SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21Impact of autocorrelation in the time analysis of HIV mortality coefficients in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Rev. bras. epidemiol. vol.21  São Paulo  2018  Epub Dec 03, 2018

http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180023 

CARTA AO EDITOR

Resposta ao comentário do artigo “Mortalidade por HIV/Aids no Brasil, 2000-2015: Motivos para preocupação?”

Mark Drew Crosland GuimarãesI 

Mariângela CarneiroII 

Daisy Maria Xavier de AbreuI 

Elisabeth Barboza FrançaI 

IGrupo de Pesquisas em Epidemiologia e Avaliação em Saúde, Departamento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte (MG), Brasil.

IIDepartamento de Parasitologia, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte (MG), Brasil.

Garcia e Traebert1 comentam artigo de nossa autoria publicado na Revista Brasileira de Epidemiologia.2 Os missivistas questionam a aplicação do método de regressão linear nos dados do Brasil, das regiões Sul e Sudeste e nas séries de mais seis estados, no entanto eles estão equivocados quanto à leitura da metodologia do nosso artigo e fizeram uma interpretação incoerente dos resultados, cujo foco central foi comparar dados de mortalidade por HIV/Aids em dois pontos temporais, 2000 e 2014/2015, segundo duas fontes distintas: Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais (DDAHV) e GBD. Esclarecemos que utilizamos regressão linear, método clássico e de fácil compreensão, somente para as regiões do Brasil de acordo com os dados publicados pelo DDAHV, para fins de descrição da informação sobre a série histórica da mortalidade por HIV/Aids no país. A regressão linear não tem objetivo de predição para o futuro nem muito menos de comparação com os dados do GBD. Para o passado, não se fala em significância do coeficiente angular. Ou seja, continua sendo uma análise que descreve a situação no período em relação à diminuição em valor absoluto da taxa, e não em percentual, conforme sugere a metodologia dos missivistas. Não foram feitas regressões para os estados, e as variações percentuais relativas para as duas fontes foram calculadas com base nos dados observados e publicados por ambas, respectivamente para os anos de 2000 e 2014/2015. Não estimamos esses coeficientes, mesmo porque a complexidade de cada metodologia exige o mesmo padrão para fins de comparabilidade. Além disso, como bem apontamos nas limitações, a interpretação de dados de fontes tão heterogêneas deve sempre ser vista com cautela, e assim mantemos nossas análises e interpretação diante do objetivo proposto para o artigo. Agradecemos aos missivistas e entendemos que as propostas feitas são pertinentes, e um novo estudo de avaliação e comparação entre as duas fontes de dados pode ser elaborado.

REFERÊNCIAS

1. Garcia LP, Traebert JL. Carta ao Editor: impacto da autocorrelação na análise temporal dos coeficientes de mortalidade pelo HIV no Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2018; 21: e180020 http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180020Links ]

2. Guimarães MDC, Carneiro M, Abreu DMX, França E. Mortalidade por HIV/Aids no Brasil, 2000-2015: Motivos para preocupação? Rev Bras Epidemiol. 2017; 20 (Supl. 1): 182-90. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700050015Links ]

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons