SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
Estigma do nutricionista com obesidade author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista de Nutrição

Print version ISSN 1415-5273On-line version ISSN 1678-9865

Rev. Nutr. vol.28 no.6 Campinas Dec. 2015

 

Press Release

Vários estudos indicam uma associação entre dieta mediterrânea e diminuição do risco de doença de Alzheimer

Maria João Sousa1 

1Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. E-mail: <mjmsousa@gmail.com>


Pesquisa publicada na Revista de Nutrição, volume 28, número 6 de 2015, acerca do papel da dieta mediterrânica na prevenção a doença de Alzheimer. Esta doença é um importante problema de saúde pública que tem vindo a aumentar exponencialmente, sendo atualmente considerada uma verdadeira epidemia do século XXI e uma das principais causas de morbilidade e mortalidade na população idosa, em todo o mundo. Deste modo, a doença de Alzheimer tem um grande impacto socioeconómico, pelo que a investigação nesta área continua a ser um grande desafio, particularmente em relação a medidas de prevenção.

Neste trabalho, foi realizada uma pesquisa na Pubmed de artigos publicados entre 2004 e 2014. Entre os principais resultados da pesquisa, incluem-se: 1) os fatores modificáveis têm maior influência na prevalência da doença de Alzheimer em comparação com os fatores genéticos; 2) intervenções no estilo de vida poderão constituir medidas preventivas, essenciais dada a ausência de agentes farmacológicos modificadores da evolução natural do processo neurodegenerativo; 3) estima-se que atrasando a etapa clínica da doença em 1 ano poderá diminuir a sua prevalência em 25% e em 5 anos em 50%; 4) individualmente, os alimentos não estão associados de forma significativa ao risco de doença de Alzheimer, ao contrário da dieta mediterrânica: maior adesão a esta dieta está associada a uma diminuição do risco de desenvolver doença de Alzheimer, a uma melhoria da função cognitiva global e memória episódica, assim como a redução do risco de déficit cognitivo ligeiro e a menor taxa de mortalidade na doença de Alzheimer; 5) apesar de a maioria dos estudos ter sido realizada em populações mediterrânicas, vários estudos têm demonstrado benefícios da dieta mediterrânica também em países não-mediterrânicos, como nos EUA, Austrália, Norte da Europa e Índia.

A partir destes dados, pode então concluir-se que o papel da dieta mediterrânica na saúde cognitiva se traduz em vários níveis: atraso no declínio cognitivo, redução do risco de déficit cognitivo ligeiro, redução do risco de conversão deste em doença de Alzheimer e alívio sintomático; esta associação é mediada pelo efeito combinado de diversos componentes da dieta que influenciam diretamente vários mecanismos patológicos da doença, nomeadamente pela ação de alguns grupos de alimentos como o vinho, azeite, peixe, frutas e vegetais. Tendo em conta que os alimentos da dieta mediterrânea permitem uma fácil adesão a este padrão alimentar, esta abordagem dietética é extremamente promissora, podendo exercer o seu papel em sinergia com os agentes farmacológicos presentes e os futuros.

Assim, a dieta mediterrânica poderá constituir uma estratégia preventiva eficaz e com baixos custos, poucos efeitos laterais e outcomes epidemiológicos importantes, que poderão traduzir-se num progresso significativo na saúde pública.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.