SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.3 número1Effect of Granulated Dicalcium Phosphate on the Performance and Bone Mineralization in BroilersUtilization of Prebiotics, Probiotics or Symbiotics in Broiler Chicken Diets índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Poultry Science

versión impresa ISSN 1516-635Xversión On-line ISSN 1806-9061

Rev. Bras. Cienc. Avic. v.3 n.1 Campinas ene./abr. 2001

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-635X2001000100007 

Desempenho de Frangos de Corte Alimentados com Ovo em Pó

Perfomance of Broiler Fed Dried Whole Eggs

 

 


Autor(es) / Author(s)

Junqueira OM1
Araújo LF2
Araújo CSS2
Faria DE3
Laurentiz AC2
Dahlke F2

1- Docente Depto. de Zootecnia FCAV / UNESP - Jaboticabal

2- Alunos do Curso de Pós-Graduação Zootecnia/ UNESP- Jaboticabal 

3- Docente FZEA / USP -  Pirassununga

 

Correspondência / Mail Address

Otto Mack Junqueira

Depto. de Zootecnia – Nutrição Animal e Pastagens / FCAV - UNESP
Via de Acesso Prof. Paulo Donato  Castellane, s/n
14870-000 - Jaboticabal - SP - Brasil

E mail: ottomack@fcav.unesp.br

 

Unitermos / Keywords

desempenho, frangos de corte, ovo em pó

broiler, performance, whole dried eggs

RESUMO

Um experimento foi conduzido para estudar a adição do ovo em pó na dieta de frangos de corte no período de 1 a 28 dias, sendo dividido em duas fases (1 a 7 e 8 a 28 dias). No período de 1 a 7 dias, as aves receberam dietas contendo 0%, 5%, 10%, 15% e 20% de ovo em pó e de 8 a 28 dias de idade as aves foram distribuídas em um arranjo fatorial 2x5 (2 níveis de ovo em pó – 0% e 5% - e os 5 níveis da fase anterior). No período de 1 a 7 dias as aves do tratamento controle apresentaram melhor ganho de peso e as aves alimentadas com dietas contendo 20% de ovo em pó apresentaram menor ganho de peso e pior conversão alimentar. As aves deste mesmo tratamento apresentaram também menor peso e comprimento do intestino. Na segunda fase (8 a 28 dias) não houve interação entre os tratamentos estudados. O desempenho, peso e comprimento do intestino não foram afetados pelos tratamentos, ocorrendo apenas maior peso do coração em aves que receberam ovo em pó nesta fase. Os resultados obtidos demonstram ser economicamente inviável a utilização de ovo em pó na dietas de frangos de corte no período de 1 a 28 dias e pela falta de resposta que este ingrediente promove no desempenho da ave.

 

ABSTRACT

A experiment was conducted to study the addition of dried whole eggs (DWE) in broilers diets from 1 to 28 days of age in two phases (1to 7 and 8 to 28 days). From 1 to 7 days the birds received the diets with 0, 5, 10, 15 and 20% DWE and from 8 to 28 days of age the birds were assigned in a factorial arrangement 2x5 (2 levels of DWE – 0% and 5% - and the five previous levels). From 1 to 7 days of age birds fed control diet without DWE showed better weight gain and those fed the highest level of DWE showed the worst feed conversion. In the second phase (8 to 28 days) no interaction was found between treatments and also performance, gut weight and gut length were not affected by treatments. The results obtained suggest that the addition of DWE does not results in beneficial effects in broiler diets.


 

 

INTRODUÇÃO

Quando o pinto nasce, há um consenso entre os nutricionistas de que um bom desenvolvimento inicial resulta em uma ave com melhor desempenho no ciclo de produção. Isto se traduz em um lote mais uniforme e sem problemas com um produto mais comercializável ao término da criação. A alta relação entre peso corporal nos primeiros 6 dias com peso corporal no final da 6-7ª semanas é uma forte evidência sobre a importância de um bom início na criação de frangos de corte. A nutrição na fase inicial e o início da alimentação são temas importantes quando se considera o manejo inicial de criação.

O uso de uma dieta diferenciada para frangos de corte na primeira semana de vida vem sendo preconizada por vários pesquisadores e nutricionistas (Penz & Vieira, 1998). As principais razões que garantem esta prática estão sustentadas no fato de que estas aves, nesta idade, apresentam necessidades nutricionais muito limitantes pelas dificuldades que têm de digerir e absorver nutrientes, apresentam a anatomia e fisiologia do aparelho digestivo diferenciada das aves com mais idade, com necessidades nutricionais muito limitantes pela dificuldade que têm em digerir e absorver alguns nutrientes.

As alterações anatômicas do aparelho digestivo dos frangos de corte nos primeiros dias de vida são marcantes. Após a eclosão, os pesos do pró-ventrículo, da moela e do intestino delgado aumentam mais rapidamente que o peso corporal das aves e os pesos dos outros tecidos. O máximo peso relativo dos órgãos do aparelho digestivo dos frangos de corte ocorre quando eles atingem de 3 a 8 dias de idade (Dror et al., 1977). Nir et al., (1993) comentam que o pâncreas e o fígado de pintos aumentam 4 e 2 vezes de peso em relação ao peso corporal, na primeira semana de vida. Noy & Sklan (1997) mostraram que até aproximadamente 14 dias de idade o crescimento da mucosa intestinal é mais lento do que o aumento do diâmetro e do comprimento do intestino. Alguns trabalhos relatam que ao retardar o início da alimentação das aves retarda-se também a maturação de algumas partes do sistema digestivo que só começam a se desenvolver a partir da presença de nutrientes no trato gastrointestinal, principalmente no fígado e no pâncreas (Wyatt et al., 1985; Gonzáles et al., 2000). Deve-se levar em consideração também, a utilização do saco vitelino o qual é absorvido nos primeiros 3 a 5 dias de vida dos pintos, sendo mais importante nos 2 primeiros dias após a eclosão. Estes detalhes determinam as estratégias que os nutricionistas devem ter para melhor nutrir os frangos de corte na sua fase inicial de criação.

Na indústria de postura, uma das principais preocupações é a qualidade da casca do ovo, dados os prejuízos econômicos associados à incidência de má qualidade da casca. Geralmente se considera que a incidência de quebra da casca do ovo, na avicultura de postura, esteja em torno de 6 a 8% (Washburn, 1982; Gómez-Basauri, 1998). Ovos classificados como trincados, nos quais a casca está rachada mas as suas membranas permanecem intactas e o seu conteúdo permanece constante, são comumente utilizados na alimentação humana na forma líquida ou seca, em pó. O ovo em pó é uma ótima fonte protéica, com altos níveis energéticos e de aminoácidos essenciais e de grande importância na nutrição inicial de aves. Apesar disto, poucos estudos existem avaliando a utilização do ovo em pó na dieta de frangos de corte. Ovos não comercializáveis são reaproveitados na fabricação de pet foods, "in natura" ou, na forma de pó (produto seco e moído), incorporados na alimentação dos animais. A grande dificuldade da utilização de ovo em pó na dieta de poedeiras e frangos de corte é o alto custo de processamento na sua produção e a garantia de um produto sanitariamente seguro. Assim sendo, o objetivo deste experimento foi o de avaliar a incorporação de ovo em pó na alimentação de frangos de corte no período de 1 a 28 dias.

