SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.56 número340Production of ceramic sealing blocks with incorporation of sludge from industrial laundryGrog incorporation in ceramic mass to manufacture of bricks: a study of the physical-mechanical properties índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Cerâmica

versión impresa ISSN 0366-6913

Cerâmica vol.56 no.340 São Paulo oct./dic. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0366-69132010000400013 

Efeito da modificação da composição química na sinterização e microestrutura de porcelanas de ossos bovinos

 

Effect of chemical composition modification on sinterability and microstructure of bone china

 

 

D. GouvêaI; S. HirakataI; H. KahnII

ILaboratório de Processos Cerâmicos, Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, Escola Politécnica da Universidade de S. Paulo, Av. Prof. Mello Moraes 2463, S. Paulo, SP 05508-030 dgouvea@usp.br
IILaboratório de Caracterização Tecnológica, Departamento de Engenharia Minas e de Petróleo, Escola Politécnica da Universidade de S. Paulo - EPUSP, Av. Prof. Mello Moraes 2373, Cidade Universitária, S. Paulo, SP 05508-030

 

 


RESUMO

Bone china é um tipo especial de porcelana que foi primeiramente desenvolvida no Reino Unido e é caracterizada pela alta resistência mecânica, grande alvura e translucidez. É fabricada com uma mistura de matérias-primas composta por aproximadamente 50% de cinza de ossos bovinos calcinados (OBC) e 25% de fundentes, 25% de caulim ou argilas plásticas. A modificação das proporções e tipos das matérias-primas originais, ou seja, a substituição de Cornish stone por feldspato para a fabricação de bone china acarreta numa alteração das proporções óxidos fundentes/SiO2. Quando fabricada com Cornish stone, a composição é de 50:25:25 (OBC:caulim:Cornish stone). A fabricação de bone china nesta proporção com OBC:caulim:feldspato já apresenta uma maior fundência e uma temperatura de sinterização inferior, mas muito próxima, da composição original inglesa. A modificação para a composição 60:20:20 faz com que ocorra um aumento da relação fundentes/SiO2, que leva a uma facilitação da sinterização devido à redução da viscosidade do vidro formado durante o processo. Nesta composição o material sinteriza a 1200 ºC, que é cerca de 80 ºC abaixo da temperatura de queima da composição inglesa original, e apresenta uma microestrutura final muito homogênea e de baixa porosidade.

Palavras-chave: porcelana, bone china, sinterização.


ABSTRACT

Bone china is a type of high quality porcelain body first developed in Britain in which calcined cattle bone (bone ash) is a major component (50%), but with also Cornish stone (25%) and kaolin (25%). Whiteness, strength and high translucency are the characteristic features of this ware. Cornish stone acts as a flux in the bone china, melting first and acting as a solvent for the other constituents. In this work Cornish stone was substituted by feldspar as a flux and the mixtures 50:25:25, 50:30:20 and 60:20:20 (Bone Ash:feldspar:kaolin) were sintered from 1000 to 1300 ºC (50 ºC steps). The samples were characterized by X-ray diffraction, mercury porosimetry, scanning electron microscopy, X-ray fluorescence and dilatometry. All samples sintered at temperatures lower than that of original bone china and the 60:20:20 composition presented complete densification at 1200 ºC, 80 ºC lower than the British pottery, and show a homogeneous microstructure.

Keywords: bone china, feldspar, sintering.


 

 

INTRODUÇÃO

Dentre os diferentes tipos de porcelanas, a que é fabricada com cinza de ossos bovinos (em inglês, bone china) é um tipo especial e que apresenta como principais características: alta resistência mecânica, grande alvura e translucidez [1-3]. É fabricada com uma mistura de matérias-primas, composta por aproximadamente 50% de cinza de ossos bovinos calcinados (OBC), 25% de fundentes e 25% de caulim ou outras argilas. Na Inglaterra esse tipo de produto foi originalmente fabricado utilizando como fundente o Cornish stone. Originária do sudoeste do Reino Unido da região de Cornwal, esta matéria-prima é composta principalmente por minerais do grupo dos feldspatos, mas contem também pequenos teores de quartzo sendo originado do intemperismo da decomposição de granitos de baixo teor de óxido de ferro [2].

