SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.41 issue3The carcinogenic potential of cadmium in the palatal and gingival epithelium of rats: a morphologic and morphometric analysisThe influence of the route of inoculation on the development of the leptospiral infection in hamsters (Mesocricetus auratus) experimentally infected with Leptospira interrogans serovar pomona author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science

Print version ISSN 1413-9596On-line version ISSN 1678-4456

Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. vol.41 no.3 São Paulo May/June 2004

https://doi.org/10.1590/S1413-95962004000300007 

Epidemiologia da Leptospirose em animais silvestres na Fundação Parque Zoológico de São Paulo

 

Epidemiology of the Leptospirosis in wild animals at the Fundação Parque Zoológico de São Paulo

 

 

Sandra Helena Ramiro CorrêaI; Silvio Arruda VasconcellosII; Zenaide MoraisII; Antoninho de Assis TeixeiraI; Ricardo Augusto DiasII; Marcelo Alcindo de Barros Vaz GuimarãesIII; Fernando FerreiraII; José Soares Ferreira NetoII

IDivisão de Veterinária da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, São Paulo – SP
IIDepartamento de Medicina Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, São Paulo - SP
IIIDepartamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, São Paulo - SP

Endereço para correspondência

 

 


RESUMO

A Leptospirose é uma doença bacteriana de caráter zoonótico que afeta os animais domésticos, silvestres e o homem. Levantamentos sorológicos têm demonstrado o envolvimento de diferentes espécies sinantrópicas e silvestres na epidemiologia da doença. Com o objetivo de conhecer melhor a epidemiologia da Leptospirose dentro da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, foi realizado um estudo sorológico nos animais silvestres mantidos em cativeiro, no período de 1996 a 1999. Foram colhidas amostras de sangue de 302 animais atendidos na rotina da Divisão de Veterinária, das quais 59 apresentaram resultado positivo (19.5%) para a prova de Soroaglutinação Microscópica. Os sorovares mais prováveis para o conjunto total de resultados foram : copenhageni (15/59=25.4%), pomona (13/59=22%) e castellonis (10/59=16.9%). Entre os animais silvestres examinados os sorovares mais prováveis foram : Família Callithrichidae : castellonis (3/3=100%), Família cebidae : copenhageni : (13/21=65%), grippotyphosa (2/21=9.5%) e castellonis (1/21=44.7%). Família felidae : pomona (12/17=70.5%), icterohaemorrhagiae (2/17=11.7%) e grippotyphosa (1/17=5.8%), Família canidae : castellonis (2/4=50%), cynopteri (1/4=25%) e mini (1/4=25%), Família cervidae : mini (1/1=100%), Família bovidae : copenhageni (2/3=66.6%), pomona (1/3=33.3%), Família dasyproctidae : castellonis (2/3=66.6%), Família macropodidae: sentot (1/1=100%), família giraffidae : castellonis (1/1=100%). Animais de vida livre como ratos (Rattus norvegicus) e gambás (Didelphis marsupialis) também foram submetidos a prova de soroaglutinação necroscópica e cultura bacteriológica. Foram encontrados testes positivos para o sorovar icterohaemorrhagiae em 42,8% dos ratos e 40% dos gambás estudados. As freqüências de positivos quando analisadas do ponto de vista da localização espacial dos recintos destes animais, permitiram a verificação da existência de áreas críticas para exposição à leptospira dentro da Fundação Parque Zoológico de São Paulo. As freqüências de positivos para as várias áreas examinadas foram : Setor extra (36/113=31.8%), Alameda dos felinos (10/20=50%), Ilhas+Alameda, Lago+Alameda Girafa (3/14=21.4%), Alameda Urso+Alameda Zebra (3/21=14.2%), Gaiolão II (1/21=14.2%), Planície Africana (2/15=13.3%) e Alameda Bisão (1/2=50%). As razões desta constatação foram discutidas e medidas de profilaxia e controle para a Leptospirose no ambiente da Fundação Parque Zoológico de São Paulo foram sugeridas. Também foi discutida a importância do monitoramento sorológico em ambientes de zoológico para ações de vigilância.

