SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23Sensory laboratory: a proposal for activating the bodyBrazilian Association for Research in Prevention and Health Promotion (BRAPEP): foundation announcement author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Interface - Comunicação, Saúde, Educação

Print version ISSN 1414-3283On-line version ISSN 1807-5762

Interface (Botucatu) vol.23  Botucatu  2019  Epub Sep 12, 2019

http://dx.doi.org/10.1590/interface.190181 

Criação

Formas de viver anônimas de um presídio abandonado: marcas de uma sociedade morta

Anonymous ways of living from an abandoned prison: marks of a dead society

Formas de vivir anónimas de una prisión abandonada: marcas de una sociedad muerta

Carlos Dornels Freire de Souza(a) 
http://orcid.org/0000-0003-0837-8254

Diogo de Azevedo Resende de Albuquerque(b) 
http://orcid.org/0000-0003-2844-1919

Bruno Quintela Souza de Moraes(c) 
http://orcid.org/0000-0001-6999-534X

Ricardo Jansen Santos Ferreira(d) 
http://orcid.org/0000-0002-6831-8037

Adeilton Gonçalves da Silva Junior(e) 
http://orcid.org/0000-0002-6038-5470

Túlio Romero Lopes Quirino(f) 
http://orcid.org/0000-0002-3136-4777

Michael Ferreira Machado(g) 
http://orcid.org/0000-0001-6538-6408

(a, f, g)Núcleo de Estudos em Medicina Social e Preventiva (NEMSP), Complexo de Ciências Médicas (CCM), Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Avenida Manoel Severino Barbosa, s/no, Bairro Bom Sucesso. Arapiraca, AL, Brasil. 57309-005.Alagoas, Brasil. carlos.freire@arapiraca.ufal.br tulio.quirino@recife.pe.gov.br michael.mmachado@gmail.com

(b, c, d)Graduando do curso de medicina, Ufal. Arapiraca, AL, Brasil. diogo.albuquerque@outlook.com brunoqsm@gmail.com rjansenprojetos@gmail.com

(e)Jornalista. Arapiraca, AL, Brasil. adeiltonjunior.7@gmail.com


RESUMO

Este trabalho objetiva apresentar o ensaio fotográfico das paredes do antigo presídio Desembargador Luiz de Oliveira Souza, em Arapiraca, Alagoas, Brasil. Trata-se de um produto do projeto de extensão intitulado “Itinerários, mostras de vidas”, cujo objetivo é debater a realidade social sob a ótica do diálogo entre diferentes formas de expressão. Após desativação, o prédio foi doado à Universidade Federal de Alagoas (Ufal), sendo incorporado ao campus Arapiraca. Assim, surgiu a necessidade de manter um registro post factum do que um dia foi lugar de cumprimentos de penas. Trata-se de um ensaio capaz de revelar o cotidiano dos indivíduos que lá estiveram. Sob as lentes da câmera, as imagens contam-nos uma história.

Palavras-Chave: Saúde coletiva; Fotografia; Antropologia

ABSTRACT

This article presents a photographic essay of the walls of the former prison Desembargador Luiz de Oliveira Souza in Arapiraca, Alagoas, Brazil. It is one of the products of the extension project “ Itinerários, mostras de vidas ” (Itineraries, an exhibition of lives), whose aim is to debate social reality through the lens of dialogue between different forms of expression. After the prison was closed, the building was donated to the Federal University of Alagoas and incorporated into the Arapiraca campus. The need then arose to make a post factum record of what was once a place where sentences were served. The article comprises an essay capable of revealing the daily life of the individuals who were there. The images depict a story told through the lens of a camera.

Key words: Collective health; Photography; Anthropology

RESUMEN

El objetivo de este trabajo es presentar el ensayo fotográfico de las paredes del antiguo presidio Desembargador Luiz de Oliveira Souza, Arapiraca, Alagoas, Brasil. Se trata de un producto del proyecto de extensión titulado “ Itinerários, mostras de vidas ”, cuyo objetivo es debatir la realidad social bajo la óptica del diálogo entre diferentes formas de expresión. Después de la desactivación, el edificio fue donado a la Universidad Federal de Alagoas, habiéndose incorporado al campus Arapiraca. De esa forma, surgió la necesidad de mantener un registro post factum de lo que un día fue un local de cumplimiento de condenas. Se trata de un ensayo capaz de revelar el cotidiano de los individuos que estuvieron allí. A través de las lentes de la cámara las imágenes nos contaron una historia.

Palabras-clave: Salud colectiva; Fotografía; Antropología

Um tormento,

Uma dor e um lamento.

Uma crença.

Uma fé.

Um juramento.

Uma vida.

Uma intriga sem fundamento.

Um pão desejado ardentemente.

Uma fome medida profundamente.

Um caminho…

O homem no espancamento

Apenas por questão de incoerência.

A fotografia é a representação da realidade. A partir da ótica indiciária de Charles Peirce1 , a foto carrega em si um traço da realidade, que existe ou existiu. É a emanação do referente fotografado, seja ele qual for, do álbum de família às coberturas de guerras, aliada à teoria do “isso foi”, de que isso aconteceu, defendido por Roland Barthes2 , no qual o registro fotográfico possibilita repetir mecanicamente o que nunca mais poderia repetir-se existencialmente. Assim, na fotografia jamais poderíamos negar que algo existiu verdadeiramente.

É ancorado nesses conceitos que este artigo traz a fotografia como principal método de pesquisa, a fim de revelar, por meio da foto, o reflexo de uma sociedade refém dela própria. Ela – a fotografia – carrega uma infinidade de símbolos, signos e significados2 , 3 . É possível concluirmos que a imagem, verdadeiramente, fala, traz uma mensagem, conta uma história. Contudo, a fotografia não é o receptáculo da verdade, por mais que se tenha uma intencionalidade no ato de fotografar. Os olhares são múltiplos e outras narrativas podem ser tecidas.

A fotografia tornou-se uma arte, fazendo falar duas vezes o rosto dos anônimos: como testemunhas mudas de uma condição inscrita diretamente em seus traços, suas roupas, seu modo de vida; e como detentores de um segredo que nunca iremos saber, um segredo roubado pela imagem mesma que nos traz esses rostos4 . (p. 23)

Ao ser contagiado pela aura daquilo que a imagem buscar representar, podemos, a partir desse contato, fazer uma leitura crítica sobre o contexto que a imagem apresenta, frente a duas realidades sociais tão distantes e ao mesmo tempo tão próprias, como são as do antigo presídio de Arapiraca e o Complexo de Ciências Médicas do campus local da Ufal.

O presídio Desembargador Luiz de Oliveira Souza foi inaugurado em 2002 e desativado em 2013, após a inauguração do Presídio do Agreste, situado no município de Girau do Ponciano (AL). Desde então, o antigo prédio foi incorporado ao patrimônio da Ufal, campus Arapiraca.

Do outro lado da rua, sujeitos do outro lado da ordem. Pessoas que experienciaram um universo marcado pela exclusão e crueldade, mas, ao mesmo tempo, belo em sua potência reveladora. Revelam-se vidas perdidas, desviadas e curvadas diante de uma sociedade excludente.

As paredes, mesmo repletas de pinturas em uma aquarela caótica, contribuem para a atmosfera angustiante, desde a época que fora usada como abrigo forçado para tantos cujo uso da liberdade extrema resultou em prisão. O contraste, portanto, entre a prisão e a liberdade, encontrada nas expressões, transborda os pensamentos encarcerados dos indivíduos que por ali passaram. Até mesmo a figura divina perdeu sua luz.

Para sobreviver em um ambiente hostil, o sujeito pode se agarrar a tudo o que sabe ou que acha que sabe, chamando isso de realidade. Sua realidade! Acreditadamente passageira. Diante das representações dessa dita realidade, são revelados a nós sentimentos e condições únicos. Todavia, o conhecimento e o entendimento podem ser ambíguos, e a realidade a nós revelada pode ser ilusória. Cabe-nos, portanto, procurar além da aparência posta, visando reconstruir o cenário que motivou cada ilustração, mesmo sabendo que essa tarefa é impossível de ser cumprida.

Você não está sozinho…

De acordo com cada contexto social, cada sociedade e em cada momento da história, a vida (doméstica) assume formas específicas. A família, sendo móbil como a sociedade, não é um conjunto homogêneo, mas um universo de relações múltiplas e que possui processos de mudanças diferentes em cada uma dessas relações e em cada uma das partes da relação5 . Dessa forma, há a necessidade de filiação, de fazer parte de um agrupamento humano para além das paredes de uma prisão.

Uma casa, um lar…

Em um cubículo, imagens coladas na parede. Porta-retratos de uma vida e de sonhos. Sobre o leito de concreto, que tantas vezes abrigou seu sono e seus sonhos, algumas vestes corroídas pelo tempo. Preservativos. Peças íntimas. Escova de dente. Uma trouxinha qualquer. Parece que não deu tempo de fazer as malas. Saíram fugidos, forçados, refugiados de si e da sociedade. Um barbante cruzando o espaço, lembranças do quintal de casa. No cenário caótico, uma salvação. Um cristo ocupa boa parte do cenário. Revela-nos uma fé. Talvez a única sobrevivente!

Agradecimento

Agradecemos especialmente ao fotógrafo Jorge Lucas Santos Ferreira, pelos registros utilizados neste estudo.

Referências

1. Peirce CS. Semiótica. 3a ed. Coelho Neto JT, tradutor. São Paulo: Perspectiva; 2003. [ Links ]

2. Barthes R. A câmara clara: nota sobre fotografia. 7a ed. Castañon J, tradutor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1984. [ Links ]

3. Ranciére J. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto; 2012. [ Links ]

4. Dubois P. O ato fotográfico. 8a ed. Appenzeller M, tradutor. São Paulo: Papirus; 1993. [ Links ]

5. Sarti C. Família e individualidade: um problema moderno. In: Carvalho MCB. A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC, Cortez; 2003. p.39-50. [ Links ]

Recebido: 24 de Março de 2019; Aceito: 26 de Maio de 2019

Contribuições dos autores

Carlos Dornels Freire de Souza, Diogo de Azevedo Resende de Albuquerque, Bruno Quintela Souza de Moraes, Ricardo Jansen Santos Ferreira e Michael Ferreira Machado participaram da concepção e delineamento do trabalho; discussão dos resultados; redação científica; e revisão e aprovação da versão final do trabalho. Adeilton Gonçalves da Silva Junior e Túlio Romero Lopes Quirino participaram da discussão dos resultados; redação científica; e revisão e aprovação da versão final do trabalho.

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.