SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue1A life moved by commotion author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

Print version ISSN 1415-4714

Rev. latinoam. psicopatol. fundam. vol.13 no.1 São Paulo Mar. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142010000100001 

EDITORIAL

 

Apud

 

 

Ana Cecília Magtaz; Manoel Tosta Berlinck

 

 

"Apud" é uma palavra latina empregada em bibliografia para designar a origem de uma citação indireta.

Serve para o autor se referir a um texto considerado inacessível e que é citado por outro autor.

Trata-se de um recurso que deve ser utilizado com muita parcimônia e depois de um genuíno esforço de pesquisa da citação direta.

A suposta inacessibilidade do texto citado é sempre relativa já que ele foi citado por um autor que a ele teve acesso.

Frequentemente, as revistas brasileiras publicam artigos contendo citações indiretas através do recurso do "apud". Por exemplo, "Falret apud Pereira" ou "Lasègue apud Magtaz" indicam que o autor cita Falret de acordo com o texto de Pereira ou Lasègue de acordo com o texto de Magtaz. Entretanto, Pereira e Magtaz citam Falret e Lasègue tendo acesso aos textos desses autores.

Ora, o autor que utiliza o "apud' referindo-se a textos acessíveis (e, hoje, um grande número de textos da literatura psicopatológica são acessíveis) está com preguiça de pesquisar.

Nada contra a preguiça. Mas, a pesquisa científica não deve ser regida pela preguiça.

Em primeiro lugar, quem foi que disse que Pereira fez uma leitura correta de Falret ou que Magtaz traduz com propriedade o pensamento de Lasègue? Quando um autor é citado ele foi lido e, portanto, interpretado pelo autor que cita. O recurso ao "apud" neste caso serve para abrir mão da leitura de textos que podem levar o pesquisador a outras linhas de pensamento. Trata-se, portanto, de um comodismo da pesquisa e do pensamento.

Em segundo lugar, um argumento que lança mão de citações secundárias é fraco, pois não explora com precisão o pensamento do autor citado pela escrita de outro autor. Em outras palavras, revela um empobrecimento da investigação.

Finalmente, não menos importante, o recurso ao "apud" assemelha-se à fofoca, algo da ordem do disse me disse sem nenhum cuidado com a fonte original da informação.

Graças à expansão do acervo das bibliotecas, das bases de dados, dos periódicos, como a Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, e da internet, a literatura psicopatológica clássica tornou-se acessível.

Além disso, os pesquisadores em psicopatologia precisam ler bem textos em francês, inglês, espanhol e alemão.

Não há, pois, desculpas para o uso licencioso das citações secundárias. E tanto os editores, quanto os consultores das revistas científicas, devem coibir este recurso e estimularem os autores a buscarem e lerem textos que citam pela escrita de terceiros.

 

 

ANA CECÍLIA MAGTAZ
Psicóloga, psicanalista, Doutora pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP/Br.), Professora do Curso de Especialização em Psicopatologia e Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP/Br.), Diretora Administrativa da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental - AUPPF, Editora Associada do Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, autora de diversos artigos.
Rua Prof. Pedro da Cunha, 65/31
05010-020 São Paulo, SP/Br
e-mail: acmscaz@uol.com.br

 

MANOEL TOSTA BERLINCK
Sociólogo, psicanalista, Ph.D. (Cornell University, Ithaca, N.Y., USA), Professor Titular da Universidade Estadual de Campinas (1972-1992) (UNICAMP, Campinas, SP/Br.), Professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP/Br.), onde dirige o Laboratório de Psicopatologia Fundamental, presidente da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental - AUPPF (2002-2010), Diretor da Editora Escuta (1986-2009), Diretor da Livraria Pulsional (1986-2009), consultor editorial, editor responsável da Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, membro da World Association of Medical Editors - WAME (Associação Mundial de Editores Médicos), autor de Psicopatologia Fundamental (São Paulo: Escuta, 2000) e de Erotomania, com German E. Berrios (São Paulo: Escuta, 2009), entre outros livros e numerosos artigos.
Rua Tupi, 397/103
01233-001 São Paulo, SP/Br
e-mail: mtberlin@uol.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License