Palavras chaves: Animal silvestre. Cativeiro. Zoológico. Leptospirose. Zoonose.


ABSTRACT

This study was aimed to achieve a better comprehension of the epidemiological aspects of leptospirosis in the Fundação Parque Zoológico de São Paulo. From 1996 to 1999, blood samples were collected from 302 wild animals that were submitted to the Veterinary Division of the zoo for routine procedures. Positive Microscopic Aglutination Test were obtained from them 59 animals were positiv (19,5%) . The most frequent sorovars were copenhageni ( 15/59 = 25.4%), pomona (13/59 = 22%) and castellonis (10/59 = 16.9%). According to the orders and families of examined animals, the most frequent serovars were: Order Primate : copenhageni (13/25 = 52%), castellonis (5/25 = 20%) e grippotyphosa (2/25 = 8%). Family Felidae pomona (12/17 = 70.5%), icterohaemorrhagiae (2/17=11.7%) e grippotyphosa (1/17 = 5.8%). Family Cervidae : mini (1/1 = 100%). Family Bovidae : copenhageni (2/3 = 66.6%), pomona (1/3 = 33.3%). Order Rodentia : castellonis (2/3 = 66.6%). Family Macropodidae : sentot (1/1 = 100%). Family Girafidae : castellonis (1/1 = 100%). Free living specimens of the Muridae ( Rattus norvegicus ) and Didelphidae ( Didelphis marsupialis) families were also examined for Microscopic Aglutination Test and bacteriologic culture. Positive serologycal and bacteriologycal tests for Icterohaemorrhagiae serogrup were found in rodents, such as rats (3/7 = 42.8%) and opossum 2/5 = 40%). These strongly suggest that free-living rodents play na important role in the leptospirosis transmition inside the Zoo. Two specific areas, Extra Sector 1 and Feline Alley were considered critical due to the major proportion of seropositives animals. The possible reasons and these findings were sugestive for the profilatical procidures for the control of the Leptospirosis at the São Paulo Zoo were discussed.

Key-words: Wildlife. Captivity. Zoological. Leptospirosis. Zoonosis


 

 

Introdução

A Leptospirose é uma doença bacteriana de caráter zoonótico que afeta os animais domésticos, silvestres e o homem. Estudos sorológicos têm demonstrado o envolvimento de diferentes espécies sinantrópicas e silvestres, na epidemiologia da doença. Roedores e pequenos marsupiais são reservatórios de maior importância1. No homem em geral ocorre na forma de surtos, ocasionados por exposição prolongada a água e solos úmidos, ou ingestão de alimentos contaminados2. Em várias partes do mundo, investigações em animais silvestres demonstram a presença de leptospiras em muitas espécies, como roedores, edentatas, carnívoros e artiodáctilas, os quais podem atuar como fonte de infecção3,4,5. Estudo retrospectivo na Divisão de Veterinária, a partir de casos clínicos suspeitos para leptospirose em felídeos, canídeos, primatas e tapirídeos, demonstrou fortes evidências da presença do agente na Fundação Parque Zoológico de São Paulo (FPZSP). Portanto, com objetivo de conhecer melhor a epidemiologia da Leptospirose dentro da FPZSP e, eventualmente, implementar medidas de controle, foi realizado um estudo sorológico nos animais silvestres mantidos em cativeiro no período de 1996 a 1999.

 

Materiais e Métodos

Foram utilizadas amostras de soro sangüíneo de animais atendidos na rotina da Divisão de Veterinária da FPZSP, entre os anos de 1996 a 1999 (Quadro 2). Assim sendo, amostras de 290 animais silvestres mantidos em cativeiro e 12 amostras de animais sinantrópicos foram submetidas a pesquisa de anticorpos contra leptospiras pela prova de Soroaglutinação Microscópica6, utilizando-se uma coleção de 25 antígenos (Quadro 1). A tentativa de isolamento do agente foi realizada a partir de tecido renal colhido de animais sinantrópicos – Rattus novergicus ( 7 animais) e Didelphis marsupialis (5 animais). Estas amostras provenientes de exames necroscópicos, foram colhidas através da técnica de Pipeta Pasteur, semeadas em tubos de meio de cultura de Fletcher que por sua vez foram incubados a temperatura de 28ºC por seis semanas7. Estes animais eram provenientes de diferentes áreas da Fundação Parque Zoológico de São Paulo. As amostras isoladas foram identificadas no Laboratório do Tropical Royal Institut de Amsterdã, Holanda, para tipificação.

 

 

Resultados

Em 302 amostras examinadas, 59 (19.5%) foram positivas para o teste de Soroaglutinação microscópica. Os sorovares mais prováveis para o conjunto total de resultados foram : copenhageni (15/59=25.4%), pomona (13/59=22%) e castellonis (10/59=16.9%). Entre os animais silvestres examinados os sorovares mais prováveis foram : Família Callithrichidae : castellonis (3/3=100%), Família cebidae : copenhageni : (13/21=65%), grippotyphosa (2/21=9.5%) e castellonis (1/21=44.7%). Família felidae : pomona (12/17=70.5%), icterohaemorrhagiae (2/17=11.7%) e grippotyphosa (1/17=5.8%), Família canidae : castellonis (2/4=50%), cynopteri (1/4=25%) e mini (1/4=25%), Família cervidae : mini (1/1=100%), Família bovidae : copenhageni (2/3=66.6%), pomona (1/3=33.3%), Família dasyproctidae : castellonis (2/3=66.6%), Família macropodidae: sentot (1/1=100%), Família giraffidae : castellonis (1/1=100%). O sorovar mais provável na espécie de roedor sinantrópico (Rattus novergicus) foi o icterohaemorrhagiae (3/7=42.8%). As freqüências de positivos quando analisadas do ponto de vista da localização espacial dos recintos destes animais, permitiram a verificação da existência de áreas críticas para exposição à leptospira dentro da Fundação Parque Zoológico de São Paulo. As freqüências de positivos para as várias áreas examinadas foram : Setor extra (36/113=31.8%), Alameda dos felinos (10/20=50%), Complexo Lago (3/14=21.4%), Alamedas Urso e Zebra (3/21=14.2%), Gaiolão II (1/21=14.2%), Planície Africana (2/15=13.3%) e Alameda Bisão (1/2=50%). As duas amostras isoladas a partir de tecido renal de dois exemplares de Rattus novergicus , mostraram similaridade com a amostra referência de L. interrogans sorovar Copenhageni, cepa M20, pela técnica de identificação por anticorpos monoclonais, realizada pelo Tropical Royal Institut de Amsterdã, Holanda.

 

Discussão

Na Fundação Parque Zoológico de São Paulo, no período de 1996 a 1999, dos 302 animais examinados, 59 foram positivos (19.5%) para o teste de soroaglutinação microscópica. No total dos resultados os sorovares mais prováveis foram copenhageni (15/59=25.4%), pomona (13/59=22%) e castellonis (10/59=16.9%), representantes, respectivamente, dos sorogrupos Icterohaemorrhagiae, Pomona e Ballum. Estudos semelhantes no zoológico de Chapultepec na Cidade do México, descreveram com maior freqüência os sorovares icterohaemorrhagiae, canicola, pyrogenes e hebdomadis, representantes respectivamente, dos sorogrupos Icterohaemorrhagiae, Canicola, Pyrogenes e Hebdomadis8. Lilenbaum et al.9, relataram anticorpos contra os sorovares pomona, icterohaemorrhagiae e copenhageni, pertencentes ao sorogurpo Icterohaemorrhagiae, em mamíferos no Zoológico do Rio de Janeiro. A localização espacial dos animais no Zoológico de São Paulo foi relacionada com os resultados sorológicos e duas áreas chamaram a atenção por apresentarem maior freqüência de animais sororeatores. O Setor Extra 1, área com grande adensamento de animais, onde é freqüente a presença de Rattus novergicus e não é aberta a visitação pública. Nesta área foram obtidos 36 resultados positivos em 113 animais examinados, sendo que os sorovares mais prováveis foram copenhageni (12/36=33%), castellonis (5/36=13.8%) e pomona (4/36=11.1%), respectivos representantes dos sorogrupos Ballum e Pomona. Para a alameda dos Felinos, localizada em área de exposição ao público, bastante arborizada e com proximidade a recintos abertos com presença de restos de alimentos atraindo animais sinantrópicos, foi verificada uma freqüência de 50% (10/20) de sororeatores. Os sorovares mais prováveis foram pomona (8/10=80%) e o icterohaemorrhagiae (1/10=10%), pertencentes aos sorogrupos Pomona e Icterohaemorrhagiae, respectivamente. Dos sete soros de Rattus novergicus, três apresentaram reações para o sorovar icterohaemorrhagiae (3/7=42.8%). A alta freqüência e reações sorológicas para o sorovar copenhageni nos animais mantidos em cativeiro (15/59=25.4%) e o seu isolamento de dois exemplares de Rattus novergicus, indicam que este animal sinantrópico é o maior responsável pela manutenção do agente no ambiente do Zoológico.

