SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.1 número1A aventura da universidadeFormação continuada de docentes na universidade: protótipo de um sistema hipermídia de educação à distância índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Interface - Comunicação, Saúde, Educação

versión impresa ISSN 1414-3283versión On-line ISSN 1807-5762

Interface (Botucatu) vol.1 no.1 Botucatu agosto 1997

http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32831997000200019 

TESES

 

A doença e o doente: relatos de vivências hospitalares. Um estudo das relações entre medicina e psicologia 

 

 

Suely Ongaro

Tese de Doutorado, 1993  Instituto de Psicologia / USP

 

 

A partir da experiência de assistência psicológica aos doentes internados num hospital geral universitário, foram estudados cinco casos com diagnósticos diversos (Aids, câncer, doença coronariana e psoríase). Os relatos de dois homens e três mulheres, obtidos por meio de entrevistas clínicas durante a internação, foram analisados sob o enfoque da Psicanálise, Psicossomática, Psicologia Médica e Social. Os objetivos foram verificar como o aparecimento e a evolução da doença interagiram com aspectos da história de vida e da personalidade dos pacientes, e compreender o discurso deles como representativo de formas de encarar a doença e a hospitalização. A análise do funcionamento mental dos pacientes mostrou as limitações de suas funções representativas, resultando na expressão dos impulsos mais pelas ações diretas do que pelas palavras, o que caracteriza a neurose de comportamento e neurose mal mentalizada, associadas às somatizações graves diante de traumatismos psíquicos. Constatou-se que a comunicação entre o paciente e a instituição realizava-se focalizando apenas os fatos objetivos, o que inviabilizava a manifestação dos desdobramentos subjetivos do adoecer, desdobramentos esses ocorridos em presença de um interlocutor atento a estes aspectos. Concluiu-se que a consideração da subjetividade do doente implicaria repensar a sua comunicação com a instituição médica, tanto para promover a redução do sofrimeto  “evitável”, como para fomentar a otimização dos recursos diagnósticos e terapêuticos na assistência médica.

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons