SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 issue6Study of the cerebellar arteries of the "macaco-prego": considerations on the nomenclature (Cebus apella, L. 1766)Systematization of the cranial vena cava in buffalos (Bubalus bubalis bubalis Simpson, 1945) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science

Print version ISSN 1413-9596On-line version ISSN 1678-4456

Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. vol.39 no.6 São Paulo  2002

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-95962002000600005 

Sistematização da veia cava caudal em búfalos (Bubalus bubalis bubalis Simpson, 1945)

 

Systematization of the caudal vena cava in buffalos (Bubalus bubalis bubalis Simpson, 1945)

 

 

Adelmar Afonso de Amorim JúniorI; Maria Angélica MiglinoII; Marleyne José Afonso Accioly Lins AmorimIII; Tatiana Carlesso dos SantosII

IDepartamento Anatomia do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife - PE
IIDepartamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, São Paulo – SP
IIIDepartamento de Morfologia e Fisiologia Animal da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife - PE

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

Para o presente trabalho utilizou-se 25 animais, fetos de búfalos da Raça Murrah, com idades variando entre 5 e 9 meses, sendo 15 fêmeas e 10 machos, com vistas à dissecação e sistematização dos vasos em estudo. Os animais foram coletados em abatedouro e fixados em solução aquosa de formol 10%. Obtiveramse para a Veia Cava Caudal os seguintes afluentes de origem: as veias ilíacas comuns direita e esquerda, e seus afluentes colaterais; veia sacral mediana; veias frênicas; veias lombares (1-5); veias circunflexas profunda do ílio direita e esquerda; 3-4 veias hepáticas; veia genital direita (testicular ou ovárica); veias adrenais e veias renais direita e esquerda.

Palavras-chave: Veia cava caudal. Búfalo. Anatomia.


SUMMARY

Twenty-five animals, Murrah, buffaloes fetus, with 5 to 9 months of age (15 females and 10 males) was analyzed by dissection after injected with latex substance. The fetuses were collected in a slaughterhouse and fixed in aqueous formol solution 10%. In the Caudal Vena Cava the following origin tributaries were observed: the common right and left iliac veins and collateral tributaries; the median sacral vein; frenic vein; 1-5 Lumbar veins; the circumflex deep veins of the right and left ileum; 3-4 hepatic veins; right genital vein (testicular or ovarian); adrenal vein and renal right and left veins.

Keywords: Caudal vena cava. Buffalo. Anatomy.


 

 

INTRODUÇÃO

O búfalo é uma espécie originária da Ásia, difundida praticamente em todos os continentes, provavelmente pela facilidade de adaptação em qualquer ambiente. Tratase de um animal rústico, precoce, fértil e dócil. Nas Américas o maior rebanho encontrase no Brasil, constituindo uma população de mais de dois milhões de cabeças, onde no período de 19701998, dentre os ruminantes, teve um crescimento de 1.340,67%, mais do que encontrado em outros países (51%)6.

No Brasil o búfalo é encontrado em praticamente todos os Estados, onde são criadas quatro raças: Murrah, Jaffarabadi, Carabao e Mediterrâneo, sendo as três primeiras de origem Asiática e a última Européia (Itália). O búfalo é tradicionalmente criado para o abate, mas o interesse na exploração de seu potencial leiteiro vem rapidamente se difundindo em diversas regiões do país, particularmente nas regiões Sul e Sudeste, onde já se observam inúmeros rebanhos sob exploração leiteira, confirmando a tendência atual de concedera-lo uma espécie de dupla aptidão.

A raça Murrah destacase das demais por apresentar um porte médio, ter conformação compacta, cabeça leve a chifres curtos, espiralados e enrodilhados em anéis na altura do crânio; são animais de boa capacidade digestiva, pré-requisitos importantes para a produção de leite.

Pretende-se neste trabalho contribuir para preencher a lacuna existente na morfologia do grupo de animais domésticos, com a inclusão da espécie na redação dos futuros Tratados de Anatomia Veterinária. Os dados obtidos nesta pesquisa fornecerão subsídios indispensáveis para o progresso da Anatomia Comparada e Fisiologia, como também para a compreensão dos processos patológicos de âmbito vascular, possibilitando a realização de pesquisas de natureza experimental, médica e zootécnica.

