SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue5The intervention of Occupational Therapy in drug addiction: a case study in the Comunidade Terapêutica Clínica do Outeiro – Portugal author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência & Saúde Coletiva

Print version ISSN 1413-8123On-line version ISSN 1678-4561

Ciênc. saúde coletiva vol.24 no.5 Rio de Janeiro May 2019  Epub May 30, 2019

https://doi.org/10.1590/1413-81232018245.05962019 

EDITORIAL

Investigação qualitativa e transformação da saúde coletiva

Cristina Lavareda Baixinho1 
http://orcid.org/0000-0001-7417-1732

Maria Helena Presado1 
http://orcid.org/0000-0002-6852-7875

Jaime Ribeiro2 
http://orcid.org/0000-0002-1548-5579

1Escola Superior de Enfermagem de Lisboa. Lisboa Portugal.

2Instituto Politécnico de Leiria. Leiria Portugal.


O aumento dos estudos qualitativos e mistos na saúde tem esbatido a dicotomia quanti/qualitativo, permitindo a diversificação de métodos e técnicas. Ao contrário das concepções tradicionalistas da investigação, baseadas no modelo biomédico e no paradigma pós-positivista, a investigação qualitativa traduz um significado e uma interpretação aos achados que permite um maior desenvolvimento do cidadão, inserido no seu espaço social e conceptualiza o mundo real com uma maior susceptibilidade de transformação.

Uma apreciação multidimensional, contribui para o desenvolvimento do conhecimento empírico, estético, pessoal, ético, biomecânico, entre outros. Um paradigma mais construtivista tem, progressivamente, aumentado a perspectiva de complementaridade e até de transdisciplinaridade em relação aos fenómenos da saúde.

A ciência e a diversificação dos saberes são cruciais para o desenvolvimento da saúde individual e coletiva. A relação do ser humano com a saúde e com os profissionais é complexa, envolve uma multiplicidade de fatores, nem sempre fáceis de identificar e controlar, que é influenciada e influencia as múltiplas relações, não podendo ser dissociada da experiência individual.

Ribeiro et al.1 ilustram bem esta complexidade ao afirmarem que a inseparabilidade dos fenómenos do seu contexto alicerça a investigação qualitativa, pois é impossível discernir opiniões, percepções e significados dos indivíduos silenciando o contexto.

Acrescemos que esta transformação qualitativa da investigação traduz-se num melhor conhecimento das transições e dos processos de adaptação face à saúde/doença, promovendo a qualidade dos cuidados, a literacia e a corresponsabilização na gestão da saúde.

Esta transformação fomenta a criatividade dos investigadores para responder aos desafios da “transferência” de conhecimento para os consumidores finais (profissionais) e para os beneficiários (clientes dos cuidados), garantindo que a pesquisa é alicerçada nas necessidades da prática.

Também a este nível a investigação qualitativa pode ser líder na disseminação dos resultados, permitindo diminuir o hiato conceptual e pragmático entre o que é produzido e o que é utlizado em prol da saúde, criando redes de comunicação e colaboração entre investigadores, profissionais e cidadãos que possibilitem o estudo e a reflexão sobre a melhor forma de colocar os achados da investigação qualitativa ao serviço da saúde coletiva, tanto do ponto de vista do processo (transferência) como do conteúdo (conhecimento).

A este desafio acresce o do promover uma tomada de decisão clínica qualitativa que utilize os resultados da investigação qualitativa com informações sobre preferências do cliente, experiência, contexto clínico e recursos para a tomada de decisão.

Esta edição da RC&SC integra artigos apresentados no 6° Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (www.ciaiq.org), sujeitos a reformulação e a avaliação por pares. O contributo dos autores e a preocupação dos editores é contribuir para a disseminação do conhecimento que possibilite uma compreensão alargada das diferentes transições de vida e do seu impacto na saúde coletiva, com respeito pela individualidade e singularidade de cada um.

Referências

1. Ribeiro J, Souza DN, Costa AP. Investigação qualitativa na área da saúde: por quê?. Cien Saude Colet [Internet]. 2016 Ago [citado 2018 Fev 07]; 21(8):2324-2324. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000802324&lng=ptLinks ]

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.