SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue1Influence of the drying process and storage condition on the dissolution behavior of dried extracts of Bauhinia forficata and Passiflora alataEssential oils of leaves of Piper species display larvicidal activity against the dengue vector, Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Plantas Medicinais

Print version ISSN 1516-0572

Rev. bras. plantas med. vol.17 no.1 Botucatu Jan./Mar. 2015

http://dx.doi.org/10.1590/1983-084X/12_139 

Artigos

Popular use of medicinal plants and the socioeconomic profile of the users: a study in the urban area of Ouro Preto, Minas Gerais, Brazil

Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil.

M.C.T.B. MESSIAS 1   2 

M.F. MENEGATTO 3  

A.C.C. PRADO 4  

B.R. SANTOS 4  

M.F.M. GUIMARÃES 4  

1 Departamento de Biodiversidade, Evolução e Meio Ambiente, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), 35.400-000. Ouro Preto, MG, Brasil

3 Bacharel em Farmácia / UFOP, Bolsista FAPEMIG

4 Estudante de Mestrado Ecologia em Biomas Tropicais, UFOP

ABSTRACT

This work aimed to identify the medicinal plants of popular use and the socioeconomic profile of the users in the urban area of Ouro Preto, state of Minas Gerais, Brazil. The survey was carried out with random sampling and semi-structured interviews, amounting to 10% of households. The degree of knowledge about medicinal plants was measured by the number of species mentioned. The relationship between the popular knowledge about medicinal plants and the socioeconomic characteristics of the users (income, education, gender, age and type of knowledge acquisition) was also studied. In this survey, 6,713 inhabitants were questioned, of whom more than 90% use medicinal plants. A total of 342 species grouped in 94 families were identified. The popular names, growth habit, habitat, medicinal uses, part used and method of preparation are listed for each identified species. The main ailments treated with plants were diarrhea, insomnia, flu, dropsy and liver, renal and respiratory tract disorders. There is a large number of native species. Among the exotic ones, most are of European origin. The spiritual use of species, although present in the popular culture of the city, was negligible. Some species figure on the Brazilian red lists. It was noted that knowledge of medicinal plants by the population of Ouro Preto, in species richness, is not related to income, class, educational level and gender. The age and manner of acquisition of empirical knowledge about medicinal plants are associated with the number of species listed. Persons with greater popular knowledge about medicinal plants acquired information through family tradition, books and from other persons. Younger persons know fewer medicinal plants than the older ones, what suggests a loss of this traditional knowledge. The richness of the plants mentioned in this paper demonstrates the importance of ethnobotanical studies in the rescue of traditional knowledge in urban areas, for its scientific, historical and cultural values.

Key words: Ethnobotany; medicinal plants; Ouro Preto - MG - Brazil; socioeconomic profile; traditional knowledge

RESUMO

Este trabalho teve por objetivo identificar as plantas medicinais de uso popular e o perfil socioeconômico de seus usuários em área urbana de Ouro Preto, MG. O levantamento utilizou entrevistas semiestruturadas e amostragem aleatória, perfazendo 10% das residências. O grau de conhecimento sobre plantas medicinais foi medido pelo número de espécies citadas. Analisou-se a relação entre o saber popular sobre as plantas medicinais e características socioeconômicas dos entrevistados (renda, escolaridade, sexo, idade e forma de aquisição do conhecimento). Foram questionadas 6.713 pessoas, onde mais de 90% usam plantas medicinais para se tratarem. Identificou-se 342 espécies, reunidas em 94 famílias. Para cada espécie foram referidos os nomes populares, hábito, procedência, uso medicinal, parte usada, e forma de preparo. As principais moléstias tratadas com plantas foram: diarreia, insônia, gripe, hidropisia, distúrbios hepáticos, renais e do trato respiratório. Há um grande número de espécies nativas utilizadas. Dentre as exóticas, a maioria é de origem europeia. O uso místico de espécies, embora presente na cultura popular do município, foi pouco citado. Algumas espécies identificadas figuram na lista das espécies ameaçadas de extinção. O grau de conhecimento sobre plantas medicinais pela população de Ouro Preto independe, tanto do nível econômico, como da escolaridade ou do sexo. A idade e a forma de aquisição do conhecimento influenciam no saber popular das ervas medicinais. As pessoas com maior saber popular sobre as plantas adquiriram esses conhecimentos principalmente pelo costume familiar, por livros, ou por outras pessoas. Pessoas mais jovens conhecem menos espécies medicinais que as mais idosas, sugerindo risco de perda desse conhecimento tradicional. A grande riqueza de plantas citadas neste trabalho denota a importância de estudos etnobotânicos no resgate do conhecimento tradicional em áreas urbanas, tanto pelo seu valor histórico-cultural, como pela importância científica.

Palavras-Chave: Conhecimento tradicional; etnobotânica; plantas medicinais; perfil socioeconômico; Ouro Preto - MG

INTRODUÇÃO

Plantas medicinais podem ser definidas como vegetais que possuem substâncias com ação terapêutica (Martins et al., 2003). O uso de plantas consideradas medicinais pela população é bastante difundido no Brasil e suas potencialidades neste setor são reconhecidas mundialmente (Simões et al., 2000). Estima-se que pelo menos a metade das espécies nativas possua alguma propriedade medicinal, entretanto nem 1% foi estudada adequadamente (Martins et al., 2003). Grande parte da população brasileira encontra nos produtos de origem natural, especialmente nas plantas medicinais, a única fonte de recursos terapêuticos. De acordo com Di Stasi (1996) isso se justifica tanto pela riqueza da biodiversidade, pela tradição popular desta prática, como também pelo baixo poder aquisitivo da população. No entanto, o grande impacto antrópico sobre os ecossistemas brasileiros tem levado à perda não só de biodiversidade, mas também da cultura e das tradições das comunidades que habitam estas áreas, que dependem de recursos do meio para sobreviver. Estes fatores demonstram a necessidade de incrementar os estudos etnobotânicos no Brasil (Diegues, 2000).

O conhecimento tradicional é de interesse para a ciência por se tratar de um acúmulo de saberes resultantes da observação sistemática de fenômenos biológicos feitos por pessoas, muitas delas analfabetas, mas tão perspicazes como o são alguns cientistas (Balick & Cox, 1996). Como os conhecimentos tradicionais são transmitidos e mantidos principalmente pela oralidade, estudos etnobotânicos são importantes ferramentas para o seu resgate e registro, evitando-se assim que se percam ao longo do tempo. Informações adquiridas de comunidades que fazem uso da flora medicinal são utilizadas na formulação de hipóteses quanto às propriedades terapêuticas em estudos químicos e farmacológicos das espécies. Além disso, o conhecimento popular sobre o manejo da flora é útil na elaboração de estratégias conservacionistas com relação ao uso desses recursos (Albuquerque & Hanazaki, 2006).

O município de Ouro Preto localiza-se entre os domínios da Mata Atlântica e Cerrado, com alta diversidade vegetal, em fitofisionomias campestres e florestais (Kamino et al., 2007). Esta circunstância somada à grande riqueza cultural de seus habitantes, com raízes europeias, africanas e indígenas, propicia uma vasta fonte de conhecimentos sobre a utilização de plantas. Este trabalho teve por objetivo identificar as plantas medicinais de uso popular e o perfil socioeconômico dos usuários em área urbana de Ouro Preto a fim de registrar as informações etnobotânicas do local, subsidiando políticas públicas voltadas à proteção e conservação ambiental e cultural da região.

MATERIAL E MÉTODOS

Local de estudo

Ouro Preto situa-se na região denominada Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais (Figura 1), a aproximadamente 20º30' de latitude sul e 44º33' de longitude oeste. O território de Ouro Preto corresponde a uma área de 1.274 km2, com 12 distritos (Amarantina, Antônio Pereira, Cachoeira do Campo, Engenheiro Correia, Glaura, Lavras Novas, Miguel Burnier, Rodrigo Silva, Santa Rita de Ouro Preto, Santo Antônio do Leite e Santo Antônio do Salto), além do distrito-sede com o centro da cidade e diversos bairros, com uma população de cerca de 66.000 habitantes (IBGE, 2010). A vegetação da região insere-se entre os domínios da Mata Atlântica e dos Cerrados (Rizzini, 1997), predominando os campos rupestres e as florestas estacionais. Seu relevo é acidentado, com altitude variando de 700 a 1.750 m.

A geologia deste município, assim como do Quadrilátero Ferrífero, é bastante complexa. Há a ocorrência de rochas como gnaisses, filitos, xistos, quartzo-xistos, quartzitos, itabiritos, calcários, anfibolitos e esteáticos (Alkmin & Marshak, 1998). O clima, de acordo com a classificação de Köppen é Cwb (tropical de altitude), ou seja, mesotérmico úmido, com a estação chuvosa de novembro a março e inverno seco (Nimer, 1989). A precipitação média anual é de 1250 mm e a temperatura média é de 20°C.

FIGURA 1. Localização da área de estudo e mapa do município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. 

Amostragem

Foram feitas observações prévias do município utilizando-se mapas e levantamentos demográficos (IBGE, 2000), de modo a descrever a área e programar a amostragem a ser realizada.

Para os trabalhos etnobotânicos, a amostragem da população urbana da sede e dos 12 distritos foi sistemática, seguindo a metodologia proposta pelo IBGE (1983). Amostrou-se 10% das residências de cada rua, em intervalos regulares, sorteando-se a residência inicial. Entrevistaram-se apenas os residentes presentes maiores de 18 anos e que residiam no local a pelo menos 10 anos.

Coleta dos dados etnobotânicos

Os dados etnobotânicos foram obtidos ao longo de 24 meses, nos anos de 1998 a 2000, através de entrevistas semiestruturadas com questões previamente definidas em um formulário (Tabela 1), mas permitindo ao informante responder segundo sua própria lógica e conceitos e acrescentar informações (Albuquerque et al., 2008). Pelas questões pré-definidas foram coletados dados socioeconômicos como: idade, sexo, nível de escolaridade, renda familiar e forma de aprendizado do uso de plantas medicinais. Para cada espécie vegetal citada foi registrado o nome popular, hábito, procedência, parte utilizada, forma de preparo, indicação e uso, número de coleta e características da planta necessárias para identificação e confecção da ficha da exsicata (cor, presença de látex, data e local da coleta, etc.). Posteriormente, procedeu-se a transcrição da linguagem popular para a científica, com respeito à forma de preparo e usos terapêuticos.

Todas as espécies citadas que se encontravam com partes reprodutivas foram coletadas, herborizadas, identificadas, classificadas de acordo com o APG III (2009) e depositadas no Herbário Professor Jose Badini (OUPR), da Universidade Federal de Ouro Preto. A nomenclatura científica foi aferida de acordo com os bancos de dados da Lista de Espécies da Flora do Brasil (2013) e The Plant List (2013).

TABELA 1. Formulário utilizado em entrevistas para o levantamento de plantas medicinais utilizadas pela população urbana de Ouro Preto, MG, 1998-2000. 

Nome
Sexo:
Endereço:
Ocupação (qual sua atividade na comunidade, com o que trabalha):
Renda*
Escolaridade*
Idade*
*Investigar sem perguntar diretamente, se o entrevistado se sentir a vontade, ou deduzir pelas falas.
Conhece ou usa plantas medicinais?
Caso afirmativo, com quem aprendeu estes usos (familiares, amigos, livros, outros).
Averiguar se mais alguém da família aprendeu ou se interessa sobre o uso das plantas medicinais.
Listar as plantas medicinais conhecidas ou usadas anotando: nome popular, indicação de uso, parte usada, forma de preparo, forma de obtenção (procedência).
Perguntar se tem amostras da planta disponível para coleta. Perguntar também se tem disponibilidade para participar de uma turnê guiada nos locais de coleta.
Coletar as plantas, identificando-as com um número de coleta e anotar os dados importantes para a sua herborização e identificação (hábito de crescimento, habitat, coloração e outras características que se mostrarem importantes).
Perguntar ao entrevistado sobre a melhor forma de se apresentar os resultados da pesquisa que está sendo feita para a comunidade em que vive.

Análises dos resultados

Calculou-se a riqueza (número) de espécies medicinais em cada família botânica.

Estimou-se o valor de uso das espécies medicinais pelos valores da frequência relativa (FR) de citação das mesmas (Magurran, 2004), pelas seguintes fórmulas:

FRi=(FAi/FA)x100

Onde: FRi = frequência relativa da espécie i; FAi = frequência absoluta da espécie i; ΣFA = somatório das frequências absolutas das espécies.

FAi=(ni/N)x100

Onde: FAi = frequência absoluta da espécie i; ni = número de pessoas que citaram a espécie i; N = número total de entrevistados.

Para verificação dos efeitos dos dados socioeconômicos (sexo, idade, grau de escolaridade, renda mensal e forma de aquisição do conhecimento) sobre o grau de conhecimento de plantas medicinais em termos de riqueza de espécies citadas foram realizadas análises de variância (ANOVA), usando-se o Minitab (2008). Desde que verificado diferenças significativas, as médias foram testadas pelo teste de Tukey (Zar, 1999). Previamente à ANOVA, os dados foram testados para normalidade e homogeneidade de variâncias, pelos testes de Kolmogorov-Smirnov e Levene, respectivamente.

Em relação à idade, compuseram-se cinco classes etárias: menor de 20 anos, de 21 a 30, de 31 a 40, de 41 a 50 e acima de 50 anos. O grau de escolaridade foi dividido em sete classes: analfabeto, ensino fundamental incompleto, ensino fundamental completo, ensino médio incompleto, ensino médio completo, ensino superior incompleto e ensino superior completo. Quanto à renda, foram estabelecidas quatro classes: até 2, de 2 a 5, de 5 a 10 e acima de 10 salários mínimos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Entrevistou-se 6.713 pessoas em 4.200 residências. Mais de 90% dos participantes da pesquisa usam plantas medicinais para se tratarem.

Foram identificadas 342 espécies, reunidas em 260 gêneros e 94 famílias, cujos nomes populares, usos medicinais, parte usada, forma de preparo, hábito de crescimento e procedência estão apresentados na Tabela 2.

TABELA 2 Espécies identificadas como medicinais em levantamento etnobotânico em área urbana no município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil, 1998-2000. (V = voucher, número de registro no Herbário OUPR, NC = não coletado) 