 

MATERIAL E MÉTODO

O material coletado para o presente trabalho consta de búfalos da Raça Murrah, pertencentes a diversas faixas etárias. Foram utilizados 25 fetos com idades variando entre 5 e 9 meses, sendo 16 fêmeas e 09 machos, e 3 bezerros bubalinos, com aproximadamente 3-4 meses de idade, obtidos em Minas Gerais (Uberlândia), São Paulo (Ilha Solteira, Araçatuba e Aguaí) e Pará (Belém). Os animais foram colhidos em abatedouro, a veia jugular externa foi então canulada e injetou-se látex Neoprene 650 (Du Pont do Brasil S. A) corado com corante específico (Suvinil corante azul/Glasurit do Brasil Ltda) e fixados em solução aquosa de formol a 10%.

De todas as preparações colhemos dados relativos aos tamanhos e proporções corpóreas dos fetos, informações importantes na estimativa da idade fetal, com vistas à dissecação e sistematização dos vasos em estudo.

A idade fetal foi estimada pelas fórmulas estabelecidas por AbdelRaouf e ElNaggar1, ratificadas posteriormente por Souza15. São elas: Y=74 + (9/2)X (para fetos com menos de 20 cm) e Y=74 + (9/4)X (para fetos com mais de 20cm), onde X representa o comprimento ápicesacro (AS), equivalente à distância do ponto mais alto da cabeça até a base da cauda, acompanhando a curvatura do corpo, a Y= idade.

Os vasos venosos foram dissecados e as veias da cavidade abdominal e pélvica identificadas e esquematizada a distribuição de cada uma delas.

De cada preparação confeccionamos desenhos esquemáticos e tomaram-se fotografias para documentação. A nomenclatura utilizada esta baseada nas determinações do International Commitee on Veterinary Gross Anatomical Nomeclature9.

Para as mensurações das distâncias entre as desembocaduras das tributárias relativas às Veias Cavas, utilizamos a face interna dos referidos vasos (túnica interna) com o auxílio de um paquímetro da série 125 Starrett.

 

RESULTADOS

A aplicação das fórmulas para cálculo estimado da idade fetal permitiu identificar 56% dos fetos com idade entre 7 8 meses, 32% dos fetos com idade entre 6 7 meses, 8% dos fetos com idade entre 8 9 meses e 4% dos fetos com idade entre 5 6 meses, sendo o número total de 25 fetos.

Face à grande extensão da veia cava caudal, dividimola convenientemente sob o aspecto topográfico em duas porções: uma TORÁCICA e a outra ABDOMINAL. A veia cava caudal corresponde à aorta abdominal a recolhe o sangue proveniente das estruturas situadas caudalmente ao diafragma, da parede da cavidade abdominal a da pelve.

Originase na cavidade abdominal, ventralmente ao nível do corpo da quinta vértebra lombar, pela confluência em ângulo agudo das veias ilíacas comuns direita e esquerda em todos os casos, continuando seu fluxo cranialmente, à direita da aorta abdominal, relacionada dorsalmente ao músculo psoas maior.

Segue ventralmente às artérias lombar a renal direita, cruzandoas antes da lá vértebra lombar onde se sustenta pelo pilar direito do diafragma. Ventralmente está coberta pelo peritônio que corresponde ao mesentério, intestino grosso, a em seguida pela veia porta a pelo pâncreas, atingindo a margem dorsal do fígado (margem obtusa). Colocase à esquerda do lobo direito do fígado e, nesta porção, revestida completamente da substância hepática, recebe as veias hepáticas, para finalmente atingir a cavidade torácica, apresentando em média, um comprimento de 15,2 cm. Ultrapassa o forame oval do diafragma (forame da veia cava caudal) localizado no seu centro tendíneo, em situação oposta à nona ou décima vértebra torácica, para atingir a cavidade torácica. Deste modo, mostra um percurso intratorácico médio de 4,9 cm. entre o pulmão direito e o seu lobo acessório, contido no interior do ligamento pleural da veia cava. Em sua face lateral observamos o nervo frênico direito. Perfura o pericárdio fibroso (porção intrapericárdica) para terminar no átrio direito do coração, na porção mais ventral do seio venoso. Nesta porção, não nos deparamos nenhum dos seus afluentes, e assim o vaso perfaz em média de 20,29 cm do seu comprimento total.

Quando comparada à veia cava cranial, apresenta um maior calibre e comprimento, aumentando gradativamente desde sua origem à sua terminação, constituindo assim, o maior vaso do sistema venoso do bubalino. Após sua origem, a veia cava caudal, em seu longo percurso com destino ao coração, recebe tanto afluentes parietais quanto viscerais.

