SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue4The dancing body in the invention of the social bond: the Nijinsky caseThe philosophical implications of madness in a new key: philosophy of psychiatry in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental

Print version ISSN 1415-4714On-line version ISSN 1984-0381

Rev. latinoam. psicopatol. fundam. vol.22 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2019  Epub Jan 17, 2020

https://doi.org/10.1590/1415-4714.2018v22n4p965.15 

RESENHAS BIBLIOGRÁFICAS

Entre margens

Between Shores

*1Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (Porto Alegre, RS, Brasil).

Escrita, morte-vida – Diários com Lúcio Cardoso. Chraim, Rosi Isabel Bergamaschi. Florianópolis, SC: Nave/Nauemblu, 2019. 208 págsp.


Rosi Chraim propõe um livro-tese no qual trabalha a escrita no “entre”, num limiar, entre “diários”, esses cadernos de escrita, seus e de Lúcio Cardoso.1 Entre morte e vida, escrito com um hífen que faz a ligação e separação das palavras: morte-vida; entre o continuar e o desistir; entre a arte-literatura e psicanálise; entre margens. Ela trabalha com suas questões e inquietações para com a escrita, à luz dos diários de Lúcio e de outros textos. Enquanto Lúcio se inspirava em Nietszche, Pascal, Rimbaud, Tolstói e Dostoiévski; Rosi “veste a roupa” de Cardoso inspirando-se, por sua vez, em Freud, Lacan, Walter Benjamin, Giorgio Agamben, Blanchot, dentre outros.

Rosi Chraim trabalha com o formato diário refletindo sobre o próprio itinerário de escritora que realizou um percurso pela psicanálise. Comentários de leituras, anotações sobre escritores e, principalmente, confissões de sua inquietude.

Já nas primeiras páginas, a autora presentifica a ausência através de uma frase calcada pelo avesso, deixando um relevo como estampa, por onde se percebe a figuração da presença do que só se dá a ver por sua falta (Lacan, 1960-1961). Dessa forma, a autora exercita como metonímia a “falta-a-ser” (Lacan, 1958/1998, p. 623).

O livro é visual e tátil. Pede que se olhe para ele, que se toque. Sentimos algo de aspereza já na capa, que vai sendo confortada pela imagem impressa nela de uma escrita à mão, um desenhar que se inscreve e que tenta nos dizer algo, pela repetição de palavras. Que nos deixemos tocar por ele, é o que vai dizendo “nas entrelinhas”, ou entre margens de uma escuta-leitura? Nos interstícios do texto surge a vibração que reverbera no leitor. Gesto que convoca (a)os sentidos. Destaco aqui um trecho colocado em nota de rodapé, em que nos mostra a preciosidade das citações quando está, ela própria, a citar (Walter Benjamin e seu método de incorporar citações): “Saliento que citar, citare, é pôr em movimento, fazer vir a si; Ex-citare é despertar; sus-citare, fazer-se levantar. A citação excita, suscita e incita um dizer”.

A autora nos convida ao exercício da escuta-leitura,2 um método “lido” em Freud por Lacan. E também nos convoca a sair do lugar de espectador, em que a supremacia do olhar tomaria a cena. Vai nos conduzindo a entrar na palavra e a ver o objeto sob outra luz. Ela sai do movimento de pesquisa, dá voltas em torno de um centro, e passa ao movimento do estudo, studium,3 movimento de dispersão, para chegar até uma terceira margem. Vai dialogar com Agamben, para quem a linguagem é essa zona de indecidibilidade entre uma zona e outra, um terceiro incluído.4

No decorrer da escritura, o texto de Lúcio Cardoso é tomado na tentativa de “mimetizar” sua escrita. O leitor não passa incólume ao texto que quer se aproximar do “fora de significado” (Lacan, 1959-1960/1997, p. 71), remetendo ao pote que o oleiro produz, ao presentificar o vazio contornado pelo barro, o que permanece de irrepresentável.