Família / Espécie Nome popular Parte usada Preparo Indicação Hábito Procedência V
Adoxaceae
Sambucus australis Cham. & Schltdl. sabugueiro Inflorescência Infuso Antigripal, contra sarampo e catapora Arbusto Cultivado 23244
Aizoaceae
Tetragonia tetragonoides ( Pall.) Kuntze espinafre Folha Refogado Para afecções intestinais Erva Cultivado 2282
Alismataceae
Echinodorus macrophyllus (Kunth) Micheli chapéu-de-couro Folha Decocto ou infuso Depurativo do sangue, para afecções renais e urinárias, antialérgico, anti-inflamatório Erva Campo brejoso 6714
Alstroemeriaceae
Bomarea edulis (Tussac) Herb. cará-de-caboclo Raiz Decocto Diaforético e diurético Liana Floresta 1309
Amaranthaceae
Alternanthera brasiliana (L.) Kuntze perpétua-branca Folha Decocto Anti-inflamatório uterino. Erva Ruderal 5857
Alternanthera philoxeroides (Mart.) Griseb. dipirona, novalgina Folha Infuso Antipirético, analgésico Erva Cultivado 12678
Alternanthera sp.1 perpétua, anador Flor Infuso Para afecções respiratórias e ginecológicas, anti-inflamatório Erva Ruderal 22403
Alternanthera sp.2 penicilina, antibiótico, perpétua-branca Folha Infuso Anti-inflamatório, antibiótico Erva Ruderal 5050
Amaranthus spinosus L. carurú Folha Refogado Para desnutrição infantil, remineralizante, laxante Erva Ruderal 1561
Beta vulgaris L. beterraba Raiz Ingestão crua ou cozida Aperiente, antianêmico Erva Cultivado 26469
Beta vulgaris subsp. cicla (L.) Alef. acelga Folha Suco Contra cálculos biliares Erva Cultivado NC
Chenopodium ambrosioides L. mastruz, erva-de-santa maria, santa-maria Folha Macerado, decocto ou infuso Vermífugo, para problemas da adenoide e sinusite, antigripal, anti-inflamatório, contra cálculos renais, antidiarréico Erva Ruderal 13407
Gomphrena arborescens L.f. paratudo Folha e caule Infuso Anti-inflamatório, antibiótico, antigripal, para afecções da pele Erva Cultivado 7673
Gomphrena scapigera Mart. dipirona, novalgina Folha Infuso Antipirético Erva Campo rupestre 5711
Gomphrena s p. penicilina Folha Infuso Antibiótico Erva Ruderal 7460
Pfaffia glomerata (Spreng.) Pedersen penicilina, terramicina Folha Infuso Antibiótico para eczemas e infecções em geral Erva Ruderal 7739
Pfaffia gnaphaloides (L.f.) Mart. terramicina, perpétua-branca Folha Infuso Expectorante, antipirético Erva Campo rupestre 4002
Amaryllidaceae
Allium cepa L. cebola-de-cabeça Caule Decocto Antigripal, béquico, expectorante, para bronquites, hipocolesterolêmico Erva Cultivado 17723
Allium fistulosum L. cebolinha Folha e caule Decocto, macerado com mel Antigripal, béquico, expectorante, Erva Cultivado 13694
Allium sativum L. alho Caule Decocto ou macerado em óleo Antigripal, béquico, expectorante Erva Cultivado NC
Anacardiaceae
Anacardium humile A.St.-Hil. caju-do-campo Folha e casca do caule Decocto Cicatrizante e hipoglicemiante Arbusto Campo rupestre 26481
Lithraea molleoides (Vell.) Engl. aroeirão Casca do caule Decocto Anti-inflamatório Árvore Floresta 8780
Mangifera indica L. manga Folha Decocto ou infuso Béquico Árvore Cultivado 179
Schinus terebinthifolius Raddi aroeira Casca do caule, folha e fruto Decocto Anti-inflamatório, contra afecções das vias respiratórias e urinárias Arbusto Floresta 6175
Annonaceae
Annona reticulata L. graviola Folha Decocto Vermífugo (contra esquistossomose) Árvore Cultivado 26483
Guatteria villosissima A.St.-Hil. pindaíba, embira Fruto Decocto Carminativo Árvore Floresta 8784
Xylopia brasiliensis Spreng. pindaíba, pimenta-de-macaco, embira Fruto Decocto Carminativo Árvore Floresta 1398
Apiaceae
Apium graveolens L. aipo, salsão Folha Decocto ou infuso Laxante, para afecções da boca e garganta, carminativo, eupéptico, para insuficiência respiratória e contra cólicas menstruais. Erva Cultivado 8708
Apium leptophyllum (Pers.) F. Muell. ex Benth. funcho Parte aérea Infuso Calmante, hipotensor Erva Cultivado 8662
Apium prostratum Labill. Eex Vent. agrião, agrião-da-folha-grande Folha Xarope, in natura Béquico, expectorante e antigripal Erva Cultivado 7450
Centella asiatica (L.) Urb. centela-asiática, erva-capitão Planta toda Macerado em álcool Aperiente, depurativo Erva Ruderal 6381
Coriandrum sativum L. coentro Folha Como condimento Eupéptico Erva Cultivado 7706
Eryngium paniculatum Cav. & Dombey ex F.Delaroche língua-de-tucano Folha Decocto Diurético Erva Campo rupestre 1352
Foeniculum vulgare Mill. erva-doce, funcho Fruto Decocto ou infuso Calmante, antidiarréico, antigripal, cólicas intestinais de recém-nascido, galactagogo Erva Cultivado 7446
Folha Decocto Calmante, antidiarréico, béquico, carminativo, eupéptico, antigripal, para afecções cardíacas, hipotensor, para bronquite, cólicas intestinais de recém-nascidos e angina 7446
Petroselinum crispum ( Mill.) Fuss salsa Folha Como condimento Antianêmico, eupéptico Erva Cultivado 4669
Raiz Decocto Anti-inflamatório, para infecções urinárias e ginecológicas, anti-inflamatório, analgésico para cólicas menstruais, estomáquico e calmante 4669
Pimpinela anisum L. erva-doce Folha e fruto Infuso ou decocto Calmante, eupéptico, estomáquico e antigripal. Erva Cultivado 7753
Apocynaceae
Mandevilla velame (A.St.-Hil.) Pichon velame, velame-do-campo Folha e raiz Decocto Antibiótico, antissifilítico Erva Campo rupestre 357
Raiz Macerado em vinho branco Antirreumático, depurativo, tônico
Aquifoliaceae
Ilex conocarpa Reissek congonha-do-gentio Folha Decocto Diurético, calmante Arbusto Campo rupestre e floresta 13606
Ilex loranthoides Mart. ex Reissek congonha-de-campo-alegre Folha Macerado em álcool Calmante, eupéptico Arbusto Campo rupestre 1357
Ilex paraguariensis A. St.-Hil. erva-mate Folha e caule Infuso Calmante Arbusto Floresta 2223
Ilex sp. congonha-da-prata Folha Decocto Para distúrbios vasculares e calmante. Arbusto Floresta 16260
Araceae
Colocasia esculenta (L.) Schott inhame-branco, inhame Rizoma Decocto Depurativo, contra afecções da pele e antirreumático Erva Cultivado 26471
Dieffenbachia seguine (Jacq.) Schott comigo-ninguém-pode Planta toda Contra mau-olhado Erva Cultivado 26465
Xanthosoma taioba E.G.Gonç. taioba Folha Decocto Antianêmico, tônico Erva Cultivado 26475
Araliaceae
Schefflera macrocarpa (Cham. & Schltdl.) Frodin mandioca-do-campo Raiz Decocto Antissifilítico Arbusto Campo rupestre 1319
Asparagaceae
Asparagus officinalis L. melindre, melindro Folha Infuso Hipotensor Erva Cultivado 13685
Herreria salsaparilha Mart. japecanga, salsaparrilha Folha e raiz Decocto Antirreumático, depurativo, antissifilítico Liana Floresta 1981
Sansevieria trifasciata Prain espada-de-são-jorge Planta toda Contra mau-olhado Erva Cultivado
Asteraceae
Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze erva-tostão, fel-da-terra Raiz Macerado, mastigar crua Colagogo e colerético Erva Ruderal 7546
Parte aérea Macerado ou infuso Antidiarréico, diurético, analgésico 7546
Achillea millefolium L. milefólio, mil-em-folhas, dipirona, novalgina, anador Folha Infuso ou macerado Antipirético, analgésico, antigripal, anti-hemorroidal, contra cefaleia Erva Cultivado 12682
Achyrocline satureioides (Lam.) DC. marcela,macela Folha e flor Infuso ou macerado Eupéptico, calmante Erva Campo rupestre 1381
Acmella oleracea ( L.) R.K.Jansen jambú Folha Decocto Hipocolesterolêmico, diurético, hipoglicemiante Erva Cultivado 7744
Ageratum conyzoides L. erva-de-são joão, catinga-de-bode, mentrasto, mastruço, mastruz, mentruz Folha Infuso Anticefaléico, antirreumático, antipirético, antiespasmódico Erva Campo rupestre 15174
Arctium lappa L. bardana Raiz Decocto Fortalecimento das raízes do couro cabeludo, para afecções gástricas e hepáticas, depurativo, para emagrecer, antirreumático e antissifilítico Erva Cultivado 8661
Artemisia absinthium L. losna, losma, absinto, artemijo Folha Infuso ou macerado Depurativo, para ressaca alcoólica, antiespasmódico, contra dores estomacais, para afecções gástricas e hepáticas, para amigdalites, expectorante, antidiarréico, antipirético, vermífugo, analgésico, eupéptico e calmante Erva Cultivado 8713
Artemisia camphorata Vill. alcanfor, artemísia, artemijo, cânfora, cânfora-de-jardim, losna, losna-miúda Parte aérea Decocto, infuso ou macerado Para insuficiência respiratória, analgésico, antiespasmódico, antidepressivo, antipirético, antigripal, anti-inflamatório, para afecções gástricas e hepáticas, antidiarréico Erva Cultivado 8707
Alcoolatura Uso tópico em dores musculares, artrites e reumatismo, anti-inflamatório em contusões musculares e para sinusite (inalação)
Folha Macerado Analgésico, béquico, vermífugo, antiespasmódico, antianêmico, antidiarréico, calmante
Artemisia vulgaris L. artemísia, artemijo, absinto, losna-brava Folha Infuso Antiespasmódico, contra cólicas menstruais, antidiarréico Erva Cultivado 12681
Artemisia sp .1 artemísia, losna-miúda Folha Decocto Para afecções gástricas Erva Cultivado 15173
Artemisia sp .2 artimijo Folha Infuso Antiespasmódico Erva Cultivado 12945
Artemisia sp.3 artemísia Folha Infuso Antiespasmódico Erva Cultivado 8718
Artemisia sp .4 artemisia Folha Decocto Antiespasmódico Erva Cultivado 12680
Baccharis dracunculifolia DC. alecrim, vassourinha, alecrim-do-campo Parte aérea Decocto ou infuso Calmante, hipotensor, broncodilatador, distúrbios cardiovasculares e antigripal. Erva Campo rupestre 12955
Baccharis crispa Spreng. carqueja Parte aérea Decocto ou infuso Para emagrecimento, eupéptico, aperiente, diurético, contra problemas hepáticos, vermífugo, eupéptico, para problemas circulatórios, hipoglicemiante, anti-inflamatório. Uso externo contra ectoparasitas (piolhos, carrapatos, pulgas e sarna), contra caspa e inflamações do couro cabeludo. Erva Campo rupestre 8276
Bidens pilosa L. picão Planta toda Infuso, decocto ou macerado Antigripal, calmante, anti-inflamatório, antianêmico, para afecções renais e do trato geniturinário, estomáquico, para distúrbios hepáticos, vermífugo, antigripal, contra hepatite e depurativo do sangue Erva Ruderal 13404
Raiz Decocto Antianêmica, contra icterícia neonatal, afecções renais, tratamento de hepatite, vermífugo, diurético 13404
Bidens rubifolia Kunth carrapicho, picão Folha Decocto Hipoglicemiante e contra amigdalites Liana Floresta 16480
Calendula officinalis L. calêndula, mal-me-quer Folha Decocto Para afecções renais Erva Cultivado 5907
Chamaemelum nobile (L.) All. macelinha, macela, marcela, macela-miúda Parte aérea Macerado Antidiarréico, para infecções intestinais, antipirético, carminativo, eupéptico, contra cólicas intestinais infantis, anticefaléico, antialérgico, para distúrbios hepáticos e renais, vermífugo, analgésico, anti-inflamatório, antiemético e antigripal. Erva Cultivado 8372
Chromolaena squalida (DC.) R.M.King & H.Rob. erva-de-são-miguel Folha Decocto Béquico, antipirético Erva Campo rupestre 5415
Chrysanthemum parthenium (L.) Bernh artemijo Folha Infuso Antiespasmódico, antigripal. Erva Cultivado 7002
Coreopsis grandiflora Hogg. ex Sweet camomila Inflorescência Infuso Antiespasmódico, calmante, adstringente (uso tópico) Erva Cultivado 13400
Cynara scolymus L. alcachofra Folha e inflorescência Decocto Antidiabético, hipocolesterolêmico, para afecções renais, distúrbios hepáticos e dietas para perda de peso. Erva Cultivado NC
Cyrtocymura scorpioides (Lam.) H.Rob. erva-preá, erva-de-coelho Folha Decocto Antisséptico de feridas em uso externo Erva Campo rupestre 8945
Eclipta prostrata (L.) L. erva-botão Parte aérea Decocto Depurativo, imunoestimulante, contra picada de cobras Erva Ruderal 14333
Emilia sonchifolia (L.) DC. ex DC. pincel-de-estudante, emília, serralha Folha Infuso Antiasmático, febrífugo, contra conjuntivites (uso tópico) Erva Ruderal 5626
Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish candeia Casca do caule Decocto Adstringente, anti-inflamatório Árvore Floresta 12810
Galinsoga parviflora Cav. botão-de-ouro Parte aérea Decocto Emenagoga Erva Ruderal 26476
Gymnanthemum amygdalinum (Delile) Sch.Bip. ex Walp. boldo, bordo, necrotom, boldo-chinês, boldo-do-chile, dipirona Folha Infuso, macerado ou decocto Para afecções hepáticas e gástricas, antidiarréico, emético, analgésico, contra ressaca alcoólica, anticefaléico, eupéptico Arbusto Cultivado 16892
Lactuca sativa L. alface Folha Infuso ou salada Calmante Erva Cultivado NC
Lychnophora brunioides Mart. arnica, arnica-da-serra, arnica-do-campo, Parte aérea Alcoolatura (uso tópico) Anti-inflamatório, para contusões e dores musculares, antirreumático. Arbusto Campo rupestre 26515
Lychnophora ericoides Mart. arnica-da-serra, arnica-do-campo, arnica Folha Alcoolatura (uso tópico) Anti-inflamatório, para contusões e dores musculares Arbusto Campo rupestre 9057
Lychnophora sp. arnica Parte aérea Macerado em cachaça Analgésico, para dores musculares Arbusto Campo rupestre 16274
Matricaria chamomilla L. camomila, macelinha Planta toda Decocto, Infuso ou macerado Calmante, anticefaléico, antipirético, vermífugo, carminativo, antiespasmódico, antiemético, contra sinusite e afecções estomacais Erva Cultivado 7752
Inflorescência Infuso Eupéptico, calmante, laxante suave 7752
Mikania glomerata Spreng. guaco, guaiaco Folha Infuso, macerado, decocto ou xarope Expectorante, antigripal, diurético para bronquites e béquico. Liana Cultivado 8654
Pluchea sagittalis (Lam.) Cabrera quitoco Folha Infuso Analgésico para cefaleias Erva Cultivado 26482
Senecio brasiliensis (Spreng.) Less. cardo-morto, flor-das-almas Planta toda Decocto Vermífugo, emenagogo Arbusto Campo rupestre 21973
Solidago chilensis Meyen arnica, ponta-livre Folha e inflorescência Macerado em álcool Para contusões musculares, reumatismo e artroses, anti-inflamatório (uso tópico) Erva Cultivado 8745
width=211 colspan=3 valign=top style='width:157.95pt;border:solid windowtext 1.0pt; Folha width=216 colspan=4 valign=top style='width:161.85pt;border-top:none; Infuso width=213 colspan=3 valign=top style='width:159.9pt;border-top:none; Anticefaléico, antigripal
Sonchus oleraceus L. serralha Folha Macerado Contra vitiligo, galactagogo, diurético, laxante Erva Ruderal 26467
Tagetes minuta L. cravo-do-mato Folha Decocto ou infuso Emenagogo, para infecções uterinas Erva Ruderal 13002
Tanacetum vulgare L. catinga-de-mulata, pluma Folha Macerado Descongestionante nasal (para inalações), anticefaléico, para sinusites Erva Cultivado 22190
Taraxacum campylodes G. E. Haglund dente-de-leão Planta toda Decocto Para distúrbios renais, carminativo e contra amigdalites Erva Ruderal 8373
Raiz Suco Anti-inflamatório 8373
Trixis antimenorrhoea (Schrank) Mart. ex Baker solidônia Folha Decocto Para conjuntivites (uso tópico) Liana Floresta 3990
Vernonanthura phosphorica (Vell.) H.Rob. assapeixe Folha Decocto ou xarope Antigripal, diurético, para afecções pulmonares e expectorante. Arbusto Campo rupestre 8686
Balsaminaceae
Impatiens balsamina L. beijo-branco, beijo Flor Macerado em vinho Anti-inflamatório, para afecções uterinas Erva Cultivado 13409
Begoniaceae
Begonia rufa Thunb. azedinha-do-brejo Planta toda Decocto Antipirético, antidiarréico Erva Campo brejoso 10178
Begonia ulmifolia Willd. sete-sangrias Folha Decocto Hipotensor e antidiarréico. Erva Floresta 8647
Bignoniaceae
Handroanthus albus (Cham.) Mattos ipê-amarelo Casca do caule Decocto ou alcoolatura Para amigdalites Árvore Floresta 19280
Jacaranda caroba (Vell.) DC. carobinha Raiz Decocto Depurativo, antibiótico, contra eczemas, diurético e antirreumático. contra amebas intestinais Arbusto Campo rupestre 8681
Pyrostegia venusta (Ker Grawl.) Miers cipó-de-são-joão Folha Infuso Antigripal, antirreumático, tônico, antidiarréico, contra vitiligo Liana Floresta 22113
Bixaceae
Bixa orellana L. urucum Folha Decocto Para amigdalites Arbusto Cultivado 20097
Semente Decocto Expectorante, febrífugo
Boraginaceae
Borago officinalis L. borragem Folha Decocto ou infuso Para afecções renais e da bexiga, antirreumático, hemostático Erva Cultivado 3955
Cordia sellowiana Cham. capitão-do-mato Folha Decocto Para emagrecimento Árvore Floresta 10209
Symphytum officinale L. confrei, borragem, maria-preta Folha Macerado Para afecções gástricas e hepáticas, antigripal, eupéptico. Uso externo como cicatrizante, antisséptico e emoliente em feridas Erva Cultivado 12669
Flor Infuso Antigripal para recém-nascidos
Varronia curassavica Jacq. erva-baleeira, balieira Folha Decocto Cicatrizante para feridas (uso tópico) Erva Ruderal 8807
Brassicaceae
Brassica oleracea L. couve Folha Suco e macerado Estomáquico, antiácido e antiúlcera estomacal, cicatrizante e antigripal. Erva Cultivado 7459
Eruca sativa Mill. rúcula Folha Ingestão in natura Antigripal Erva Cultivado 26468
Lepidium ruderale L. mastruz, mastruço Planta toda Liquidificar com mel e água (para sinusite), decocto ou infuso para as outras indicações Para sinusite, antigripal, depurativo, diurético, béquico e contra bronquite. Erva Ruderal 4424
Nasturtium officinale R. Br. agrião Folha Xarope, decocto ou infuso Para bronquite e afecções gástricas, antigripal, analgésico, béquico, expectorante Erva Cultivado 8753
Campanulaceae
Centropogon surinamensis (L.) C. Presl crista-de-peru Folha Decocto Analgésico em odontalgias Subarbusto Campo rupestre 1204
Cannabaceae
Trema micrantha (L.) Blume grandiúva Folha Decocto Antirreumático Árvore Floresta 20241
Caricaceae
Carica papaya L. mamão Flor Decocto Antidiarréico, antiemético, antigripal (flores), béquico, para bronquite e afecções das cordas vocais Árvore Cultivado 2367
Folha Decocto Para afecções estomacais
Caryocaraceae
Caryocar brasiliense Cambess. pequi Fruto Macerado em óleo Para afecções da pele (uso tópico) Árvore Cultivado 4457
Celastraceae
Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek espinheira-santa Folha Infuso Carminativo, antiúlcera estomacal Arbusto Cultivado NC
Chloranthaceae
Hedyosmum brasiliense Mart ex Miq. chá-de-soldado Folha Alcoolatura Anti-inflamatório, antipirético Arbusto Floresta 1441
Cleomaceae
Tarenaya spinosa (Jacq.) Raf. mussambê Folha e flor Decocto ou macerado, respectivamente Vulnerário (folhas) e antitussígeno (flores) Subarbusto Campo rupestre 8896
Commelinaceae
Commelina benghalensis L. marianinha Folha Decocto Anticefaléico, diurético Erva Campo rupestre 26470
Tradescantia zebrina Heynh ex Bosse trapoeraba Parte aérea Decocto Diurético Erva Cultivado 22116
Tripogandra serrulata (Vahl) Handlos trapoeraba-rosa, marianinha Planta toda Decocto Diurético Erva Campo rupestre 26480
Convolvulaceae
Cuscuta umbellata Kunth cipó-chumbo Caule Pó do caule seco Anti-hemorroidal (uso tópico) Parasita Campo rupestre 15183
pomoea batata Poir batata-doce Folha Decocto Hipocolesterolêmico 2971
Costaceae
Costus comosus (Jacq.) Roscoe canela-de-macaco, caninha-de-macaco, pacová Folha Decocto Para hemorragias e afecções renais, diurético, antirreumático, para combater o excesso de ácido úrico Erva Cultivado 8697
Costus spiralis (Jacq.) Roscoe caninha-de-macaco, cana-de-macaco Folha Decocto ou infuso Para distúrbios renais, diurético e combater o excesso de ácido úrico Erva Cultivado 13387
Crassulaceae
Bryophyllum pinnatum (Lam.) Oken bálsamo, saião, clorama Folha In natura , macerado com leite Estomáquico, para afecções e úlceras gástricas, para afecções uterinas, antigripal, contra bronquite, anti-inflamatório e uso tópico contra afta, calos, micoses, picada de inseto, queimadura, verrugas e otite Erva Cultivado 22453
Cotyledon orbiculata L. bálsamo, baço, baspo Folha Macerado, In natura Para afecções gástricas e hepáticas, antiácido, contra gastrite, para odontalgias e otites, eupéptico, contra hemorragias, anti-inflamatório, uso tópico como cicatrizante e emoliente Erva Cultivado 22138
Sedum dendroideum Moc. & Sessé ex DC. bálsamo Folha In natura Anti-úlcera gástrica Erva Cultivado 12950
Cucurbitaceae
Cucumis sativus L. pepino Folha Decocto Hipotensor Erva Cultivado 7961
Cucurbita pepo L. abóbora Semente Trituradas e maceradas em leite de coco Vermífugo (tenífugo) Erva Cultivado 8096
Lagenaria siceraria (Molina) Standl. cabaça Fruto imaturo Ingestão in natura Purgativo, emenagogo Liana Cultivado 3341
Semente Decocto Para nefrites, inchaços das pernas
Luffa operculata (L.) Cogn. buchinha-do-norte Fruto Decocto concentrado (inalação e instilação nas narinas) Contra sinusite Liana Cultivado 26464
Melothrianthus smilacifolius (Cogn.) Mart. Crov. cipó-azougue Raiz Decocto Depurativo, para afecções da pele Liana Floresta 9608
Momordica charantia L. melão-de-são-caetano Folha Decocto ou infuso Antigripal, vermífugo, para reduzir o teor de ácido úrico, diurético, contra bronquite, uso tópico contra queda capilar Liana Ruderal 10177
Fruto Emplastro Resolutivo para furúnculos
Sechium edule (Jacq.) Sw. chuchu Folha Decocto ou infuso Hipotensor, calmante Liana Cultivado 4001
Cyatheaceae
Cyathea phalerata Mart. samambaiaçu Folha jovem Decocto Cicatrizante (uso tópico) Subarbusto Floresta 6820
Cyperaceae
Cyperus esculentus L. tiririca Planta toda Decocto Para amigdalite Erva Ruderal 26472
Dennstaedtiaceae
Pteridium arachnoideum (Kaulf.) Maxon samambaia, broto-de-samambaia Folha jovem Decocto ou infuso Antirreumático , béquico Erva Ruderal 13598
Dilleniaceae
Davilla rugosa Poir. cipó-caboclo, cipó-carijó Folha Decocto Colagogo, diurético, purgativo Liana Floresta 10187
Ebenaceae
Diospyros kaki L. f. caqui Folha Decocto Calmante Árvore Cultivado 22827
Fruto Ingestão in natura Contra anemia e estomatite
Equisetaceae
Equisetum giganteum L. cavalinha, cavalinha-do-brejo, caninha-do-brejo, bambuzinho Planta toda Decocto Para afecções renais e urinárias, hipoglicemiante, diurético, para eczemas, depurativo, antiespasmódico Erva Campo brejoso 9450
Euphorbiaceae
Croton antisyphiliticus Mart. canela-de-perdiz Raiz Alcoolatura Contra infecções geniturinárias, antissifilítico Erva Campo rupestre 26458
Croton salutaris Casar. sangue-de-drago, sangra -d’água Folha e látex Decocto (folhas) e uso tópico do látex Febrífugo (folhas), contra úlceras externas (látex) Árvore Floresta 1281
Euphorbia prostrata Aiton erva-de-santa-luzia, santa-luzia Parte aérea Infuso Diurético, contra cálculos renais Erva Ruderal 12956
Euphorbia tirucalli L. avelós, bambuzinho Látex Macerado Calicida (em uso tópico), contra câncer Subarbusto Cultivado 6690
Jatropha curcas L. pinhão Folha Decocto Mau-olhado (uso em banhos) Arbusto Cultivado 9618
Jatropha multifida L. anador, dipirona, novalgina, baspo Folha e caule Decocto ou macerado em óleo Dores (uso tópico), anti-inflamatório, antigripal, antipirético, anticefaléico Arbusto Cultivado 22334
Manihot esculenta Crantz mandioca Folha seca Pó misturado aos alimentos Antianêmico Arbusto Cultivado 17109
Ricinus communis L. mamona Óleo da semente Emplasto Resolutivo em furúnculos, contra ectoparasitas, anti-inflamatório Arbusto Ruderal 6383
Fabaceae
Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud. pata-de-vaca Folha Decocto Antidiabético Árvore Cultivado 21990
Bauhinia sp.1 pata-de-vaca, unha de vaca Folha Decocto ou infuso Hipoglicemiante Árvore Floresta 7403
Bauhinia sp.2 pata-de-boi, pata-de-vaca, unha-de- vaca Folha, flor e casca do caule Decocto ou infuso Hipotensor, para fortalecimento capilar (uso tópico) e hipoglicemiante. Árvore Floresta 22115
Bauhinia sp.3 pata-de-vaca-em-cipó Folha Infuso Hipoglicemiante Liana Floresta 10185
Cajanus cajan (L.) Millsp. feijão-andu, feijão-guandú, feijão-goma Folha Infuso Hemolítico, hipotensor Arbusto Cultivado 22534
Copaifera langsdorfii Desf. pau-d’óleo, copaíba Óleo resina e casca do caule Decocto da casca (p/ uso interno) e uso tópico do óleo Antiasmático, para amigdalite e uso tópico para eczemas Árvore Floresta 26492
Copaifera reticulata Ducke pau-d’óleo, copaíba Cascas e óleo resina do caule Óleo extraído do caule Para eczemas (em uso tópico) Árvore Floresta 1953
Desmodium adscendens (Sw.)DC. carrapicho beiço-de-boi, focinho-de-boi, penicilina, terramicina Planta toda ou folhas Decocto ou infuso Antirreumático, para afecções renais, antigripal e uso tópico como anti-inflamatório Erva Ruderal 22404
Hymenaea courbaril L. jatobá Folha Infuso Antirreumático e antiasmático Árvore Floresta 8966
Indigofera suffruticosa Mill. anileira Folha, raiz e semente Decocto Estomáquico, antiespasmódico e sedativo Subarbusto Campo rupestre 12124
Inga sessilis (Vell.) Mart. ingá, angá Casca do caule Decocto Antidiarréico, antirreumático, anti-helmíntico Árvore Floresta 1439
Melanoxylon brauna Schott braúna Casca do caule Decocto Antidiarréico, anti-hemorrágico Árvore Floresta 7405
Mimosa dolens Vell. unha-de-gato Parte aérea Infuso Analgésico em mialgias Arbusto Floresta 12803
Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr angico Casca do caule Decocto Béquico, anti-inflamatório dos ovários Árvore Floresta 20287
Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr angico Casca do caule Decocto Béquico, anti-inflamatório dos ovários Árvore Floresta 20287
Senna alexandrina Mill. sene Folha Decocto ou infuso Laxante Arbusto Cultivado 22114
Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr angico Casca do caule Decocto Béquico, anti-inflamatório dos ovários Árvore Floresta 20287
Senna alexandrina Mill. sene Folha Decocto ou infuso Laxante Arbusto Cultivado 22114
Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr angico Casca do caule Decocto Béquico, anti-inflamatório dos ovários Árvore Floresta 20287
Deianira nervosa Cham. & Schltdl. centáurea- do-brasil Planta toda Infuso Eupéptico, aperiente, vermífugo Erva Campo rupestre 1464
Geraniaceae
Pelargonium radula (Cav.) L’ Hér. malva-rosa, malva-cheirosa, malvinha, malva Folha Decocto ou infuso Para afecções cardíacas, béquico, anti-inflamatório, para bronquites e infecções uterinas, calmante, expectorante, hipotensor , antigripal, em gargarejos para amigdalites e gengivites Erva Cultivado 8376
Pelargonium odoratissimum (L.) L’Hér. malva, malvinha Folha Decocto ou infuso Em bochechos para gengivite e amidalite Erva Cultivado 13399
Hypericaceae
Vismia magnoliifolia Cham. & Schltdl. pau-de-lacre Látex, goma-resina In natura, diluição em água Purgativo, vulnerário, febrífugo Arbusto Floresta 1216
Lamiaceae
Glechoma hederacea L. erva-terrestre, erva-de-são-joão, hortelã-do-mato, erva- silvestre Planta toda Decocto ou infuso Béquico, antigripal, antidiarreico, antirreumático, contra infecções intestinais, eupéptico e expectorante. Erva Cultivado 8964
Lavandula angustifolia Mill. alfazema Folha Decocto ou infuso Para bronquite, antiasmático e uso tópico para afecções da pele Erva Cultivado 22161
Leonotis nepetifolia (L.) R.Br. cordão-de-são-francisco Folha Macerado em água Contra distúrbios hepáticos Erva Ruderal 26514
Leonurus japonicus Houtt. macaé, lavadeira, erva-das-lavadeiras, besouro, joao-serafim, homem-sem-dinheiro, mané-magro, isopo, pango, micaela, laçavenha, flor de besouro Folha Macerado, decocto ou infuso Eupéptico, antidiarréico, para afecções cardíacas e respiratórias, anticefaléico, antiespasmódico, antipirético béquico, hipotensor, hemolítico, antigripal, depurativo, hipocolesterolêmico, para distúrbios hepáticos e gástricos, antiácido, antiemético, aperiente, antiemético, para distúrbios renais e circulatórios Erva Ruderal 8669
Melissa officinalis L cidreira, erva-cidreira, erva-cidreira-da-horta, melissa Folha Infuso Calmante, antiespasmódico, antigripal, antidiarréico, para afecções gástricas, hepáticas e uterinas, béquico, contra bronquite, analgésico em odontalgias, Erva Cultivado 8645
Mentha longifolia (L.) L. levante, elevante, alevante Folha e planta toda Decocto, macerado, infuso ou infuso com gordura Antigripal, broncodilatador, para bronquite, eupéptico, para espinhela caída e estomáquico. Erva Cultivado 8691
Mentha pulegium L. poejo, poejo-branco, erva-terrestre Planta toda Decocto, Infuso ou infuso com gordura Antigripal, béquico, antidiarréico, expectorante, para bronquite, eupéptico, antiemético, antiácido, para afecções gástricas, antidepressivo e calmante. Erva Cultivado 12424
Mentha spicata L. manjerona, poejinho, poejo Folha Decocto ou infuso Antigripal, catártico, antidiarréico, béquico, para afecções das cordas vocais, faringites,laringites e amigdalites Erva Cultivado 7683
Mentha suaveolens Ehrh. vick Folha Infuso Para amigdalite Erva Cultivado 4536
Mentha x villosa Huds hortelã Folha Infuso Vermífugo, antigripal, antibiótico, para amigdalite, antidiarreico, para cefaleias e anginas, antipirético, antiespasmódico, calmante, antiemético, laxante, para afecções gástricas Erva Cultivado 6853
Mentha sp.1 levante, alevante, elevante Folha Infuso com água ou leite Para afecções da pele e gástricas, antidiarréico, para otite, espinhela caída, antidepressivo, antigripal, vermífugo, antiespasmódico, anti-inflamatório, contra cálculos biliares, galactagogo, para aumentar a fertilidade da mulher Erva Cultivado 6970
Mentha sp.2 hortelã Folha Infuso Antigripal, antiespasmódico, para afecções estomacais e hepáticas, anti-inflamatório, galactagogo, vermífugo, antidiarréico, calmante, para espinhela caída, béquico, vermífugo, eupéptico, analgésico, para leucorréias e gengivite, anti-inflamatório da garganta, galactagogo, distúrbios cardiovasculares, hidratante e antirreumático. Erva Cultivado 8370
Ocimum basilicum L. alfavaca Folha e flor Decocto, infuso Béquico, antigripal. Subarbusto Cultivado 3971
Ocimum carnosum (Spreng.) Link & Otto ex Benth alfavaca, canelinha, elevante, alfavaca-canela, manjericão-roxo Folha Decocto ou infuso Antigripal, contra afecções da boca e garganta, béquico, expectorante, para afecções cardíacas, antiasmático, para espinhela caída Subarbusto Cultivado 8337
Ocimum gratissimum L. alfavaca, canelinha, alfavaca-grande, alfavaca-cravo, favaquinha, favaca Folha Infuso, decocto ou xarope Antigripal, para gastrites, antianêmico, calmante, béquico, expectorante, contra afecções da boca e garganta Subarbusto Cultivado 7749
Ocimum minimum L. manjericão Folha Decocto ou infuso Calmante, analgésico para dores lombares, antigripal, eupéptico. Subarbusto Cultivado 6973
Ocimum sp.1 alfavaca, dipirona, novalgina, anador, manjericão, manjericão-branco, alfavaca Folha Macerado, infuso, decocto, xarope, infuso com gordura Gargarejos contra afecções da boca e garganta, antigripal, béquico, calmante, antitérmico, anticefaléico, expectorante, analgésico e anti-inflamatório, para bronquite, para afecções cardíacas, antiasmático, eupéptico, contra mau-olhado Subarbusto Cultivado 7585
Ocimum sp.2 manjericão-roxo Folha Infuso, decocto ou macerado Calmante, antigripal, contra afecções cardíacas, béquico Subarbusto Cultivado 8658
Origanum majorana L. manjerona Planta toda Decocto, Infuso ou infuso com gordura, como condimento Antigripal, expectorante, vermífugo, para afecções gástricas, eupéptico, calmante e béquico, para bronquite, contra cólicas dos recém-nascidos, para afecções cardíacas, antidiarréico Erva Cultivado 8676
Origanum vulgare L. orégano Folha e brácteas da inflorescência Infuso, macerado, como condimento Eupéptico Erva Cultivado 7583
Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng. hortelã-pimenta Folha Decocto ou infuso Antidiarréico, vermífugo, antigripal, eupeptico Subarbusto Cultivado 8272
Plectranthus barbatus Andrews boldo, bordo, boldo-japonês, boldo-macho Folha Macerado ou infuso Para afecções hepáticas e gástricas, contra ressaca alcoólica, antidiarréico, anticefaléico, carminativo, antiemético, expectorante, antiácido, eupéptico, contra afecções da pele, hipotensor, para taquicardia Subarbusto Cultivado 8682
Plectranthus neochilus Schltr. boldo-miúdo, boldo-gambá, boldo-japonês, estomalina Folha Macerado ou infuso Para afecções hepáticas e gástricas, contra ressaca alcoólica, antidiarréico, anticefaléico, carminativo, antiemético, expectorante, antiácido, eupéptico, hipotensor, para taquicardia Erva Cultivado 6982
Plectranthus scutellarioides (L.) R.Br. sangue-de- cristo Folha Infuso Calmante Subarbusto Cultivado 21974
Rosmarinus officinalis L. alecrim, alecrim-de-casa, alecrim-da-horta Folha Decocto ou infuso Para taquicardia e angina e insuficiência cardíaca, cardiotônico, broncodilatador, distúrbios cardiovasculares, hipotensor, antidiarréico, antigripal, contra apneia e asma, calmante, béquico, antidepressivo, contra sinusite, depurativo, anticefaléico e para odontalgias Subarbusto Cultivado 8274
Salvia officinalis L. sálvia, salva Folha Infuso Eupéptico, para afecções da boca e garganta Erva Cultivado 8377
Stachys byzantina K.Koch salva, sálvia, peixe-frito, lambari Folha Infuso Antiemético, para afecções estomacais, amigdalite afecções gástricas. da boca e da garganta e rouquidão, anticefaléico, béquico, antigripal, antidiarréico, antipirético, contra bronquite, para reposição hormonal das mulheres em menopausa Erva Cultivado 8752
Vitex polygama Cham. azeitona-do-mato, azeitona-do-campo, tarumã, mamica-de-cadela Casca do caule Decocto Depurativo, para tratamento de vitiligo Árvore Floresta 20169
Lauraceae
Cinnamomum verum J. Presl. canela Casca do caule Infuso Má-digestão Árvore Floresta 18103
Persea americana Mill. abacateiro Folha Decocto ou infuso Calmante, para distúrbios renais, diurético e contra o excesso de ácido úrico Árvore Cultivado 6173
Loranthaceae
Psittacanthus dichroos (Mart.) Mart. erva-de-passarinho Folha Decocto ou emplastro (uso tópico) Resolutivo, para afecções catarrais das vias respiratórias Parasita Floresta 1371
Struthanthus concinnus Mart. pelipoteca-cheirosa Folha Emplastro Resolutivo para furúnculos e cicatrizante para outras afecções da pele Parasita Floresta 9275
Sthruthanthus sp. erva de passarinho Folha Decocto Para pneumonia Parasita Floresta 20165
Lycopodiaceae
Lycopodiella cernua (L.) Pic.Serm. licopódio, pé-de-lobo Planta toda Decocto, esporos secos Diurético, vulnerário, cicatrizante (uso tópico) em feridas da pele Erva Campo rupestre 23261
Lycopodium clavatum L. licopódio, pé-de-lobo Planta toda Decocto, esporos secos Diurético, cicatrizante (uso tópico) em feridas da pele Erva Campo rupestre 15225
Lythraceae
Cuphea ingrata Cham. & Schltdl. sete-sangrias Folha Infuso Hipotensor, antitérmico Subarbusto Campo rupestre 9279
Lafoensia pacari A.St.-Hil. pacarí Raiz Decocto Febrífugo, tônico Árvore Campo rupestre 7764
Punica granatum L. romã Folha e fruto Decocto Em gargarejos para amigdalite, para afecções da boca e da garganta e uso interno como antidiarréico e vermífugo Arbusto Cultivado 12679
Malpighiaceae
Banisteriopsis campestris (A. Juss.) Little murici Folha Decocto Febrífugo, béquico Liana Campo rupestre 5592
Banisteriopsis harleyi B. Gates cipó-prata Folha e caule Decocto Para afecções renais Liana Campo rupestre 13255
Byrsonima intermedia A. Juss. canjica, murici Casca do caule Decocto Adstringente, béquico Arbusto Campo rupestre 1277
Byrsonima variabilis A. Juss. murici Folha Decocto Adstringente, febrífugo Arbusto Campo rupestre 9315
Malvaceae
Althaea sp. altéia, malvarisco Folha Infuso Anti-inflamatório, expectorante, para afecções da boca e da garganta Erva Cultivado 10217
Gossypium arboreum L. algodão Semente Decocto Contra cálculos biliares e infecções renais Arbusto Cultivado 22108
Gossypium herbaceum L. algodão Folha Decocto ou infuso Anti-inflamatório, para perda de peso e infecções dermatológicas urinárias, uterinas e da próstata, otite (uso tópico), antibiótico, analgésico em odontalgias, anti-hemorrágico, para recuperação pós parto, contra cálculos biliares, antidiarréico, Subarbusto Cultivado 12686
Flor Infuso Para otite (uso tópico)
Semente Infuso com 3 sementes torradas Analgésico tópico da gengiva no crescimento de dentes de crianças, antidiarréico
Malva moschata L. malva, malvinha, malva-rosa, malva-branca Planta toda Decocto ou infuso Calmante, béquico e anti-inflamatório da boca e garganta, antidiarréico, contra taquicardia, hipotensor, resolutivo e emoliente em abscesso e furúnculos Erva Cultivado 8368
Sida rhombifolia L. guanxuma, vassoura Folha Decocto Resolutivo, anti-inflamatório Erva Campo rupestre 1231
Triumfetta semitriloba Jacq. carrapicho Planta toda Decocto Depurativo Erva Campo rupestre 4012
Melastomataceae
Clidemia urceolata DC. pixirica Folha Infuso Para combater ectoparasitas (uso tópico) Arbusto Campo rupestre 26460
Miconia theizans (Bonpl.) Cogn. jacatirão Folha Decocto Estimulante, antidepressivo Arbusto Floresta 17327
Tococa sp. erva-sapateira Folha Decocto ou infuso Contra escabiose (uso tópico) Arbusto Floresta 5602
Meliaceae
Cabralea canjerana (Vell.) Mart. canjerana Raiz Decocto Antipirético, adstringente, emético Arbusto Floresta 9413
Menispermaceae
Abuta sp. abútua Raiz Decocto Emenagogo, antipirético, tônico Liana Floresta 7397
Cissampelos andromorpha DC. uva-do-mato, abútua Folha Decocto Para distúrbios renais Liana Floresta 10197
Moraceae
Ficus carica L. figo Infrutescência Ingestão in natura Laxante , expectorante Arbusto Cultivado 7979
Folha Decocto Expectorante
Morus alba L. amora, amora-branca Folha Decocto ou infuso Para reposição hormonal, calmante, antidiarréico, diurético, hipocolesterolêmico, para amigdalite Arbusto Cultivado 26466
Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger & de Boer espinheira-santa Folha Infuso Carminativo, antiúlcera estomacal Árvore Floresta 16306
Musaceae
Musa x paradisiaca L. bananeira Folhas (bainhas) Mucilagem diluída em água Expectorante, para bronquite e asma Erva Cultivado NC
Myrtaceae
Corymbia citriodora (Hook.) K.D.Hill & L.A.S.Johnson eucalipto Folha Decocto Para sinusite (em inalações) Árvore Cultivado 2268
Eucalyptus sp. eucalipto Folha Decocto Béquico, antigripal, broncodilatador, contra sinusite, gengivite, anti-inflamatório, descongestionante nasal (inalações) Árvore Cultivado 8755
Eugenia uniflora L. pitanga Folha Decocto ou infuso Para amigdalite, antidiarréico, eupéptico, vermífugo, para afecções da pele Arbusto Cultivado 12942
Plinia peruviana (Poir.) Govaerts jaboticaba Folha Decocto Hipoglicemiante Arbusto Cultivado 26510
Psidium firmum O.Berg. araçá Folha Decocto Anti-inflamatório Arbusto Campo rupestre 7552
Psidium guajava L. goiabeira Folha e casca do caule Decocto Antidiarréico, anti-inflamatório, estomáquico, contra afecções da boca e da garganta, para odontalgias e cistite, contra placa bacteriana nos dentes Arbusto Cultivado 8756
Syzygium aromaticum (L.) Merr. & L.M. Perry cravo Folha e botão floral Decocto ou infuso Antigripal e calmante Árvore Cultivado 23878
Syzygium jambos (L.) Alston jambo Folha Decocto Hipocolesterolêmico Árvore Cultivado 1752
Nyctaginaceae
Boerhavia diffusa L erva-tostão Raiz Macerado, Ingestão in natura Colagogo e colerético, eupéptico, para manchas da pele, antigripal, diurético, antidiarréico Erva Ruderal 12932
Folha Infuso Analgésico tópico da gengiva no crescimento de dentes de crianças, antidiarréico, anti-inflamatório
Mirabilis jalapa L. maravilha, bonina Folha Emplasto Resolutivo para furúnculos (uso tópico) Erva Cultivado 4419
Raiz Macerado em água Purgante
Ochnaceae
Sauvagesia erecta L. erva-de-são-martinho Flor Infuso Diurético e contra conjuntivite Erva Campo rupestre 7373
Oxalidaceae
Averrhoa carambola L. carambola Fruto Suco Hipocolesterolêmico, hipoglicemiante Árvore Cultivado 24584
Folha Decocto ou infuso Hemolítico, hipoglicemiante, hipocolesterolêmico
Papaveraceae
Argemone mexicana L. cardo-santo Folha e caule Infuso Antiasmático, contra conjuntivite , eczemas e resolutivo em furúnculos Erva Cultivado 2200
Fumaria officinalis L. fumária Planta toda Infuso Para afecções gástricas Erva Ruderal 4449
Passifloraceae
Passiflora alata Curtis maracujá Folha Infuso Calmante, ansiolítico Liana Floresta 3983
Passiflora edulis Sims maracujá Folha Infuso Antigripal, calmante, ansiolítico Liana Cultivado 8716
Passiflora haematostigma Mart. ex Mast. maracujá-do-mato Folha Infuso Sonífero, calmante, ansiolítico Liana Floresta 17051
Passiflora villosa Vell. maracujá Folha Decocto Calmante Liana Campo rupestre 15196
Phyllanthaceae
Phyllanthus niruri L. quebra-pedra Planta toda Decocto ou infuso Para afecções renais e hepáticas, contra cálculos renais, antigripal, calmante, anti-inflamatório, contra gastrite inflamações urinárias, antiespasmódico, diurético Erva Ruderal 22458
Phyllanthus sp. quebra-pedra Planta toda Decocto ou infuso Para afecções renais e hepáticas, contra cálculos renais, contra inflamações urinárias, diurético Erva Ruderal 8703
Phytolaccaceae
Petiveria alliacea L. guiné Parte aérea Decocto Descarrego, mau-olhado (banho), anti-inflamatório, antibiótico, para gengivite Erva Cultivado 22140
Phytolacca thyrsiflora Fenzl. ex J.A.Schmidt caruru-bravo, caruru-de-pomba Folha, fruto e raiz Emplasto Drástico, resolutivo Erva Ruderal 4014
Piperaceae
Piper mollicomum Kunth jaborandí Folha Decocto ou macerado Tônico capilar (uso tópico) Arbusto Ruderal 15277
Piper umbellatum L. capeba, caopeba, pariparoba, capibaroba Folha Infuso Antigripal, para afecções hepáticas, estomáquico, diurético, para distúrbios renais e das vias urinárias, antidiarréico, para reduzir o teor de ácido úrico, contra hidropisias Subarbusto Campo rupestre 26478
Plantaginaceae
Plantago major L. transagem, tanchagem Planta toda Decocto Anti-inflamatório, antibiótico, para infecções da boca, garganta, urinárias, ginecológicas e oculares, diurético, analgésico, antigripal, cicatrizante, eupéptico, antiulcera gástrica, contra cálculos renais, contra hidropisias, antiespasmódico Erva Ruderal 22122
Plantago tomentosa Lam. transagem, tanchagem, língua-de-vaca Planta toda Decocto ou infuso Anti-inflamatório, antibiótico, para infecções da boca, garganta, urinárias, ginecológicas e oculares, diurético, analgésico, antigripal, cicatrizante, eupéptico, antiulcera gástrica, contra cálculos renais, contra hidropisias, cicatrizante de feridas (uso tópico) Erva Ruderal 8689
Scoparia dulcis L. vassourinha-do-campo, vassourinha-doce, vassoura-doce Folha e raiz Decocto ou infuso Emoliente, expectorante, anti-inflamatório, contra cálculos renais, antigripal, para conjuntivites (uso tópico) Erva Ruderal 13398
Poaceae
Andropogon bicornis L. capim-rabo-de burro Raiz Decocto Emoliente, colagogo Erva Ruderal 1498
Andropogon leucostachyus Kunth capim-rabo-de-burro Raiz Decocto Diurético, emoliente, diaforético Erva Campo rupestre 26459
Coix lacryma-jobi L. lágrimas-de-nossa-senhora, conta-de-lágrima, cana-do-reino Folha Decocto Para infecções urinárias, diurético, béquico, anti-hemorrágico, eupéptico, para perda de peso Erva Cultivado 8679
Cymbopogom citratus (DC.) Stapf capim-cidreira, cidreira, capim-limão capim-santo, erva-cidreira, erva-cidreira-de-capim, Folha Infuso ou macerado Antigripal, diurético, hipotensor, calmante, para afecções renais, béquico, hipotensor, antiespasmódico em cólicas menstruais, antipirético Erva Cultivado 8720
Cymbopogon densiflorus (Steud.) Stapf capim-de-são-josé Folha Decocto Contra dores musculares (uso tópico) Erva Cultivado 14101
Melinis minutiflora P.Beauv. capim-gordura Planta toda Decocto Antirreumático Erva Ruderal 16225
Parodiolyra micrantha (Kunth) Davidse & Zuloaga taboca Planta toda Decocto Diurético Erva Campo rupestre 1499
Pennisetum setosum (Sw.) Rich. capim-de-prata Raiz Decocto Emoliente, diurético Erva Campo rupestre 1501
Phalaris canariensis L. alpiste Fruto Decocto Hipotensor Erva Cultivado 13460
Saccharum officinarum L. cana Folha Decocto ou infuso Béquico, diurético, anti-hemorrágico, hipotensor, antiasmático Erva Cultivado 13508
Zea mays L. milho Estilete/estigma Decocto ou infuso Diurético, para afecções renais Erva Cultivado 13515
Polygalaceae
Bredemeyera velutina A.W.Benn. cervejinha-do-campo Raiz Macerado ou decocto Para afecções renais Liana Campo rupestre 20736
Polygala paniculata L. gelol Planta toda Alcoolatura Analgésico, contra dores musculares e reumatismo (uso tópico) Erva Campo rupestre 9511
Polygala timoutou Aubl. timotu, gelol Raiz Decocto Diurético, emenagogo, emético Erva Campo rupestre 1425
Polygonaceae
Polygonum punctatum Elliotth erva-de-bicho Planta toda Decocto Anti-hemorroidal (uso interno e tópico). Erva Campo rupestre 7751
Rheum palmatum L. ruibarbo Raiz Macerado em cachaça ou decocto Laxativo, purgativo, aperiente (em pequenas doses) Erva Cultivado NC
Rumex obtusifolius L. labaça, babaça Folha Decocto Antigripal Erva Ruderal 6195
Portulacaceae
Portulaca oleracea L. beldroega Parte aérea Decocto Galactagogo, diurético e vermífugo Erva Ruderal 26491
Proteaceae
Roupala montana Aubl. carne-de-vaca Semente Emplasto Resolutivo para furúnculos (uso tópico) Arbusto Campo rupestre 17408
Pteridaceae
Adiantum raddianum C.Presl avenca Folha Infuso Expectorante Erva Floresta 17690
Ranunculaceae
Clematis dioica L. barba-de-velho Raiz Decocto Diurético, drástico Liana Floresta 1355
Ranunculus bonariensis Poir. botão-de-ouro Planta toda Decocto Uso tópico contra ectoparasitas Erva Cultivado 7740
Ranunculus bulbosus L. botão-de-ouro Planta toda Decocto Analgésico Erva Cultivado 8275
Rosaceae
Agrimonia eupatoria L. agrimônia Folha Infuso Analgésico, vermífugo, calmante Erva Cultivado NC
Eriobotrya japonica (Thunb.) Lindl. ameixa Folha Decocto Hipotensor, calmante Arbusto Cultivado 8303
Fragaria vesca L. morango, fragária Folha Decocto Anti-inflamatório, antidiarréico Erva Cultivado 7533
Fragaria sp. fragaia Parte aérea Decocto Para reduzir o teor de ácido úrico Erva Ruderal 7534
Rosa centifolia L. rosa-branca Pétala Decocto ou infuso com leite Hipotensor, antibiótico e anti-inflamatório, depurativo Arbusto Cultivado 26513
Rosa sp. rosa-branca Flor Infuso com leite Para inflamações de pele (acne e furunculose), anti-inflamatório, antibiótico, anti-hemorroidal. Uso tópico como anti-inflamatório em feridas Arbusto Cultivado 22126
Rubus brasiliensis Mart amora-preta Folha e raiz Decocto Adstringente, antiespasmódico, diurético Arbusto Campo rupestre 1373
Rubiaceae
Bathysa australis (A.St.-Hil.) K.Schum. quina-do-mato Casca do caule Decocto Febrífugo, tônico Arbusto Floresta 19289
Borreria capitata (Ruiz & Pav.) DC. poaia-do-campo Raiz Decocto Emético Erva Ruderal 12796
Borreria verticillata (L.) G. Mey. poaia, ipeca Raiz Decocto Béquico, expectorante e emético Erva Ruderal 12797
Carapichea ipecacuanha (Brot.) L.Andersson ipeca, poaia Raiz Xarope Antigripal, contra asma e bronquite Subarbusto Floresta 10388
Coffea arabica L. café Flor Infuso Antigripal Arbusto Cultivado 8043
Folha Infuso Antipirético
Cordiera elliptica (Cham.) Kuntze marmelinho Folha Decocto Diurético, para afecções renais Arbusto Campo rupestre 9284
Genipa americana L. jenipapo Folha e raiz Decocto ou infuso Para expelir cálculos renais, contra cólicas renais e outros distúrbios urinários Árvore Floresta 12941
Palicourea marcgravii A.St.-Hil. erva-de-rato Folha Decocto Antidisúrico (uso veterinário) Subarbusto Campo rupestre 1402
Palicourea rigida Kunth bate-caixa Folha Decocto Calmante, diurético, antirreumático Subarbusto Campo rupestre 22494
Palicourea sp. congonha-do-gentio Folha Decocto Calmante, diurético e para distúrbios renais Arbusto Campo rupestre 1251
Palicourea tetraphylla Cham. & Schltdl. congonha-bate-caixa Folha Decocto Diurético Subarbusto Campo rupestre 1262
Rutaceae
Citrus aurantium L. laranja Folha Decocto ou infuso com água ou leite Calmante, antigripal, béquico, anticefaléico, antipirético, hipotensor, depurativo Arbusto Cultivado 7697
Citrus limetta Risso lima Folha Macerado Calmante, diurético Arbusto Cultivado 7668
Citrus limonum Risso limão Folha, flor e fruto Xarope, decocto ou infuso Béquico, antigripal, broncodilatador, calmante Arbusto Cultivado 2284
Citrus medica L. cidra Fruto Infuso Antigripal Arbusto Cultivado 9534
Citrus reticulata Blanco mexerica Folha Decocto Antigripal Arbusto Cultivado 7695
Ruta graveolens L. arruda Folha Infuso ou macerado Contra amenorreia, carminativo, antiespasmódico, contra nevralgias, vermífugo, antirreumático. Uso tópico contra conjuntivite, anti-inflamatório de feridas da pele e no tratamento de ectoparasitas (escabiose). Banhos contra mau olhado e descarrego Subarbusto Cultivado 7054
Zanthoxylum rhoifolium Lam. mamica-de-porca Casca do caule Decocto Tônico, contra odontalgia, antibiótico, febrífugo Árvore Floresta 2274
Salicaceae
Casearia sylvestris Sw. guaçatonga, língua-de-tiú Folha e casca do caule Decocto Hipocolesterolêmico, depurativo e contra bronquite asmática Árvore Campo rupestre 6424
Sapindaceae
Paullinia cupana Kunth guaraná Semente Trituradas e misturadas com água Estimulante, eupéptico, antidiarréico, contra hemorragias Liana Cultivado NC
Scrophulariaceae
Buddleja stachyoides Cham. & Schltdl. barbasco, babaço, barbaço, calção-de-velho Folha e raiz Decocto ou infuso Diurético, antigripal, para afecções das vias respiratórias, antidiarréico, anti-inflamatório, resolutivo em furúnculos, anti-hemorroidal e afecções da pele Erva Ruderal 10186
Siparunaceae
Siparuna brasiliensis (Spreng.) A.DC. cidra, negamina Folha Decocto Broncodilatador, béquico, emenagogo Arbusto Floresta 9423
Smilacaceae
Smilax sp . japicanga Raiz Decocto Antissifilítico Liana Floresta 4150
Solanaceae
Acnistus arborescens (L.) Schltdl. mariana Folha Infuso ou macerado Hemolítico, para afecções hepáticas, antidiarréico Arbusto Campo rupestre 16365
Brugmansia suaveolens (Willd.) Bercht. & J.Presl lírio, trombeta Folha Cigarro Antiasmático Arbusto Cultivado 9944
Cestrum nocturnum L. dama-da-noite Caule Infuso Analgésico Arbusto Cultivado 26516
Nicotiana alata Link & Otto fumo-bravo Folha e raiz Decocto Para afecções intestinais Erva Campo rupestre 4491
Nicotiana tabacum L. fumo Folha Emplasto (com azeite de mamona) Resolutivo em furúnculos (uso tópico) Erva Cultivado 9946
width=320 colspan=5 valign=top style='width:239.85pt;border:solid windowtext 1.0pt; Decocto width=320 colspan=5 valign=top style='width:239.85pt;border-top:none; Bochechos contra odontalgias
Solanum alternatopinnatum Steud. jequeri Folha Decocto ou infuso Anti-inflamatório para afecções da garganta (amigdalites, laringites e faringites), para problemas cardiovasculares Liana Floresta 5508
Solanum americanum Mill. erva-moura, maria-preta Folha e fruto Decocto Diurético e calmante Subarbusto Ruderal 22239
Solanum cernuum Vell. panaceia, braço-de-preguiça, barba-de-onça, barba-de-bode, costa-branca Folha Decocto Para afecções renais e urinárias, diurético, hipotensor, contra artrite, reumatismo, hidropisia, anti-inflamatório, depurativo, vermífugo, analgésico em odontalgias, contra excesso de ácido úrico, para reduzir manchas na pele causadas por mau funcionamento do fígado, para o tratamento da caxumba Arbusto Floresta 2188
Solanum cladotrichum Dunal erva-de-santa-bárbara Folha Infuso Eupéptico Subarbusto Floresta 15204
Solanum lycocarpum A.St.-Hil. lobeira, frutade-lobo Fruto Macerado em água Hipoglicemiante, contra hepatite e icterícia Arbusto Campo rupestre 8185
Solanum melongena L. beringela Fruto Decocto ou macerado em água Hipocolesterolêmico, para redução de peso Subarbusto Cultivado 8185
Solanum paniculatum L. jurubeba Fruto Decocto Para afecções hepáticas, eupéptico, colagogo e colerético Arbusto Campo rupestre 22117
Raiz Alcoolatura Colagogo, colerético, eupéptico
Lycopersicum esculentum Mill. tomate Folha Decocto Analgésico em odontalgias (bochechos) Subarbusto Cultivado 26474
Symplocaceae
Symplocos celastrinea Mart. congonha Folha Decocto Para afecções renais, diurético, calmante Arbusto Floresta 22109
Theaceae
Camellia sinensis (L.) Kuntze chá-preto Folha Infuso Antigripal, hipotensor, estimulante, eupéptico Arbusto Cultivado 1364
Tropaeolaceae
Tropaeolum majus L. chagas, chaguinha, capuchinha, cuculiá Folha Macerado ou infuso com leite Estomáquico, para afecções da pele, furunculose e acne Erva Cultivado 7743
Flor In natura Para amigdalite
Urticaceae
Cecropia pachystachya Trécul embaúba Folha seca Decocto Hipotensor, contra taquicardia Árvore Floresta 7426
Parietaria officinalis L . parietária Folha Decocto Para artrites, expectorante, anti-inflamatório Erva Ruderal 4037
Urera baccifera (L.) Gaudich. ex Wedd. cansanção Folha Macerado Anti-inflamatório, cicatrizante para feridas, hemostático (uso tópico) Arbusto Floresta 1362
Velloziaceae
Vellozia compacta Mart. ex Schult. & Schult.f. canela-de-ema Parte aérea Infuso ou Alcoolatura ou decocto Contra dores musculares, para contusões, antirreumático, em fraturas ósseas (uso tópico) Erva Campo rupestre 1382
Verbenaceae
Lantana camara L camará, camará-vermelho, cambará Flor Decocto Antigripal Subarbusto Campo rupestre 22082
Lantana fucata Lindl. cambará-roxo Folha e flor Xarope Béquico, expectorante Subarbusto Campo rupestre 22240
Lippia alba (Mill.) N.E.Br. cidreira, erva-cidreira, erva-cidreira-de-árvore, melissa, erva-cidreira-de-folha, erva-cidreira-de-cipó Folha Decocto ou infuso Calmante, para gastrite, antigripal, béquico, hipotensor, antiespasmódico, anticefaléico Subarbusto Cultivado 7750
Stachytarpheta cayennensis (Rich.) Vahl homem-sem-dinheiro, gervão, jurubão, jurubom Folha e raiz Infuso Antigripal, para dores musculares e torcicolo, para distúrbios renais, diurético, contra reumatismo, amigdalite Subarbusto Campo rupestre 16343
Stachytarpheta glabra Cham. gervão, jurubão Folha e raiz Infuso Antigripal, para dores musculares, reumatismo e torcicolo, para distúrbios renais, diurético Subarbusto Campo rupestre 6814
Violaceae
Anchietea exalata Eichler cipó-suma Raiz Decocto Depurativo Liana Floresta 9573
Anchietea pyrifolia (Mart.) G.Don suma-branca Raiz Decocto Depurativo, antissifilítico Liana Floresta 8248
Viola odorata L. violeta Flor e folha Decocto ou infuso Antigripal, antitérmico, antiasmático Erva Cultivado 6386
Viola tricolor L. amor-perfeito Folha e flor Infuso Depurativo, expectorante, para afecções cutâneas, contra cálculos biliares, no tratamento de eczemas, impetigo, herpes e manifestações escrofulosas. Erva Cultivado 7913
Vitaceae
Cissus subrhomboidea (Baker) Planch. uva-do-mato Folha Decocto Para afecções renais e uterinas Liana Cultivado 1952
Cissus verticillata (L.) Nicolson & C.E.Jarvis insulina Folha Decocto ou infuso Hipoglicemiante Liana Cultivado 9092
Vitis vinifera L. uva Fruto Suco Tônico, antianêmico Liana Cultivado 7905
Winteraceae
Drimys brasiliensis Miers casca-d’anta Cascas e folha Decocto ou alcoolatura Antidiarréico, febrífugo Arbusto Floresta 6798
Xanthorrhoeaceae
Aloe vera (L.) Burm.f. babosa Folha Macerado ou infuso, macerado com cachaça e mel Para hidratação e fortalecimento capilar, anticaspa e queimaduras (uso tópico), para emagrecer, anti-inflamatório, anticancerígeno Erva Cultivado 7057
Xyridaceae
Xyris trachyphylla Mart. botão-de-ouro Planta toda Decocto Para afecções da pele, emético Erva Campo rupestre 17456
Zingiberaceae
Alpinia zerumbet (Pers.) B.L.Burtt & R.M.Sm. pacová, baldâneo Folha e raiz Decocto Para combater o excesso de ácido úrico, contra hidropisias, anti-inflamatório, para distúrbios renais, diurético, antirreumático Erva Cultivado 8299
Curcuma longa L. açafrão, açafrão-da-terra, cúrcuma Rizoma Macerado em água Para o tratamento de eczemas, hipocolesterolêmico Erva Cultivado 26517
Zingiber officinale Roscoe gengibre Rizoma Xarope Antigripal, béquico, para o tratamento de bronquite, antigripal, para afecções da garganta e das cordas vocais e rouquidão Erva Cultivado NC

