [ Links ]

[5] M. Fuhrer, A. Hey, W. E. Lee, J. Eur. Ceram. Soc. 18 (1998) 813.         [ Links ]

[6] B. Myhre, B. Sandberg, A. M. Hundere, Proc. ALAFAR'97, San Juan, EUA (1997).         [ Links ]

[7] H. Sarpoolaky, K. G. Ahari, W. E. Lee, Ceram. Int. 28 (2002) 487.         [ Links ]

[8] S. K. Chen, M. Y. Cheng, S. J. Lin, Y. C. Ko, Ceram. Int. 28 (2002) 811.         [ Links ]

[9] I. R. Oliveira, A. R. Studart, R. G. Pileggi, V. C. Pandolfelli, Dispersão e empacotamento de partículas - princípios e aplicações em processamento cerâmico, Fazendo Arte Editorial, S. Paulo, SP (2000) 119.         [ Links ]

 

 

(Rec. 02/05/2007, Ac. 15/06/2007)

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License