Bone china é fabricada em processos de bi-queima onde, diferentemente das porcelanas de caulim, as cerâmicas são queimadas a 1280 ºC para formar um corpo denso e translúcido, para só então serem esmaltadas em temperaturas menores (1080 ºC) [2]. Um dos grandes problemas da esmaltação desta porcelana é o seu elevado coeficiente de expansão térmica [4-6], que leva a uma séria dificuldade de acordo massa/esmalte. Ao mesmo tempo existe uma séria dificuldade de controle de temperatura de queima, pois a formação de líquidos acontece num intervalo de temperatura bastante restrito, levando o material a fundir ou não densificar em variações de dezenas de graus Celsius da temperatura ótima de queima. A modificação das matérias-primas pode afetar tanto a fração quanto a temperatura da fase líquida formada durante o aquecimento [7-9].

No Brasil, bone china tem sido produzida em laboratórios de pesquisa pela substituição de Cornish stone por feldspatos [10], mas se respeitando a composição 50:25:25 (ossos bovinos calcinados:fundentes:caulim). Neste trabalho foi avaliada a modificação de composição de porcelanas fosfáticas utilizando-se como fundente feldspatos. A avaliação das características dos produtos e do comportamento durante a queima foi feita para amostras preparadas nas proporções mássicas de 50:25:25, 50:20:30 e 60:20:20 (OBC:feldspato:caulim) e estudadas por ensaios de dilatometria para verificação da modificação das temperaturas de sinterização. As análises químicas das amostras foram realizadas através de análise de fluorescência de raios X e os resultados comparados com as composições inglesas tradicionais. A evolução do tamanho de poros e da porosidade total das amostras foi medida através da técnica de intrusão de mercúrio para cerâmicas sinterizadas entre 1000 e 1300 ºC. A formação e reação entre as fases cristalinas foram acompanhadas por difração de raios X.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

Ossos bovinos foram lavados em autoclave para a eliminação do sangue e da maior parte da gordura associada, como descrito em trabalho anterior [11]. O osso bruto então foi seco em estufa a 100 ºC e submetido à calcinação a 700 ºC por 1 h em forno tipo mufla com introdução de ar comprimido. As condições de lavagem na autoclave e as temperaturas de calcinação foram estabelecidas em trabalhos prévios [10, 11]. Uma vez calcinados, os ossos foram moídos em almofariz de ágata e em seguida em moinho de bolas com jarro e elementos de porcelana por 24 h, utilizando água destilada como fluído de moagem. Em seguida o material foi filtrado e lavado abundantemente com água destilada. O material obtido foi misturado ao feldspato e ao caulim nas proporções 50:25:25, 60:20:20 e 50:20:30 (OBC:feldspato:caulim) e introduzido novamente em moinho de bolas por 24 h para moagem dos não plásticos e homogeneização da mistura. Cada mistura foi seca em estufa a aproximadamente 100 ºC, e depois desaglomerada em almofariz. O pó resultante foi prensado a seco em prensa uniaxial Carver 3912, com dois tipos de matrizes: três amostras de cada composição com matriz de diâmetro de 4 cm, sendo que cada uma com aproximadamente 5 g e dez amostras feitas com matriz de diâmetro de 1,5 cm com aproximadamente 1 g cada amostra. Todas as amostras foram prensadas a 98 MPa. As amostras menores foram utilizadas para as análises de intrusão de mercúrio. Os corpos de prova foram então queimadas em forno tipo mufla com uma velocidade de aquecimento de 2 ºC/min, sem patamar de temperatura, até a temperatura desejada, e depois resfriadas naturalmente. Amostras foram queimadas nas temperaturas de 1000 a 1300 ºC, com intervalos de 50 ºC, para cada composição.

A composição química foi determinada pela técnica de fluorescência de raios X. As amostras foram submetidas à análise química em equipamento PANalytical Axios Pro e a quantificação foi realizada através de padrões de materiais fosfáticos e argilosos.

O acompanhamento das transformações das fases cristalinas foi feito por difração de raios X em um equipamento Philips X'Pert MPD com radiação CuKa, na rotina θ/2θ de 2 a 90 º, com passo 0,02º e tempo de permanência 1 s.

Na preparação das amostras para microscopia eletrônica de varredura utilizou-se as pastilhas prensadas com diâmetro de 4 cm. Estas foram embutidas em baquelite de forma a analisar a região transversal da amostra após fratura e polimento. As amostras foram lixadas em água e polidas com pasta de diamante em álcool etílico variando as granulometrias de 6, 3 e 1 mm. A amostra foi recoberta com ouro e analisada em microscópio eletrônico de varredura FEI Quanta 600F. A análise de dilatometria foi feita com dilatômetro digital BP Engenharia RB115. As amostras foram conformadas por prensagem em molde retangular utilizando 98 MPa e depois cortadas para um dimensão final de 5 x 5 x 50 mm3. A taxa de aquecimento foi 5 ºC/min e a atmosfera ar sintético.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As composições químicas obtidas por fluorescência de raios X das formulações 50:25:25, 60:20:20 e 50:20:30 (OBC:feldspato:caulim) e a composição química de uma massa de bone china comercial Coalport [7] são apresentadas na Tabela I.

Como a massa comercial é composta de caulim, OBC e Cornish stone, a quantidade de óxidos alcalinos fundentes é pequena com relação às composições estudadas neste trabalho. O feldspato é muito mais rico em óxidos de metais alcalinos que o Cornish stone, e por isto, o aumento significativo dos óxidos fundentes. A alteração da composição química é clara e pode afetar de maneira definitiva a formação e a decomposição das fases, suas temperaturas de reação e a própria sinterização. O diagrama de fases do sistema CaO-P2O5-SiO2, mostrando a comparação das composições químicas deste trabalho com aquela comercial, é apresentado na Fig. 1. A passagem da formulação 50:20:30 para 50:25:25 e depois 60:20:20 se afasta do SiO2 caminhando em direção do composto tri-cálcio fosfato, mas se mantendo na região de formação de dois líquidos. É de se esperar, então, que nesta condição, e a depender da quantidade total de alcalinos e da razão com a quantidade de sílica, o sistema apresente temperatura diferente na formação dos líquidos e também composição química própria de cada formulação. A composição 50:20:30 é a que apresenta a maior quantidade absoluta de fundentes, contudo a razão da quantidade de SiO2 com respeito à quantidade de fundentes é maior para a composição 60:20:20. A formação do líquido é fundamental, pois está diretamente relacionada à temperatura de queima da porcelana.

 

 

Os dados apresentados na Fig. 2, que mostra a retração linear em função da temperatura de queima para as amostras de bone china, reforçam os resultados da análise da composição química discutido anteriormente.

 

 

A composição 60:20:20 sinteriza na menor temperatura, possivelmente porque contem a menor relação SiO2/fundentes (Tabela I) o que reduziria a viscosidade do líquido formado. Para todas as amostras foram verificadas retrações importantes em temperaturas próximas a 500 e 900 ºC que não podem ser vistas nas amostras calcinadas a 1000 ºC. As transformações estão relacionadas à desidratação e decomposição do caulim [1]. Uma característica muito importante da sinterização de porcelanas é a evolução do tamanho e volume dos poros durante a queima. Isto, pois a esmaltação das porcelanas é feita em um corpo poroso que é geralmente pré-queimado a temperaturas em torno de 1000 ºC, onde a maioria dos voláteis é eliminada e as reações de decomposição do caulim terminaram. Além disto, mostram a evolução da microestrutura e a variação do volume de poros abertos, ou seja, da densidade aparente do corpo cerâmico. A medida da distribuição de tamanho e volume total de poros obtidos por porosimetria ao mercúrio das amostras 50:25:25, 50:20:30 e 60:20:20 são mostrados respectivamente nas Figs. 3, 4 e 5.

 

 

 

 

 

 

A Fig. 3 mostra que as amostras apresentam uma forte variação, tanto do tamanho médio como do volume de poros total de antes da queima para após a queima a 1000 ºC. A queima a 1000 ºC altera o volume livre, muito possivelmente devido à decomposição da matéria-prima e eliminação dos voláteis. Assim, a esmaltação feita antes ou depois da pré-queima tem uma relação direta com a viscosidade do esmalte e da distribuição granulométrica do mesmo. O crescimento do tamanho dos poros ocorre com o aumento da temperatura de queima, sendo que a maior variação ocorre entre a amostra crua e a sinterização a 1000 ºC. A partir de 1000 ºC ocorre a densificação das amostras pela eliminação do volume total de poros, sendo que a maior variação é encontrada entre 1150 e 1200 ºC, o que está coerente com os dados de dilatometria apresentados na Fig. 2. A formação da fase vítrea ocorre neste intervalo e em grande quantidade, o que acarreta forte sinterização via fase líquida. Comportamentos semelhantes são observados para o estudo da sinterização das amostras 50:20:30 e 60:20:20, ou seja aumento do volume e do tamanho médio de poros da amostra crua para a sinterização de 1000 ºC (Figs. 4 e 5). Contudo, como pode ser visto na Fig. 5, a amostra 60:20:20 sinterizada a 1200 ºC foi completamente densificada. Este comportamento está de acordo com a curva de retração linear com a temperatura da Fig. 2 e com os dados de composição química apresentados na Tabela I. Assim, a amostra 60:20:20 que tem a menor razão SiO2/fundentes deve formar vidros a mais baixa temperatura e também de menor viscosidade, o que faz com que densifique a temperaturas menores e mais rapidamente.

