SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.10 issue2Human dimensions of global environmental changeMercadores de moralidade: aretórica ambientalista e a prática do desenvolvimento sustentável author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Ambiente & Sociedade

On-line version ISSN 1809-4422

Ambient. soc. vol.10 no.2 Campinas July/Dec. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2007000200012 

RESENHA BOOK REVIEW

 

Scaling urban environmental challenges – from local to global and back*

 

 

Pedro Roberto Jacobi

Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo

Autor para correspondência

 

 

O tema deste livro é muito instigante e abre um campo de reflexão importante e inovador e ainda pouco explorado – a questão da escala na análise de temas ambientais.

Os treze capítulos do livro foram escritos por pesquisadores dos campos de desenvolvimento urbano e planejamento ambiental que analisam a partir de diferentes exemplos as condições e os problemas nos centros urbanos de países com níveis de renda diferentes. Os estudos de caso se referem a cidades como Mexico, Nova Delhi, Accra, e Manchester dentre outras, e textos temáticos analisam temas como água e saneamento, transporte, moradia e saúde.

O livro considera o conjunto de problemas ambientais, desde aqueles que associam saúde em nível local com pobreza urbana, a aqueles sobre poluição de caráter urbano-regional associados com pegada ecológica global relacionados com sociedades afluentes.

O livro trata da escala dos problemas ambientais, sua relação com a extensão espacial e seus diferentes níveis de impacto. As questões que permeiam os diferentes capítulos abordam as mudanças em curso dos problemas ambientais urbanos, as causas e conseqüências destas transformações e suas implicações para as políticas ambientais urbanas. A premissa do conjunto de textos reunidos nesta coletânea é o conceito de "transição ambiental urbana", e isto requer uma análise integrada das tendências biofísicas e do desenvolvimento sócio-econômico e dos sistemas de governança.

A estrutura do livro segue uma seqüência baseada em três seções que se inicia com as agendas de saúde dos centros urbanos de países que podem ser qualificados como pobres, posteriormente se analisa a questão dos impactos da motorização e as agendas ambientais urbanas em países de renda média e finalmente a concreção de um desenvolvimento urbano sustentável em países mais afluentes. Na segunda seção os textos se referem às mudanças nas características espaciais de governança e da política, e como estas se relacionam com os principais desafios ambientais urbanos. A última parte apresenta diversas análises sobre as implicações para a compreensão das transições ambientais urbanas e a forma de administrar os problemas ambientais urbanos nas suas múltiplas escalas.

Ao abordar o tema da Agenda de saúde ambiental e pobreza urbana, se mostra como existem importantes desafios em traduzir melhorais em larga escala em melhorias na escala domiciliar. Em relação às agendas urbanas ambientais em países de renda média observa-se a expansão em escala absolutamente desmedida do uso do automóvel em cidades como São Paulo, México e outras cidades de países de renda média e baixa.

A complexidade dos temas em pauta revela aspectos que reforçam a ampliação das assimetrias sociais e os diferenciais intra-urbanos notadamente quanto ao acesso a saneamento e os problemas decorrentes do seu déficit nos bairros periféricos das cidades de países de renda média e baixa. Cabe ainda acrescentar aspectos quanto aos diferenciais que também são associados ao componente gênero, assim como aos impactos no ambiente doméstico.

Os artigos na sua diversidade e enfoques mostram tanto nos países de renda média e baixa, assim como nos afluentes, o quanto os problemas ambientais urbanos sofreram um redimensionamento em termos de escala nas últimas décadas. Esta transformação estimulou um debate quanto a qual nível de governança (local, nacional, internacional) é o mais apropriado para enfrentar os principais desafios.

Os artigos do livro corroboram aspectos que definem as mudanças na compreensão sobre as transições ambientais urbanas em curso. Os problemas de saúde ambiental em nível local se concentram nos bairros mais carentes nos países de menor renda. Já os efeitos de poluição do ar têm uma relação bastante ambígua com a afluência, e são mais problemáticos nos países com renda média. Os problemas globais estão associados com modos de vida mais afluentes que se concentram nos países com maior renda. Entretanto os textos mostram os aspectos contraditórios, e pode ser observado que os governos locais e suas políticas e não políticas influenciam agravos ambientais, a sua escala espacial e sua relação com as condições sócio-econômicas.

Os textos também mostram como a dimensão política também é muito importante, na medida em que esta afeta tanto as agendas de política ambiental e seus resultados e são peça estratégica para a implementação de transições ambientais urbanas. Não se trata apenas de definir prioridades e de identificar medidas que se centram apenas nos custos, mas principalmente da forma como as agendas são formuladas e o impacto nos cidadãos, notadamente nos mais excluídos. Vive-se um momento onde parece estar sendo colocado mais ênfase aos temas de escala inerentes à emergência de problemas globais, notadamente a mudança climática, e os problemas em escala local e regional metropolitana ficam em segundo plano. Observa-se que as iniciativas locais são determinantes para garantir benefícios para as pessoas no seu espaço local, nos quais os agentes sociais podem exercer um papel estratégico para enfrentar os problemas ambientais em escala local.

O que está em jogo, é a articulação entre as escalas, assim não se trata de depender apenas da governança local para enfrentar problemas locais tais como precariedade no saneamento básico, nem depender somente da governança global para enfrentar os desafios globais. A escala é um aspecto central a ser considerado tanto para entender os problemas como para buscar soluções, destacando que as redes multi-escalares políticas são ainda uma importante instrumento para enfrentar os problemas ambientais locais.

 

 

Autor para correspondência:
Pedro Roberto Jacobi
Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo
Av. da Universidade, 308, Cidade Universitária
CEP 05508-900, São Paulo, SP, Brasil
Fone: (11) 3815 0232
E-mail: prjacobi@usp.br

Recebido: 08/10/2007
Aceito: 15/8/2007

 

 

* Edited by Peter Marcotullio and Gordon McGranahan-Earthscan, London, 2007. 366p.