SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue2A conjuntura histórica para um substrato infeccioso para a síndrome de TouretteCerebral blood flow abnormalities in cocaine dependent subjects author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Psiquiatria

On-line version ISSN 1809-452X

Rev. Bras. Psiquiatr. vol.22 n.2 São Paulo June 2000

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000200002 

Comentário


Breve nota histórica

 

O presente trabalho, coordenado por Ronaldo Laranjeira, que bem soube liderar um expressivo grupo de colegas brasileiros, todos profissionais experientes no tratamento de pacientes alcoolistas, é o resultado mais recente de um esforço de três décadas.

Já nos idos dos anos 70, tive a honra, juntamente com Jandira Masur, José Manoel Bertolote e Vicente Antônio Araújo, de fazer parte do grupo pioneiro de lideranças na área da pesquisa e tratamento do dependente químico no país. A essas somaram-se Arthur Guerra de Andrade, Dagoberto Hungria Requião, Ernani Luz Jr. e Ângelo Campana, entre outros. Desde então criou-se um movimento que se organizou primeiramente em torno do GRINEAA (Grupo Interdisciplinar de Estudos do Álcool e do Alcoolismo), depois ABEAA (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e do Alcoolismo), e mais recentemente ABEAD (Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas), associação que desde sua fundação vê em sua contribuição social um de seus imperativos estatutários.

Mais recentemente, esse mesmo grupo, agora já bastante numeroso, teve condições de fundar o Departamento de Dependência Química da ABP, contando, para isso, com os valiosos apoios de Rogério Aguiar e Miguel Roberto Jorge.

O presente "consenso", portanto, é apenas o documento mais atual produzido por esse movimento, numa iniciativa de nosso Departamento, que contou também com a contribuição da ABEAD. A primeira dessas contribuições foi o PRONAL (Programa Nacional de Alcoolismo), de 1978. A ela se seguiram várias outras, a última datando do início dos anos 90, o Programa Valorização da Vida, de prevenção do consumo de drogas em escolas. Desde então parece não ter havido condições para que a saúde pública avançasse na questão da dependência química.

Esse "consenso", que haverá de ser o primeiro de vários, marca a retomada de uma contribuição à qual nós especialistas nos impomos. Espero apenas que seja útil e represente uma contribuição consistente.

 

 

Sérgio de Paula Ramos
Coordenador do Departamento de Dependência Química da ABP

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License