 

Conclusões

A Leptospira sp. circula na Fundação Parque Zoológico de São Paulo, por meio dos animais silvestres mantidos em cativeiro e sinantrópicos.

Existem locais físicos críticos para a circulação desse agente onde foi observada uma maior proporção de animais sororeatores.

O monitoramento sorológico é importante em ambientes de zoológico e pode orientar ações de prevenção.

 

Referências

1.FAINE, S. et al. Leptospira and leptospirose. 2. ed., Melbourne: Medisci, 1999.        [ Links ]

2. ACHA, P. N.; SZYFRES, B. Zoonosis y enfermidades transmissibles comunes al hombre y a los animales. 2. ed . Washington D.C.: Organização Panamericana de la Salud, 1986. p. 112-120.        [ Links ]

3.REILLY, J. R.; FERRIS, D. H.; HANSON, L. E. Experimental demonstration of the enteric route of infection with Leptospira grippotyphosa in wild carnivores. American Jounal of Veterinary Resersch, v. 29, n. 9, p. 1849-1854, 1968.        [ Links ]

4. MICHNA, S. W.; CAMPBEL, R. S. F. Leptospirosis in wild animals. Journal of Comparative Pathology, v. 8, p. 101-106, 1970.        [ Links ]

5.TWIGG, G. I.; COX, P. J. The distribution of leptospirosis in the kidney tubules of some british wild mammals. Journal of Wildlife Diseases, Kansas, v. 12, p. 318-321, 1976.        [ Links ]

6. FAINE, S. Guidelines for the control of leptospirosis. 2. ed. Genevra: World Health Organization, 1982. p. 177.        [ Links ]

7. SANTA ROSA, C. A. Diagnóstico laboratorial das leptospiroses. Revista de Microbiologia, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 97-109, 1970.        [ Links ]

8. LUNA-ALVAREZ, M. A. et al. Investigación serológica de leptospirosis en fauna silvestre mantenida en cautiveiro en el zoológico de Chapultepec de la Ciudad de México. Veterinária México, v. 27, n. 3, p. 229-234, 1996.        [ Links ]

9. LILENBAUM, W. et al. Leptospirosis antibodies in mammals from Rio de Janeiro Zoo, Brasil. Research in Veterinary Science , v. 73, p. 319-321, 2002.        [ Links ]

10. NOWAK, R. M.; PARADISO, J. L. Walker's mammals of the world. 4. ed. Baltimore: The hopkins University Press, 1983. 2 v.        [ Links ]

 

 

Endereço para correspondência
SANDRA HELENA RAMIRO CORRÊA
Divisão de Veterinária
Fundação Parque Zoológico de São Paulo
Av. Miguel Estéfano, 4241 – Água Funda
04301-905 - São Paulo – SP
shrcorrea@uol.com.br

Recebido para publicação: 27/11/2003
Aprovado para publicação: 25/03/2004

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License