SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue330Development of ceramic tile bodies with kaolinitic clay and nepheline-syeniteStudy of oxidation in liquid phase sintered silicon carbide with addition of aluminum nitride and yttrium oxide author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

Share


Cerâmica

Print version ISSN 0366-6913

Cerâmica vol.54 no.330 São Paulo Apr./June 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S0366-69132008000200009 

Síntese e caracterização de óxido hidróxido de manganês do tipo manganita (γ -MnOOH)

 

Synthesis and characterization of manganese oxyhydroxide manganite (γ -MnOOH) type

 

 

B. A. M. Figueira; R. S. Angélica; T. Scheller

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará - UFPA, C.P. 8608, Belém, PA 66075-110, brunoufpa@yahoo.com

 

 


RESUMO

Óxido hidróxido de manganês (γ - MnOOH) do tipo da manganita foi sintetizado por uma rota simples, em que a chave precursora K-birnessita foi preparada pelo método sol-gel. O tratamento hidrotermal da estrutura lamelar do tipo da birnessita favorece a obtenção de estruturas em túnel, sendo que o tamanho destes túneis depende das condições empregadas na síntese (pH, temperatura e tempo). A comprovação da formação de manganita sob as condições de síntese empregadas foi verificada pelas técnicas de difração de raios X, microscopia eletrônica de varredura, análises termogravimétrica e térmica diferencial e espectroscopia de infravermelho.

Palavras-chave: manganita, birnessita, síntese.


ABSTRACT

Manganese oxyhydroxide (g - MnOOH) of the manganite type has been synthesized by a simple route with K-birnessite prepared by the sol-gel method. The hydrothermal treatment of the lamellar birnessite type structure facilitates the formation of tunnel structures where the size of the tunnels depends on the synthesis conditions (pH, temperature and time). The evidence of manganite formation under the synthesis conditions were made by X-ray diffraction, scanning electron microscopy, thermogravimetry, differential thermal analysis and infrared spectroscopy.

Keywords: manganite, birnessite, synthesis.


 

 

INTRODUÇÃO

Óxidos de manganês com estruturas em túnel e camada constituem uma larga família de materiais porosos, com as estruturas construídas através de unidades octaédricas MnO6 compartilhadas pelos vértices e/ou arestas. Devido às características de multivalência do estado de oxidação do Mn (2+, 3+, 4+) e diversidade estrutural, estes materiais apresentam propriedades importantes que há algum tempo vem sendo estudadas por pesquisadores da área de ciências de materiais interessados em novas estruturas e propriedades. Dentre essas propriedades merecem destaque: alto poder de adsorção, troca catiônica, peneira molecular, peneira iônica e catálise [1, 2].

Apesar de existirem abundantemente na natureza, um dos obstáculos da utilização de óxidos de Mn advindos de ocorrências naturais é que, além de conter impurezas, sua composição estrutural e elementar pode apresentar variações de acordo com a localidade de origem. Como resultado desta diversidade, temos a obtenção de propriedades pouco uniformes e irreprodutíveis, logo, à obtenção desses materiais pela via sintética se mostra mais importante e viável [3, 4].

Das várias estruturas em túnel de óxidos de manganês existentes, destaca-se neste trabalho a estrutura em túnel tipo manganita, um óxido hidróxido de manganês. Na manganita (γ-MnOOH), cadeias simples de octaedros de Mn3+(O,OH)6 compartilhados pelos vértices se interligam para formar uma estrutura em túnel (1x1), isomorfa a pirolusita (β-MnO2), normalmente com estado de oxidação do manganês 3+ e substituição parcial do oxigênio por hidroxilas gerando uma distorção na estrutura (efeito de Jahn-Teller), como ilustrado na Fig. 1 [1, 2, 5, 6]. Diferentemente, a pirolusita não tem substituição do oxigênio e o estado de oxidação do manganês é 4+. De acordo com a literatura, não há presença de cátions além de hidrogênio nos túneis [1, 6]. A manganita cristaliza no sistema monoclínico, com grupo espacial P21/c [6]. Na natureza, a manganita ocorre preferencialmente em veios de depósitos hidrotermais como cristais aciculares e prismáticos ou produtos de alteração de outros minerais de manganês [1]. O interesse na obtenção de manganita está na sua aplicação em adsorção/co-adsorção de metais de transição como zinco, cobalto, cromo e cádmio; são também amplamente utilizados em baterias, materiais magnéticos e catalíticos [7-15].

