SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número9Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca!O que pode o Mais Médicos? índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Ciência & Saúde Coletiva

versão impressa ISSN 1413-8123versão On-line ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.21 no.9 Rio de Janeiro set. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015219.18852016 

Debatedores

Formação Médica no Programa Mais Médicos: alguns riscos

Aluisio Gomes da Silva Junior1 

Henrique Sater de Andrade2 

1Departamento de Planejamento em Saúde, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal Fluminense (UFF). R. Marquês do Paraná 303/3°/anexo (HUAP), Centro. 24033-900 Niterói RJ Brasil. agsilvaj@gmail.com

2Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, UFF. Niterói RJ Brasil

O artigo de autoria de Gastão Wagner de Sousa Campos e Nilton Pereira Júnior intitulado “A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde” nos faz refletir sobre os desafios na construção da Atenção Primária à Saúde e das redes assistenciais no Brasil. Os autores ressaltam o advento do Programa Mais Médicos (PMM) como uma significativa iniciativa do Governo federal, articulado com Estados e Municípios, para o enfrentamento de desafios da APS no país e apontam avanços, potencialidades e limites desta política.

Gostaríamos de comentar e destacar algumas preocupações com foco em um dos aspectos discutidos no artigo: a formação adequada dos profissionais de saúde, em especial dos médicos para a APS.

O apropriado provimento e a devida qualificação profissional, em especial de médicos, para as equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) constitui um dos desafios para a estruturação da APS no Brasil. A quantidade de médicos por habitante no Brasil em 2015 (2,11 médicos/1000 habitantes), segundo estudo recente sobre demografia médica organizado por Scheffer et al.1, é baixa se comparada a padrões internacionais como a França (3,0 médicos/1000 habitantes); Reino Unido (2,7 médicos/1000 habitantes) e Suécia (4,0 médicos/1000 habitantes)2, países que, como o nosso, oferecem sistemas universais de saúde. A distribuição dos médicos pelo território nacional é desigual em relação às regiões do país com mais da metade dos médicos na região Sudeste e com concentração de 55% nas capitais das unidades federativas1.

Como destacam os autores do artigo, o PMM apresenta-se como política de enfrentamento destas questões. O segundo eixo de estruturação do PMM, o de Formação Profissional, propõe soluções a médio e longo prazos, atuando sobre as graduações e residências médicas, tanto em relação à formação quanto à expansão de vagas. A meta anunciada do Governo Federal com o PMM é a criação de 11,5 mil novas vagas de graduação e 12,4 mil vagas de residência até 20173, seja por meio de abertura de novas vagas em cursos de graduação e programas de residência médica já existentes, seja por meio de novos cursos e programas.

O eixo da formação profissional tem importância para o fortalecimento da APS no Brasil, uma vez que o provimento emergencial com médicos estrangeiros possui caráter limitado e a consolidação da iniciativa depende da fixação de médicos brasileiros.

Especificamente sobre a graduação em Medicina, além da expansão do número de profissionais formados, o PMM busca alternativas que modifiquem o perfil de formação e que incentivem a interiorização dos médicos.

O artigo 4° da Lei no. 12.871 de 2013 estabelece a exigência de implantação efetiva das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) (2014) para o funcionamento dos cursos de Medicina4. Uma das diretrizes da lei detalhada nas DCN foi a obrigatoriedade de 30% da carga horária do internato do curso médico ser realizado na APS e em serviços de Urgência e Emergência do SUS4. Diferentemente das DCN publicadas em 2001, as novas trazem um prazo para sua implantação, exigindo que todas as escolas médicas estejam adequadas a elas até 20185.

Nos dois anos iniciais do PMM, foi autorizada a criação de 5,3 mil novas vagas de graduação médica, sendo 1,7 mil em universidades públicas (32%) e 3,6 mil em instituições privadas em todas as regiões do País (68%)6. Em 2015, o índice de vagas de graduação médica autorizadas por 10 mil habitantes, nas diversas regiões brasileiras foi: Centro-Oeste (1,00 vagas); Nordeste (0,98 vagas); Norte (1,05 vagas); Sudeste (1,20 vagas) e Sul (1,14 vagas) e a média nacional (0,81 vagas)3.

