SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 número5Perspectivas e Desafios da Preparação de Sucessores para Empresas Familiares índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista de Administração Contemporânea

versão On-line ISSN 1982-7849

Rev. adm. contemp. vol.20 no.5 Curitiba set./out. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2016160221 

Editorial

Editorial

Herbert Kimura1 

1Universidade de Brasília. Editor-chefe da RAC


Apresentamos a edição 20.5 da Revista de Administração Contemporânea - RAC, composta por 6 artigos.

No primeiro artigo, Perspectivas e Desafios da Preparação de Sucessores para Empresas Familiares, Sayonara de Fátima Teston e Eliane Salete Filippim analisaram "elementos envolvidos na preparação de sucessores". O estudo evidenciou que "a preparação de sucessores passa pelos fatores: influências do fundador, socialização multigeracional, aspectos demográficos e aprendizagem".

O segundo artigo, Análise Prospectiva da Indústria Bancária no Brasil: Regulação, Concentração e Tecnologia, de Afonso Carneiro Lima, analisa "variáveis de configuração do ambiente competitivo dos bancos comerciais no Brasil: regulação, concentração da indústria e tecnologia". Os resultados corroboram argumentos sobre "efemeridade de grupos estratégicos".

No terceiro estudo, Regresso às Origens: A Importância do Indivíduo na Criatividade nas Organizações, Jorge Filipe da Silva Gomes, Ana Filipa Rodrigues e Ana Rodrigues Veloso discutem "argumentos em favor da centralidade da pessoa na criatividade", indicando que "na perspectiva atual, a criatividade não pode ser entendida sem se considerarem os contextos funcional, relacional e organizacional".

Já o quarto artigo, Interdependence Across a Firm's International Trajectories, de Andre Limp, Sérgio Fernando Loureiro Rezende e Angela Versiani, avalia "a extensão com que a internacionalização da firma como um todo pode ser explicada pela interdependência entre as distintas trajetórias internacionais".

O quinto artigo, Comportamento Materialista em Adolescentes e Crianças: Uma Meta-análise dos Antecedentes e dos Consequentes, de Wagner Junior Ladeira, Fernando de Oliveira Santini e Clecio Falcão Araujo, realiza uma "meta-análise dos antecedentes e dos consequentes do comportamento materialista entre crianças e adolescentes". A pesquisa sugere a existência de relação "entre o comportamento materialista de crianças e adolescentes, e, na grande parte das variáveis, antecedentes e consequentes".

Finalmente, o sexto artigo, Fenomenografia e Valoração do Conhecimento nas Organizações: Diálogo entre Método e Fenômeno, de Andréa Cherman e Sandra Regina Rocha-Pinto, explora "a capacidade da fenomenografia em capturar o movimento bidirecional dos sujeitos pelas concepções ao experimentar o fenômeno".

Aproveitamos esta edição para discutir um tema apresentado no XXIV Curso de Editoração Científica, promovido pela Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC), ocorrido em Campinas/SP em junho/2016.

Mais particularmente em uma das palestras, o professor Ricardo Antunes de Azevedo, professor titular da Universidade de São Paulo e editor de diversos journals publicados pelos principais publishers internacionais, fez uma apresentação extremamente rica sobre redação de artigos científicos e otimização do índice h com ênfase na perspectiva do autor.

Embora o conceito básico de índice h já tenha sido discutido em editoriais passados da RAC (Kimura, 2015a, 2015b), a apresentação do Prof. Azevedo trouxe diversos outros pontos de atenção, visando a uma gestão mais ativa desse importante indicador de desempenho de pesquisadores e de periódicos.

De acordo com a definição de Hirsch (2005), um pesquisador possui um índice h equivalente a x se x de seus artigos tem individualmente pelo menos x citações, e os restantes de seus artigos não têm mais do que x citações. Além de requisitos básicos como, por exemplo, o estudo explorar um tema de forma original, apresentar novidades ou seguir uma ciência de boa qualidade, aspectos associados a marketing e à visibilidade do artigo (Azevedo, 2016) são também elementos importantes para uma maior citação, com vistas a um maior índice h.

Na apresentação, outras estratégias para aumentar o número de citações incluem a avaliação e a citação de trabalhos dos pesquisadores que o citam, bem como respostas rápidas a contatos de pesquisadores com interesse em seu paper, participação em eventos da área de conhecimento, utilização de ferramentas de redes sociais e outros mecanismos de divulgação de seu trabalho (Azevedo, 2016), etc.

É importante evidenciar que, apesar de seu amplo uso como métrica quantitativa de impacto científico de pesquisadores (Würtz & Schmidt, 2016), o índice h não leva em consideração elementos relevantes como posição de autoria no paper, o fator de impacto do periódico em que os papers do pesquisador são publicados, nem o tempo em que o artigo está disponível ou a idade do autor (Khan et al., 2013). Diversas dessas limitações levaram a proposição de novas métricas como, por exemplo, algumas incluídas na apresentação do professor Azevedo (2016): índice h contemporâneo (Sidiropoulos, Katsaros, & Manolopoulos, 2007), índice g (Egghe, 2006), índice h individual (Batista, Campiteli, Kinouchi, & Martinez, 2006) e outras que poderão ser discutidas em futuras oportunidades.

Por ora, desejamos uma boa leitura desta edição.

Referências

Azevedo, R. A. (2016, junho). Como redigir artigos de impacto e otimizar seu índice h. Apresentado no Curso de Editoração Científica da Associação Brasileira de Editores Científicos, Campinas, SP, Brasil, 24. Recuperado de http://www.abecbrasil.org.br/eventos/xxivcurso/palestras/segunda/ricardoazevedo.pdfLinks ]

Batista, P. D., Campiteli, M. G., Kinouchi, O., & Martinez, A. S. (2006). Is it possible to compare researchers with different scientific interests? Scientometrics68(1), 179-189. http://dx.doi.org/10.1007/s11192-006-0090-4 [ Links ]

Egghe, L. (2006). Theory and practice of the g-index. Scientometrics 69(1), 131-152. http://dx.doi.org/10.1007/s11192-006-0144-7 [ Links ]

Hirsch, J. E. (2005). An index to quantify an individual's scientific research output. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America102(46), 16569-16572. http://dx.doi.org/10.1073/pnas.0507655102 [ Links ]

Khan, N. R., Thompson, C. J., Taylor, D. R., Gabrick, K. S., Choudhri, A. F., Boop, F. R., & Klimo, P. Jr. , (2013). Part II: should the h-index be modified? An analysis of the m-quotient, contemporary h-index, authorship value, and impact factor. World Neurosurgery80(6), 766-774. http://dx.doi.org/10.1016/j.wneu.2013.07.011 [ Links ]

Kimura, H. (Ed.). (2015a). Editorial [3ª Edição Especial]. Revista de Administração Contemporânea19. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v19nspe3/1415-6555-rac-19-spe3-00000.pdf. http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2015150258 [ Links ]

Kimura, H. (Ed.). (2015b). Editorial. Revista de Administração Contemporânea 19(6). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v19n6/1982-7849-rac-1982-7849rac2015150299.pdf. http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2015150299 [ Links ]

Sidiropoulos, A., Katsaros, D., & Manolopoulos, Y. (2007). Generalized Hirsch h-index for disclosing latent facts in citation networks. Scientometrics 72(2), 253-280. http://dx.doi.org/10.1007/s11192-007-1722-z [ Links ]

Würtz, M., & Schmidt, M. (2016). The stratified H-index. Annals of Epidemiology26(4), 299-300. http://dx.doi.org/10.1016/j.annepidem.2016.01.006 [ Links ]

Herbert Kimura. Prédio da FACE, Sala A1-82-7, Campus Universitário Darcy Ribeiro, 70910-900, Brasília, DF, Brasil. E-mail: rac.herbert.kimura@gmail.com

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License