SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número5Consumo de charque e técnicas de dessalga adotadas por uma população de hipertensos da região nordeste do BrasilEstado nutricional e fatores associados em escolares domiciliados na área rural e urbana índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Nutrição

versão impressa ISSN 1415-5273

Rev. Nutr. vol.23 no.5 Campinas set./out. 2010

https://doi.org/10.1590/S1415-52732010000500013 

ORIGINAL ORIGINAL

 

Avaliação da redução de potássio em hortaliças submetidas a diferentes métodos de cocção para possível utilização na dietoterapia renal

 

Evaluation of potassium in vegetables submitted to different cooking methods and their possible use in renal diet

 

 

Cristiane CopettiI; Viviani Ruffo de OliveiraII; Paula KirinusII

IUniversidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos, Laboratório de Química de Alimentos. Rod. Admar Gonzaga, 1346, Itacorubi, 88034-001, Florianópolis, SC, Brasil. Correspondência para/Correspondence to: C. COPETTI. E-mail: <copetti.cris@gmail.com>.
IIUniversidade Federal de Santa Maria, Centro Universitário Franciscano de Santa Maria, Curso de Nutrição. Santa Maria, RS, Brasil.

 

 


RESUMO

Objetivo: Julgou-se relevante avaliar a concentração de potássio em vegetais crus submetidos ao remolho e cozidos sob diferentes formas - ebulição, micro-ondas e sob pressão - a fim de verificar se o remolho e as técnicas de cocção têm eficácia na redução da concentração desse mineral.
Métodos: O experimento foi realizado em delineamento casualizado, com esquema fatorial 3x5 (3 vegetais x 5 proce-dimentos) e 3 repetições nas análises. As hortaliças - batata, cenoura e brócolis - foram submetidas à análise dos teores de potássio por fotometria de chama IL, e compararam-se os tratamentos: cru, remolho em água, cocção em ebulição, micro-ondas e sob pressão.
Resultados: Nas amostras analisadas, para a batata o método remolho (232,2mg/g), ebulição (197,3mg/g), micro-ondas (170,3mg/g) e pressão (187,2mg/g) não diferiram de forma estatisticamente significativa entre si, da mesma forma para a cenoura, que obteve os valores de redução de 315,0mg/g, 309,9mg/g, 243,3mg/g e 210,6mg/g, respectivamente para remolho, ebulição, micro-ondas e pressão. Entretanto, para os brócolis, pode-se observar que os métodos de preparo em micro-ondas (280,1mg/g) e pressão (167,3mg/g)diferiram estatisticamente em relação aos outros métodos, mostrando-se mais eficazes na redução dos teores de potássio dessa hortaliça.
Conclusão: O remolho e os métodos de cocção mostraram-se eficazes na redução dos teores de potássio nas hortaliças, no entanto fatores como tempo, temperatura, recipiente, potência e frequência das ondas eletromagnéticas do micro-ondas podem influenciar os diferentes tipos de cocção.

Termos de indexação: Dietoterapia. Hortaliças. Manipulação de alimentos. Potássio.


ABSTRACT

Objective: This study assessed the concentration of potassium in raw and macerated raw vegetables and vegetables cooked by different methods - boiling, microwave and pressure-cooking - to verify if maceration and different cooking methods can effectively reduce the concentration of this mineral.
Methods: This experiment had a random 3x5 factorial design (3 vegetables x 5 procedures) and the analyses were repeated 3 times. Flame photometry was used to determine potassium concentration in raw, soaked, boiled, microwaved and pressure-cooked potatoes, carrots and broccoli.
Results: Potassium concentration in soaked (232.2mg/g), boiled (197.3mg/g), microwaved (170mg/g) and pressure-cooked (187.2mg/g) potatoes and soaked (315.0mg/g), boiled (309.9mg/g), microwaved (243.3mg/g) and pressure-cooked (210.6mg/g) carrots did not differ significantly. On the other hand, potassium concentration in microwaved (280.1mg/g) and pressure-cooked (167.3mg/g) broccoli was significantly different from that found in soaked and boiled broccoli. Therefore, microwaving and pressure-cooking reduce the potassium concentration in broccoli more effectively.
Conclusion: Maceration and the different cooking methods were effective in reducing the concentration of potassium in the studied vegetables. However, other factors such as cooking length, temperature, type of container and microwave frequency and power level may also affect potassium concentration.

Indexing terms: Diet therary. Greens. Food handling. Potassium.


 

 

Introdução

O potássio é um íon predominantemente intracelular e seu conteúdo corporal é de cerca de 3.500mEq para um adulto de aproximada-mente 70kg. Sua concentração intracelular varia de 140 a 150mEq/l, sendo o tecido muscular o maior depósito de potássio. Apenas 2% (3,5 a 5,0mEq/l) do potássio corporal total encontra-se no espaço extracelular. Devido à grande diferença entre as concentrações intra e extracelular de po-tássio, os fatores que controlam sua distribuição transcelular são determinantes para a manuten-ção de níveis séricos normais1.

Para que haja a manutenção do potássio corpóreo é necessário um balanço integrado, isto é, a ingestão e a absorção do potássio pelo intes-tino e a sua eliminação devem estar em equilíbrio.

Assim, em condições normais, um indivíduo deve ingerir cerca de 100mEq de potássio por dia, pois 90mEq serão eliminados na formação diária da urina e os outros 10mEq na formação das fezes2.

Os rins constituem o principal sistema na regulação do volume líquido intravascular, na composição dos líquidos orgânicos e na excreção dos produtos finais do metabolismo celular. A circulação extracorpórea produz várias alterações na quantidade e na distribuição do fluxo sanguíneo renal, especialmente nos pacientes com alterações renais agudas ou crônicas3.

A insuficiência renal consiste na redução das funções renais e pode ocorrer em poucas ho-ras ou dias ou, ao contrário, instalar-se insidiosa-mente, evoluindo lentamente ao longo de vários anos até alcançar os estágios terminais. Portanto, existem dois tipos de insuficiência renal: a aguda e a crônica, ambas com características específicas4.

A Insuficiência Renal Aguda (IRA) tem como característica a redução abrupta da função renal, que se mantém por períodos variáveis, resultando na impossibilidade dos rins em exercer suas funções básicas de excreção e manutenção da homeostasia hidroeletrolítica do organismo5.

As alterações laboratoriais na IRA incluem a uremia progressiva, acidose, hipercalemia e hiponatremia. Geralmente há um aumento diário da creatinina sérica e do nitrogênio ureico. A aci-dose é moderada, mas quando o catabolismo está acelerado a sua progressão é mais rápida, do mesmo modo são mais rápidas as elevações da uréia e da creatinina6.

A Doença Renal Crônica (DRC) é uma sín-drome metabólica caracterizada por uma si-tuação clínica na qual os rins perdem progressi-vamente suas funções exócrinas de filtração, reabsorção e secreção de substâncias na urina, como também suas funções endócrinas7,8.

Os indivíduos com DRC têm comprometi-mento irreversível do tecido renal e das funções renais, retendo água, causando hipercalemia, apresentando hiponatremia e elevação progres-siva dos catabólitos nitrogenados, uréia e creati-nina9.

Na DRC, bem como na IRA, os rins redu-zem a capacidade de excreção do potássio, o que leva o organismo, na tentativa de manter a ho-meostasia interna, disponibilizar mecanismos para tentar prevenir o acúmulo excessivo desse mineral no sangue, assim observam-se mecanismos adaptativos para aumentar a excreção de potássio nos néfrons remanescentes como também no in-testino. Para que isso ocorra, os rins tornam-se mais eficientes na eliminação do potássio, aumen-tando a excreção desse mineral por meio das fezes10,11.

No tratamento de pacientes em diálise, a adequada homeostase do potássio representa um problema frequente. Tanto a hipocalemia - concentração do potássio no soro inferior a 3,5mEq/l - quanto a hipercalemia - concentração plasmá-tica acima de 5,0mEq/l - sabidamente afetam a excitabilidade da célula do músculo cardíaco, propiciando o desenvolvimento de arritmias e morte súbita1,12.

A restrição dietética deve ser mais rigorosa para pacientes em Hemodiálise (HD), sobretudo para os anúricos. Apesar de a alimentação contri-buir de forma significativa com os níveis séricos de potássio, outras condições também podem causar ou agravar a hipercalemia e devem ser tra-tadas sempre que possível13.

De acordo com Dinalli & Portero8, o potás-sio da dieta só deve ser restrito se o nível plasmá-tico desse mineral estiver acima do normal. Geral-mente, isso só é necessário em pacientes que evoluem para acidose metabólica, com constipa-ção intestinal e em uso de drogas como os inibi-dores da enzima conversora de angiotensina.

Contudo, Louis & Dolan14 alertam sobre a restrição do potássio da dieta, que exige uma instrução cuidadosa do paciente renal sobre as fontes e as quantidades de alimento a serem dimi-nuídas ou evitadas, além dos riscos e consequên-cias da hipercalemia.

Pacientes com a doença avançada estão em risco de terem a ingestão dietética inade-quada, uma vez que as dietas prescritas são comu-mente baixas em alguns nutrientes e altas em outros, sendo comum a desnutrição. A adequação da dieta e o estado nutricional do paciente devem ser monitorados periodicamente15.

Em geral, recomenda-se que a ingestão de potássio seja inferior a 70mEq/dia (~3g/dia). Hortaliças, frutas, leguminosas e oleaginosas apre-sentam elevado teor de potássio e o processo de cozimento em água de hortaliças e frutas promo-ve perda significativa desse eletrólito, com valores em torno de 60%13.

Para que os vegetais com elevado teor desse mineral não sejam excluídos da dieta, alguns métodos têm sido estudados para minimizar essa concentração, como a ebulição em grande quantidade de água - descartada após a cocção -, que compreende trocas químicas, físico-químicas e estruturais dos componentes dos alimentos provo-cadas intencionalmente por efeito do calor8,14,16,17.

Na cocção, o aquecimento é resultado do aporte de energia ao sistema, decorrente da trans-ferência de calor. Nos diferentes métodos de cozi-mento, as formas de transferência de calor, a tem-peratura, a duração do processo, e o meio de cocção são alguns dos fatores responsáveis pelas alterações químicas e físicas que podem modificar o valor nutricional dos alimentos18,19.

Sendo assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a concentração de potássio em vegetais crus e cozidos sob diferentes formas de cocção, além de verificar se o remolho e as técnicas de cocção têm eficácia na redução da concentração desse mineral.

 

Métodos

Este estudo foi do tipo experimental com delineamento inteiramente casualizado, esquema fatorial 3X5 (três vegetais X cinco métodos de pré-preparo e preparo) e três repetições nas aná-lises.

Como critério de seleção dos alimentos, usou-se a diversidade dos pigmentos e seleciona-ram-se, entre esses, os mais populares e com elevado teor de potássio: batata, brócolis e ce-noura. Para a seleção dos vegetais, verificaram--se os valores de potássio dos alimentos na Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO)20, apenas como referência.

Pré-preparo e preparo das amostras

Foram cedidos por um estabelecimento comercial da cidade de Santa Maria (RS) três quilos de batata, brócolis e cenoura, que foram colhidos na mesma época e oriundos do mesmo lote para a realização deste estudo. O pré-preparo e preparo das amostras foram realizados no Laboratório de Técnica Dietética do Centro Universitário Francis-cano (UNIFRA).

A batata e a cenoura foram homoge-neizadas, selecionadas, lavadas em água corrente e, depois de retirada a epiderme, foram cortadas em rodelas de 2cm de espessura. As inflorescên-cias dos brócolis foram selecionadas, lavadas em água corrente, tendo sido retirados as folhas e os talos. As hortaliças foram distribuídas em cinco métodos de pré-preparo e preparo e divididas em amostras de 100g cada uma para 200mL de água. Foi padronizado para todos os métodos de pre-paro o uso de quantidade de água suficiente para cobrir os vegetais. Algumas avaliações prelimi-nares foram realizadas para que fosse estabe-lecido o correto tempo de cocção para cada tipo de hortaliça e método de preparo, visando que ficassem "al dente".

A água utilizada foi do tipo deionizada para que não houvesse interferência nos valores de micronutrientes.

Esses vegetais foram avaliados in natura, sem uso de método de remolho ou cocção, e considerados o controle do experimento.

Remolho

No método de remolho, para cada amostra (100g) de vegetal in natura foram adicionados 200mL de água deionizada, à temperatura am-biente de 20ºC e estabelecido o tempo de qua-tro horas, desprezando-se uma vez a água utili-zada.

Preparo em ebulição

Foram cozidos uma única vez 100g de ca-da vegetal in natura em 200mL de água deioni-zada, por ebulição em fogão convencional sob temperatura de 98ºC, verificada com termômetro digital do tipo espeto e da marca Instruterme®, tendo sido, posteriormente, a água desprezada. Para a cocção da batata, brócolis e cenoura, usaram-se os tempos de 13min, 10min e 17min, respectivamente.

Preparo em forno de micro-ondas

Foram cozidos uma única vez 100g de cada vegetal in natura em 200mL de água deioni-zada, em forno de micro-ondas da marca Sanyo modelo EM-604T com frequência de onda de 2450MHz sob potência máxima (100MHz), tendo sido, posteriormente, a água desprezada. Para a cocção das batata, dos brócolis e da cenoura, utilizaram-se os tempos de 7min, 5min e 9min, respectivamente.

Preparo em panela de pressão

Foram cozidos uma única vez 100g de cada vegetal in natura em 200mL de água deioni-zada, em panela de pressão com fluxo contínuo de pressão de 1 ATM à temperatura de 116ºC, tendo sido, posteriormente, a água desprezada. Para a batata, os brócolis e a cenoura, usaram-se os tempos de 10min, 8min e 10min, respectiva-mente.

Determinação de potássio (K)

As amostras in natura e remolho foram picadas; as amostras coccionadas foram amassa-das com garfo para facilitar o processo de moagem, acondicionadas em papel alumínio, embaladas em saco plástico, etiquetadas e ana-lisadas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) pelo Centro de Ciências Rurais (CCR) no Laboratório de Ecologia Florestal (LABEFLO).

A preparação das amostras foi realizada por meio de secagem em estufa com circulação forçada de ar quente a 65-70ºC, sem a lavagem do material. A dupla moagem foi feita através da trituração do material seco em moinhos de facas de aço inox até passar em malha de 2-3mm; em seguida, esse material foi homogeneizado em moinho tipo Wilie, obtendo-se uma amostra final de 10-15g para as análises.

O teor de potássio no tecido vegetal varia na maior parte dos casos entre 0,2 e 10%. As hortaliças sofreram digestão líquida com ácido sulfúrico e peróxido de hidrogênio, seguindo a metodologia descrita por Duncan21, e as amostras foram avaliadas por fotometria de chama IL mod. 443, ajustando-se a sensibilidade do aparelho com os padrões adequados.

Os dados obtidos foram analisados por meio de Análise de Variância (ANOVA) e teste de Tukey para a comparação das médias entre as amostras, utilizando-se um nível de significância de 5%. Para a análise dos dados foi utilizado o programa ESTAT versão 2.0.

 

Resultados e Discussão

Os resultados foram expressos em mg/100g de alimento; o teor de potássio na batata crua foi de 293,7mg/g e na batata que ficou em remolho foi de 232,2mg/g, verificando-se que não houve diferença estatística significativa na redução do mineral potássio (Tabela 1).

 

 

 

Entretanto, os métodos de ebulição, micro--ondas e pressão reduziram os teores de potássio a 197,3mg/g, 170,3mg/g e 187,2mg/g, respecti-vamente; quando comparados ao vegetal cru, mostraram-se reduções estatisticamente signifi-cativas. Todavia, esses três métodos de cocção quando comparados ao remolho não apresen-taram diferença estatística significativa.

Os brócolis (Tabela 1), quando submetidos a diferentes métodos de cocção, apresentaram perdas diferenciadas nos valores de potássio. Esta-tisticamente foi verificado uma diferença significativa entre o brócolis cru quando comparado ao método de pressão (167,3mg/g) e micro-ondas (280,1mg/g). Ao mesmo tempo em que cru, remolho e ebulição não diferiram significativa-mente entre si, e o método em micro-ondas e pressão não obtiveram diferença estatística relevante.

Santos et al.22 realizaram um estudo sobre diferentes tempos de cozimento e suas influências nos teores de potássio em folhas de brócolis e constataram que esse mineral teve seus teores diminuídos com o aumento do tempo de cozi-mento, mostrando ter sido removido pela água. As folhas dos brócolis obtiveram o menor teor de potássio - 1560mg/g -, apresentando perda de 27,1% do seu conteúdo após aplicação dos trata-mentos.

Os resultados para a cenoura mostram que essa hortaliça apresentou o mesmo perfil que a batata; portanto, pode-se verificar que o teor de potássio na cenoura crua (388,4mg/g), sob re-molho (315,0mg/g) e em ebulição (309,9mg/g) não diferiram estatisticamente entre si, igualmen-te para os métodos micro-ondas (243,3mg/g) e pressão (210,6mg/g). Todavia, os métodos micro--ondas e pressão obtiveram diferença estatística em relação ao vegetal cru.

Para que os vegetais com hipercalemia não sejam excluídos da dieta, alguns métodos têm sido estudados para minimizar a concentração de po-tássio. O conteúdo desse mineral presente nesses alimentos pode ser reduzido por meio de ebulição em grande quantidade de água, que deve ser descartada após a cocção8,14,16.

De acordo com Riella & Martins10, é possí-vel também reduzir a quantidade de potássio dos vegetais usando técnicas de pré-preparo e preparo de alimentos como descascar, picar, hidratar por algumas horas e, depois, cozinhar em bastante água. O método exige que toda a água usada seja desprezada para que uma quantidade substancial - aproximadamente 60% - do potássio seja descartada.

Em seu estudo, Tsaltas16, preocupado em fornecer fontes de vegetais sem prejudicar a dieta de pacientes com insuficiência renal crônica, tra-balhou com processos de cozimento em vegetais de modo que a maioria do potássio fosse remo-vida. Nesse estudo, o autor comparou os alimen-tos frescos aos coccionados uma vez; e em outro procedimento aliou o remolho à cocção, verifi-cando que esse foi o processo de maior remoção de potássio nos vegetais.

Cuppari et al.23, afirma que no meio hospi-talar adota-se a cocção por duas vezes, despre-zando-se a água a cada vez; dessa forma, a autora e colaboradores realizaram um estudo coccionan-do os vegetais uma única vez e também duas vezes e verificaram que apenas uma cocção é suficiente para retirada de potássio dos vegetais. Sugeriu-se assim uma única cocção do alimento em grande quantidade de água, que deve ser des-prezada posteriormente. Dessa forma, mantêm-se a aparência e a consistência firme do alimento, minimizando o problema da baixa aceitabilidade pelo paciente.

Santos, et al.22 avaliaram a redução de potássio em folhas de diferentes vegetais; para cada 100g de alimento eles utilizaram 1000mL de água. Entretanto, neste presente estudo, foram utilizados apenas 200mL de água para cada 100g de vegetal: o suficiente para cobrir o alimento. Pode-se concluir que a quantidade de água não interfere nos valores de redução do mineral, evi-tando assim a perda de outros micronutrientes importantes na dietoterapia renal.

No presente estudo observou-se que além da cocção por ebulição, existe a opção de coccionar os vegetais nos métodos micro-ondas e pressão, que também proporcionam redução nos teores de potássio.

De acordo com Silva et al.24, a cocção em forno de microondas permite alcançar temperaturas superiores à do forno convencional, o que, teoricamente, resultaria em perda mais expressiva de micronutrientes por degradação térmica. No entanto, essa redução pode ser minimizada pelo fato de a cocção em micro-ondas permitir um aquecimento mais uniforme e mais rápido do alimento, quando comparado ao cozimento convencional em que a condução de calor se processa de maneira mais lenta.

É necessário controlar a cocção de cada vegetal especificamente ou orientar-se por tabelas pré-estabelecidas de tempo de cocção para não ultrapassar o ponto de cocção suficiente25.

 

Conclusão

Nas condições deste experimento, pode-se concluir que:

- O processamento por remolho não obte-ve resultados satisfatórios, pois não teve redução significativa se comparado aos alimentos crus.

- Os três métodos de cocção - ebulição, microondas e pressão - foram eficazes na redução dos teores de potássio nas hortaliças, comprovando a instabilidade do mineral perante a água e o processamento térmico.

- Das hortaliças avaliadas, os brócolis foram os mais sensíveis a perdas de potássio.

- Para a batata e a cenoura, os métodos de cocção foram todos eficazes; para os brócolis, a cocção sob pressão foi mais expressiva.

Sugere-se que sejam realizados novos estudos com condições experimentais similares e diferentes, pois existe escassez de material científico atualizado. Além disso, vários fatores podem influenciar os diferentes tipos de cocção, como tempo, temperatura, recipiente, potência e frequência das ondas eletromagnéticas de microondas. Este estudo é de grande relevância para pacientes renais e profissionais que indicam em seus consultórios métodos de pré-preparo e preparo que precisam ser mais investigados.

 

Agradecimento

Ao Supermercado Dois Irmãos de Santa Ma-ria/RS pelo fornecimento das hortaliças.

 

Colaboradores

C. COPETTI participou da execução de todo o trabalho, principalmente da coleta dos dados, da execução dos experimentos, da análise e da interpretação dos dados, da redação e correções do artigo. V.R. OLIVEIRA orientadora do projeto e do artigo auxiliou na coleta de dados; na análise e na interpretação dos dados e redação e nas correções do artigo. P. KIRINUS auxiliou na coleta de dados e na execução dos experimentos laboratoriais.

 

Referências

1. Vieira Neto OM, Moysés Neto M. Distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico. Anais da 36º Simpósio de urgências eemergências nefrológicas.Ribeirão Preto; 2003.         [ Links ]

2. Osorio FV, Linas SL. Disorders of potassium metabolism. In:Schrier RW, editor. Atlas ofdiseases of the kidney. 2003. Available from: <http://www.kidneyatlas.org>         [ Links ].

3. Krenitsky J. Nutrition in renal failure: myths and management. Pract Gastroenterol (USA). 2004; 23(9):40-59.         [ Links ]

4. Thadhani R, Pascual M, Bonventre JV. Acute renal failure. N Engl J Med. 1996; 334:1448.         [ Links ]

5. Garcia TPR, Romero MP, Poletti NAA, Cesarino CB, Ribeiro RCHM. Principais motivos de internação do paciente com insuficiência renal aguda na unidade de terapia intensiva. Arq Ciênc Saúde. 2005; 12(3): 146-50.         [ Links ]

6. D'avila DO, Traezel M, Glock L, Insuficiência renal aguda tratada por diálise em unidade de trata-mento intensivo (análise de 124 pacientes consecu-tivos). J Bras Nefrol. 1997; 19(1):21-31.         [ Links ]

7. Cabral PC, Diniz AS, Arruda IKG. Avaliação nutri-cional de pacientes em hemodiálise. Rev Nutr. 2005; 18(1):29-40. doi: 10.1590/S1415-52732005 0010003.         [ Links ]

8. Dinalli SC, Portero KCC. Terapia nutricional em pacientes com insuficiência renal crônica. Nutr Pauta. 2005; 13(74):30-3.         [ Links ]

9. Papini H, Santana R, Ajzen H, Ramos OL, Pestana JOM. Alterações metabólicas e nutricionais e orientação dietética para pacientes submetidos a transplante renal. J Bras Nefrol. 1996; 18(4):356-69.         [ Links ]

10. Riella MC, Martins C. Nutrição e o rim. Rio de Ja-neiro: Guanabara Koogan; 2001. Cap.12, p.24-5. Rev. Nutr., Campinas, 23(5):831-838, set./out., 2010 11.         [ Links ] Helou CMB. Potássio e bicarbonato. J Bras Nefrol. 2004; 26(3 Supl. 1):22-5.         [ Links ]

12. Redaelli B, Locatelli F, Limido D, Andrulli S, Signorini MG, Sforzini S, et al. Effect of a new model of hemodialysis potassium removal on the control of ventricular arrhythmias. Kidney Int. 1996; 50:609-17.         [ Links ]

13. Cuppari L. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar: nutrição clínica no adulto. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2005. p.189-220.         [ Links ]

14. Louis CJ, Dolan EM. Removal of potassium in potatoes by leaching. J Am Diet Assoc. 1970; 57:42-3.         [ Links ]

15. Heaney RP. Biologia óssea na saúde e na doença: guia didático. In: Shils M, Olson JA, Shike M, Ross AC. Tratado de nutrição moderna na saúde e na doença. 9ª ed. Barueri: Manole; 2003.         [ Links ]

16. Tsaltas, T. Extraction of potassium from foods for uremic patients. Am J Clin Nutr. 1969; 22(4):490-3.         [ Links ]

17. PhilippI ST. Nutrição e técnica dietética. Barueri: Manole; 2003.         [ Links ]

18. García-Arias MT, Pontes EA, García-Linares MC. Cooking-freezing-reheating (CFR) of sardine (Sardina pilchardus) fillets: effect of different cooking and reheating procedures on the proximate and fatty acid compositions. Food Chem (Great Britain). 2003; 83(3)349-56.         [ Links ]

19. Potter NN, Hotchkiss JH. Ciência dos alimentos. 5ª ed. Zaragoza: Acribia; 1995. p.667.         [ Links ]

20. Universidade Estadual de Campinas. Tabela Brasi-leira de Composição de Alimentos. Versão 2. Cam-pinas; NEPA; 2006.         [ Links ]

21. Duncan, L. Clinical analysis by atomic absorption spectroscopy. Springvale: VarianSpectron Pty; 1976. p.55.         [ Links ]

22. Santos MAT, Abreu CMP, Carvalho VD. Efeito de diferentes tempos de cozimento nos teores de minerais em folhas de brócolis, couve-flor e couve (Brassica oleracea L.) Ciênc Agrotec. 2003; 27(3): 597-604.         [ Links ]

23. Cuppari L, Amancio OMS, Nóbrega M, Sabbaga E. Preparo de vegetais para utilização em dieta restrita em potássio. Nutrire: Rev Soc Bras Alim Nutr. 2004; (28):1-7.         [ Links ]

24. Silva PT, Lopes MLM, Valente-Mesquita VL. Efeito de diferentes processamentos sobre o teor de ácido ascórbico em suco de laranja utilizado na elabo-ração de bolo, pudim e geléia. Cienc Tecnol Aliment. 2006; 26(3):678-82.         [ Links ]

25. Ornellas LH. Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. 7ª ed. São Paulo: Atheneu; 2001. cap.8, p.194 e 203-4.         [ Links ]

 

 

Recebido em: 13/8/2008
Versão final reapresentada em: 17/8/2009
Aprovado em: 4/5/2010

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons