SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 issue1Development of the Portuguese version of the OMS evaluation instrument of quality of lifeIllness conceptions among relatives of patients diagnosed with schizophrenia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Psychiatry

Print version ISSN 1516-4446On-line version ISSN 1809-452X

Rev. Bras. Psiquiatr. vol.21 n.1 São Paulo Jan./Mar. 1999

https://doi.org/10.1590/S1516-44461999000100007 

artigos originais


Tratamento etiológico em psiquiatria: o modelo da neurossífilis

Etiological treatment in psychiatry: the neurosyphilis model

 

Fábio Leite Gastal1, Sérgio Soares Olivé Leite2, Sérgio Baxter Andreoli3, Maurício Almeida Gameiro4, Claudio Leite Gastal5, Fernando Kratz Gazalle6, Fabiana Barp Crema7


 

 

RESUMO
Este trabalho tem como objetivo estudar a evolução histórica, durante 60 anos, das admissões por diagnóstico de neurossífilis em um hospital psiquiátrico e descrever o impacto da moderna antibioticoterapia. Foi baseado nos dados e planilhas do hospital psiquiátrico em estudo, de 1931 à 1991. O banco de dados do hospital contém informações do tipo: nome, sexo, idade, estado civil, nacionalidade, procedência, profissão, classe social, número de admissões por neurossífilis e outros diagnósticos, data de admissão, data de alta e diagnóstico pelo CID 9/WHO. A análise estatística envolveu todas as admissões até o último registro de paciente com diagnóstico de neurossífilis e comparado com resultados por outros tipos de admissões. Observou-se que antes da introdução da penicilina, nos serviços de saúde de Pelotas, em 1948, 19% das admissões eram por neurossífilis. Depois, os registros hospitalares descrevem uma tendência decrescente até a última admissão em 1968. O impacto da antibioticoterapia na história natural da neurossífilis foi o maior até hoje e nunca antes visto com outros recursos terapêuticos (biológicos, psicofarmacológicos e psicoterápicos), para outras doenças psiquiátricas.

DESCRITORES
Relato de caso; neurossífilis; psiquiatria; hospital psiquiátrico

 

ABSTRACT
This paper aims to study the historical evolution and describe the impact of modern antibiotic therapy on psychiatric hospital admissions. The data was collected in the hospital data bank with records of patients admissions from 1931 to 1991.
Patients were classified by name, sex, age, marital status, social class, nationality, place of birth, occupation, number of admissions by neurosyphilis and other diagnosis as also date of admission and state of health at time of leaving hospital, and this information was used in the statistical analysis.
The classification system of diagnosis is that used by WHO ICD - 9. The results show decreasing rates of admissions by neurosyphilis after the introduction of penicillin in 1948 (19%) to the last admission in the historical cohort in 1968. The antibiotics (penicillin) change the natural evolution of the disease and its pattern of morbidity and mortality. The therapeutical impact of antibiotics in the incidence and prevalence of hospitalization rates of neurosyphilis is never observed in any other psychiatric disease.

KEYWORDS
Case report; neurosyphilis; psychiatry; psychiatric hospital

 

 

Introdução

Como em outros campos da ciência médica, a psiquiatria propõe continuamente teorias sobre a doença mental, procurando explicações etiológicas, que levariam a uma melhor eficiência no tratamento e prevenção das doenças. Um exemplo é o sucesso na luta contra a neurossífilis.

A paralisia geral, a forma clínica da neurossífilis com manifestações psiquiátricas associada à paralisia geral progressiva foi a principal causa de internação psiquiátrica no século XIX até os anos 40. Essa condição, altamente incapacitante, eventualmente leva a um processo demencial precoce em indivíduos em fase produtiva e à morte em um tempo de dois anos após os primeiros sintomas.

Bayle, em 1822, foi o primeiro a definir a paralisia geral como uma entidade clínica, descrevendo-a como secundária a uma inflamação da camada aracnóide. Esse foi o modelo anátomo - clínico usado pelos psiquiatras do último século e imposto como nosológico. Fournier, em 1879, foi o primeiro a relacionar a paralisia geral com sua etiologia sifilítica. Ele a colocou dentro do grupo das "paralisias" em razão de seu caráter tardio e inconstante na patologia da afecção. Mas não se demonstrou formalmente sua natureza sifilítica até 1913, com Noguchi, que descobriu o treponema no cérebro de paralíticos gerais.1 Com esses achados o combate passou para o campo da infectologia.

Em 1917, Wagner Von Jauregg utilizou a malarioterapia. Em 1930, Sezari e Doube demonstraram a eficácia do estorvasol sódico no tratamento da paralisia geral.1

Esses tratamentos foram válidos contra o Treponema pallidum. Martim2 cita um estudo de 1929, em um hospital inglês onde, de 1597 pacientes tratados com malarioterapia, 25,3% foram curados. De qualquer modo a mortalidade dos métodos terapêuticos eram altas, com o mesmo estudo relatando que 33,9% dos pacientes morriam entre as sessões de administração do Plasmodium.

O decréscimo da incidência da neurossífilis nas primeiras décadas deste século (antes da utilização da penicilina) também pode ser parcialmente explicado devido a uma prevenção e cuidados maiores.

Mas, finalmente em 1943, Mahoney introduziu a penicilina no tratamento da afecção.1 Demonstrou-se a acentuada ação treponemicida da penicilina e recomendou-se o seu uso. Esta descoberta é o marco histórico da queda gradual da freqüência e mortalidade por sífilis, o que ficou amplamente demonstrado pela observação clínica e por estudos epidemiológicos como o de Costa3 que, analisando pacientes com paralisia progressiva internados no Hospital Juliano Moreira (Hospital Estadual da Bahia), demonstrou uma queda brusca na letalidade e um aumento gradual do tempo de vida após o contágio, graças ao tratamento da neurossífilis com a penicilina.

Este trabalho visa estudar a evolução histórica, durante 60 anos, das admissões por diagnóstico de neurossífilis em um hospital psiquiátrico e descrever o impacto da moderna antibioticoterapia.

 

Método

A qualidade dos registros e dados clínicos são fundamentais para a realização de uma pesquisa. A metodologia baseia-se em um banco de dados informatizado, com condições de atender as necessidades de acessibilidade, disponibilidade e representatividade das informações.

As informações utilizadas estão organizadas no Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (S. A. M. E.) do Hospital.

O banco de dados do hospital foi organizado por indivíduo (cliente), sendo designado a cada um deles um número de código. Contém informações do tipo: nome, sexo, idade, estado civil, nacionalidade, procedência, profissão, classe social, número de admissões, data de admissões, data de alta, condições de alta, tratamento e diagnóstico pela CID 9/WHO. Essas informações são atualizadas a cada internação e reorganizadas anualmente.

Os resultados serão apresentados em tabelas de freqüência, utilizando as informações do banco de dados, dos anos de 1932 a 1968. Para fins comparativos, dividiremos os resultados por períodos, sendo o primeiro de 1932 a 1940, o segundo de 1941 a 1949, o terceiro de 1950 a 1958 e o quarto de 1959 a 1968.

As variáveis utilizadas são: sexo, idade, desenvolvimento da doença, origem, tempo médio de permanência no hospital e ocupações.

Foi feita uma análise estatística de todas as admissões até o último registro de caso de paciente com diagnóstico de neurossífilis, sendo comparada com resultados de outros tipos de admissões.

 

Resultados

Quando se relaciona a incidência de neurossífilis com o sexo (Tabela 1), observa-se que a clientela masculina predominou em todos os períodos, tendo seu pico na primeira década (21,4%) e o menor índice no último período (1,2%).

 

 

Quando se relaciona a idade com a incidência de neurossífilis (Tabela 2), observa-se que nos três primeiros períodos predominaram os pacientes com idades entre 46 e 65 anos e que no último período houve uma mudança, predominando os pacientes com mais de 66 anos, já com uma tendência decrescente, totalizando 0,5% das internações.

 

 

Quando se relaciona a média de idade que predominou nos anos relacionados (Tabela 3), observa-se que houve um aumento de sete anos quando comparado do primeiro ao quarto período, deixando-nos claro que aumentou a sobrevida dos pacientes internados e tratados adequadamente.

 

 

Quando se relaciona o desenvolvimento da doença (Tabela 4), observa-se que a taxa de óbitos nos primeiros anos estudados chegou a atingir 35,3% no primeiro período e que houve uma redução a zero no último período.

 

 

Quando se relaciona a origem da neurossífilis por localidades (Tabela 5), observa-se que os pacientes provenientes de Pelotas predominaram nos dois primeiros períodos e, depois, os provenientes de outras localidades superaram, apesar de ter decrescido o número de internações nos últimos períodos.

 

 

Quando se relaciona o tempo de permanência (dias) que o paciente ficou hospitalizado (Tabela 6), observa-se que foi reduzido de 184 dias no primeiro período para 55 dias no último período.

 

 

Quando se relaciona o nível ocupacional com a incidência de neurossífilis (Tabela 7), observa-se uma grande variedade nos resultados, predominando os proprietários no primeiro período, os trabalhadores qualificados no segundo período e os trabalhadores semi-especializados nos períodos subseqüentes. Nota-se que não houve nenhuma internação de profissionais de nível superior nos dois últimos períodos e que o índice dos trabalhadores classificados em ocupações fora da população economicamente ativa (F) se manteve abaixo em todos os períodos.

 

 

Foi observado que, antes da introdução da penicilina, nos serviços de saúde de Pelotas, em 1948, 19% das admissões hospitalares eram por neurossífilis. Posteriormente, os registros hospitalares descrevem uma tendência decrescente, até a última admissão em 1968. Sendo que 24 anos após esta última admissão, em 1992, foi observado um caso de neurossífilis atípica no mesmo hospital.4

 

Discussão

Os resultados descrevem três tipos de efeito da antibioticoterapia na neurossífilis: o primeiro é o efeito típico da terapia, que é a redução do tempo de permanência nas admissões e redução da taxa de mortalidade associada à neurossífilis; o segundo é a ação preventiva, descrita por Ey e col.1, causada pelo aumento do uso da antibioticoterapia em outros tipos de infecções primárias e também na infecção pelo Treponema palidum; e o terceiro, descrito por Sirota5, que seria o tratamento incorreto com penicilina utilizado em outras doenças, tornando obscuro o quadro clínico típico da neurossífilis. Os resultados sugerem que o efeito mais importante na epidemiologia da doença é o segundo, pois a evolução das internações descreve um perfil claramente declinante até seu desaparecimento. Quando se observa um novo caso após 24 anos de evolução sem admissões pelo diagnóstico, a ocorrência é de um caso atípico por suas características epidemiológicas e clínicas4, contribuindo para fortalecer também a terceira e mais recente hipótese.

Neurossífilis é uma patologia grave, que leva o paciente à deterioração e até à morte, se não tratado adequadamente e em tempo. A concepção básica do tratamento etiológico é a sua ação na incidência da doença e não nos sintomas ou na sua evolução clínica. O exemplo da neurossífilis contribui para a análise e permite discutir a existência e aplicabilidade da concepção etiológica do tratamento em psiquiatria. Quando um tipo de terapia tem ação sobre a causa da doença, é condição necessária que, após a introdução desta, ocorra uma modificação na taxa de incidência da mesma como observado.

Constatou-se neste estudo que a terapia com penicilina aumenta a sobrevida dos pacientes hospitalizados e reduz o tempo de permanência no hospital, além de impedir que se desenvolvam formas graves da doença, modificando o perfil de morbidade, bem como de mortalidade. Observa-se que houve, com a introdução da penicilina, uma diminuição acentuada da incidência da neurossífilis e da sífilis. Já esta última volta a crescer nas décadas posteriores como demonstraram estudos relatados por Nicholas6, nos Estados Unidos, onde o número de casos comunicados de sífilis primária e secundária, em 1960, foi de 12 471, cifra que, em 1970, passa para 20 186. Um estudo nacional, de Rivitti e col., citados por Neves6, mostra que em 1957, registra-se um único caso de sífilis contagiante, em contraposição ao ano de 1972, com 42 casos6. Provavelmente esse aumento da incidência da doença ocorreu devido a fatores como revolução sexual, o advento dos anticoncepcionais orais, o surgimento da resistência bacteriana e o uso de outros antibióticos não tão eficazes no processo de tratamento indireto das formas primárias da sífilis, viés ao chamado tratamento profilático, mascarando o quadro inicial da sífilis, que viria se manifestar mais tardiamente e com quadros clínicos atípicos. Esta recrudescência não ocorreu com a neurossífilis justamente pela terapia antimicrobiana que, mesmo não sendo utilizada especificamente para a sífilis, torna a forma clínica da doença atenuada, não chegando ao estágio mais grave da doença, a neurossífilis, que hoje está com sua forma clássica praticamente erradicada.

De acordo com o exposto pode-se concluir que o impacto provocado pela antibioticoterapia na história natural da neurossífilis foi o maior até hoje e nunca antes visto com outros recursos terapêuticos (biológicos, psicofarmacológicos e psicoterápicos), para outras doenças psiquiátricas.

 

Referências bibliográficas

1. Ey H, Bernard P, Brisset C H. Transtornos mentales de la sífilis. In:Tratado de psiquiatria. Barcelona:Toray - Mason;1980.p.745-58.         [ Links ]

2. Martim, J P. Conquest of general paralysis. Br Med J 1972;3:159-60.         [ Links ]

3. Costa GF. Letalidade e tempo de sobrevida das doenças neuroléticas em um período de 50 anos (1930 - 1979). Neurobiologia 1984; 47:105-6.         [ Links ]

4. Gastal FL, et al. Neurossífilis atípica: relato de caso. Arqu Neuropsiquiatr 1995; 53:494-7.         [ Links ]

5. Sirota P. Neurosyphilis presenting as psychiatric disorders. Br J Psichiatr 1989;155:559-61.         [ Links ]

6. Gontijo J B, Faleiro C M. Sífilis. In: Neves J , editor. Diagnóstico e tratamento das doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;1978.p.555-64.         [ Links ]

 

Correspondência
Fábio Leite Gastal
Av. Fernando Osório, 1586 - Três Vendas
CEP: 96055-000 - Pelotas - RS - Brasil

 

 

1. Professor Adjunto de Psiquiatria - UCPel.
2. Professor Titular de Psiquiatria - UCPel.
3. Pesquisador do Departamento de Psiquiatria - Universidade Federal de São Paulo - EPM.
4. Programador Senior; Especialista em Inteligência Artificial.
5. Professor Auxiliar - Escola de Informática - UCPel.
6. Acadêmico de Medicina - Escola de Medicina - UCPel.
7. Acadêmica de Medicina - Escola de Medicina UCPel.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License