 

 

Há várias rotas de obtenção de manganita, dentre as quais podem ser citadas: síntese pela oxidação de Mn2+ (MnSO4) com 30% de H2O2 e precipitação forçada na presença de 0,2 NH3 [16]; método hidrotermal de KMnO4 e hidróxido de tetrametil amônio como reagentes, aquecidos a 170 ºC por 4 dias [17]; reação do surfactante catiônico brometo de cetiltrimetilamônio (CTAB) aquecidos a 120 ºC por 72 h em autoclave [18], reação do CTAB com MnSO4 e adição posterior de etilamina [19]; síntese através da reação entre KMnO4 e etanol sob condição hidrotermal com variação de temperatura e tempo de reação [15].

Diferentes caminhos de síntese são desejáveis já que geram materiais com diferentes propriedades, como variação no tamanho de partículas e defeitos estruturais, proporcionando novos materiais com distintas propriedades catalíticas e eletroquímicas [20].

Este trabalho apresenta a síntese e caracterização da estrutura em túnel 1x1 do tipo manganita, que foi obtida, baseando-se na síntese de pirolusita [21]. Foram ainda realizadas variações dos parâmetros de síntese [21], tais como estrutura com cátions K+ entre as lamelas de birnessita, tempo, pH e temperatura.

 

EXPERIMENTAL

O material lamelar de óxido de manganês do tipo K-birnessita foi preparado pelo método sol-gel [22]. Foram adicionados 50 mL da solução de KMnO4 0,38 M a uma solução de sacarose 1,4 M, resultando em uma rápida reação exotérmica com formação de um gel de cor marrom, em 45 s. O gel obtido foi deixado em repouso por 2 h e neste tempo a água foi periodicamente drenada por 20 min, visto que o gel é sujeito a sineresis. O gel foi deixado em estufa a 110 ºC por 24 h para obtenção de um xerogel marrom. A calcinação deste xerogel por 2 h a 400 ºC produziu um material cinza-preto, que foi lavado e secado a 70 ºC por 2 h.

A manganita foi preparada por tratamento hidrotermal da K-birnessita obtida anteriormente. Uma quantidade de 0,5 g de K-birnessita foi autoclavada em 20 mL de uma solução tampão de pH 4,5 a 165 ºC por 5 dias sob pressão autogênica.

Para verificar a formação de manganita e suas propriedades estruturais, utilizaram-se as técnicas de difração de raios X, análise térmica (ATD/TG), espectroscopia de infravermelho e microscopia eletrônica de varredura.

Os difratogramas dos produtos sintetizados foram obtidos em equipamento Philips PW1050, a 45 kV e 35 mA, com radiação Cu-Kα (1,54060 Ǻ), filtro de Ni, passo de 2θ = 1º/min, com varredura 2θ de 10º a 65º. Os difratogramas foram identificados com base nos padrões PDF-ICDD.

As curvas de análise térmica foram obtidas em um termoanalisador Thermal Sciences PL, com cadinho de alumina com 10 mg de amostra, com varredura na faixa de temperatura ambiente até 1000 ºC, e velocidade de aquecimentos 20 ºC/min sob atmosfera estática.

Na obtenção do espectro FTIR foi utilizada uma pastilha prensada a vácuo contendo 0,2 g de KBr e 0,0013 g de amostra pulverizada e um espectrômetro de absorção molecular na região IV com transformada de Fourier, Perkin Elmer FTIR 1760X, na região 4000-400 cm-1 com resolução 4 cm-1.

A morfologia do material sintetizado foi obtida através do microscópio eletrônico Zeiss LEO 1430. A metalização foi feita com equipamento Emitech K550, uma película de ouro de espessura media 15 nm sobre as amostras. As imagens foram geradas por elétrons secundários, com 20 kV, e registradas em alta resolução.

