SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue4Aripiprazole-induced stuttering treated with risperidoneAssociation between a SLC6A3 intron 8 VNTR functional polymorphism and ADHD in a Brazilian sample of adult patients author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Psiquiatria

Print version ISSN 1516-4446On-line version ISSN 1809-452X

Rev. Bras. Psiquiatr. vol.31 no.4 São Paulo Dec. 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462009000400019 

CARTA AOS EDITORES

 

Programa de Orientação a Pais de Adolescentes Dependentes de Internet (PROPADI)

 

Internet Addicted Adolescents' Parents Guidance Program (PROPADI)

 

 

Prezado Editor,

Recentes estudos desenvolvidos por Young1 e Abreu et al.2 apontam a dependência de Internet (DI) como um novo transtorno psiquiátrico do século XXI. A DI é o termo mais frequentemente proposto para designar a inabilidade do indivíduo em controlar o uso da Internet, bem como o crescente envolvimento com as atividades virtuais, levando a um progressivo desconforto emocional e significativos prejuízos funcionais de jovens e adultos.

Os pais ou responsáveis por adolescentes relatam com frequência a influência do uso excessivo da Internet em seus filhos, bem como os déficits de comportamentos manifestados em suas rotinas, refletindo-se nas áreas familiar, acadêmica/profissional, social e na saúde física. Acrescentam-se dificuldades pela labilidade de humor, comportamento depressivo e reações emocionais impulsivas quando são restringidos no uso da rede mundial.

Na tentativa de oferecer ajuda, os cuidadores geralmente adotam recursos aversivos, visando a cessação imediata do comportamento abusivo. O adolescente, em contato com atividades e emoções prazerosas advindas da Internet e frente ao controle dos pais, foge e/ou esquiva-se, criando paulatinamente um ciclo desadaptativo de convivência familiar3.

Até o momento, não se observa na literatura qualquer forma de intervenção estruturada com famílias de adolescentes diagnosticados com DI. Young aponta para a relevância da teoria cognitiva comportamental (TCC) como recurso válido no tratamento de dependentes de Internet, embora as intervenções familiares não estejam ainda descritas1.

O Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso (AMITI), vinculado ao Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq/HC-FMUSP), presta atendimento psiquiátrico e psicoterapêutico aos pacientes com DI (adultos, adolescentes e seus familiares) desde meados de 2007. Mediante avaliação inicial, os adolescentes são encaminhados para o atendimento psicoterápico em grupo ou individual e acompanhados pelo psiquiatra da equipe durante todo o processo.

Frente às queixas apresentadas nos primeiros contatos com os pais e adolescentes, elaborou-se o Programa de Orientação a Pais de Adolescentes Dependentes de Internet (PROPADI) com o intuito de favorecer a adesão dos pais ao tratamento dos adolescentes e desenvolver ações alternativas para lidar com os conflitos de modo a alcançar uma comunicação mais funcional entre pais e filhos.

O Programa consiste em 12 encontros quinzenais (90 minutos de duração) com os pais dos adolescentes que também são atendidos semanalmente em grupo por outros profissionais da equipe. A cada encontro, os objetivos são expostos ao grupo de pais, seguindo um cronograma adaptado à evolução do processo (Tabela 1). Para o desenvolvimento do trabalho em grupo, são utilizados recursos audiovisuais, material bibliográfico e dinâmicas grupais para facilitar a reflexão e a comunicação entre os membros. Ao final do processo, segue-se a fase de follow-up por mais três encontros mensais.

O processo desenvolvido pelo PROPADI contribuiu para o desenvolvimento da relação mais empática entre pais e filhos, ampliando as possibilidades de resolução conjunta dos problemas associados ao uso excessivo da Internet por parte dos adolescentes. Vale ressaltar a frequência do grupo, que se mantém regular até o final do processo.

Futuras pesquisas devem ser conduzidas para implementar a adesão dos pais ao tratamento, bem como desenvolver programas de apoio familiar na recuperação dos jovens.

 

Odinéia Barossi, Sylvia van Enck Meira, Dora Sampaio Góes,
Cristiano Nabuco de Abreu

Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso (AMITI),
Instituto de Psiquiatria, Hospital das Clínicas, Faculdade de
Medicina, Universidade de São Paulo (USP),
São Paulo (SP), Brasil

 

 

Referências

1. Young KS. Cognitive behavior therapy with Internet addicts: treatment outcomes and implications. Cyberpsychol Beh. 2007;10(5):671-9.         [ Links ]

2. Abreu CN, Karam RG, Góes DS, Spritzer DT. Internet and videogame addiction: a review. Rev Bras Psiquiatr. 2008;30(2):156-67.         [ Links ]

3. Stravogiannis A, Abreu CN. Internet addiction: a case report. Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(1):78-9.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License