Se observarmos, por exemplo, o Estado do Rio de Janeiro, constatamos que a maior parte das vagas autorizadas são em municípios do interior fluminense, o que se coaduna com um dos objetivos do PMM, a interiorização dos profissionais médicos. Entretanto, todas essas vagas, e a maior parte delas em âmbito nacional, são em instituições privadas. Scheffer e Dal Poz7 analisaram a tendência crescente, nas últimas décadas, da privatização do ensino superior no País e questionaram a possibilidade de garantia de qualidade e acesso democrático nos cursos médicos privados. Essa tendência também nos preocupa na medida em que fragiliza a estabilidade deste processo e a relação necessária destas escolas com a rede pública de serviços de saúde. Uma experiência recente de falência de escola médica no Rio de Janeiro expôs a dependência de investimentos públicos para sua manutenção e os transtornos causados na rede de saúde onde seus alunos tinham inserção8.

De forma semelhante, o PMM também atua sobre os programas de residência médica. A principal intervenção sobre a estruturação da residência médica em âmbito nacional realizada pela política é a obrigatoriedade a partir de 2018, para todos os programas de Residência Médica (exceto nove especialidades de Acesso Direto), da realização de um ano de residência em “Medicina Geral de Família e Comunidade”4. Além disso, o PMM propõe a expansão dos programas de residência médica. Até dezembro de 2015, foram criadas 4.742 vagas em diversas especialidades em todo o Brasil3.

Considerando que alguns estudos apontam que a fixação dos médicos tem maior relação com o local de realização da residência médica, se comparado ao local da graduação1,9,10, ainda há uma concentração de vagas nos grandes centros urbanos e capitais. Para que o desejável processo de interiorização seja efetivado é necessário simultaneamente avançar na interiorização das residências.

Quanto às especialidades, o fortalecimento da APS depende da formação contínua de profissionais qualificados para a ESF. Nesse sentido, notase a progressiva institucionalização e expansão da Medicina de Família e Comunidade (MFC) enquanto especialidade médica, incluindo o aumento significativo nos números de programas de residência daquela especialidade pelo Brasil.

Cabe, contudo, ressaltar que a taxa de ocupação das vagas dos programas de residência em MFC no Brasil, em 2015, foi de 26,3%. De um total de 1.520 vagas, apenas 400 foram ocupadas, dado que nos preocupa, pois julgamos tal especialidade estratégica para a consolidação da APS e a expansão de vagas sem ocupação perderia o sentido do provimento médico para a ESF11. Aspectos relativos aos vínculos trabalhistas e à carreira destes médicos nos parecem relevantes na solução deste problema como ressaltaram Campos e Pereira Junior.

Concluindo, são inegáveis os avanços provocados pelo PMM, todavia, tendências observadas na sua implementação, aqui destacadas, podem obviar seus efeitos estruturantes sobre a formação médica. Cabe-nos, portanto, vigiar e agir!

Referências

1. Scheffer M, Biancarelli A, Cassenote A. Demografia Médica no Brasil 2015. São Paulo: DMPUSP, Cremesp, CFM; 2015. [ Links ]

2. Organization for Economic Cooperation and Development (OECD). 2014. [acessado 2016 jan 2]. Disponível em: http://www.oecd-ilibrary.org/social-issues-migration-health/oecd-reviews-of-health-care-quality-united-kingdom-2016_9789264239487-en. [ Links ]

3. Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos, 2015. [acessado 2015 dez 1]. Disponível em: http://www.maismedicos.gov.br. [ Links ]

4. Brasil. Lei n° 12.871 de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745 de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2013; 23 out. [ Links ]

5. Brasil. Lei n° 11.741 de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei n 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Diário Oficial da União 2008; 17 jul. [ Links ]

6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Brasil, 2015. [acesso 2016 em jan 2]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/Links ]

7. Scheffer MC, Dal Poz MR. The privatization of medical education in Brazil: trends and challenges. Human Resour Health 2015; 13: 96. [ Links ]

8. Rodrigues, A. Sala de aula vazia, bolso cheio na Gama Filho e UniverCidade. Revista Exame.com [internet] 02/08/2013 [acessado 2016 jun 2]. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1046/noticias/sala-de-aula-vazia-bolso-cheio. [ Links ]

9. Póvoa L, Andrade MV. Distribuição geográfica dos médicos no Brasil: uma análise a partir de um modelo de escolha locacional. Cad Saude Publica 2006; 22(8):1555–1564. [ Links ]

10. Nunes MPT, Borges LB, Guimarães DC, Cavalcanti LPG. Distribuição de vagas de residência médica e de médicos nas regiões do país. Cadernos da ABEM 2011; 37(4):28–34 [ Links ]

11. Trindade TG. Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade. Apresentação em Power Point. SBMFC. Brasil, 2015. [acessado 2016 jan 2]. Disponível em: http://dkw4g894e1jim.cloudfront.net/images/PDF/10_Seminario_20ago2015_Residencia_em_MGFC_ThiagoTrindade_SBMFC.pdfLinks ]

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.