SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue1School complaint from the perspective of Special Education teachers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Psicologia Escolar e Educacional

On-line version ISSN 2175-3539

Psicol. Esc. Educ. vol.16 no.1 Maringá Jan./June 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572012000100001 

EDITORIAL

 

 

Este ano estamos comemorando 50 anos de regulamentação da profissão de psicólogo no Brasil. Meio século nos conduz a várias reflexões, frutos da maturidade. Tal como um bebê que vem ao mundo e precisa do apoio da mãe ou de um adulto que o acolha e lhe mostre os primeiros caminhos, demos os primeiros passos, no âmbito educacional, vinculados à medicina e à psicometria, assim como estivemos presente nas primeiras Escolas Normais.

Nossa função inicial foi classificar e selecionar alunos que não estavam aprendendo na escola e, durante os nossos primeiros anos de infância, cumprimos muito bem tal tarefa, contribuindo, em muitas situações, para a disseminação do preconceito em relação aos filhos das classes trabalhadoras. No entanto, as contradições presentes na realidade nos levaram a questionar esse modelo de atendimento e então percebemos o quanto a instituição escolar reproduz a ideologia dominante, podendo contribuir para a alienação e a perpetuação da divisão de classes. Konder (1983) assinala que os homens adotam, em suas vidas, determinadas formas de representação da realidade e que, a partir "dessas maneiras de avaliar as coisas, os seres humanos criam suas escalas de valores: convencem-se do que devem esperar da vida, de como devem viver e de quais são os objetivos que devem perseguir com prioridade em suas respectivas existências" (p. 68). A Psicologia estava bem intencionada, mas não se dava conta de que a ideologia estava guiando sua forma de compreensão e intervenção na realidade.

Na transição da adolescência para a vida adulta, em uma sociedade brasileira que começou a deixar de se calar depois da repressão sentida após a revolução de 1964, o trabalho de Maria Helena de Souza Patto (1987) "Psicologia e ideologia: uma introdução crítica à psicologia escolar" trouxe elementos para que pudéssemos compreender a escola e os problemas de escolarização a partir das condições histórico-sociais que os produzem. Na década de 1980-90, já mais experiente e com um número maior de pesquisas e consolidação de intervenções em uma perspectiva crítica, a Psicologia nos brindou com a possibilidade de pensar-se como Ciência para além da vertente tradicional que individualiza e patologiza problemas de ordem social. Chegamos, finalmente, à maturidade, cujas conquistas ainda precisam ser melhor incorporadas, tanto pelos próprios profissionais como pela população em geral. Teimamos algumas vezes em repetir práticas já questionadas - como, por exemplo, a medicalização de supostos distúrbios de aprendizagem, o atendimento clínico na escola, a culpabilização da criança, família ou professor pelo fracasso escolar -, que atendem aos ditames do capital e, como afirma Mészaros (2001/2006), reafirmam a ideologia das conquistas e responsabilidades individuais pelo fracasso ou o êxito na escola. Mas, por outro lado, vislumbramos a possibilidade de desenvolver práticas e produzir textos que caminham na contramão de tais posturas, buscando apoiar iniciativas e trabalhos na escola que primam pela emancipação humana.

O momento agora é de reflexão, de pesar na balança os avanços e os recuos presentes na área. Nesse sentido, o presente volume da Revista Psicologia Escolar e Educacional aborda temáticas tais como as queixas escolares, Bullying, preconceito, violência, formação e trabalho de professores, assim como a atuação do psicólogo escolar. Na seção História, as autoras também fazem uma discussão sobre a história do campo de conhecimento e prática de Psicologia em sua relação com a educação, pontos fundamentais a serem abordados na maturidade.

Nestes anos de maturidade, além das problemáticas já apresentadas, frutos de um modelo de gestão toyotista, temos um novo embate na produção teórica: a contraposição ao produtivismo que está sendo constantemente exposto quando se trata da publicação das pesquisas. A cobrança e ânsia de produzir cada vez mais, a rapidez exigida em um modelo calcado pela flexibilização e o excesso de trabalho em contradição com o desemprego estão na agenda da Psicologia para continuar a explicar o sofrimento e o processo de alienação que vêm acometendo o trabalhador desde a divisão do trabalho. Sofrimento que circula entre os alunos que não aprendem e professores que não conseguem ensinar. Dilemas antigos a serem enfrentados nos próximos anos.

Peço desculpas aos leitores por fazer um editorial mais reflexivo, mas quando estamos fazendo 50 anos (eu e a profissão), é impossível não pensar no passado e vislumbrar o futuro. O sentimento que tenho agora é de grandes conquistas para a área e de uma avalanche de questionamentos que nossa ciência terá que responder, nesse processo de transformação da realidade que os homens estão realizando por meio do trabalho. Convido, portanto, todos a refletir, com os autores deste número da Revista, sobre o homem, em seu processo de sobrevivência e busca de uma sociedade mais igualitária.

Boa leitura.

 

Marilda Gonçalves Dias Facci
Editora Responsável

 

Referências

Konder, L. (1983). Marx: vida e obra. (6 ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.         [ Links ]

Mészáros, I. (2006). O Século XXI: socialismo ou barbárie? (P. C. Castanheira, Trad.) São Paulo: Boitempo. (Trabalho original publicado em 2001)        [ Links ]

Patto, M. H. S. (1987). Psicologia e ideologia: uma introdução crítica à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License