SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Freud y el desarrollo de la cuestión de la histeria en la historia de Christoph HaizmannFor a psychiatry critically aware of its historical development índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

versión impresa ISSN 1415-4714versión On-line ISSN 1984-0381

Rev. latinoam. psicopatol. fundam. vol.22 no.1 São Paulo enero/marzo 2019  Epub 30-Mayo-2019

https://doi.org/10.1590/1415-4714.2018v22n1p166.10 

Resenhas Bibliográficas

Desconstrução do racismo

Deconstruction of racism

*2Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Racismo, capitalismo e subjetividade: leituras psicanalíticas e filosóficas. *1Arreguy, S.. Niterói, RJ: EdUFF, 2018. 196 págsp.


O racismo é o problema que está em pauta neste livro, sendo assim o seu foco e o seu alvo. Para pensá-lo na sua especificidade, ao mesmo tempo histórico, social, político e psíquico, é necessário realizar diversas problematizações para que se possa construir diferentes problemáticas (Foucault, 1997/1975-76), na medida em que o racismo é uma formação marcada pela complexidade (Morin, 1994) nas suas linhas de força e de fuga. Por isso mesmo, o que se impõe é uma leitura transdisciplinar do racismo, pela qual diversos discursos teóricos se conjugam para enunciar de maneira crítica as diferentes faces do poliedro racista. Portanto, da psicanálise à filosofia, passando pelas ciências sociais, as diversas ciências humanas se reuniram neste esforço teórico para delinear o racismo na sua multiplicidade e pluralidade (Bourdieu, 2004). Enfim, se o racismo implica múltiplos interesses para a sua produção e promoção social, é preciso reconhecer que a leitura do racismo implica a conjunção entre os registros do saber e do poder para a sua elucidação (Foucault, 1975; 1982/2012).

Assim, é preciso reconhecer como condição preliminar que o racismo é delineado pela sobredeterminação na sua tessitura como nos disse Freud no que concerne ao sonho e as demais formações do inconsciente (lapso, ato falho, chiste, sintoma e transferência). Contudo, tal formulação deve ser estendida também para as formações sociais e ideológicas, pois essas seriam também tributárias do registro do discurso e das implicações políticas e pulsionais nelas presentes. Portanto, se o racismo implica diferentes processos de subjetivação dos agentes sociais que neles se implicam, sejam como promotores de práticas racistas sejam como alvo de tais práticas indignas, implicam também forças sociais e políticas poderosas que promovem os agenciamentos (Deleuze, 1969) das práticas racistas. Daí por que o capitalismo é o campo social e econômico onde emerge as diferentes práticas racistas na contemporaneidade, no qual se engendram a rejeição, a exclusão e os desprezos das individualidades visadas, que pode atingir o extermínio como nos disse Taguieff (1987/2001).

Com efeito, o que produz as práticas racistas é o não reconhecimento do outro na sua singularidade, de forma a anular a dignidade do sujeito visado, condição concreta de possibilidade que é para a sua morte social e para a sua morte física. Portanto, o racismo é uma modalidade do narcisismo das pequenas diferenças, para evocar Freud em “Psicologia das massas e análise do eu” (1921/2010), na medida em que é a diferença do outro na sua particularidade que não pode ser efetivamente reconhecida, nos registros individual e coletivo (raça, etnia, religião e classe social). Contudo, se a leitura de Freud se realizou nos anos 20, do século XX, que precedeu a emergência histórica e social do nazismo e do fascismo na sociedade europeia, a radicalização da xenofobia e do racismo na contemporaneidade incrementou tais formas de narcisismo pela suspensão dos direitos sociais e das formas de reconhecimento promovidos pelo neoliberalismo, em escala internacional.

É claro que, nesse contexto histórico e social, o Brasil tem suas especificidades, na medida em que aqui se evidencia a presença de signos ostensivos de genocídio da população afro-descendente em consequência da não superação da longa tradição escravocrata, que prevalece, até hoje, com as péssimas condições de saúde e de educação, mas que se fazem também presentes nas populações indígenas. O que implica dizer que existe uma urgência brasileira em face dos impasses colocados para os destinos de tais populações tratadas de forma indigna e que se materializa por laços sociais perversos. Portanto, no Brasil contemporâneo, tais tradições vivem efetivamente como refugiadas, como se fossem estrangeiras, devendo então serem plenamente reconhecidas para se inscreverem no registro da cidadania, para que o racismo possa ser assim objeto de desconstrução (Derrida, 1967). Enfim, esta é a aposta dos autores desta obra magnífica nos seus treze (13) textos, que realizam uma cartografia instigante para que se possa pensar no racismo como questão crucial da atualidade.

*1Autores que participam da coletânea: Marília Etienne Arreguy; Marcelo Báfica Coelho; Sandra Cabral; Jô Gondar; Leandro de Lajonquière; Carla Penna; Marcelo Ricardo Pereira; Cristiana Carneiro; Renato Noguera; Sharon Varjão Will; Maria de Fátima Costa de Paula; Mylene Santiago; Zuleide Silveira; Sandra Neves Teixeira; Dagmar de Mello e Silva; Fábio Belo.

Referências

Arreguy, M. E., Coelho, M. B., & Cabral, S. (2018).Racismo, capitalismo e subjetividade: leituras psicanalíticas e filosóficas. Niterói, RJ: EdUFF, 2018 (copyright 2017). [ Links ]

Bourdieu, P. (2004, avril). La précarité pour tous. Racisme de l’intelligence. Le Monde Diplomatique, p. 24. Sur l’internet: <https://www.monde-diplomatique.fr/2004/04/BOURDIEU/11113 (30/11/2018)>. [ Links ]

Deleuze, G. (1969). Logique du sens. Paris. France: Minuit. [ Links ]

Derrida, J. (1967). De la Grammatologie. Paris, France: Minuit. [ Links ]

Foucault, M. (1975). Surveiller et punir. Naissance de la prison. Paris, France: Gallimard. [ Links ]

Foucault, M. (1997). Il faut défendre la société. Paris, France: Gallimard. (Trabalho original publicado em 1975-76). [ Links ]

Foucault, M. (2012). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal. (Trabalho original publicado em 1982). [ Links ]

Freud, S. (1921). Psychologie des masses et analyse du moi. Paris, France: PUF.(Trabalho original publicado em 1921). [ Links ]

Morin, E. (1994). La complexité humaine. Textes choisis. Paris, France: Flammarion. [ Links ]

Taguieff, P-A. (2001). The force of prejudice: On racism and its doubles. (Melehy, H., trad.). Minneapolis, MN: University of Minnesota Press. (Trabalho original publicado em 1987). [ Links ]

Recebido: 12 de Setembro de 2018; Aceito: 14 de Janeiro de 2019

joelbirman@uol.com.br

Editores do artigo/Editors: Profa. Dra. Marta Regina de Leão D’Agord

Joel Birman

Psicanalista; Membro do Espaço Brasileiro de Estudos Psicanalíticos e do Espace Analytique; Professor Titular do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (Rio de Janeiro, RJ, Br); Professor Adjunto do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (Rio de Janeiro, RJ, Br); Diretor de Estudos em Letras e Ciências Humanas, Universidade Paris Diderot (Paris, França); Pesquisador associado do Laboratório “Psicanálise e Medicina e Sociedade” (Rio de Janeiro,RJ, Br) e Professor associado da École Doctorale de Psychanalyse da Université Paris Diderot (Paris, França). Pesquisador e Consultor Ad-hoc do CNPq (Brasília,DF, Br).

Rua Major Rubem Vaz, 426 - Gávea 22470-070 Rio de Janeiro, RJ, Br.

https://orcid.org/0000-0003-4120-5806

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution Non-Commercial, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que sem fins comerciais e que o trabalho original seja corretamente citado.