SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 issue2A intervenção terapêutica breve e a pré-cirurgia infantilHospitalização: o impacto na criança, no adolescente e no psicólogo hospitalar author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Psico-USF

Print version ISSN 1413-8271

Psico-USF (Impr.) vol.9 no.2 Itatiba June/Dec. 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712004000200014 

RESENHAS

 

A fenomenologia do cuidar: prática dos horizontes vividos nas áreas da saúde, educacional e organizacional

 

 

José Maria Montiel1

 

 

Pokladek, D. D. (Org.). (2004). A fenomenologia do cuidar: prática dos horizontes vividos nas áreas da saúde, educacional e organizacional. São Paulo, SP: Vetor, 300 p.

O cuidar do ser humano como foco de atenção nos serviços que prestam assistência a pessoas, como as áreas da saúde, educacional e organizacional, é de suma relevância, estando relacionado às maneiras como profis-sionais de formações diversas desempenham suas funções e ao respeito pelo ser humano, nos procedimentos adotados, ou às manifestações dirigidas a estes. Com o objetivo de apresentar questões teóricas e práticas a profissionais que têm o cuidar do humano como projeto existencial em suas relações interpessoais, esse livro foi organizado em duas partes. A primeira está relacionada às conferências proferidas durante o 1o Simpósio do Instituto Psicoethos e a segunda, a experiências terapêuticas da equipe do Instituto, viabilizando subsidiar a ação de profissionais que almejam atuar nesta abordagem de maneira digna, ética e humana. Os dados foram organizados a partir de um evento realizado em 2003 pelo Instituto Psicoethos, com o apoio do Sesc de São Paulo, da Universidade Metodista de São Bernardo do Campo, do grupo Fenpec, Instituto Ifen do Rio de Janeiro, Grupo de Pesquisas de Alfred Schutz e do grupo de pesquisa qualitativa da Universidade Sagrado Coração de Bauru, SP.

Em A massificação do homem e o destino da humani-dade, buscando um jeito fenomenológico de conhecer o mundo, Dalva L. dos Santos e Danuta D. Pokladek abordam conceitos e concepções do ser no mundo, tendo como referencial a fenomenologia, de modo a propiciar compreensão de seu cotidiano, formas de expressões e concepções sobre o existir, fatores que fazem do homem um ser sonhador que busca, por intermédio de sonhos, continuar sua existência, manifestações existenciais, elegendo projetos existenciais. Segundo as autoras, a massificação ocorre quando não se elege um projeto de vida, ocasionando a desconsideração de sua condição entre seus pares, isto é, deixando de cuidar da vida, perdendo a consciência de que ser humano é ter capacidade de construir sua própria história.

No segundo capítulo, A fenomenologia como novo paradigma de uma ciência do existir, Rui de S. Josgrilberg descreve que o esgotamento e o surgimento de novos paradigmas ocasionam os avanços da ciência, desen-volvendo-se novas estruturas da existência e do existir. Assim, a fenomenologia visa buscar, por meio de métodos, respostas que fundamentem a preocupação da relação eu–mundo, sendo resultado da ligação entre o que pensamos e expressamos, por meio de métodos casuístas, delimitando investigações dos processos causais, considerando que cada ser humano traz consigo elementos básicos de todo conhecimento. A relação do eu com algo é definida como consciência e o perceber torna-se algo oferecido e aparece como um fenômeno doado, apresentando uma razão natural, gerando pensamentos de objetos e não sujeitos a erros.

Ao se referir sobre a percepção do outro em si mesmo, Creusa Capalbo, no terceiro capítulo, A fenomenologia existencial e a experiência do outro, realça a importância do comportamento expressivo ser entendido, isto é, as expressões intersubjetivas, compreendidas pelos aspectos de linguagem que possibilitam a convivência social, a expressão de afetos e ações, constituindo-se, desta forma, a vida pessoal em comunidade, implicando na compreensão consistente e intersubjetiva.

O quarto capítulo, Abordagem fenomenológica de Alfred Schutz na enfermagem, escrito por Florence R. Tocantins e Mariana L. Nogueira, aborda a compre-ensão da prática social como ação intencional nas relações pessoais, visando à existência da promoção de bem-estar e saúde, centrada na concepção estrutural do mundo, de forma contextualizada e individualizada, vivenciando e interpretando fenômenos, de acordo com sua singularidade. As autoras enfatizam as ações voltadas para o ser humano e as inter-relações, por meio do relacionamento social de confiança, da expressão de suas necessidades e anseios, respeitando diferenças sem a existência de julgamentos e conceitos pré-formados.

Marli D. de Oliveira relata, no quinto capítulo, Saúde mental e trabalho: o entendimento da realidade vivida, que o profissional de psicologia no ambiente de trabalho deve propiciar às pessoas escuta de suas experiências, identificando o sentido de suas descrições, favorecendo aspectos de saúde, conhecendo o sentido e a vivência por meio das percepções e sentimentos. Outras obser-vações importantes estão relacionadas às mudanças e reestruturações ocorridas e possíveis neste ambiente. A atuação deve possibilitar formas de atuação, intervenções e reflexões, amenizando desgastes físicos e psíquicos e freqüentes manifestações de promoção de saúde.

Em A morte – a arte de cuidar na despedida, Mara Villas Boas de Carvalho enfatiza a comunicação como forma de escuta aberta e respeitosa, propiciando dignidade e conforto do paciente em situação de terminalidade, influenciado por angústias e interrogações nas histórias de vida, do presente e de perspectivas futuras. Neste contexto, o ato de cuidar envolve o processo de assistir associado a sentimentos e conhecimentos, amenizando o sofrimento por meio de inter-relações e confiança mútua, baseadas em valores humanitários, técnicos e científicos. A autora relata que a escuta torna-se uma condição de acolhimento e alívio da dor e de sofrimentos; mesmo que a palavra não seja pronunciada existe o senti-mento de ser acolhido. Os cuidadores devem considerar a trajetória de vida daqueles a quem prestam assistência e a escuta tende a propiciar qualidade de vida, levando em conta aspectos emocionais, funcionais e psicológicos.