O livro em si mesmo é um espaço lúdico. Em um dos lados o leitor acompanha a escrita da tese, e, no outro, há figuras, fotografias de paisagens inusitadas como “a escrita dos cupins”, imagens simbólicas que figuram o texto da escritura. Nas notas de rodapé, uma letra pequena diz de coisas não tão pequenas assim, tomando proporções que abarcam quase a totalidade da página, como para dizer que o ínfimo pode tomar grandes proporções.

O leitor é convocado a entrar no livro, e por ele transitar. Acompanhamos um deslizamento significante desde a “Presentação”, em que “A palavra iniciante, canto do pressentimento”; à cadeira que convida a sentar/sentir a linguagem nos envolver no instante seguinte, com “Envolvimento”, “Do território na/da palavra: linguagem, morte-vida”. Escrita de vida ou vida de escrita, e morte-vida: a topologia do trânsito. Títulos que dizem da importância da palavra como possibilidade de escrever o que não pode ser dito. Oclusão é a forma com que termina seu escrever, no título “Do corpo à terra: a penúltima palavra”. Sentimos as várias dimensões da perda, essa que se faz necessária para sairmos de nosso lugar e endereçarmo-nos ao outro. Trata-se de uma importante contribuição para se pensar no trabalho de luto, esse Trauerarbeit.

O livro é um convite ao despertar da escuta-leitura, do acolhimento do desassossego, dos impossíveis de serem representados e, quem sabe, abertura para uma escrita do possível. A contribuição que Rosi nos oferece com esta obra, para além de nos convidar a pensar o fim, o outro lado, nos introduz ao limiar,5 este lugar entre, espaço aqui definido ou in-definido, in como estando dentro de, numa terceira margem, no processo contínuo de passagem pela vida que não é sem morte: morte-vida.

1Lúcio Cardoso, escritor brasileiro, autor de, entre outros, Crônica da casa assassinada (José Olympio, 1959).

2 Lacan (1975) menciona o método escuta-leitura em seminário proferido nos Estados Unidos, quando comenta que, do que Freud escutava, resultava algo paradoxal: uma leitura. Foi enquanto escutava as histéricas que Freud leu que ali havia um inconsciente.

3Studium é uma noção trabalhada por Agamben (2017). Ao contrário do que está implícito na terminologia acadêmica, na qual o estudante é um grau mais baixo em relação ao pesquisador — o estudo é um paradigma cognoscitivo hierarquicamente superior à pesquisa, no sentido que esta não pode atingir seu objetivo se não é animada por um desejo e, uma vez que o atinge, só pode conviver estudiosamente com este, transforma-se em estudo.

4A lógica do terceiro incluído se contrapõe e complementa a lógica clássica, restringindo o campo de validade da lei do terceiro excluído, sem anulá-la.

5Lembrando que para a medicina, limiar é o ponto no qual um estímulo tem a intensidade suficiente para começar a produzir um efeito.

Referências

Agamben, G. (2017). Estudantes. (Trad. V. N. Honesko). Recuperado em 8 out. 2019, de: <http://www.ihu.unisinos.br>. [ Links ]

Cardoso, F. S. (2012). O poeta está vivo. Jornal Rascunho, 152, dezembro de 2012. Recuperado em 10 out .2019, de: <http://rascunho.com.br/edições#>. [ Links ]

Lacan, J. (1960-1961). Le séminaire. Livre 8. Le Transfert. Recuperado em 5 out. 2019, de: <http://staferla.free.fr>. [ Links ]

Lacan, J. (1975). Yale University, Kanzer Seminar. Scilicet, 6/7, pp. 7-31. [ Links ]

Lacan, J. (1997). O seminário. Livro 7.A ética da psicanálise (A. Quinet, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1959-1960). [ Links ]

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In Escritos (pp. 591-652). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1958). [ Links ]

Recebido: 10 de Outubro de 2019; Aceito: 19 de Outubro de 2019

Editora/Editor: Profa. Dra. Marta Regina de Leão D’Agord

Magali Koepke

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura, do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (Porto Alegre, RS, Br).

Av. Lavras, 46 /401

90460-040 Porto Alegre, RS, Br

1magalikoepke@gmail.com

https://orcid.org/0000-0002-1295-7665

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que sem fins comerciais e que o trabalho original seja corretamente citado.