 

RESULTAÇÕES E DISCUSSÃO

Na Fig. 2 são apresentados os difratogramas de raios X das amostras sintetizadas antes e depois do tratamento hidrotermal. A Fig. 2a mostra a formação da fase lamelar do tipo birnessita, com estrutura monoclínica e grupo espacial C2/m característica da birnessita sintética [23, 24]. Os picos diagnósticos de birnessita estão em 7,19 e 3,59 Å, relacionados ao espaçamento basal das ordens (001) e (002). O alargamento dos picos (causado pelo desordenamento estrutural) revela o baixo grau de cristalinidade do material sintetizado. Na Fig. 2b pode-se observar a completa transformação da fase do tipo birnessita para manganita (PDF 88-0649), com ausência de outras fases.

 

 

A Tabela I apresenta os dados de difração de raios X da manganita (PDF 88-0649) e a ficha do padrão de difração de raios X das fases identificadas, para comparação.

 

 

A Fig. 3 apresenta as curvas de análise termogravimétrica (TG) e térmica diferencial (ATD) da amostra referente à fase γ-MnOOH [25, 26]. Na curva termogravimétrica verifica-se uma perda inicial de massa de 10,8% entre 350 e 400 ºC. Neste mesmo intervalo, na curva de ATD aparece um pico endotérmico próximo a 370 ºC, relacionado à reação de oxidação de γ-MnOOH e formação de fase β-MnO2 (pirolusita), segundo a equação A . Uma segunda perda de massa em torno de 1,3% é verificada na faixa 530-630 ºC com a presença de um pequeno pico endotérmico neste mesmo intervalo referente à transformação da fase β-MnO2 para Mn2O3, segundo a equação B. E finalmente um terceiro pico é observado na faixa 740-820 ºC, que corresponde à reação de transformação de Mn2O3 para Mn3O4 (equação C) com perda de peso de 1,7% na curva TG [25, 26].

 

 

O espectro IV (Fig. 4) apresenta bandas de vibração de Mn2+-O de MnO6 a 592, 489 e 445 cm-1. Posteriormente, são observados picos a 1083, 1117, 1149 cm-1 que são atribuídos aos modos de vibração do estiramento-OH para γ - OH, δ - 2 -OH e δ1-OH, respectivamente. O pico largo em 2631 cm-1 representa o estiramento -OH da banda de hidrogênio com um comprimento O-H....O em torno de 2,60 Å [3]. O pico a 2054 cm-1 é atribuído ao estiramento OH da estrutura [6, 15].

 

 

A micrografia da manganita, obtida por microscopia eletrônica de varredura, mostra uma diferença microestrutural com o composto lamelar, K-birnessita, seu precursor. Enquanto que para a K-birnessita a morfologia se apresenta como cristais aciculares dispostos não uniformemente (Fig. 5c), observa-se para a manganita uma microestrutura composta de aglomerados de agulhas dispostos numa superfície não-planar (Figs. 5a e 5b), característica que está de acordo com dados obtidos de manganita apesar do método ser diferente [25]. Fazendo uma análise qualitativa do tamanho dos cristais (Figs. 5a, 5b e 5c), observa-se que o tamanho dos cristais mais desenvolvidos não ultrapassa 10 µm.

 



 

CONCLUSÃO

O método proposto de obtenção de manganita por tratamento hidrotermal de birnessita se mostrou adequado, baseando-se na sua simplicidade e reprodutibilidade. Não foram observadas outras fases (impurezas) de acordo com as técnicas empregadas, o que permite a sua aplicação em adsorção e catálise. A análise térmica e de infravermelho comprovaram a presença de manganita; no entanto, a pirolusita, sua estrutura isomorfa, não foi encontrada. Analisando as micrografias obtidas por microscopia eletrônica de varredura, observou-se uma mudança de morfologia, indicando que o tratamento hidrotermal aplicado modificou a forma original do produto lamelar.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica do Instituto de Geociências da UFPA, onde esse trabalho foi realizado na forma de uma Dissertação de Mestrado, e ao CNPq pelo suporte financeiro (Bolsa de Mestrado ao primeiro autor e de produtividade em pesquisa ao segundo).

 

REFERÊNCIAS

[1] J. E. Post, Proc. Natl. Acad. Sci. 96, 7 (1999) 3447.         [ Links ]

[2] Q. Feng, H. Kanoh, K. Ooi, J. Mater. Chem. 9, 2 (1999) 319.         [ Links ]

[3] S. L. Suib, M. Aindow, J. C. Hanson, Y-S. Ding, X-F. Shen, J. Am. Chem. Soc. 128, 14 (2006) 4570.         [ Links ]

[4] X. Wang, Y. Li, J. Chem. Eur. 9, 1 (2003) 300.         [ Links ]

[5] S. Fritsch, J. E. Post, A. Navrotsky, Geochim. Cosmochim. Acta 61, 13 (1997) 2613.         [ Links ]

[6] T. Kohler, T. Armbruster, E. Libowitzky, J. Solid State Chem. 133, 2 (1997) 486.         [ Links ]

[7] G. Pan, Y. Qin, X. Li, T. Hu, Z. Wu, Y. Xie, J. Colloid Interface Sci. 271, 1 (2004) 28.         [ Links ]

[8] R. M. McKenzie, Geoderma 8, 1 (1971) 29.         [ Links ]

[9] C. A. Johnson, A. G. Xyla, Geochim. Cosmochim. Acta 55, 10 (1991) 2861.         [ Links ]

[10] R. M. Weaver, M. F. Hochella, E. S. Ilton, Geochim. Cosmochim. Acta 66, 23 (2002) 4119.         [ Links ]

[11] M. Ramstedt, C. Norgren, A. Shchukarev, S. Sjöberg, J. Colloid Interface Sci. 285, 2 (2005) 493.         [ Links ]

[12] S. H. Kim, S. J. Kim, S. M. Oh, Chem. Mater. 11 (1999) 557 -563.         [ Links ]

[13] G. H. Lee, S. H. Huh, J. W. Jeong, B. J. Choi, S. H. Kim, H-C. Ri, J. Am. Chem. Soc. 124 (2002) 12094-12095.         [ Links ]

[14] J. Li, Y. J. Wang, B. S. Zou, X. C. Wu, J. G. Lin, L. Guo, Q. S. Li, Appl. Phys. Lett. 70 (1997) 3047-3049.         [ Links ]

[15] W. Zhang, Z. Yang, Y. Liu, S. Tang, X. Han, M. Chen, J. Crystal Growth 263 (2004) 394-399.         [ Links ]

[16] R. Giovanoli, U. Leuenberger, Helv. Chim. Acta 52 (1969) 2333-2347.         [ Links ]

[17] P. K. Sharma, M. S. Whittingham, Mater. Lett. 48 (2001) 319-323.         [ Links ]

[18] X. Sun, C. Ma, Y. Wang, H. Li, Inorg. Chem. Comm. 5 (2002) 747-750.         [ Links ]

[19] X. Sun, X. Kong, Y. Wang, C. Ma, F. Cui, H. Li, Mater. Sci. Eng. 26 (2006) 653-656.         [ Links ]

[20] S. L. Suib, S. L. Brock, N. Duan, Z. R. Tian, O. Giraldo, H. Zhou, Chem. Mater. 10 (1998) 2619-2628.         [ Links ]

[21] S. L. Suib, X. F. Shen, Y. S. Ding, J. Liu, J. Cai, K. Laubernds, R. P. Zerger, A. Vasiliev, M. Aindow, Adv. Mater. 17 (2005) 805-809.         [ Links ]

[22] S. Ching, D. J. Petrovay, M. T. Jorgensen, S. L. Suib, Inorg. Chem. 36 (1997) 883-890.         [ Links ]

[23] V. A. Drits, B. Lanson, A. I. Gorshkov, A. Manceau, Am. Miner. 83 (1998) 97-118.         [ Links ]

[24] J. E. Post, D. R. Veblen, Am. Miner. 75 (1990) 477-489.         [ Links ]

[25] B. Folch, J. Larionova, Y. Guari, C. Guérin, C. Reibel, J. Solid State Chem. 178 (2005) 2368-2375.         [ Links ]

[26] D. L. Bish, J. E. Post, Thermal behavior of complex, tunnel-structure manganese oxides, Am. Miner. 74 (1989) 177-186.         [ Links ]

 

 

(Rec. 02/08/2007, Rev. 07/11/2007, Ac. 14/12/2007)