SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número51“Campo” na educação médica: um cenário para colocar em perspectiva práticas de Saúde e EducaçãoA integração da Saúde Mental na Estratégia Saúde da Família índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Interface - Comunicação, Saúde, Educação

versão On-line ISSN 1807-5762

Interface (Botucatu) vol.18 no.51 Botucatu out./dez. 2014

https://doi.org/10.1590/1807-57622013.1032 

livros

Horsdal M. Telling lives: exploring dimensions of narratives. USA: Routledge; 2012.

Pamela Siegel1 

Nelson Filice de Barros1 

1Departamento de Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade de Campinas. Laboratório de Práticas Alternativas, Complementares e Integrativas em Saúde (LAPACIS) - Rua Tessália Vieira de Camargo, 126, Cidade Universitária. Campinas, SP, Brasil. 13083-887. gfusp@mpc.com.br ; nelfel@uol.com.br


Por que as narrativas de vida são importantes

Germano e Castro1 afirmam que subjetividades são construídas na prática discursiva cotidiana e que as narrativas podem ser abordadas de diferentes perspectivas, sobretudo no campo da experiência da saúde/doença. Segundo Schütze2, o trabalho biográfico é basicamente uma atividade interna da mente e da psique emocional, atividade essa essencialmente constituída pela conversação com outros significantes e si mesmo. Um dos usos das narrativas pode ser considerado filosófico e metodológico, cujo propósito está focado naquilo que a narrativa pode contribuir para um conhecimento mais profundo da experiência individual e grupal3.

Nesta mesma linha de raciocínio apresentamos o trabalho de Horsdal4, docente em pesquisa da educação na University of Southern Denmark, denominado Telling Lives. Exploring dimensions of narratives. Com 176 páginas, o livro está distribuído em 13 capítulos. Segundo a própria narrativa da autora, na infância ela morou numa casa com um sótão, que continha caixas e baús repletos de fragmentos de vidas, objetos, textos e livros. Foi explorando esses materiais que ela imaginava as estórias que poderiam estar por trás dos objetos. A partir de 1989 começou a colecionar e escrever histórias de vida, quando já tinha familiaridade com a teoria narrativa, adquirida no Departamento de Literatura.

Nos capítulos 1 e 2, expõe a autora expõe a articulação existente entre a trama da narrativa e o fator tempo. Toda trama tem um começo, meio e fim, mas pode começar a ser contada a partir de um ponto qualquer da trajetória. Fisicamente, todo ser humano percorre um caminho único no tempo e no espaço desde a infância até o final da vida. O ponto mais importante da trama na narrativa é a configuração do sentido da nossa participação nas comunidades e a trajetória entre elas, pois as histórias podem nos elevar acima da perspectiva do aqui e agora e tornar possível a transmissão cultural, proporcionando uma identificação com experiências de outros lugares e tempos.

A identificação dos elementos da “gramática narrativa” é o tema do capítulo 3. Basicamente, toda narrativa contém: uma estrutura temporal; inferencial, uma inferência causal, informacional e avaliativa. As narrativas são criadas e compreendidas de diferentes perspectivas culturais, sociais e históricas. Histórias de experiências pessoais podem ser contadas, assim como a ficção, como dramas heroicos, tragédias, comédias, contos de fadas, anedotas, ou mesmo justificativas retóricas. A autora chama a atenção, também, para a interação entre os parceiros da interlocução e a co-construção do sentido.

Nos capítulos 4 a 7, transporta o leitor para um universo de conceitos como plasticidade cerebral, memória, interações, simbolização e competência narrativa. Esta última é composta de 16 itens que a autora conseguiu identificar ao longo de uma década de pesquisa e que envolvem desde a capacidade de articulação até a habilidade analítica.

No capítulo 8 explica que, entre os projetos dos quais participou, a principal aplicação da pesquisa em narrativas foi na melhoria do entendimento intercultural. Aborda questões como o número de entrevistas; a utilidade da entrevista piloto; o uso de métodos como a bola de neve ou anúncios pedindo entrevistados; o primeiro contato; o local deste contato; a importância de não interromper o entrevistado durante a entrevista, mas deixar algumas perguntas para o final e o registro das narrativas.

Nos capítulos 9 a 13 a autora abrange temas como interpretação e análise das narrativas de vida; identidade cultural; identidade pessoal; cidadania ativa e aprendizado biográfico; perspectivas educativas e comentários finais.

Os pontos mais importantes a serem levados em consideração na análise das narrativas são: 1) a entrevista é realizada num determinado ponto do tempo dentro de um contexto de um determinado projeto, o que obviamente determina a análise do material; 2) a atual situação de vida do pesquisador pode influenciar sua compreensão da entrevista; 3) o contexto macrossocial também influencia; 4) narrativas coletivas e culturais influenciam as suposições básicas e o entendimento implícito do pesquisador; 5) a competência analítica e a experiência do pesquisador e seu “repertório narrativo” influenciam a pesquisa.

A autora encerra o livro declarando que a aquisição da competência narrativa em espaços culturais diferentes, abertos a negociações, pode estimular a plasticidade e complexidade cerebral e nos ajudar a compreender que estamos todos interligados, que somos interdependentes e, ao mesmo tempo, iguais e insubstituíveis. E também nos ajuda a melhorar a forma com que respondemos ao comportamento do outro e de outras criaturas vivas, no nosso mundo. Enfim, as narrativas são a forma de dar voz a todos, independentemente do entrevistado considerar a sua narrativa importante ou não.

Consideramos o livro uma ferramenta de grande utilidade para os alunos, professores e pesquisadores que almejam trabalhar com pesquisa social, educação e saúde, sobretudo, porque as narrativas podem ser usadas em projetos de educação para a cidadania democrática, trabalhando com assuntos complexos como autoexpressão, diálogo intercultural, pertença e inclusividade, sensibilidade, empoderamento, conhecimento, valores e atitudes.

Referências

. Germano I, Castro CA. Pesquisa em saúde: perspectivas narrativistas, métodos e níveis de análise. Psicol Argum. 2010; 28(60):17-29. [ Links ]

. Schütze F. Biography analysis on the empirical base of autobiographical narratives: how to analyse autobiographical narrative interviews – part I. Module B.2.1.INVITE – Biographical counseling in rehabilitative vocational training – further education curriculum; 2007 [acesso 2013 Jul 17). Disponível em: http://www.biographicalcounselling.com/download/B2.1.pdfLinks ]

. Lieblich A, Tuval-mashiach R, Zilber T. Narrative research: Reading, analysis and interpretation. California: Sage; 1998. [ Links ]

. Horsdal M. Telling lives: exploring dimensions of narratives. London: Routledge; 2012. [ Links ]

Recebido: 31 de Dezembro de 2013; Aceito: 10 de Janeiro de 2014

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.