SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.2 issue3Universidade de qualidadeO que existe por trás das atitudes de uma professora? author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Psicologia Escolar e Educacional

On-line version ISSN 2175-3539

Psicol. Esc. Educ. (Impr.) vol.2 no.3 Campinas  1998

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85571998000300008 

RESENHAS

 

A universidade na comunidade

 

 

Geraldina Porto Witter

Pontifícia Universidade Católica de-Campinas

 

Universidade de São Paulo. Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e de Atividades Especiais. Muito além da sala de aula: projetos comunitários de estudantes da USP. São Paulo: CECAEIUSP, 1998. 80p.p.

 

Nunca se escreveu tanto sobre a universidade, enfocando seus múltiplos aspectos, entretanto nem sempre são considerados alguns aspectos relevantes para que possa cumprir seus múltiplos papéis. Um deles diz respeito à integração da Universidade com a Comunidade. Isto pode ocorrer de muitas formas, uma delas é enfocada em obra, lançada pela USP, na qual são apresentadas algumas informações relevantes sobre o esforço de cooperação da Universidade com a Comunidade.

O Reitor Marcovitch apresenta o trabalho lembrando que reiteradamente tem dito "que a extensão é a face mais generosa da Universidade, porque serve quase sempre aos que a ela não têm acesso formal" (p.3) e apresenta o trabalho dos jovens universitários na comunidade como exemplo.

Informa que a obra apresenta depoimentos de alunos e ex-alunos quanto a 47 iniciativas de integração promovidas com a ação de graduandos. Também apresenta outros trabalhos nesta direção que resultaram em dissertações de mestrado e teses de doutorado.

Guilherme A. Plonski informa que se trata de um "pequeno retrato dos nove anos de atividades do Projeto Bolsas de Extensão. São 47 iniciativas, viabilizadas pela Cecae/USP, com a participação ativa de 178 estudantes e 36 docentes, de 22 unidades e órgãos distintos da USP" (p.4).

A obra resultou de um debate promovido pela Cecae/USP em setembro de 1997, tendo por objetivo avaliar o referido projeto.

No texto de abertura, Guarnieri retoma o início do projeto lembrando o pioneirismo do Centro Acadêmico XI de Agosto (Direito) com a oferta de assessoria jurídica aos sem-teto. Outras idéias emergiram em outras unidades como principais resultados, além de produtos como dissertações e teses, lembra a inserção de alunos no mercado de trabalho, a criação de ONGs e o atendimento de demandas sociais. Lembra as dificuldades de continuidade por problemas financeiros e que haveria muito mais a cumprir. Aponta a ESALQ como a campeã de realizações na área e o papel dos docentes na orientação e avaliação dos trabalhos.

Segue-se o Debate, mais narrativa do que propriamente debate, envolvendo inicialmente Marcos Sorrentino, Silvio Caccia Bava, Maria Cristina Bruno e Lígia Assumpção Amaral os quais tecem considerações sobre a fertilidade do Projeto. Outros vão se agregando à discussão.

Em seguida, o tópico enfocado é o próprio espaço da extensão, muitas vezes vista de forma pejorativa. Lembram a necessidade de melhor divulgação do que é feito e de não se olhar a atividade com preconceito.

O tópico seguinte é a formação do estudante ensejada pelo Projeto, integrando-o com os problemas sociais, com a formação da cidadania. São lembradas as vantagens de fazer parceria com as ONGs, a necessidade de conscientização dos alunos desde o ingresso na Universidade. Para a realização de propostas alternativas é necessário buscar o reconhecimento da área de extensão o que, segundo os palestrantes, não vem ocorrendo, não havendo apoio de organismos como a FAPESP.

No encerramento do evento, Plonski fala da necessidade de avaliar e que é chegada a hora de fazê-lo e destaca" Uma Universidade com as características da USP é uma instituição. E o que é uma instituição? É uma organização que adquiriu relevância social, tendo atingido, portanto o estágio superior das organizações. Nesse sentido, o Projeto que hoje debatemos é uma contribuição - pequenina mas concreta para a nossa sobrevivência" (p.34). Para a expansão é necessário contar com mais apoio, mais recursos.

Do exposto pelos integrantes da discussão há alguns aspectos a destacar. Há, sem dúvida, entusiasmo e valorização do trabalho desenvolvido como meio de dar algum retomo à comunidade e vivência para o aluno. São apresentadas as impressões pessoais, subjetivas, afetivas dos envolvidos. Não são apresentados dados e informações que possibilitam a um observador externo avaliar ou ter base mais segura que o sentimento de uma vivência produtiva manifestado pelos debatedores.

Há também uma denúncia de falta de valorização institucional e das agências por Programas desta natureza. Há mágoa e frustração. Certamente, há muito de vivências negativas por traz das falas. A comunidade científica brasileira parece não valorizar adequadamente esta modalidade de trabalho. Mas dados da eficiência do mesmo, dados de pesquisa associadas a estas atividades também podem contribuir para mudança de atitudes e redução da discriminação. Isto não foi lembrado nos discursos nem dados foram apresentados. Ficou assinalada a ausência do apoio, a obrigatoriedade e o que devem fazer os poderes e agências, mas o Programa, ficou alheio. Certamente, se a extensão fosse, como pode e deve ser, um excelente campo de pesquisa, se o docente responsável for um docente-pesquisador no estágio, se o aluno for um estagiáriopesquisador, se o projeto de extensão for também um pacote de pesquisas coordenadas e não atividade ocasional, certamente haverá maior probabilidade de aceitação, de valorização de investimento e de apoio a estes programas.

A leitura do texto não permite considerar que se fez realmente um encontro de avaliação, foi mais um breve balanço das impressões pessoais das pessoas envolvidas. Certamente há muito trabalho e mérito no concretizado ao longo dos nove anos, mas tudo ficou submerso. Nas entrelinhas se adivinha um trabalho intenso, mas que não se expõe a auto ou a hetero avaliações.

A segunda parte da obra é constituída por Depoimentos de alunos, ex-alunos e mesmo docentes envolvidos com o Projeto. Não é explicitado o critério de escolha das pessoas para coleta destas impressões pessoais. Há na maioria, um roteiro subjacente: impressão pessoal, desdobramentos e o trabalho de extensão. Todos reputam como importante a vivência, especialmente para conhecerem a realidade, por intervirem nela e pelos ganhos pessoais como alunos, professores e profissionais. São quatro depoimentos, com títulos distintos mas que sintetizam a mesma valorização positiva do Projeto.

A parte seguinte é denominada Iniciativa e traz um breve resumo dos vários esforços realizados indicando: título, caracterização, metas, bolsistas envolvidos e unidade da Universidade responsável. Elas enfocaram a cidadania (N= 4); a deficiência (N= 7); educação (N= 3); geração de emprego e renda (N= 8); meio ambiente (N= 18); memória (N= 2) e saúde (N= 5). A preocupação de levar assistência à comunidade, de suprir necessidades da mesma é patente. Da mesma forma, é evidente o empenho em dar vivência ao aluno. Falta a filosofia de formar um profissionalpesquisador, de fazer da extensão um campo de formação-atuação-pesquisa que contribua para ampliar o conhecimento científico e, conseqüentemente, melhorar a própria extensão.

Complementa o livro um índice das iniciativas e outro das unidades envolvidas.

Pode-se dizer que é relevante o esforço que a USP vem fazendo, mas há muito mais por se fazer. Espera-se que não apenas haja ampliação das áreas e problemas enfocados, do envolvimento das unidades, de maior participação da comunidade e de agências. É de se cumprimentar pelo já realizado mas, espera-se que com o empenho de todos, haja melhoria substancial e que a pesquisa de mérito esteja presente como rotina e não ocasionalmente para gerar uma dissertação, uma tese ou um trabalho para evento. Desta forma, o Programa poderá ter mais respaldo a crescer em respeito e valorização quer na comunidade científica universitária quer nas agências.

A diagramação é bonita e a impressão qualidade.

 

 

Recebido em novembro 1998
Encaminhado para revisores em dezembro 1998
Aprovado em janeiro 1999

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License