As tributárias de origem da veia cava caudal são as veias ilíacas comuns direita e esquerda 100% das observações. São vasos volumosos e curtos, originados da confluência das veias ilíacas externa e interna do antímero correspondente. Em seu ângulo de convergência deparamosnos com a transposição da veia sacral mediana. De outra parte, na face dorsal desta mesma convergência, notamos a desembocadura da 6a veia lombar. No trajeto cranial da veia cava caudal intraabdominal, notamos dorsalmente os orifícios de desembocaduras da la veia lombar ou veia abdominal caudal e da 2a a 6a veias lombares. Já na sua face ventral visualizamos a junção da veia testicular ou ovárica direita e esquerda, sendo que a veia testicular ou ovárica esquerda localizase caudalmente à direita (92% dos casos) (Fig. 1).

 

 

No mesmo plano perpendicularmente e lateralmente a ela deparamonos com desembocadura das veias circunflexas profundas do ílio direita e esquerda. Em seguida, no seu fluxo cranial, no mesmo plano, acusamos as confluências das veias renais direita e esquerda ocupando estas uma posição caudal as primeiras e das veias adrenais; já, em seu aspecto ventral, próximo ao diafragma, no trajeto submerso ao parênquima hepático, a veia cava caudal recebe as veias hepáticas, e ao nível do forame da veia cava caudal do diafragma (limítrofe das cavidades torácica a abdominal), as veias frênicas (Esquema 1).

 

 

Para a medição da veia cava caudal porção torácica adotou-se como referência à margem de inserção do pericárdio fibroso de um lado e a desembocadura das veias frênicas do outro lado, enquanto para a sua porção abdominal consideramos o trato que se estende logo após a desembocadura das veias frênicas até o ângulo de confluência das veias ilíacas comuns direita e esquerda.

 

DISCUSSÃO

Nossos resultados demonstram que a veia cava caudal (Vena cava caudalis) recebe o sangue das regiões situadas caudalmente ao diafragma, fazendo exceção com a região cranial da parede abdominal, fato que não coincide com a afirmação de Schwarze e Schroder14, os quais incluem, além das regiões acima citadas, a cavidade torácica, como território de drenagem da veia cava caudal.

Para os bubalinos, a veia cava caudal apresenta nos fetos um comprimento médio de 20,29 cm desde sua origem até sua junção no seio venoso do átrio cardíaco, estas informações assemelhamse àquelas descritas em bovinos2, 12, 16, 17.

A veia cava caudal, situada na cavidade abdominal, correspondente à aorta abdominal, que se estende desde a última vértebra lombar ate a primeira vértebra sacral, como nos bovinos12, até o forame da veia cava caudal no diafragma (ponto de afluência das veias frênicas).

Quanto aos afluentes de origem da veia cava caudal estes são identificados por dois grandes troncos venosos tronco pélvicocrural formado pela união das veias ilíacas primitivas e veia sacral mediana3, 7, 11, 14. As principais raízes da veia cavas caudal nos ruminantes têm a participação das veias ilíacas internas e externas, direita e esquerda, e da veia sacral mediana2, sendo esta afluente das veias ilíacas comuns16. Este fato não foi visto em nossos resultados, porquanto afirmamos que em todos os casos dissecados, os únicos afluentes de origem da veia cava caudal, são as veias ilíacas comuns direita e esquerda. De outra parte a veia cava caudal já constituída recebe em seu ângulo de confluência, seu primeiro afluente colateral dorsal, a veia sacral mediana. Esses dados são igualmente exarados pelos autores4, 10, 12.

As veias circunflexas profundas do ílio direita e esquerda participam como tributárias laterais da veia cava caudal7, 10, 12. Contudo Barone2, estudando os ruminantes, verificou que estas veias (circunflexas profundas do ílio) são afluentes das veias ilíacas comuns nos pequenos ruminantes e de maneira inconstante nos bovinos, elas penetram na veia cava caudal. Este mesmo autor assinala que existem seis pares de veias lombares nos bovino e nos caprinos, e seis ou sete pares nos ovinos. A sétima veia, quando presente, continuase geralmente na veia sacral mediana, enquanto que a sexta veia lombar abrese na veia ilíaca comum, porém, às vezes isso ocorre na veia ilíaca interna ou veia sacral mediana nos bovinos. De outra parte, segundo o autor as veias lombares mais craniais (lª a 2ª), e às vezes a 3ª (mais freqüentemente nos pequenos ruminantes que nos bovinos), constituem as raízes da veia ázygos esquerda.

A veia cava caudal emite o 3°, 4° e 5° par de veias lombares nos bovinos e, a 4ª, 5ª e 6ª veias lombares nos pequenos ruminantes8, 17. Este arranjo não é evidente nos bubalinos, já que os seis pares de veias lombares são afluentes da veia cava caudal. Apenas em um único caso observou-se a lª veia lombar unindose a veia ázigos esquerda para compor tronco comum, o qual desemboca na veia cava caudal.

