SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 issue3Electroconvulsive therapy (ECT) effective for psychotic recrudescence and suicidality after varenicline adjunctive therapy for smoking cessation in a schizoaffective patientClozapine treatment for schizophrenia-related polydipsia author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista Brasileira de Psiquiatria

Print version ISSN 1516-4446

Rev. Bras. Psiquiatr. vol.32 no.3 São Paulo Sept. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462010000300018 

CARTA AOS EDITORES

 

Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburg: análise fatorial e desenvolvimento de uma versão de seis itens

 

Edimburg Postpartum Depression Scale: factorial analyses and development of six items version

 

 

Caro Editor,

O período da gestação e do pós-parto implicam em um elevado risco para a mulher no que diz respeito ao desenvolvimento de psicopatologias. A prevalência da depressão pós-parto (DPP) é elevada, sendo que no Brasil os resultados variam entre 12 e 39,4% das mulheres após o parto1.

As causas da DPP envolvem fatores biológicos e sociais2. Além de ser um quadro altamente prejudicial para a gestante e seus familiares, a DPP geralmente é acompanhada de outros quadros comórbidos, o que aumenta a gravidade desta condição3. Apesar da existência de diversos estudos sobre aspectos epidemiológicos e clínicos sobre a DPP, em muitas situações o diagnóstico não é feito de forma precoce e adequada devido a questões culturais (ex.: a mulher minimiza os sintomas sentindo-se culpada pelo humor depressivo após o parto), metodológicas (ex.: falta de instrumentos com boas propriedades psicométricas e de critérios objetivos para o diagnóstico) e pela própria heterogeneidade das manifestações clínicas da DPP.

A Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburg (EPDS) consiste em um instrumento de autoavaliação composto por 10 itens referentes aos sintomas depressivos frequentemente observados no puerpério1. Recentemente, em um estudo sobre as propriedades psicométricas da EPDS1, submetemos à escala 245 mulheres (média = 30,7; DP = 5,8) selecionadas aleatoriamente a partir dos dados de registro de internação de uma maternidade privada de Belo Horizonte-MG. As características da amostra estão descritas na Tabela 1. A Mini Plus-5.0 foi utilizada como padrão ouro para o diagnóstico de depressão. O coeficiente alfa de Cronbach de 0,87 e a área total sobre a curva ROC foi de 0,937 (erro-padrão = 0,20; p < 0,001), indicando excelente capacidade da EPDS em discriminar mulheres acometidas pela DPP. O melhor ponto de corte foi o de 10 pontos, o qual apresentou 86,4% de sensibilidade e 91,1% de especiûcidade.

Visando explorar as propriedades psicométricas da escala, os itens do teste foram submetidos à uma análise fatorial, pela qual obtivemos os dois fatores descritos na Tabela 1. Os testes KMO (0,896) e Bartlett (p < 0,01) indicam que tal extração fatorial é adequada4. Os dois fatores, que apresentaram autovalor superior a 1, foram extraídos pelo método Maximum Likelihood, explicando juntos 49,68% da variância. Ao final da extração, a rotação Oblimin foi aplicada. Assim como Phillips et al., o procedimento gerou um fator relacionado a sintomas depressivos e outro a sintomas de ansiedade5. Visando elaborar uma escala reduzida a partir da EPDS, foram escolhidos os itens com maior carga fatorial (acima de 0.6), sendo selecionados os itens 1, 2 e 7 (correspondentes ao fator depressão) e 3, 4 e 5 (para o fator ansiedade), os quais são sugeridos como componentes da EPDS-6. Para estes itens em conjunto o teste alfa de Cronbach teve como resultado 0,789, um indicativo adequado de consistência interna. A área total sobre a curva ROC foi de 0,896 (erro-padrão = 0,26; p < 0,001), mostrando que a EPDS-6 apresenta bom potencial para discriminar mulheres com DPP e sem o quadro de DPP. O melhor ponto de corte na versão reduzida foi o de 6 pontos, com sensibilidade de 81% e especificidade de 86%.

 

 

Os resultados obtidos apontam que a versão reduzida da EPDS mantém suas propriedades adequadas para uso no diagnóstico da DPP. O desenvolvimento de uma versão reduzida da EPDS pode facilitar o seu uso em protocolos de rotina para investigação da saúde geral no período puerperal. Consideramos que, por demandar menos tempo para ser aplicada, a versão reduzida da EPDS pode ser de grande valia em triagens de quadros depressivos no pós-parto, principalmente no sistema público de saúde. Estudos comparativos utilizando a EPDS e a EPDS-6 estão em andamento e poderão fornecer informações sobre as propriedades psicométricas dos dois instrumentos, suas vantagens e desvantagens.

 

Agradecimentos

Este trabalho recebeu financiamentos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) e pelo Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (CNPq, MCT e FAPEMIG).

 

Leandro Fernandes Malloy-Diniz

Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Programa de Pós-Graduação em Neurociências, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Medicina Molecular (INCT-MM), Brasil

Carlos Guilherme Maciel Furtado Schlottfeldt

Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Patrícia Figueira

Programa de Pós-Graduação em Neurociências, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Fernando Silva Neves, Humberto Corrêa

Programa de Pós-Graduação em Neurociências, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Departamento de Saúde Mental, Programa de
Pós-Graduação em Neurociências, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Medicina Molecular (INCT-MM), Brasil

 

 

Referências

1. Figueira P, Correa H, Malloy-Diniz L, Romano-Silva MA. Edinburgh Postnatal Depression Scale for screening in the public health system. Rev Saude Publica. 2009;43(Supl 1):79-84.         [ Links ]

2. Figueira P, Fernandes Malloy-Diniz L, Aurélio Romano-Silva M, Silva Neves F, Corrêa H. Postpartum depression and comorbid disorders: frequency and relevance to clinical management. Arch Womens Mental Health. 2009;12(6):451.         [ Links ]

3. Figueira P, Malloy-Diniz L, Campos S, Miranda DM, Romano-Silva MA, Neves FS, De Marco LA, Corrêa H. An association study between the Val66Met polymorphism 5 of the BDNF gene and postpartum depression. Arch Womens Mental Health. DOI 10.1007/s00737-010-0146-6.         [ Links ]

4. Tabachnick BG, Fidell LS. Using multivariate statistics. Boston, MA: Allyn and Bacon; 2001.         [ Links ]

5. Phillips J, Sharpe L, Matthey S. Validation of the subscales of the Edinburgh Postnatal Depression Scale in a sample of women with unsettled infants. J Affect Disord. 2009;118(1-3):101-12.         [ Links ]