A análise de difração de raios X das amostras 60:20:20 e 50:25:25, respectivamente Figs. 6 e 7, mostram que após a queima as fases formadas são típicas da bone china, ou seja, anortita e tri-cálcio fosfato [12, 13]. A decomposição do feldspato, que no sistema age como fundente, ocorre entre 1150 e 1200 ºC e igualmente para as duas amostras. Isto reforça a tese de que a composição química do vidro formado deve ser mais significativa para a sinterização que a temperatura de formação do vidro em si.

 

 

 

 

O reflexo da boa sinterização para a microestrutura na amostra com composição 60:20:20 queimadas a 1200 ºC é visto nas micrografias da Fig. 8.

A comparação com as outras amostras, inclusive em temperaturas superiores, revela que a composição 60:20:20 sinterizada na temperatura de 1200 ºC leva a formação de uma microestrutura homogênea com baixa porosidade. A amostra 60:20:20 sinterizada a 1250 ºC apresenta porosidade aberta superior àquela da amostra sinterizada a 1200 ºC. O surgimento de uma porosidade com o aumento da temperatura de queima de materiais contendo OBC já foi observada em trabalho anterior e supõe-se que a formação da porosidade posterior à densificação completa possa estar relacionada à liberação de voláteis, como por exemplo, a água advinda da decomposição da hidroxiapatita, principal fase do OBC.

 

CONCLUSÕES

A modificação das proporções e tipos das matérias-primas originais, ou seja, a substituição de Cornish stone por feldspato para a fabricação de bone china acarreta numa alteração das proporções óxidos fundentes/SiO2. Quando fabricada com Cornish stone, a composição é de 50:25:25 (OBC:caulim: Cornish stone). A fabricação de bone china nesta proporção com OBC:caulim:feldspato já apresenta uma maior fundência e uma temperatura de sinterização inferior, mas muito próxima, da composição original inglesa. A modificação para a composição 60:20:20 faz com que ocorra um aumento da relação fundentes/SiO2 que leva a uma facilitação da sinterização devido à redução da viscosidade do vidro formado durante o processo. Nesta composição, o material sinteriza a 1200 ºC, que é cerca de 80 ºC abaixo da temperatura de queima da composição inglesa original e apresenta uma microestrutura final muito homogênea e de baixa porosidade. Estudos de resistência mecânica à fratura e ao impacto, translucidez e alvura, e também de esmaltação são necessários para verificar o potencial industrial desta nova formulação.

 

AGRADECIMENTOS

À FAPESP (Proc. 03/12721-2).

 

REFERÊNCIAS

[1] W. M. Carty, U. Senapati, J. Am. Ceram. Soc. 81, 1 (1998) 3.         [ Links ]

[2] P. Rado, An Introduction to the Technology of Pottery, 2nd Ed., Pergamon Press, Oxford, Inglaterra (1988) p. 266.         [ Links ]

[3] C. E. L. Franklin, A. J. Forrester, Trans. Brit. Ceram. Soc. 74, 4 (1975) 141.         [ Links ]

[4] A. Kara, R. Stevens, J. Eur. Ceram. Soc. 22, 7 (2002) 1095.         [ Links ]

[5] A. Kara, R. Stevens, J. Eur. Ceram. Soc. 22, 7 (2002) 1103.         [ Links ]

[6] T. Ichiko, J. Ceram. Soc. Jap. 102, 5 (1994) 471.         [ Links ]

[7] P. D. S. S. Pierre, J. Am. Ceram. Soc. 37, 6 (1954) 243.         [ Links ]

[8] P. D. S. S. Pierre, J. Am. Ceram. Soc. 38, 6 (1955) 217.         [ Links ]

[9] P. D. S. S. Pierre, J. Am. Ceram. Soc. 39, 4 (1956) 147.         [ Links ]

[10] R. Y. Miyahara, D. Gouvêa, S. M. Toffoli, Cerâmica 53, 327 (2007) 234.         [ Links ]

[11] D. Gouvêa, S. Bernard, G. A. V. Alatrista, S. M. Tofolli, Cerâmica 53 (2007) 423.         [ Links ]

[12] A. Kara, R. Stevens, J. Eur. Ceram. Soc. 22, 5 (2002) 737.         [ Links ]

[13] A. Kara, R. Stevens, J. Eur. Ceram. Soc. 22, 5 (2002) 731.         [ Links ]

 

 

(Rec. 18/09/2009, Ac. 27/03/2010)