Relativamente aos afluentes viscerais da face ventral da veia cava caudal Barone2 descreve que as veias circunflexas profundas do ílio, assim como as veias testiculares ou ováricas desembocam em um mesmo plano na veia cava caudal, podendo formar arranjos diversos dependendo da espécie e do antímero considerado. Assim, as veias testiculares ou ováricas podem desembocar na veia ilíaca comum, veia circunflexa profunda do ílio a na pane inicial da veia cava caudal. Esta idéia é também evidente nas descrições de Nickel et al.12 e Ghoshal et al.8, os quais ainda complementam, que as veias ilíacas comuns comportamse da seguinte maneira: a do antímero esquerdo emite nos machos (ovinos e bovinos) a veia testicular esquerda e nas fêmeas (caprinos e bovinos) a veia ovárica esquerda. Isto se soma parcialmente aos resultados deste trabalho, pois se registrou para os bubalinos, em todas as preparações, a união das veias testiculares ou ováricas, em ambos os antímeros, na veia cava caudal, diferindo apenas o nível de desembocadura, pois á esquerda a veia testicular ou ovárica apresentavase caudalmente e à direita localiza-se entre a veia circunflexa profunda do ílio e a veia ilíaca comum esquerda.

Para Barone2 e Nickel et al.12 as veias renais são muito assimétricas, enquanto a direita é simples e curta, e se une a veia cava caudal, na extremidade cranial da segunda vértebra lombar. A veia renal esquerda, nitidamente mais longa, recebe freqüentemente uma veia acessória, antes de seguir no meso do rim esquerdo, a abrirse na veia cava caudal, na altura da extremidade cranial da segunda vértebra lombar.

Cada glândula adrenal possui uma veia adrenal caudal. Nos bovinos estas se dirigem à veia cava caudal. Uma ou duas pequenas veias acessórias (adrenais craniais), sem trajeto livre, abrem-se diretamente na veia cava caudal8, exibindo as mesmas características encontradas nos búfalos. Para os ovinos e caprinos a veia renal direita tem origem na veia cava caudal, ventralmente a primeira e segunda vértebras lombares, respectivamente8.

Pelo fato do rim esquerdo apresentarse suspenso na região sublombar, a veia renal, destacase da parede ventral da veia cava caudal. Nos caprinos a veia renal direita pode anastomosarse com a primeira veia lombar. Por outro lado as glândulas adrenais nos caprinos e ovinos são supridas por ramos das veias renais a lombares5, 12, 17.

Seguindo seu curso em direção cranial a veia cava caudal perfura o centro tendíneo do diafragma, no forame da veia cava caudal. Nos bovinos a veia cava caudal mostra lateralmente a origem de duas veias frênicas8, podendo haver uma terceira, mais curta, a qual se forma na face caudal do diafragma por confluência de ramos que chegam da parte carnosa do diafragma a desemboca na veia cava caudal14, 16. É descrito ainda em bovinos que as veias frênicas craniais direita a esquerda e a veia frênica caudal deixam a veia cava caudal, ao forame da veia cava caudal, no centro tendíneo do diafragma12, 9.

Nos pequenos ruminantes estes ramos originamse na cavidade abdominal, e um terceiro ramo originase da parede lombar direita, veia lombar direita, a qual desembocava na parede dorso lateral direita da veia cava caudal8. Este comportamento foi observado nas dissecações realizadas.

No que tange a literatura especializada, Sharma et al.13, estudando a drenagem venosa do diafragma em búfalos, de 18 a 24 meses de idade, descrevem que as veias frênicas (caudal a cranial) responsáveis pela drenagem do diafragma abremse na veia cava caudal, em sua face esquerda e direita respectivamente, a uma distância de 24 cm uma da outra. O autor deparouse ainda, com um terceiro ramo, desembocando dorso lateralmente à direita da veia frênica cranial. O forame caval do diafragma se situa de 24 a 28 cm dorsalmente à inserção esternal do diafragma a de 22 a 24 cm ventralmente ao corpo da 6ª vértebra torácica. Em nossos achados, esta medida variou de 6,3 a 7,5 cm dorsalmente à inserção estemal do diafragma a de 5,0 a 6,5 cm ventralmente ao corpo da 7ª e 8ª vértebra torácica.

 

CONCLUSÕES

Fundamentados na dissecação de 25 peças em fetos de bubalinos julgamos lícito firmar que:

1. A confluência das veias ilíacas comuns direita e esquerda, apartir de seu ângulo, de junção representa o inicio da vela cava caudal, portanto seus afluentes de origem.

