SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número3Que boca grande você tem! Articulações sobre os distúrbios da oralidade no autismoArquivos da psicanálise: a construção do freudismo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

versão impressa ISSN 1415-4714versão On-line ISSN 1984-0381

Rev. latinoam. psicopatol. fundam. vol.19 no.3 São Paulo jul./set. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2016v19n3p569-14 

Resenhas Bibliográficas

O caso Schreber: a expressão da escrita do trabalho clínico

Thais Augusto Gonçales Zanoni*1 

*1Mestranda na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP (São Paulo, SP. Br).

Henriques, Rogério Paes. Freud e a narrativa paranoica: Schreber revisitado. 2014. Edusp, São Paulo: 196p.

Henriques, ao revisitar o caso Schreber sob a ótica de Freud, nos convida a um mergulho na articulação de questões clínicas relacionadas aos conteúdos que se expressam através da escrita. Escrita do fazer clínico e do paciente, em que ambos, ao se utilizarem do recurso de linguagem para transmitir o que se propõem, nos oferecem algo além. Em outras palavras, deixa-se escapar também a realidade psíquica pela qual o processo discursivo e suas reflexões sobre o caso são afetados.

Talvez, exatamente por isso, esse texto constitui-se como fundamental pesquisa para aqueles que se interessam pela transmissão da clínica sob os preceitos psicanalíticos do método clínico. E, ao pensarmos sobre a tradição da Psicopatologia Fundamental na qual prima o pathos em sua manifestação particular, no que se refere à subjetividade, esse fenômeno da escrita se confirma como um rico material de estudo.

O caminho percorrido pelo autor em torno de suas reflexões se dá com maestria. Com cuidadosa atenção para com o leitor, Henriques organiza o texto construindo um percurso esclarecedor, enlaçando-nos em uma leitura acessível e agradável. Propõe, por meio de um esboço de divisão cronológica para a escrita de Schreber e para o ensaio de Freud, um diálogo com os principais conceitos referentes às psicoses.

Inicialmente é apresentada a autobiografia de Schreber — Memórias de um doente dos nervos — salientando-se os conteúdos relevantes dessa obra que são tratados no decorrer do livro, com especial enfoque para a discussão acerca do estilo literário e o posicionamento de Schreber como autor, associando-se aos temas que envolvem a psicose e a literatura. Pela sua autobiografia, Schreber encontra na escrita um apaziguamento dos fenômenos psicóticos reduzindo a “invasão do Outro a seu corpo”.

Em um segundo momento, Henriques evoca as interpretações de Freud, Lacan e de outros comentadores analisando metodologicamente esses textos que versam sobre Schreber e sobre o ensaio de Freud. Questões de maior complexidade teórica com relação à metapsicologia freudiana e a concepção de Lacan acerca das psicoses são discutidas. Sobre este último, o autor dedica uma parte significativa do texto apresentando a compreensão linguístico-estrutural do fenômeno da psicose centrando-se na releitura lacaniana do caso Schreber.

Mais adiante, de forma bastante interessante, o autor expõe o estilo literário do ensaio de Freud. Nesse ponto, Henriques destaca o caráter mimético expresso na escrita do caso Schreber, revelando que tanto Freud quanto Schreber “pareciam temer o fantasma do plágio que ronda seus escritos”. Tal manifestação é abordada pelo autor considerando-se o contexto socio-histórico no qual Freud se encontrava enquanto formulava esse ensaio. Trata-se de um momento em que o plágio foi motivo de desavenças teóricas entre Freud e Alfred Adler, e, logo em seguida, com Carl Gustav Jung. A angústia referente à sua voz autoral e a originalidade no campo das psicoses traz características marcantes para o texto freudiano.

Ao longo de todo o livro de Henriques, apreende as principais questões teóricas referentes às psicoses o que permite construir o aporte necessário para a compreensão do funcionamento psíquico que se expressa pela escrita de Schreber e de como esta afeta o estilo literário de Freud.

Abordando desde os temas relacionados à escrita de Schreber, aos conceitos metapsicológicos acerca das psicoses somados às leituras freudianas, lacanianas e de alguns outros autores, somos direcionados para a compreensão de seu objeto de estudo: o ensaio de Freud sobre Schreber.

Pelas revelações deste estudo, torna-se pertinente a transposição destas questões referentes à escrita para nossas próprias vivências clínicas. Afinal, como indica o autor citando Miller, uma sessão de análise é sempre um esforço de poesia. Somado a isto, podemos pensar a escrita como sintoma e expressão do psiquismo, do clínico e do paciente, especialmente quando retratamos um estudo de caso. Logo, somos levados a considerar o “contar-se”, e a transmissão deste ato para o leitor, um processo de dar palavras ao pensar, tratando-se de um dos motivos que tornam a escrita de Henriques uma proveitosa leitura.

Em suma, a nós, leitores, apresenta-se um percurso instigante que contempla a escrita sobre a clínica e nos convoca de forma sublime a pensar a respeito do que se manifesta, muitas vezes de forma inconsciente, através da narrativa. Como coloca Giacóia Jr. (2013), o pensamento é um propósito que só se atinge em diálogo com a poesia. E, se a poesia possibilita a articulação com outros significantes, este texto semeia tantos outros deslizamentos reflexivos.

Referências

Giacóia Jr., O. (2013). Heidegger urgente: introdução a um novo pensar. São Paulo: Três Estrelas. [ Links ]

Recebido: 14 de Dezembro de 2015; Aceito: 29 de Janeiro de 2016

Editor do artigo/Editor: Profa. Dra. Sonia Leite

THAIS AUGUSTO GONÇALES ZANONI

Psicóloga; Mestranda em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP (São Paulo, SP, Br.); Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC-PR (Curitiba, PR, Br.); psicanalista; Pesquisadora do Laboratório de Psicopatologia Fundamental. Rua Tatuapé, 1989/112. 03066-010 São Paulo, SP, Br. thaisagz.psi@gmail.com

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.