SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número1Resposta à carta dos Drs. Sá Jr. e Helkis "comentários sobre 'manejo do ganho de peso em pacientes portadores de esquizofrenia durante o tratamento com olanzapina em associação com nizatidina'"Aripiprazol piorando os sintomas positivos e memantina reduzindo os sintomas negativos em um paciente com esquizofrenia paranóide índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Psiquiatria

versão impressa ISSN 1516-4446versão On-line ISSN 1809-452X

Rev. Bras. Psiquiatr. v.29 n.1 São Paulo mar. 2007

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462007000100027 

CARTAS AOS EDITORES

 

Diógenes, população de rua, luta antimanicomial e cinismo

 

Diogenes, homeless population, antimanicomial movement and cinism

 

 

Sr. Editor,

A imprensa tem noticiado um fenômeno intrigante no qual idosos optam por viver como mendigos nas ruas, em péssimas condições de higiene, acumulando bugigangas e recusando auxílio de órgãos governamentais.1 Estes últimos jamais cogitam a possibilidade de se tratar de um distúrbio psiquiátrico, porque na sua ingênua (ou nem tanto) ignorância, parecem desconhecer a Síndrome de Diógenes. Reconhecida como uma doença da terceira idade e batizada com o nome do importante filósofo grego e fundador da escola cínica, ele vivia como mendigo e dormia em um barril. A síndrome é caracterizada justamente por descuidos com a higiene pessoal e/ou com o asseio da própria moradia e pela opção de viver nas ruas, mesmo quando poderiam viver em melhores instalações, seja pela condição financeira que detêm, seja porque muitos dispõem de famílias que desejam recebê-los de volta, ou pela oferta de alternativas dos órgãos responsáveis – (abrigos, casas de saúde), suspeição e comportamento paranóico (desconfiam do assédio de pessoas que queiram oferecer auxílio e não gostam de falar sobre suas condições de vida) e, finalmente, a siligomania.2-4 Esta última característica assume a forma de colecionismo (acúmulo de quantidade apreciável de objetos inúteis, já descartados, sem um propósito aparente5), podendo atingir proporções surpreendentes (um caso recentemente noticiado na Folha de São Paulo1 acumulou nada mais que 52 caminhões de lixo em seu sobrado!).

Estes casos servem para registrar o desprezo e a incompetência técnica de que os órgãos públicos padecem diante das doenças médicas do sistema nervoso central, na medida em que relegam estes doentes às ruas, privando-os de adequado atendimento médico psiquiátrico, com diagnóstico e tratamento específicos. Mas é óbvio que isto custa caro. Óbvio também que os governos preferem não vê-los e nem reconhecê-los como doentes, deixando-os na invisível e confortável condição de anômicos que fazem parte de nossas paisagens urbanas sem causar-nos sensação. Quando muito se tornam notícia de jornal pelas suas bizarrices. A luta antimanicomial apenas trocou de cenários; trocaram os depósitos de pacientes dos hospícios pelos depósitos nas ruas. Viva o cinismo! Viva Diógenes!

 

Leonardo Caixeta
Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia (GO), Brasil

 

Referências

1. [Sem autor]. Idosa impede retirada de lixo de sua casa. Folha de S. Paulo. São Paulo. 2006 jul 12.

2. Macmillan D, Shaw P. Senile breakdown in standards of personal and environmental cleanliness. Br Med J. 1966;29(5521):1032-7.

3. Radebaugh TS, Hooper FJ, Gruenberg EM. The social breakdown syndrome in the elderly population living in the community: the helping study. Br J Psychiatry. 1987;151:341-6.

4. Roe PF. Self-neglect. Age Ageing. 1977;6:192-4.

5. Clark AN, Mankikar GD, Gray I. Diogenes syndrome. A clinical study of gross neglect in old age. Lancet. 1975;1(7903):366-8.

 

 

Financinamento: Inexistente
Conflito de interesses: Inexistente

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons