SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número3Capacitação espermática in vitro com heparina e cálcio ionóforo e sua correlação com a fertilidade em tourosTétano em um gato índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science

versão impressa ISSN 1413-9596

Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. v.39 n.3 São Paulo  2002

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-95962002000300009 

SHORT COMMUNICATION/RELATO DE CASO

 

Alterações histológicas em Lymnaea columella provocadas pelo látex de Euphorbia splendens var. hislopii

 

Histological changes in Lymnaea columella caused by the Euphorbia splendens's latex

 

 

Samanta Moura de Araújo; Edwin Alberto Maure Pile; Juliana SãoLuiz de Barros; José Augusto Albuquerque dos Santos; Maurício Carvalho de Vasconcellos

Departamento de Biologia/IOC/FIOCRUZ, Rio de Janeiro - RJ

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Observações histológicas em moluscos da espécie Lymnaea columella foram realizadas para determinar a existência ou não de alterações provocadas pelo uso do látex de Euphorbia splendens var. hislopii. O experimento foi realizado de acordo com os métodos padronizados pela OMS. Cinqüenta exemplares de L. columella, com comprimento de concha de 6±1mm, foram submetidos a 200ml das soluções nas concentrações de 0,47µl/L; 0,76µl/L; 0,94µl/L e 1,51µl/L, durante 24 horas. Após o evento experimental, os moluscos foram colocados em solução de Raillet & Henry, para sacrifício e fixação. Os resultados demonstraram lesões caracterizadas por degeneração, necrose e acúmulo de líquido na glândula digestiva e no rim, em exemplares submetidos a concentrações a partir de 0,47 ml/L.

Palavras-chave: Fasciola hepatica. Euphorbia splendens. Lymnaea columella. Controle.


SUMMARY

Histological observations in Lymnaea columella snails to determine the existence or not of changes caused by the use of the Euphorbia splendens's latex were realized. The experiment was realized in agreement with the methods standardized by WHO. Fifty samples of L. columella, with shell 6±1mm long, were submitted at 200ml of the solutions in concentrations of 0,47µl/L; 0,76µl/L; 0,94µl/L and 1,51µl/L, during 24 hours. After the experimental event, the snails were placed in solution of Raillet & Henry, for sacrifice and fixation. The results demonstrated lesions characterized by degeneration, necrosis and liquid accumulation in the digestive gland and in the kidney, in samples maintained in concentrations from 0,47 ml/L on.

Keywords: Fasciola hepatica. Euphorbia splendens. Lymnaea columella. Control.


 

 

INTRODUÇÃO

A fasciolose é uma zoonose de ampla distribuição geográfica, considerada importante na medicina veterinária por acometer criações de bovinos, ovinos, caprinos e suínos, e na saúde pública por, ocasionalmente, infectar o homem.

O parasito utiliza como hospedeiro intermediário moluscos do gênero Lymnaea, os quais possuem dois representantes no Brasil: Lymnaea columella e L. viatrix, sendo L. columella, por sua ampla distribuição, o hospedeiro intermediário de maior interesse epidemiológico no País1.

Os programas de controle da fasciolose se baseiam no tratamento dos hospedeiros vertebrados e no extermínio dos moluscos. Várias formas de controle de moluscos têm sido utilizadas, contudo, sem resultados satisfatórios5. Atualmente, a medida mais utilizada é o uso de substâncias com propriedades moluscicidas8. Porém, tradicionalmente, os produtos químicos utilizados para estes fins contaminam e alteram o ambiente, o que tem estimulado a investigação destes efeitos em produtos de origem vegetal. Entre as substâncias avaliadas temos o látex de E. splendens. Esta substância parece ser uma das mais promissoras5,7, o que tem motivado o desenvolvimento de vários trabalhos em campo e no laboratório3,4,5,7.

Pelo fato da viabilidade deste moluscicida e as alterações histológicas em L. columella terem sido verificadas6,7,3, o objetivo deste trabalho foi o de verificar a existência ou não de alterações histológicas nesses moluscos, quando utilizadas soluções em concentrações subletais, situação que em condições de campo é freqüente. Informações sobre a possibilidade de recuperação dos moluscos e repovoamento das áreas em situação de controle poderão servir de subsídios em programas de controle estratégico.

 

MATERIAL E MÉTODO

Descrição da planta e coleta do látex

Euphorbia splendens var. hislopii (N.E.B) é originária da Região de Inselberge, localizada no Planalto Central de Madagascar, na África. A espécie, pertencente à família das Euphorbiaceas, é uma planta ornamental exótica, caracterizada por apresentar porte pequeno, caule grosso com galhos longos e retorcidos com numerosos espinhos, folhas compridas e oblongas e flores pedunculadas com pequenas brácteas vermelho-vivas dispostas em cimeiras terminais.

A coleta do látex foi realizada de plantas cultivadas no Campus da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro/RJ, cortando obliquamente a parte superior do meristema apical da planta. Um mL do látex foi coletado e diluído em 9mL de água destilada, representando 10% da solução, da qual as concentrações requeridas foram retiradas. Soluções aquosas em várias concentrações foram testadas de acordo com os métodos preconizados pela OMS (uso de béqueres, relação volume da solução/número de animais, controle das condições ambiente (27 oC, ritmo de iluminação de 12x12), tempo de exposição e de recuperação)6.

Moluscos utilizados

Os exemplares de L. columella2 foram criados e mantidos em condições de laboratório. Cinqüenta animais com comprimento de concha de 6±1mm8 foram divididos em cinco grupos e distribuídos em béqueres.

Bioensaios

Os bioensaios foram realizados de acordo com o método recomendado pela World Health Orgasnization8. As concentrações do látex, em solução aquosa, utilizadas foram 0,47ml/L, 0,76 ml/L, 0,94 ml/L e 1,51ml/L. Os moluscos junto com as soluções moluscicidas foram mantidos em temperatura ambiente (26±1 oC) durante 24 horas. Os béqueres foram cobertos com uma tela de plástico, para evitar a fuga dos moluscos e permitir a entrada de ar. Após o período de exposição, os exemplares foram enxaguados, a fim de remover resíduos da solução da concha, e transferidos para recipientes, sempre com água desclorada, mantendo-os assim durante 24 horas (período de recuperação). Nesses períodos os animais não receberam alimentação. Posteriormente foram retirados da água destilada e colocados em solução de Raillet & Henry, para sacrifício e fixação. Os cortes histológicos, de sete (7) mm de espessura, foram corados com Hematoxilina e Eosina1, e as microfotografias do rim, glândula digestiva e gônadas foram realizadas em microscópioa acoplado à câmara fotográfica, utilizando filme coloridob.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Durante o experimento poucos animais morreram (Tab. 1). As mortes aconteceram em duas concentrações, tanto no período de exposição quanto de recuperação. Contudo, a histologia demonstrou lesões caracterizadas por degeneração, necrose e depósito intersticial na glândula digestiva (células digestivas e de Lime) de moluscos submetidos a soluções com concentrações de 0,47µl/L e 0,76µl/L. A partir de 0,94µl/L, as lesões foram registradas na porção sacular do rim, evidenciando-se degeneração epitelial e depósito intralamelar.

Lesões extensas na glândula digestiva e nas gônadas foram registradas por Pile, Coelho e Santos3, contudo, a concentração utilizada por eles foi de 5mg/L. Os resultados acompanham a indicação feita por Rondelaud e Barthe4, da relação existente entre a gravidade das lesões, provocadas por parasitos e por substâncias químicas, e a intensidade da origem primária.

 

CONCLUSÕES

Constata-se que moluscos, quando submetidos a concentrações a partir de 0,47µl/L do látex de E. splendens, sofreram alterações histológicas, e que as lesões já podem ser observadas após 24 horas de exposição.

As alterações histológicas estão relacionadas com degenerações localizadas e às vezes necroses extensas na glândula digestiva e rim dos moluscos submetidos ao moluscicida.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BEHMER, O.A ;TOLOSA, E.M.C.; FREITAS, A.G. Manual de técnicas para histologia normal e patológica. São Paulo: EDART, EDUSP, 1976. 256 p.        [ Links ]

2. PARAENSE, L. Lymnaea viatrix and Lymnaea columella in the neotropical region: a distribuitional outline. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 77, n. 2, p. 181-188, 1982        [ Links ]

3. PILE, E.; COELHO, B.; SANTOS, J.A.A. Alteraciones histopatológicas en Lymnaea columella (Pulmonata:Lymnaeidae), huesped intermediario de Fasciola hepatica (Linneaus, 1758) (Trematoda: Fasciolidae), causadas por Euphorbia splendens var. hislopii N.E.B. Parasitologia al Dia, v. 22, p. 105-107, 1998.        [ Links ]

4. RONDELAUD, D.; BARTHE, D. Donées histhopatologiques sur l'epitheëlium genital de Lymnaea truncatula Müller infestée par Fasciola hepatica L. Bulletin Societe Zoologique Française, v. 105, p. 481-490, 1980.        [ Links ]

5. SOUZA, C. P.; LIMA, L. C. Moluscos de interesse parasitológico do Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1990. 76p.        [ Links ]

6. VASCONCELLOS, M. C.; SCHALL, V. T. Látex of "Coroa de Cristo" (Euphorbia splendens): an effective molluscicide. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 81, n. 4, p. 475-476, 1986.        [ Links ]

7. VASCONCELLOS, M.C. Ação do látex da Euphorbia splendens var. hislopii N.E.B. (Euphorbiaceae) sobre Lymnaea columella (Say, 1817) (Pulmonata:Lymnaeidae), hospedeiro intermediário de Fasciola hepatica Linnaeus, 1758 (Trematoda:Fasciolidae) em laboratório e no campo. 1996. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.        [ Links ]

8. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of science working group on plant molluscicide and guidelines for evaluation of plant molluscicide. Geneve, 1983. (TDR/SCH – SWE (4)/83.3).        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Edwin Alberto Maure Pile
Núcleo de Biologia e Controle de Endo e Ectoparasitos de Interesse Médico e Veterinário Departamento de Biologia/IOC/FIOCRUZ
Av. Brasil, 4365
21045-900 – Rio de Janeiro - RJ

Recebido para publicação: 08/06/2001
Aprovado para publicação: 19/03/2002

 

 

a Marca Carls Zeiss
b Asa 100, marca Kodak