2. A veia cava caudal apresenta como principais tributárias parietais, em sua região dorsal, a veia sacral mediana e as veias lombares (1-6); na região dorsolateral, as veias circunflexas profundas do ílio direita e esquerda e as veias frênicas (2-3); já como tributárias viscerais, em sua região ventral, as veias testiculares ou ováricas direita e esquerda e as veias hepáticas (3-4); em sua região lateral as veias renais direita e esquerda e as veias adrenais direita e esquerda.

 

REFERÊNCIAS

1- ABDELRAOUF, M.; ELNAGAR, M. A. Further study of the biometry and development of the Egyptian búfalo foetus, U.A.R. Journal Veterinary Science, v. 7, n. 1, p. 125140, 1970.        [ Links ]

2- BARONE, R. Anatomie comparée des mammifères domestiques. 2. ed. Paris: Vigot, 1990. V. 5, P. 449663        [ Links ]

3- BRUNI, A.; ZIMMERL, U. Anatomia degli animali domestici. Milano: Francesco Vallardi, 1947. V. 2. P. 370372; 375378.        [ Links ]

4- DYCE, K. M. et al. Tratado de anatomia veterinária. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997. P. 461464.        [ Links ]

5- DOBBERSTEIN, J.; KOCH, T. Lehrbuch der Vergleichenden Anatomic der Haustiere. Band III Gefaâlehre, Nervensytem, Sinnesorgane, Haut, Leipzig, S. Hirzel, 1958. V. 3. P. 6573.        [ Links ]

6- FAO (Food and Agriculture Organization), FAOSTAT Agriculture data. Http://apps.fao.orgi/cgi-gin/nph-db.pl?subset=agriculture/. 1999.        [ Links ]

7- FAVILLI, N. Nozioni comparate di anatomia a fisiologia degli animali rurali. Torino: Unione Tipográfico Editrice Torinese, 1931. P. 290291.        [ Links ]

8- GHOSHAL, N. G. et al.The venous drainage of the domestic animals. Philadelphia: W. B. Saunders Company, 1981. P. 3143.        [ Links ]

9- INTERNATIONAL COMMITTEE ON VETERINARY GROSS ANATOMICAL NOMENCLATURE. INTERNATIONAL COMMITTEE ON VETERINARY HISTOLOGICAL NOMENCLATURE. INTERNATIONAL COMMITTEE ON VETERINARY EMBRIOLOGICAL NOMENCLATURE. Nomina anatomica veterinaria. (4.ed.) Nomina histological veterinaria. (2.ed.) Nomina embriological veterinaria. (1.ed.) New York: Zurich and Ithaca: Word Association on Veterinary Anatomist, 1994. P. 86105.        [ Links ]

10- MAY, N. D. S. Anatomia del ovino manual de disección. Argentina: Hemisferio Sur, 1974. 1. ed, P. 71153.        [ Links ]

11- MONTANÉ, L.; BOURDELLE, E. Anatomie régionale des animaux domestiques. II Ruminants. Paris: Librairie J.B. Baillière, 1917. P. 3133.        [ Links ]

12- NICKEL, R. et al.The anatomy of the domestic animals. Berlin: Paul Parey, 1981. V. 3, P. 184239.        [ Links ]

13- SHARMA, D. N. et al.Venous drainage of the diaphragm of buffalo, Indian Journal of Animal Science, v. 61, v. 1, p. 3033, 1991.        [ Links ]

14- SCHWARZE, E.; SCHRODER, L. Compendio de anatomia veterinária. Zaragoza: Acribia, 1972. Tomo III. P. 89102.        [ Links ]

15- SOUZA, H. E. M. Idade fetal a caracteristicas biométricas a morfológicas do útero gestante de bubalinos. Rio de Janeiro, 1993. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.        [ Links ]

16- ZIMMERL, U. et al.Trattato di anatomia veterinaria. Milano: Francesco Vallardi, 1930. V. 2, P. 242297.        [ Links ]

17- ZIETZSCHMANN, O. et al. Ellenberger Baum Handbuch der vergleichenden anatomie der Haustiere. 18 auflage. Springer: Berlin, 1985. P. 717740.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
Maria Angélica Miglino
Departamento de Cirurgia Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo
Av. Prof. Orlando Marques de Paiva, 87 Cidade Universitária Armando Salles Oliveira
05508-270 –São Paulo – SP
E-mail: miglino@usp.br

Recebido para publicação: 27/02/2002
Aprovado para public ação: 19/08/2002

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License