No capítulo Direito à vida x direito atropelado na base. A cidadania das crianças e adolescentes em questão, escrito por Dagmar S. P. de Castro, é descrita a experiência no Conselho Tutelar em um movimento ultrapassando os limites da legislação elaborada em cumprimento ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Segundo a autora, as experiências vivenciadas em instituições de acolhimento de crianças e adolescentes, como a Funabem e as Febems, tiveram significativa importância para ressaltar a necessidade de mecanismos capazes de atender às de-mandas observadas. O ECA propiciou forte engajamento e comprometimento nas transformações sociais perante um mundo globalizado, uma vez que a maioria dessas pessoas vive em locais onde estão ausentes inúmeros ser-viços básicos de sobrevivência, descritos como geografia da não-cidadania. As mudanças relativas a este cuidar estão entrelaçadas na subjetividade, permitindo a atuação em diferentes esferas em que crianças e adolescentes vivem, sem deixá-los apenas no discurso de um sistema organi-zacional de leis e regulamentos. Os aspectos psicológicos devem tornar-se formas mediadoras de instituir novos conhecimentos particularizados, no discurso e nas ações.

A segunda parte deste livro inicia-se com o capítulo de Dalva L. dos Santos, Relato de uma ação psicopedagógica: construindo caminhos para uma prática inclusiva. O contexto, a ação desenvolvida e as perspectivas futuras, que descreve a prática inclusiva como busca pela permanência de alunos no ambiente escolar, de forma a ultrapassar barreiras da não-aprendizagem, enfatizando a criação de estratégias que possibilitem potencialidades e capacidades dos membros envolvidos. O trabalho, por meio de uma ação psicopedagógica, incluiu a observação participativa nas aulas, supervisão dos trabalhos realizados, grupos de estudos, reuniões e encontros com pais de alunos, e entrevistas individuais com esses pais. Assim, o aprender deve estar relacionado às possibilidades e necessidades de cada aluno.

No capítulo seguinte, Danuta D. Pokladek aborda o tema O modo de perceber e de relacionar de uma pessoa portadora de lúpus eritematoso sistêmico. Possibilidades e limites de uma atuação fenomenológico-existencial. Destaca a doença lúpus por seu aspecto crônico que afeta o sistema imunológico, comprometendo a pele e articulações de seus portadores, entre outros órgãos, considerada uma importante doença auto-imune de causa desconhecida. A autora destaca que o método fenomenológico pode compreender o ser lúpico, enfatizando que a fenome-nologia procura entender a doença como um modo existencial de manifestação e de expressão, percebendo o estado clínico como parte do meio em que a pessoa está inserida, como experiência do corpo vivida. Aponta que a arte do cuidar é dar atenção à pessoa doente, acompanhando, recebendo-a e favorecendo a escuta.

Ser de alguém ou não ser de ninguém. Uma perspectiva fenomenológica existencial é o tema do capítulo no qual Danuta D. Pokladek aponta questões ocasionadas pela época da pós-modernidade – como o crivo do eu e a relação tu tornaram-se inexistentes – e referenciadas como a era light, que possibilitam que as pessoas sejam membros de grupos sociais, conhecidas como normalpatas. A autora cita que essa conduta vem ocasionando manifestações de fracassos emocionais. Formas mais adequadas em um relacionamento referem-se a ouvir o próprio coração en-quanto ser humano, criando inter-relações mais humanas, com respeito e dignidade.

As autoras Danuta D. Pokladek e Nadima C. Haddad citam no capítulo denominado Mergulhar no mar da humanidade. Uma reflexão fenomenológico-existencial na prática do profissional da saúde, que os atendimentos realizados por profissionais da área de saúde ocorrem de maneira linear, onde pacientes são tratados como fichas ambula-toriais, números ou nomenclaturas médicas, resultando no aniquilamento do ser pessoa. Apontam divergências nesse tipo de conduta com os pressupostos da fenome-nologia, que enfatiza a aproximação da pessoa comprome-tida, que necessita de cuidados especiais, um ser em que os sentidos e significados estão implícitos. Propõem que os profissionais de saúde enfatizem a relação profissional x paciente, adequando a comunicação, possibilitando a recolocação do homem em sua condição existencial, compreendendo suas relações e percepções cotidianas.

No Workshop Sensibilização para profissionais da saúde com relação ao cuidar do humano, Danuta D. Pokladek e Nadima C. Haddad finalizam essa obra com o tema Mergulhar no mar da humanidade – uma reflexão fenomenológico-existencial na prática de profissional de saúde e reforçam a importância da escuta nas relações. Apontam que o cuidar do ser humano está envolvido em obterem-se resultados favoráveis.

Trata-se de um livro muito bem organizado, com temas pertinentes à prática do cuidar, ilustrando questões fundamentais para a compreensão das transformações do homem com referencial ao aspecto natural e gradual dessa evolução, sem que sejam vistos como sintomas e desconsiderando-se a essência deste, isto é, suas experiências, seu contexto, seus sentimentos e aflições. Essa obra, em sua totalidade, oferece experiências e informações às pessoas preocupadas com o cuidar, desvendando o que pequeno a olhos nu e imenso ao considerar-se o homem um ser mutável.

 

 

1 Endereço para correspondência:

E-mail: montieljm@hotmail.com

 

 

Sobre o autor:

José Maria Montiel é psicólogo, mestrando do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco.