SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22Epidemiological bias in studies with complex samplingComments on the Letter to the Editor “Targeted interventions to reduce the rates of cesarean section births in Brazil” author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Epidemiologia

Print version ISSN 1415-790XOn-line version ISSN 1980-5497

Rev. bras. epidemiol. vol.22  São Paulo  2019  Epub Dec 05, 2019

http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720190066 

CARTA AO EDITOR

Intervenções direcionadas à redução da taxa de cesarianas no Brasil

Targeted interventions to reduce the rates of cesarean section births in Brazil

Daniela Ferreira D’Agostini MarinI 
http://orcid.org/0000-0001-5166-7778

Diego Zapelini do NascimentoI 
http://orcid.org/0000-0002-7323-185X

Gabriela Moreno MarquesI 
http://orcid.org/0000-0001-9296-7574

Betine Pinto Moehlecke IserI 
http://orcid.org/0000-0001-6061-2541

IUniversidade do Sul de Santa Catarina - Tubarão (SC), Brasil.


Aos editores,

Lemos com grande interesse o artigo de Mascarello et al.1 e colaboradores recentemente publicado por esta revista. O estudo contribui para o debate sobre a assistência à saúde das gestantes avaliando as complicações maternas precoces e tardias relacionadas à via de parto. O principal desafio está relacionado às cesarianas, um recurso importante para a redução da mortalidade materna e neonatal, mas que, quando usado de maneira excessiva, pode estar associado a um risco aumentado de resultados maternos desfavoráveis. Os motivos relacionados ao aumento considerável nas taxas de cesarianas verificado nos últimos anos no mundo e no Brasil2 são inúmeros e complexos, podendo-se citar a inadequada organização da rede de atenção à saúde, a falta de qualidade na atenção à saúde relacionada ao parto e fatores socioculturais3. Dessa forma, desejamos colaborar com o estudo, demonstrando algumas informações pertinentes às intervenções direcionadas à saúde e ao cuidado com as gestantes no Brasil. Atualmente, estão em andamento programas desenvolvidos por órgãos nacionais, como o programa Rede Cegonha, que envolve hospitais que atendem usuárias do serviço público, com o objetivo de garantir acesso, acolhimento e qualidade na atenção ao parto e ao nascimento4. Com o intuito de diminuir as taxas de cesarianas, especialmente aquelas sem indicação médica, foram criados programas como o “Projeto Parto Adequado”, no âmbito da saúde suplementar; o “Projeto Parto Cuidadoso”, por meio do monitoramento on-line da quantidade de cesarianas nos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS)3; e o “Projeto de Aprimoramento e Inovação no Cuidado e Ensino em Obstetrícia e Neonatologia” (Apice On), que tem por objetivo a qualificação do ensino e o exercício da obstetrícia e da neonatologia baseada em evidências científicas4. Para o desenvolvimento desses projetos, é necessária a adesão do trabalho multidisciplinar em diversas práticas, como nas orientações fornecidas às gestantes referentes ao período gravídico-puerperal. Entretanto, essas intervenções não devem ser contempladas apenas com intervenções clínicas, mas associadas à compreensão das crenças das gestantes, das expectativas quanto ao parto, do medo de sentir dor e da qualidade dos cuidados. Como o próprio estudo aborda, para a escolha da via de parto, a gestante deve estar ciente dos riscos à sua saúde e à do seu bebê, além de considerar os benefícios e os danos de ordem psicológica, especialmente quando o tipo de parto realizado é diferente do desejado. Dessa forma, as diferentes abordagens devem incluir educação pré-natal, presença de enfermeiras obstétricas em maternidades, integração entre os profissionais de saúde e implementação de diretrizes baseadas em evidências para treinamento adequado dos profissionais envolvidos no atendimento do binômio mãe-feto5. Além disso, em 2014, a Organização Mundial da Saúde propôs a utilização da “Classificação de Robson” como o instrumento padrão mundial para avaliar, monitorar e comparar as taxas de cesarianas realizadas nos hospitais, sendo este um instrumento considerado útil, de baixo custo e facilmente interpretável, além de possibilitar a transparência e melhorar a qualidade na prestação de cuidados de saúde materno-fetal6,7.

REFERÊNCIAS

1. Mascarello KC, Matijasevich A, Santos I da S dos, Silveira MF. Complicações puerperais precoces e tardias associadas à via de parto em uma coorte no Brasil. Rev Bras Epidemiol 2018;21: e180010. http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180010Links ]

2. Boerma T, Ronsmans C, Melesse DY, Barros AJD, Barros FC, Juan L, et al. Global epidemiology of use of and disparities in caesarean sections. The Lancet 2018; 392(10155): 1341-8. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)31928-7Links ]

3. Occhi GM, de Lamare Franco Netto T, Neri MA, Rodrigues EAB, de Lourdes Vieira Fernandes A. Strategic measures to reduce the caesarean section rate in Brazil. Lancet 2018; 392(10155): 1290-1. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)32407-3Links ]

4. Leal M do C. Parto e nascimento no Brasil: um cenário em processo de mudança. Cad Saúde Pública 2018; 34(5): e00063818. https://doi.org/10.1590/0102-311X00063818Links ]

5. Betrán AP, Temmerman M, Kingdon C, Mohiddin A, Opiyo N, Torloni MR, et al. Interventions to reduce unnecessary caesarean sections in healthy women and babies. The Lancet 2018; 392(10155): 1358-68. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)31927-5Links ]

6. Organização Mundial da Saúde. Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Hum Reprod Program 2015; 1-8. [ Links ]

7. Hehir MP, Ananth CV, Siddiq Z, Flood K, Friedman AM, D’Alton MED. Cesarean Delivery in the United States 2005-2014: A Population-Based Analysis Using the Robson Ten Group Classification System. Am J Obstet Gynecol 2018; 219(1): 105.e1-105.e11. https://doi.org/10.1016/j.ajog.2018.04.012Links ]

Fonte de financiamento: nenhuma.

Recebido: 14 de Março de 2019; Revisado: 14 de Março de 2019; Aceito: 02 de Abril de 2019

Autor correspondente: Daniela Ferreira D’Agostini Marin. Universidade do Sul de Santa Catarina. Avenida José Acácio Moreira, 787, Dehon, CEP: 88704-900, Tubarão, SC, Brasil. E-mail: danieladagostini@icloud.com

Conflito de interesses: nada a declarar

Contribuição dos autores: Daniela D’Agostini Marin escreveu a primeira versão do manuscrito com base em sua área de formação (ginecologia e obstetrícia) e aprovou a carta final. Diego Zapelini do Nascimento escreveu a primeira versão do manuscrito realizando uma revisão de literatura sobre a redução das taxas de cesarianas, e aprovou a carta final. Gabriela Moreno Marques contribuiu para a segunda versão do manuscrito considerando referências recentes na temática da carta e aprovou a carta final. Betine Pinto Moehlecke Iser revisou a carta, contribuiu e aprovou a versão final. Os autores ainda afirmam que: A carta descrita não foi publicada anteriormente, não está sob consideração para publicação em outro lugar, sua submissão é aprovada por todos os autores e, se aceita, não será publicada em outro lugar da mesma forma, em inglês ou em qualquer outro idioma, inclusive eletronicamente, sem o consentimento por escrito do detentor dos direitos autorais.

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons