SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.7 issue2Comparison of estimation methods of reference crop evapotranspiration (ETo) for Northeren Region of Rio de Janeiro State, BrazilEvapotranspiration and crop coefficient of cucumber in greenhouse author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental

Print version ISSN 1415-4366On-line version ISSN 1807-1929

Rev. bras. eng. agríc. ambient. vol.7 no.2 Campina Grande May/Aug. 2003

https://doi.org/10.1590/S1415-43662003000200016 

AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA AGRÍCOLA

 

Coeficientes de cultura da cenoura nas condições edafoclimáticas do Alto Paranaíba, no Estado de Minas Gerais1

 

Crop coefficients of carrot for the 'Alto Parnaíba' region in the Minas Gerais State, Brazil

 

 

Rubens A. OliveiraI; Ismael de B. RochaII; Gilberto C. SediyamaIII; Mário PuiattiIII; Paulo R. CeconIII; Suely de F. R. SilveiraIII

IDEA/UFV. CEP 36571-000, Viçosa, MG. Fone: (31) 3899-1909. E-mail: rubens@ufv.br
IIEngenheiro Agrícola, Doutorando, UFV. E-mail: ismaelbr@vicosa.ufv.br
IIIDEA/UFV. E-mail: sediyama@ufv.br, mpuiatti@ufv.br, cecon@dpi.ufv.br e sramos@ufv.br

 

 


RESUMO

A quantidade de água requerida em cada irrigação e o momento de sua aplicação, dependem das características físico-hídricas do solo e das condições climáticas locais e da cultura, considerando-se o seu estádio de desenvolvimento e a configuração de plantio. Neste trabalho, obtiveram-se coeficientes de cultura (Kc) da cenoura, variedade Nantes, explorada nas condições edafoclimáticas da região do Alto Paranaíba, no Estado de Minas Gerais, seguindo-se a metodologia proposta no Boletim FAO 56, objetivando-se o manejo racional da água em áreas irrigadas por pivô central. Os valores de Kc foram 1,15, 1,12, 1,12 e 1,10 para os estádios de desenvolvimento inicial, crescimento da cultura, intermediário e final, respectivamente. Nos estádios inicial e de crescimento, os valores de Kc foram expressivamente maiores que aqueles obtidos com a metodologia FAO 24.

Palavras-chave: Daucus carota L., evapotranspiração, manejo de irrigação


ABSTRACT

The amount of water required in each irrigation and the moment of its application depends on crop, soil type and the local climatic conditions. In this study crop coefficients (Kc) were adjusted with the methodology proposed by FAO Irrigation and Drainage Paper 56, for irrigation scheduling of a carrot in the region of 'Alto Paranaíba', in the State of Minas Gerais, Brazil. The Kc values for carrot grown in that region, irrigated by center pivot system, were 1.15, 1.12, 1.12 and 1.10 for beginning, initial, middle and final growth stages, respectively. In the beginning, initial and final growth stages, the obtained values of Kc were larger than those obtained by the methodology proposed in the FAO Irrigation and Drainage Paper 24.

Key words: Daucus carota L., evapotranspiration, irrigation management


 

 

INTRODUÇÃO

A cenoura (Daucus carota L.) é uma hortaliça da família Apiácea, do grupo das raízes tuberosas, cultivada em larga escala nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Os maiores produtores são os municípios de Carandaí, Maria da Fé, São Gotardo e Rio Paranaíba, MG/ Piedade, Ibiúna e Mogi das Cruzes, SP/ Ponta Grossa, PR, e Irecê, BA.

As hortaliças são espécies vegetais de ciclo curto, sendo seu desenvolvimento intensamente influenciado pelas condições de umidade do ambiente (Silva & Marouelli, 1998).

Em agricultura irrigada, o manejo da água deve ser adequado para cada espécie vegetal, sendo importante se conhecer alguns parâmetros básicos a respeito da necessidade de água das plantas. A determinação da evapotranspiração da cultura (ETc) requer o conhecimento da magnitude dos elementos meteorológicos e de vários parâmetros caracterizadores da superfície evaporante, que permitam estimar-se as resistências de superfície e aerodinâmica e os fluxos de calor sensível e latente.

O coeficiente de cultura (Kc) representa a integração dos efeitos de três características que distinguem a ETc da evapotranspiração de referência (ETo): a altura da cultura, a resistência de superfície e o albedo da superfície cultura-solo. Durante o período vegetativo, o valor de Kc varia com o desenvolvimento da cultura e com a fração de cobertura da superfície do solo, pela vegetação.

Doorenbos & Pruitt (1977) apresentaram coeficientes de cultura para várias espécies de interesse agronômico e recomendaram que sejam realizados estudos regionais visando ajustar-se coeficientes de cultura para as condições edafoclimáticas locais e as características varietais.

Aragão Júnior (1983) obteve, em experimento conduzido em Guaramiranga, CE, valores de Kc para a cultura da cenoura, variedade Brasília, iguais a 0,77, 0,99 e 0,86, para os três últimos estádios de desenvolvimento. Carvalho (1994) encontrou, em experimento conduzido em Viçosa, MG, com a mesma variedade, os seguintes valores de Kc para os quatro estádios de desenvolvimento: 1,03, 0,80, 1,16 e 1,61. Em experimento conduzido em lisímetros com lençol freático constante, em Viçosa, MG, Giacoia Neto (1996) obteve os seguintes valores de Kc também para essa variedade, com profundidade do lençol freático mantida em 35 cm: 0,48, 0,77, 1,47 e 1,56. Silva & Marouelli (1998) apresentam valores de Kc para cenoura variando entre 0,70 e 0,90 no estádio inicial, com irrigações diárias, entre 0,70 e 0,85 no estádio de crescimento rápido; entre 1,00 e 1,15 no estádio intermediário, e entre 0,70 e 0,85 no estádio final. As diferenças entre os valores dos coeficientes de cultura devem-se, provavelmente, ao uso de métodos diferentes para se estimar a ETo. Carvalho (1994) usou a equação de Penman modificada pela FAO 24, enquanto Giacoia Neto (1996) utilizou o tanque Classe A, e Silva & Marouelli (1998) adaptaram dados da FAO 24. A equação de Penman-Monteith é recomendada pela FAO como padrão de estimativa da evapotranspiração de referência (Pereira & Allen, 1997).

Os coeficientes de cultura podem ser determinados de duas formas: os Kc duplos e médios. Os Kc duplos são obtidos pela expressão (Pereira & Allen, 1997):

Kc = Ks Kcb + Ke  (1)

em que:

Ks - coeficiente de déficit de umidade do solo, adimensional
Kcb - coeficiente basal de cultura, adimensional
Ke - coeficiente de evaporação na superfície do solo, adimensional

O coeficiente basal de cultura é a razão entre a ETc e a ETo quando a camada superficial do solo se encontra seca, mas tendo a umidade na zona radicular adequada para manter a demanda atmosférica. O Kcb representa o limite inferior do Kc quando se subtraem os efeitos do umedecimento da camada superficial do solo pela irrigação ou precipitação. O Ks reduz o valor de Kcb quando a umidade do solo na zona radicular é insuficiente para atender a plena transpiração das plantas e o Ke representa a componente da evaporação da água presente na superfície do solo.

Os Kc médios são expressos da seguinte forma:

Kc = cb + e  (2)

em que a soma Kcb + Ke representa a média temporal dos efeitos conjugados da transpiração da cultura e da evaporação na superfície do solo, assumindo-se Ks = 1.

Os Kc médios correspondem àqueles divulgados em numerosas publicações, principalmente as da FAO. Os Kc médios incluem efeitos gerais de umedecimento do solo pela irrigação ou pela precipitação pluvial e que são utilizados para se calcular a ETc relativa a períodos de vários dias, turno de rega maior, sobretudo para a condução da irrigação por gravidade ou aspersão convencional. Quando é necessário o conhecimento da ETc diária, utiliza-se o método dos Kc duplos (Pereira & Allen, 1997).

Objetivou-se, com este trabalho, obter os coeficientes de cultura para a cenoura, seguindo-se a metodologia proposta no Boletim FAO 56 (Allen et al., 1998) de maneira a permitir o manejo racional da água dessa cultura, explorada nas condições edafoclimáticas da região do Alto Paranaíba, no Estado de Minas Gerais e irrigada por pivô central.

 

MATERIAL E MÉTODOS

A pesquisa foi conduzida na Fazenda Experimental da Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba (COOPADAP), localizada no município de Rio Paranaíba, MG, com coordenadas geográficas de 19º 12' 26''S de latitude, 46º 09' 46''W de longitude e altitude de 1.159 m e clima Cwa, segundo classificação de Köeppen. Nessa cooperativa, a cenoura é cultivada durante todo o ano, com área plantada variando entre 4.000 e 5.000 ha.

O solo da área experimental foi classificado como Latossolo Vermelho-Amarelo, textura argilosa. A distribuição granulométrica e os resultados das análises físico-hídricas, encontram-se na Tabela 1A e B, tem-se o resultado da análise química do solo da área experimental.

 


 

O preparo do solo constou de uma aração e duas gradagens, seguidas de passagem da rotocanteiradora. O experimento foi conduzido em cinco canteiros de 1,75 x 81,0 m, plantados com cenoura (Daucus carota L.) da variedade Nantes, sendo o canteiro central utilizado para coleta dos dados.

O plantio foi feito em quatro linhas duplas espaçadas 0,40 m, com sementes espaçadas 0,02 m. Na área experimental foram aplicados, 15 dias antes do plantio, 180 kg ha-1 de N, na forma de sulfato de amônio, 220 kg ha-1 de K2O na forma de cloreto de potássio, 2.222 kg ha-1 de P2O5 na forma de super-fosfato simples e 3 t ha-1 de calcário dolomítico, para elevar a saturação de bases, conforme recomendação da Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais (1999).

A emergência das plântulas ocorreu em 24 de maio de 2001, ou seja, 13 dias após a semeadura. Aos 20 e 40 dias após o plantio, aplicaram-se 210 kg ha-1 de N e 166 kg ha-1 de K2O em cobertura. O desbaste foi feito 35 dias após a emergência, adequando-se o espaçamento para 0,04 m entre plantas na fileira, estabelecendo-se uma população de 150 plantas m-2.

Na área experimental foi instalada uma estação meteorológica automática compacta, com sensores de medição da radiação solar, precipitação pluvial, velocidade do vento, temperatura e umidade relativa do ar. A coleta diária de dados climáticos foi feita às 8 h.

A evapotranspiração de referência (ETo) foi estimada aplicando-se a equação de Penman-Monteith, em base diária (Allen et al., 1998). A metodologia utilizada no cálculo da ETc considerou os efeitos de umedecimento da camada superficial do solo no valor do coeficiente de cultura, particionado em Kcb e Ke. Assim, a ETc foi estimada de acordo com a seguinte equação:

ETc = (Kcb + Ke) ETo (3)

O ciclo da cultura da cenoura foi dividido em quatro estádios, de acordo com os parâmetros propostos por Doorenbos & Pruitt (1977) para a determinação dos Kcb correspondentes: inicial - 20 dias; crescimento da cultura - 32 dias; intermediário - 50 dias; e final - 24 dias. A colheita das raízes de cenoura foi realizada aos 126 dias após o plantio.

Na determinação dos coeficientes basais de cultura foram usados os valores recomendados por Allen et al. (1998), para a condição sem estresse: Kcbinicial= 0,15, Kcb intermediário = 0,95 e Kcbfinal = 0,85. O ajuste dos coeficientes basais de cultura, para os períodos intermediário e final, foi feito por meio da aplicação da seguinte equação:

(4)

em que:

Kcb(tab) - valor para Kcbmeio ou Kcbfinal (se = 0,45) da Tabela 17 de Allen et al. (1998)
u2 - velocidade do vento, média diária, a 2,0 m de altura, m s-1 (para intervalo de variação de 1 a 6 m s-1)
URmin - umidade relativa mínima diária média, % (para intervalo de variação de 20 a 80%)
h - altura da cultura, m

O coeficiente de evaporação foi calculado aplicando-se a equação:

(5)

em que:

Kr - coeficiente de redução da evaporação
few - fração do solo que está exposto e umedecido
Kc max - valor máximo de Kc após chuva ou irrigação

Na determinação do Kr, consideram-se duas fases: 1) logo após uma chuva ou irrigação, a evaporação na superfície umedecida do solo ocorre a uma taxa máxima e depende somente da energia disponível; assim, Kr = 1; e, 2) a ocorrência de evaporação na superfície do solo limita a evaporação da água contida no perfil, adotando-se a profundidade de 0,15 m; neste caso, Kr é calculado por:

(6)

em que:

TEW - lâmina máxima de água que pode ser evaporada do solo, mm
De,i-1 - lâmina de evaporação acumulada na camada superficial do solo até o final do dia anterior, mm
REW - lâmina de evaporação acumulada até o final da fase 1, mm

A lâmina de água máxima que pode ser evaporada do solo foi calculada aplicando-se a seguinte equação:

(7)

em que:

qCC - umidade do solo na capacidade de campo, m3 m-3
qPM - umidade do solo no ponto de murcha permanente, m3 m-3
Ze - profundidade do solo sujeita a evaporação (0,10 a 0,15m). Assumiu-se Ze igual a 0,15m

O valor de Kc max foi obtido com a aplicação da equação:

(8)

A fração de solo exposta e umedecida (few), na qual ocorre a maior parte da evaporação, foi calculada por:

(9)

em que:

1 - fc - fração média de solo exposto, não-sombreado (0,01 a 1)
fw - fração média da superfície do solo molhada por irrigação ou chuva (0,01 a 1); no caso de irrigação por aspersão, fw = 1 (Allen et al., 1998)

A fração efetiva da superfície do solo sombreada pela vegetação foi estimada pela equação seguinte:

(10)

em que Kc min é o menor valor de Kc para solo com superfície descoberta e seca (» 0,15 a 0,20).

Os cálculos foram efetuados com uso do programa REF-ET, para estimar a ETo pelo método Penman-Monteith, e da planilha FAO-56 (Allen et al., 1998) para estimar o Kc.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os valores dos elementos climáticos precipitação, radiação solar, temperatura, umidade relativa e vento foram obtidos com uso de uma estação meteorológica automática, apresentados nas Figuras de 1 e 2, respectivamente. As lâminas de irrigação aplicadas durante o período experimental estão na Figura 1.

 

 

 

 

A análise dos dados climáticos mostra a ocorrência de maiores precipitações nos períodos inicial e final do experimento. A radiação solar média diária foi de 271,8 W m-2. As temperaturas máxima e mínima oscilaram em torno de 23,7 e 14,0 ºC, respectivamente. A umidade relativa do ar máxima variou entre 58 e 100%, enquanto a mínima ficou entre 20 e 92%. A velocidade do vento no período experimental foi moderada, com média de 2,2 m s-1.

Na Tabela 2 encontram-se os valores de coeficiente de cultura da cenoura nos diversos estádios de desenvolvimento, encontrados em diferentes fontes de literatura e determinados no presente estudo (FAO 56).

 

 

Neste trabalho foram obtidos valores de Kc de 1,15; 1,12; 1,12 e 1,10, para os estádios de desenvolvimento inicial, crescimento rápido, intermediário e final, respectivamente. A metodologia proposta no Boletim FAO 56 leva em consideração o umedecimento da camada superficial do solo, afetando as estimativas do Kc dos dois primeiros estádios, em comparação com os outros resultados baseados no Boletim FAO 24.

No transcorrer dos estádios inicial e de crescimento da cultura, o manejo da irrigação foi conduzido com turno de rega de 2 dias até o desbaste, efetuado aos 40 dias após o plantio.

Assim, a superfície do solo permaneceu úmida e relativamente exposta nesse período, aumentando o valor do coeficiente Ke e mantendo o Ks igual à unidade; isto contribuiu para que o valor do coeficiente Kc, determinado com aplicação da metodologia FAO 56, fosse maior que o Kc médio estimado de acordo com a metodologia recomendada no Boletim FAO 24, como pode ser observado na Figura 3, na qual a curva Kcb corresponde aos valores mínimos da evapotranspiração da cultura para condições adequadas de umidade do solo. As elevações bruscas que ocorrem na curva Kcb + Ke correspondem aos períodos em que ocorreu irrigação ou chuva, umedecendo a superfície do solo e aumentando, temporariamente, o valor da evapotranspiração da cultura.

 

 

Nos estádios intermediário e final, as irrigações foram feitas com menor freqüência e lâmina maior. Na região do Vale do Alto Paranaíba é usual efetuar-se a irrigação da cultura da cenoura, nesses estádios, com turno de rega máximo de 3 dias, quando se usa sistema pivô central. Embora a superfície do solo tenha ficado umedecida, a evaporação foi atenuada pelo sombreamento.

 

CONCLUSÕES

1. Os valores de Kc para a cultura da cenoura explorada na região do Alto Paranaíba, MG, foram iguais a 1,15; 1,12; 1,12 e 1,10 para os estádios de desenvolvimento inicial, crescimento da cultura, intermediário e final, respectivamente, obtidos por meio da aplicação da metodologia proposta no Paper FAO 56.

2. Nos dois primeiros estádios, inicial e crescimento da cultura, os valores de Kc foram expressivamente maiores que os obtidos com a metodologia FAO 24.

 

LITERATURA CITADA

Allen, R.G.; Pereira, L.S.; Raes, D.; Smith, M. Crop evapotranspiration - Guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO, 1998. 319p. FAO Irrigation and Drainage. Paper 56.        [ Links ]

Aragão Júnior, T.C. Determinação do coeficiente de cultura (Kc) para a cenoura (Daucus carota L.) pelo método do balanço hídrico. Fortaleza, CE: UFC, 1983. 45p. Dissertação Mestrado        [ Links ]

Carvalho, J. de A. Coeficiente de cultura, avaliação econômica da produção e análise do crescimento da cenoura (Daucus carota L.) irrigada. Viçosa, MG: UFV, 1994. 78p. Tese Doutorado        [ Links ]

Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais. Recomendação do uso de corretivos e fertilizantes no estado de Minas Gerais, 5ª aproximação. Viçosa, MG, 1999. 359p.        [ Links ]

Doorenbos, J.; Kassam, A.H. Yield response to water. Rome: FAO, 1979. 193p. FAO Irrigation and Drainage, Paper 33        [ Links ]

Doorenbos J.; Pruitt, W.O. Guidelines for predicting crop water requirements, Rome: FAO, 1977. 179p. Irrigation and Drainage, Paper 24        [ Links ]

Giacoia Neto, J. Efeito da profundidade do lençol freático na evapotranspiração e na produtividade da cultura de cenoura (Daucus carota L.). Viçosa, MG: UFV, 1996. 56p. Dissertação Mestrado        [ Links ]

Pereira, L.S.; Allen, R.G. Novas aproximações aos coeficientes culturais. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.16, n.4, p.118-143, 1997.        [ Links ]

Silva, W.L.C.; Marouelli, W.A. Manejo da irrigação em hortaliças no campo e em ambientes protegidos. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola, 27, 1998, Poços de Caldas, MG. Manejo de irrigação. Poços de Caldas: SBEA-UFLA, 1998. p.311-348.        [ Links ]

 

 

Protocolo 94 - 9/7/2002
Aprovado em 24/4/2003

 

 

1 Projeto financiado pela FAPEMIG

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License