SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número2Epistemologia, história e a linguagem da psicopatologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

versão impressa ISSN 1415-4714versão On-line ISSN 1984-0381

Rev. latinoam. psicopatol. fundam. vol.20 no.2 São Paulo abr./jun. 2017

https://doi.org/10.1590/1415-4714.2017v20n2p403.13 

Resenhas Bibliográficas

Poderosos insights

Marco Antonio Coutinho Jorge*1 

*1 Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ (Rio de Janeiro, RJ. Br).

Milan, Betty. A mãe eterna: morrer é um direito. Rio de Janeiro: Record, 2016. 142 págs.p.


Juntamente com as ameaçadoras forças destrutivas da na- tureza e as dores dilacerantes causadas pelas relações amorosas, Freud situa a decrepitude do corpo como uma das mais importantes fontes de sofrimento do ser humano. A fragilidade do corpo, seu envelhecimento inexorável constituem uma constante ameaça à homeostase psíquica que o narcisismo nos proporciona. Nesse livro, Betty Milan explora com agudeza e profundidade a vivência da filha que se depara com a velhice extrema da mãe e a falência do corpo trazida por essa condição: perda de memória, de audição, de visão, a incontinência e a debilidade dos membros inferiores.

Mas não se trata de uma doença física, mas sim do envelhecimento gra- dual e contínuo que leva a filha a um trabalho de luto em vida: não houve a perda da mãe, mas ao mesmo tempo ela não é mais a mesma: aquela mãe farta de outrora, a mãe doadora. Dessa mãe, agora trata-se de se despedir... em vida!

Assim, não se trata tampouco da morte, mas sim da vida que se esvai na longevidade extrema e que, ao contrário, resiste à morte e inventa a inusitada arte de não morrer. O diálogo estabelecido entre a mãe eterna e a filha terá como tema a vida passada e a morte futura. Como se ambas estivessem imprensadas numa dimensão temporal estranha que exclui o presente e só permite o luto e a rememoração. Esta se torna uma arma poderosa contra o vazio iminente do futuro e o presente, que alude ao desaparecimento é a ocasião propícia para evocar a vitalidade perdida através de cenas do passado, da leitura de cartas e da observação de fotos.

A obra de arte se caracteriza, em sua essência, por transmitir um afeto poderoso, por tocar o espectador; a obra de arte é aquela que afeta, emociona, co-move — quer dizer, move junto — leva o outro ao riso, ao choro e até, em alguns casos, o angustia. Por isso a obra de arte se torna imprescindível, ela nos dá acesso a algo que, de outro modo, teríamos que fazer o mesmo esforço do artista para conquistá-lo.

Esse livro de Betty Milan tem a estrutura de poemas em prosa. Pequenos capítulos que produzem poderosos e contínuos insights, onde se vê a poesia de mãos dadas com a psicanálise, aliança que talvez seja o objetivo mais ambicionado por todos os analistas. Assim como Freud afirmou que a palavra que importa é aquela intimamente conectada ao afeto, Lacan falou da relação intrínseca entre o ato analítico e o ato poético. Alain Didier-Weill — psicanalista francês cuja obra eu tive a alegria de conhecer através da indicação de Betty Milan nos anos 1980 — também ponderou que o analisando constrói na análise seu poema pessoal. Algo que só ele pode dizer e que ninguém mais poderia dizer em seu lugar.

Embora o tema seja o da velhice extrema e da expectativa da morte, o livro tem momentos de grande humor, em que se dá muitas gargalhadas. Ele surpreende por oscilar entre o trágico e o cômico, e nos lembra da frase salutar que Lacan disse certa vez: “A vida seria trágica se não fosse cômica”. Por exemplo, o momento em que a filha pergunta se a mãe eterna quer ser velada em casa ou não, cai como um verdadeiro chiste, em que ambas tratam da morte com uma franqueza inédita.

Outro momento hilário: perguntada com que roupa quer ser colocada no caixão, a mãe eterna responde: “ — A roupa branca, o tailleur... Já mandei três vezes para o tintureiro”. A filha exclama: “ — Três vezes por que? O tailleur está manchado?” “Não, filha... é que eu mando para o tintureiro e depois uso de novo.”! Se a roupa preferida já está separada para o funeral, ao ser usada ela é reincluída no circuito vital. Enquanto há vida, ela deve ser bem vivida.

Como se fosse a colocação em ato das formulações que Freud faz sobre a morte: não há inscrição da morte no inconsciente e, no fundo, nos sentimos imortais. Nessa mesma direção, Marcel Duchamp pediu que fosse inscrita em sua lápide a frase: “Aliás, são sempre os outros que morrem...!” Ao lermos essa frase, nos deparamos com a morte pelo viés exclusivo da morte do outro e, portanto, somos relançados com toda força para o âmbito de nossa vida.

Mas o acompanhamento da morte da mãe eterna, que não vem e que virá, é causa de angústia. Metade do palhaço é riso e a outra metade é choro, diz a filha em determinado momento.

O humor perpassa as diferentes situações e faz lembrar de uma anedota que Freud gostava muito de citar: a do condenado à morte. Quando é chegado o dia, ao ser buscado na cela pelos guardas para ser levado à execução, ele disse: “ — Bela maneira de começar o dia!”.

A filha faz menção ao budismo, ao Tao e a gente vê que a sabedoria oriental é um verdadeiro ideal para saber lidar com a velhice e a morte. Freud também utilizou a nomenclatura zen para falar da pulsão de morte e introduziu a noção que leva o nome de Princípio de Nirvana.

Nós temos uma atração pela morte — é o que Freud demonstrou. Basta que se veja nossa linguagem cotidiana: estamos sempre morrendo de alguma coisa — morrendo de rir, morrendo de fome, morrendo de tesão... a gente morre de tudo que se relaciona ao melhor e ao pior da vida! A gente diz que alguém “finalmente descansou”, “partiu desta para melhor”! Mas a verdade é que a gente prefere é ficar cansados e nesta pior mesmo...

Entre muitos desenvolvimentos apresentados numa escrita concisa que reflete o poder da palavra quando é condensada poeticamente, a questão do filho homem que não está nunca presente me pareceu levantar algo fundamental. A filha se encontra só nessa tarefa de ser a mãe da mãe, o irmão não compartilha isso. Ele se ausenta, nega a situação delicada vivida pela mãe. Por que? — pergunto eu. Trata-se do forte narcisismo masculino que da morte não quer saber? Da fraqueza do homem diante da dor insuportável de se defrontar com a decadência de uma mãe que ele quer eterna? Para ser mãe da mãe é necessário ser mãe?

Recebido: 13 de Dezembro de 2016; Aceito: 8 de Fevereiro de 2017

Citação/Citation: Coutinho Jorge, M. A. (2017, junho). Poderosos insights. Resenha do livro A mãe eterna: morrer é um direito. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 20(2), 403-406. http://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2017v20n2p403.13

Editores do artigo/Editors: Profa. Dra. Sonia Leite

MARCO ANTONIO COUTINHO JORGE

Psiquiatra e Psicanalista; Professor Associado do Instituto de Psicologia e do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ (Rio de Janeiro, RJ. Br); Diretor do Corpo Freudiano Escola de Psicanálise Seção Rio de Janeiro (Rio de Janeiro, RJ. Br); Membro da Association Insistance (Paris/Bruxelas) e da Société Internationale d’Histoire de la Psychiatrie et de la Psychanalyse (Paris, França). Rua Terezina, 19 – Santa Teresa 20240-310 Rio de Janeiro, RJ, Br macjorge@corpofreudiano.com.br

Creative Commons License  This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.