SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 issue10Fiscal austerity measures hamper noncommunicable disease control goals in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123On-line version ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.23 no.10 Rio de Janeiro Oct. 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320182310.22232018 

EDITORIAL

Redes sociais e governança em saúde

Delaine Martins Costa1 

Ilara Hämmerli Sozzi de Moraes1 

Joviana Quintes Avanci2 

Liana Wernersbach Pinto2 

Rosana Magalhães1 

Vera Lucia Marques da Silva2 

1Departamento de Ciências Sociais, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP), Fiocruz. Rio de Janeiro RJ Brasil.

2Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli, ENSP, Fiocruz. Rio de Janeiro RJ Brasil.


No contexto contemporâneo as redes sociais adquirem relevância como espaços de mobilização, integração e tomada de decisão, evidenciando a emergência de novos e complexos padrões de sociabilidade e governança. No entanto, para além dos aspectos positivos associados às redes sociais existem também assimetrias, disputas de poder, conflitos, ambivalências e contradições1. Heterogeneidade e fluidez marcam as redes, sejam elas centradas na família, na vizinhança ou nas múltiplas esferas de sociabilidade, formais e informais. No campo da saúde coletiva, este debate tem assumido diferentes contornos revelando a natureza desafiante dos padrões mais recentes de interação entre atores sociais e instituições públicas. Os mecanismos envolvidos na circulação e compartilhamento de informação e conhecimento entre profissionais e usuários de serviços de saúde, as fronteiras e os pontos de contato entre múltiplas organizações, grupos e indivíduos e, ainda, as transformações na dinâmica decisória ganham destaque na agenda de pesquisa e ensino da área.

Assim, este número temático reúne artigos que buscam refletir sobre as mudanças ocorridas nas últimas décadas na sociabilidade cotidiana e suas repercussões nas práticas de saúde. Trata-se de iniciativa do Programa de Pós-Graduação da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (Ensp/Fiocruz), com o apoio dos recursos do Programa de Excelência Acadêmica (PROEX) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O número foi organizado pela área de concentração em Sociedade, Violência e Saúde, visando consolidar a colaboração entre docentes e discentes em torno do tema redes sociais e governança em saúde.

Utilizando diferentes marcos analíticos e abordagens metodológicas, os autores apresentam experiências de reorganização institucional, estruturação de redes sociais em torno de problemas de saúde e construção de arranjos de governança regionais e locais. Cibercultura, violência, ética, participação social, relações público e privado e estratégias de regulação política em diferentes territórios são temas aqui explorados. Os artigos trazem a perspectiva de compreender modelos de interação, práticas de cuidado e a conformação de identidades sociais em cenários onde o chamado ativismo digital pode conviver com fluxos de mobilização tradicionais e encontros face a face. Dilemas antigos como o controle social, a comunicação democrática e a equidade em saúde combinam-se hoje com questões novas ligadas à reconstrução de laços e vínculos sociais. Desta forma, estimulam a produção de conhecimento e a pesquisa avaliativa sobre o alcance de intervenções cada vez mais confrontadas com ambientes relacionais complexos e heterogêneos.

Referências

1. Castells M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra; 1999. v. 1. [ Links ]

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.