Grande parte das espécies medicinais citadas são cultivadas (46,8%), 20% são extraídas de campos rupestres, 19% de florestas, 13,2% são ruderais e menos de 1% são oriundas de locais brejosos (Tabela 2). A metade das espécies citadas são ervas, seguidas pelos arbustos (20%), árvores (11%), subarbustos e lianas (9% cada) e parasitas (1%). As folhas são as partes mais utilizadas nos preparos e as sementes, as menos usadas (Tabela 2) A predominância de ervas pode estar relacionada ao fato de que a maioria delas são passíveis de cultivo nos quintais, ou serem ruderais, facilitando a obtenção desses recursos vegetais (Pilla et al., 2006). O uso mais expressivo de folhas representa uma boa pratica de manejo sustentável da flora, provocando menores impactos sobre as populações das espécies utilizadas. O uso preferencial de folhas também foi verificado em outros trabalhos de natureza semelhante (Pilla et al., 2006; Hanazaki et al., 2000)

As famílias com maior número de espécies citadas foram: Asteraceae, Lamiaceae, Fabaceae, Amaranthaceae, Solanaceae, Poaceae, Rubiaceae, Apiaceae, Euphorbiaceae, Myrtaceae, Cucurbitaceae, Rosaceae, Rutaceae, Malvaceae e Verbenaceae (Figura 2). Asteraceae e Lamiaceae tem sido citadas como famílias com maior riqueza de espécies medicinais em diversos levantamentos de espécies medicinais (Pilla et al., 2006; Hanazaki et al., 2000).

FIGURA 2. Famílias com maior riqueza de espécies medicinais em levantamento realizado na zona urbana do município de Ouro Preto, MG, 1998-2000. 

As espécies mais citadas foram: hortelã (Mentha villosa), levante (M. longifolia) macelinha (Chamaemelum nobile), boldo (Plectranthus barbatus), funcho (Foeniculum vulgare), bálsamo (Cotyledon orbiculata), capim-cidreira (Cymbopogon citratus), alecrim (Rosmarinus officinalis), poejo (Mentha pulegium), transagem (Plantago major), manjericão (Ocimum basilicum), melissa (Melissa officinalis), losna (Artemisia absinthium), lavadeira (Leonurus japonicus), quebra-pedras (Phyllanthus niruri), arnica (Lychnophora ericoides), arruda (Ruta graveolens), cidreira (Lippia alba), saião (Bryophyllum pinnatum), milefólio (Achillea millefolium) e sálvia (Salvia officinalis). A frequência relativa de citação dessas espécies perfizeram 60% do valor total (Figura 3).

FIGURA 3. Espécies medicinais com maior valor de frequência relativa (FR) de citações, em um levantamento realizado na zona urbana do município de Ouro Preto, MG, 1998-2000. 

Dentre as espécies identificadas, 40% são exóticas, sobressaindo as de origem europeia, como a macelinha (Chamaemelum nobile), camomila (Matricaria chamomilla), melissa (Melissa officinalis) e as Mentha spp. Algumas espécies que não são nativas da região são adquiridas em farmácias ou no mercado, na forma de produto fitoterápico, aromático, ou alimentício, como por exemplo, o guaraná (Paulinia cupana), ruibarbo (Rheum palmatum), espinheira-santa (Maytenus ilicifolia), entre outras. Devido a este fato, elas não foram coletadas para constituir material testemunho herborizado.

As principais moléstias tratadas com plantas foram: diarreia, insônia, doenças do trato respiratório, hepáticas e renais (Tabela 2). O uso místico de espécies, comuns em rituais africanos, embora presente na cultura popular do município, ocorreu em pequena escala. Dentre essas se encontram a guiné (Petiveria alliacea), a arruda (Ruta graveolens), o pinhão (Jatropha curcas), o comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia seguine) e a espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata) citadas principalmente contra "mau-olhado". É interessante notar que dentre essas espécies citadas, apenas a espada-de-são-jorge é de origem africana, sendo o uso das outras espécies incorporado aos saberes tradicionais desses povos. Outras espécies africanas são usadas como fitoterápicos, com largo uso popular, como o boldo (Plectranthus barbatus) e o capim-cidreira (Cymbopogon citratus). Espécies exóticas cultivadas predominam na sede urbana de Ouro Preto e nos distritos de Cachoeira do Campo e Amarantina, onde as atividades agrícolas são mais expressivas. No entanto, 60% das espécies citadas são nativas, muitas delas carecendo de referências farmacológicas e fitoquímicas. Dentre estas, podemos citar a Vellozia compacta, a conhecida canela-de-ema, algumas espécies de Ilex, chamadas de congonha e as arnicas pertencentes a várias espécies do gênero Lychnophora. Vários estudos têm comprovado as propriedades medicinais dessas espécies. Por exemplo, a ação analgésica e anti-inflamatória de diversas espécies de Lychnophora são relatadas por Guzzo et al. (2008) e Borsato et al. (2000). No entanto, estudos ecológicos de espécies de Lychnophora são necessários, uma vez que nos campos rupestres onde ocorrem, encontram-se em populações reduzidas pela coleta predatória e destruição de seus habitats. Na região de Ouro Preto, chegam quase ao desaparecimento em diversas áreas como na serra de Lavras Novas e do Itacolomi. Várias espécies deste gênero figuram na lista das espécies ameaçadas de extinção de Minas Gerais (COPAM, 1997) e do Brasil (MMA, 2008), como por exemplo, Lychnophora brunioides e L. ericoides.

Muitas outras espécies presentes neste levantamento são também citadas nessas listas de espécies ameaçadas, como o pequi (Caryocar brasiliense), cipó-azougue (Melothrianthus smilacifolius), congonha (Ilex affinis), ipeca (Carapichea ipecacuanha), espinheira-santa (Maytenus ilicifolia), pacari (Lafoensia pacari), cipó-prata (Banisteriopsis harleyi), barbatimão (Stryphnodendron adstringens), carne-de-vaca (Roupala brasiliensis), jenipapo (Genipa americana) e azeitona-do-mato (Vitex polygama).

Diversas espécies diferentes recebem o mesmo nome popular, algumas delas apresentando constituintes químicos ou propriedades bastante distintas. Entre elas, são citadas como exemplos: Acanthospermum australe (Asteraceae) e Boerhavia diffusa (Nyctaginaceae) (Apu et al., 2012; Chaudhary & Dantu, 2011; Martins et al., 2006), ambas denominadas por erva-tostão. Diferentes espécies utilizadas popularmente para problemas hepáticos (Plectranthus barbatus, P. neochilus e Gymnanthemum amygdalinum) são chamadas de boldo. E ainda, semelhanças morfológicas, como bordos foliares espinescentes, também levam à denominação de diferentes espécies por "espinheira-santa", como Maytenus ilicifolia e Sorocea bonplandii, que apesar de possuírem diferentes constituintes químicos, ambas apresentam propriedades antiúlcera gástrica. No entanto, a falta de estudos que assegurem a ausência de toxicidade de S. bonplandii reverte em risco para as pessoas que inadvertidamente a consomem (Santos-Oliveira, 2009). Melissa officinalis, Cymbopogon citratus e Lippia alba são conhecidas como "cidreira". Embora apenas Melissa officinalis seja reconhecida como a legítima "cidreira", pelas farmacopeias americana e europeia, essas três espécies tem revelado algumas substâncias químicas em comum (Ferro et al., 1996) e, consequentemente, algumas propriedades medicinais semelhantes (Gazola et al., 2004).

Foi constatado também o uso de várias plantas tóxicas, por exemplo, o confrei (Symphytum officinale) e o mentrasto (Ageratum conyzoides), que a despeito da presença de alcaloides pirrolizidínicos (Wiedenfeld & Roder, 1991) com ação cancerígena, são usados em formulações para uso interno. Nesse sentido, fazem-se necessários trabalhos de extensão junto à população, esclarecendo sobre alguns aspectos da utilização de fitoterápicos.

Pelas análises estatísticas, notou-se que o nível de conhecimento sobre plantas medicinais pela população de Ouro Preto, em termos de riqueza de espécies citadas, independe do nível econômico, sexo, grau de escolaridade e do distrito de moradia. Porém, os moradores dos distritos, assim como os da sede, residindo em bairros próximos às áreas de vegetação natural (como as comunidades vizinhas a unidades de conservação do Morro de São João, Morro de Santana, Morro de São Sebastião, Pocinho e Botafogo), conhecem maior número de espécies nativas.

A idade mostrou-se como um fator significativo no saber popular das plantas medicinais (Figura 4), onde a classe de menor faixa etária apresentou a menor média de plantas citadas, diferindo da média dos indivíduos mais idosos amostrados, acima de 50 anos (p<0.05). Embora os resultados sugiram uma perda de conhecimento tradicional sobre plantas medicinais das novas gerações, esta afirmação precisa ser vista com cautela. De acordo com Toledo & Barrera-Bassols (2010), Voeks & Leoni (2004) e Hanazaki et al. (2000), este fato pode também ser devido ao maior o tempo de aquisição do conhecimento tradicional das pessoas mais idosas.

FIGURA 4. Número médio de espécies medicinais citadas por classe de faixa etária dos indivíduos entrevistados na zona urbana de Ouro Preto, MG, 1998-2000. Médias seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. 

Outro fator decisivo sobre o conhecimento de plantas medicinais é a forma de aprendizado. Pessoas que adquiriram o conhecimento sobre plantas medicinais por tradição familiar, livros ou combinação dessas formas, ou ainda através de outras pessoas, conhecem um maior número de espécies (Figura 5). O número de espécies citadas pelos entrevistados com essas formas de aquisição de conhecimento não diferiram estatisticamente entre si quanto ao número de espécies citadas. No entanto, aqueles que adquiriram o conhecimento sobre plantas medicinais por outras maneiras, como: revistas, jornais, televisão, rádio ou internet, conhecem menos espécies (p<0,05)

FIGURA 5. Número médio de espécies medicinais citadas por pessoas na zona urbana de Ouro Preto, MG, 1998-2000, com as diferentes formas de aquisição do conhecimento. Médias seguidas pela mesma letra não diferem estatisticamente entre si, pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. 

Os resultados obtidos poderão subsidiar a bioprospecção de novos fármacos, assim como nortear futuras ações extensionistas no município na área ambiental e da saúde. O conhecimento sobre o uso tradicional dos recursos tem se revelado como uma ferramenta para valorização dos bens naturais e estímulo a preservação ambiental, inclusive propiciando a elaboração de estratégias conservacionistas para o manejo e conservação das espécies envolvendo a participação efetiva da população local (Diegues, 2000). As plantas medicinais, devido a sua relação direta com a saúde e qualidade de vida, tornam-se argumentos fortes para criar nas comunidades uma compreensão da importância de se conservar os recursos naturais, pois, através delas adquire-se a consciência do valor das plantas e da preservação ambiental. Além disso, a valorização do uso das plantas medicinais se enquadra nos propósitos de Unidade de Conservação de uso sustentável, que cobrem grande parte das áreas do entorno da cidade de Ouro Preto. Deste modo, o resgate desse conhecimento tradicional contribui para a preservação do patrimônio cultural, natural e científico existentes nessa cidade, reconhecida como monumento mundial.

AGRADECIMENTOS

À FAPEMIG pelo apoio financeiro (CAG 2598/97) e à comunidade de Ouro Preto pela presteza em nos atender durante as entrevistas.

REFERENCES

ALBUQUERQUE, U.P.; HANAZAKI, N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e perspectivas. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.16, p.678-89, 2006. [ Links ]

ALBUQUERQUE, U.P. et al. Métodos e técnicas para a coleta de dados etnobotânicos. In: Albuquerque, U.P. et al. (orgs.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. 2.ed. Recife: COMUNIGRAF, 2008. p.41-72. [ Links ]

ALKMIN, F.F.; MARSHAK, S. Transamazonian orogeny in the southern São Francisco Craton Region, Minas Gerais, Brazil: evidence for paleoproterozoic collision and collapse in the Quadrilátero Ferrífero. Precambrian Research, v.90, p.29-58, 1998. [ Links ]

APG (Angiosperm Phylogeny Group) . An update of the angiosperm phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v.161, p.105-21, 2009. [ Links ]

APU, A.S. et al. Phytochemical screening and in vitro bioactivities of the extracts of aerial part of Boerhavia diffusa Linn. Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine, v.2, p. 673-8, 2012. [ Links ]

BALICK, M.J.; COX, P.A. Plants, people, and culture: The science of ethnobotany. New York: Scientific American Library, 1996. 228p. [ Links ]

BORSATO, M.L.C. et al. Analgesic activity of the lignans from Lychnophora ericoides. Phytochemistry, v.55, p.809-13, 2000. [ Links ]

CHAUDHARY, G.; DANTU, P.K. Morphological, phytochemical and pharmacological, studies on Boerhaavia diffusa L. Journal of Medicinal Plants Research, v.5, p.2125-30, 2011. [ Links ]

COPAM Lista das espécies ameaçadas de extinção da flora do Estado de Minas Gerais. Deliberação COPAM 085/97. Belo Horizonte: COPAM, 1997. 48p. Disponível em: <http://www.biodiversitas.org.br/florabr/MG-especies-ameacadas.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2010. [ Links ]

DIEGUES, A.C. et al. Biodiversidade e Comunidades Tradicionais no Brasil. São Paulo: NUPAUB-USP, PROBIO-MMA, CNPq, 2000. 189p. [ Links ]

DI STASI, L.C. Plantas medicinais: Arte e ciência. Um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: UNESP, 1996, 230p. [ Links ]

FERRO, V.O. et al. Diagnose comparativa de três espécies vegetais comercializadas como "ervas cidreiras" Lippia alba (Mill) N.E.Br ex Britt & Wilson. Cymbopogon citratus (D.C.) Stapf e Melissa officinalis L. Lecta, v.14, p.53-63. 1996. [ Links ]

GAZOLA, R. et al. Lippia alba, Melissa officinalis and Cymbopogon citratus: effects of the aqueous extracts on the isolated hearts of rats. Pharmacological Research, v.50, p.477-80, 2004. [ Links ]

GUZZO, L.S. et al. Antinociceptive and anti-inflammatory activities of ethanolic extracts of Lychnophora species. Journal of Ethnopharmacology, v.116, p.120-4, 2008. [ Links ]

HANAZAKI, N. et al. Diversity of plant uses in two Caiçara communities from the Atlantic Forest coast, Brazil. Biodiversity and Conservation, v.9, p.597-615, 2000. [ Links ]

IBGE. Metodologia do Censo Demográfico de 1980. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. v.4, 1983. 478p. [ Links ]

IBGE. Censo Demográfico 2000 - Malha Municipal Digital do Brasil 1997. 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat/default.php.>. Acesso em: 24 abr. 2002. [ Links ]

IBGE Censo Demográfico 2000 e 2010. 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados_divulgados/index.php?uf=31>. Acesso em: 24 jul. 2012. [ Links ]

KAMINO, L.H.Y. et al. Relações florísticas entre as fitofisionomias florestais da Cadeia do Espinhaço, Brasil. Megadiversidade, v.4, n.1-2, p.39-49, 2007. [ Links ]

Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em: 27 abr. 2014 [ Links ]

MAGURRAN, A.E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell Science, 2004. 264p. [ Links ]

MARTINS, E.R. et al. Plantas medicinais. Viçosa: UFV Imprensa Universitária, 2003. 220p. [ Links ]

MARTINS, L.R.R. et al. Atribuição dos deslocamentos químicos dos átomos de 1H e 13C do acetato de acantoaustralida., Revista Brasileira de Farmacognosia v.16, p.490-6, 2006. [ Links ]

MINITAB. Minitab for Windows. Versão 15. Statistical Software. USA State College, PA: Minitab, Inc. 2008. [ Links ]

MMA (Ministério do Meio Ambiente) . Lista oficial das espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Instrução Normativa Nº 6 de 23/09/2008. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/MMA_IN_N_6.pdf >. Acesso em: 18 ago. 2012. [ Links ]

NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1989. 421p. [ Links ]

PILLA, M.A.C. et al. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, município de Mogi-Mirim, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica v.20, p.789-802, 2006. [ Links ]

RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia do Brasil. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural, 1997. 374p. [ Links ]

SANTOS-OLIVEIRA, R. et al. Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas., Revista Brasileira de Farmacognosia v.19, p.650-9, 2009. [ Links ]

SIMÕES, C.M. et al. Farmacognosia - Da planta ao medicamento. 2.ed. Porto Alegre/ Florianópolis: Ed. UFRGS/Ed. UFSC, 2000. 821p. [ Links ]

THE PLANT LIST. The plant list: A working list of all plant species. Version 1.1. 2013. Disponível em: <http://www.theplantlist.org>. Acesso em: 28 mar. 2014 [ Links ]

TOLEDO, V.M.; BARRERA-BASSOLS, N. A etnoecologia: uma ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. In: Silva, V.A. et al. (org.). Etnobiologia e Etnoecologia: Pessoas & Natureza na América Latina. v.1, Recife: NUPEEA. 2010. p.13-36. [ Links ]

VOEKS, R.A.; LEONY, A. Forgetting the forest: Assessing medicinal plant erosion in Eastern Brazil. Economic Botany, v.58, p.294-306, 2004. [ Links ]

WIEDENFELD, H.; RODER, E. Pyrrolizidine alkaloids from Ageratum conyzoides. Planta Medica, v.57, p.578-9, 1991. [ Links ]

ZAR J.H. Biostatistical analysis. 4.ed., New Jersey: Prentice Hall, 1999. 663p. [ Links ]

Received: October 29, 2012; Accepted: June 04, 2014

2Autor para correspondência: cristinabotanica@gmail.com

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License