 

MATERIAL E MÉTODOS

A realização do experimento compreendeu um período de 1 a 28 dias, o qual foi dividido em duas fases. Na primeira fase, 1 a 7 dias, foram utilizados 300 pintos de corte de um dia de idade, alojados em baterias, dividas em cinco andares cada, distribuídos em delineamento inteiramente casualizado com 5 tratamentos (0%, 5%, 10%, 15% e 20% de inclusão de ovo em pó) e 6 repetições de 10 aves cada. As aves foram aquecidas com lâmpadas infravermelhas e receberam água e ração à vontade. Foram avaliados dados de desempenho (consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar) no período de 1 a 4 dias, 5 a 7 dias e de 1 a 7 dias. Aos 4 dias, duas aves por repetição foram abatidas para avaliar o peso das vísceras comestíveis (fígado, coração e moela), índices morfométricos intestinais (peso e comprimento dos intestinos) e absorção do saco vitelino. Na segunda fase (8 - 28 dias) foram utilizadas as mesmas aves da fase anterior, distribuídas em um esquema fatorial 2x5 (0% e 5% de inclusão de ovo em pó x 5 níveis de inclusão da fase 1), com 3 repetições por tratamento com 8 aves cada. Como características de desempenho avaliou-se o ganho de peso, o consumo de ração e a conversão alimentar no período de 8 a 21 dias, 22 a 28 dias e 8 a 28 dias. Aos 21 dias, duas aves por repetição foram abatidas para avaliar o peso das vísceras comestíveis (fígado, coração e moela) e os índices morfométricos intestinais (peso e comprimento dos intestinos). O ovo em pó utilizado foi obtido através do processo "spray-dried" e sua composição bromatológica encontra-se na Tabela 1. Todas as dietas foram ajustadas de forma que a relação energia metabolizável e proteína fossem aproximadamente 136 na fase 1 e 148 na fase 2, sendo as dietas isoprotéicas e isocalóricas (Tabelas 2 e 3). Os resultados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5%, utilizando-se o programa ESTAT (1992) desenvolvido pelo Departamento de Ciências Exatas da FCAVJ/UNESP de Jaboticabal-SP.

 

 

 

 

 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados de desempenho do primeiro período experimental encontram-se na tabela 4. Nesta fase (1 a 7 dias), as aves do tratamento controle apresentaram melhor ganho de peso e conseqüentemente melhor conversão alimentar já que o consumo foi estatisticamente igual para todos os tratamentos, onde as aves que receberam 20% de ovo em pó na dieta apresentaram menor ganho de peso e pior conversão alimentar. Estes resultados concordam com os achados de Mast et al. (1984) que observaram redução no desempenho de frangos de corte quando forneceram dietas com 20% de ovo em pó para as aves. Segundo estes mesmos autores, a queda no desempenho das aves alimentadas com dietas com ovo em pó se deve a presença de uma glicoproteína (avidina) presente na clara do ovo, a qual é produzida no oviduto da galinha. Esta glicoproteína se liga com a biotina formando o complexo avidina-biotina, o qual não é hidrolizado por enzimas digestivas, não sendo ,portanto, absorvido. A biotina é essencial para o crescimento da ave e está envolvida em várias reações metabólicas e sua deficiência é caracterizada pela perda da habilidade em realizar as reações de carboxilação. Desta forma, o metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas são afetados resultando, dentre outros sintomas, na diminuição do apetite e diminuição do crescimento.

 

 

Na Tabela 5 são apresentados o peso das vísceras comestíveis e os índices morfométricos intestinais das aves aos 4 dias de idade. Não ocorreu diferença significativa para peso do coração entre os tratamentos avaliados. Quando se avalia o peso e o comprimento do intestino, observa-se que as aves do grupo controle apresentaram maiores valores para estas características, justificando talvez, o motivo pelo qual as aves que se alimentaram com dietas com 20% de ovo em pó apresentaram pior desempenho no período de 1 a 7 dias, apresentando menor peso e comprimento dos intestinos e menor peso do fígado. Não foi encontrada a presença do saco vitelino em nenhuma das aves avaliadas. Este achado concorda com o relato de vários autores (Nir et al., 1988; Chamblee et al., 1992; Noy & Sklan 1997) que afirmam que ocorre a absorção do saco vitelino nos primeiros 3 a 5 dias de vida dos pintos.

 

 

Não ocorreu interação entre os tratamentos avaliados na segunda fase (8 a 28 dias) com os tratamentos aplicados na primeira fase (p>0,05). Embora as aves que receberam dietas contendo 5% de inclusão de ovo em pó tenham iniciado a segunda fase com menor peso médio, observou-se uma recuperação de peso destas aves não havendo diferenças estatísticas para peso final, ganho de peso, consumo de ração e conversão alimentar em todo o período da segunda fase experimental (Tabela 6). Estes resultados demonstraram que os efeitos negativos da inclusão do ovo em pó na dieta pré-inicial foram anulados após sua retirada fazendo com que as aves retornassem ao seu desempenho normal. Estudos conduzidos com suínos após o desmame demonstraram que a inclusão acima de 6% de ovo em pó na dieta destes animais afeta negativamente seu desempenho, havendo recuperação dos animais após a retirada do ovo da dieta (Nessmith et al., 1995).

 

 

Estes resultados nos levam a reavaliar o conceito de utilização de uma dieta diferenciada para frangos de corte na primeira semana de vida, pois, pelo que se pode observar, os efeitos advindos da nutrição nesta etapa de desenvolvimento, sejam eles negativos ou positivos, podem ser perdidos a partir do momento em que a ave se desenvolve ao estágio adulto. Assim sendo, é muito importante analisarmos a relação custo:benefício da utilização de um ingrediente na dieta para sabermos os reais benefícios que ele pode trazer para o desenvolvimento da ave.

Aos 21 dias (Tabela 7) não foram observadas variações no peso das vísceras comestíveis e no peso e comprimento dos intestinos das aves dos tratamentos avaliados nos quais, apenas as aves que receberam ovo em pó na segunda fase apresentaram maior peso de coração (p<0,05). De acordo com Nir (1998) a seleção genética para melhorar o crescimento e outras características de desempenho resultaram em uma ave que se alimente na capacidade das vísceras, exibe alta incidência de problemas metabólicos e esqueléticos, e imunocompetência comprometida. Deste modo, o trato gastrointestinal é considerado como o fator limitante na ingestão de alimentos e no crescimento de frangos de corte. É necessário um período indeterminado de maturação antes que o tamanho relativo do intestino atinja nível que não restrinja a taxa de crescimento da ave (Lilja, 1983; Nitsan et al., 1991a, b; Sell et al., 1991).

 

 

CONCLUSÕES

De acordo com os resultados encontrados neste experimento podemos concluir que:

A utilização de uma dieta sem a inclusão de ovo em pó atende as necessidades nutricionais das aves;

No período de 1 a 7 dias, a inclusão de 20% de ovo em pó na dieta promove uma diminuição no ganho de peso da ave e piora a conversão alimentar;

É economicamente inviável a utilização de ovo em pó na dieta de frangos de corte no período de 1 a 28 dias.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Chamblee TN, Brake JD, Schultz CD, Thaxton JP. Yolk sac absorption and initiation of growth in broilers. Poultry Science 1992; 71:1811-1816.        [ Links ]

Dror Y, Nir I, Nitsan Z. The relative growth of internal organs in light and heavy breeders. British Poultry Science 1977; 18: 493-496.        [ Links ]

ESTAT 2.0 Sistema de análise estatística. Jaboticabal: Pólo Computacional - Departamento de Ciências ExatasUNESP, 1992.        [ Links ]

Gómez-Basauri J. Qualidade da casca do ovo e prejuízos econômicos: potencial de melhora através de proteinatos de microelementos administrados na dieta. In.: Sétima Ronda Latinoamericana e do Caribe da Alltech. 1998. p. 93-102.        [ Links ]

Gonzáles E, Leandro NSM, Varoli Jr JC, Takita TS, Loddi MM. O tempo de jejum do neonato e a restrição alimentar precoce influenciando a produtividade de frangos de corte na idade de abate. Revista Brasileira de Ciência Avícola 2000; (supl. 2): 4.        [ Links ]

Lilja C. A comparative study of postnatal growth and organ development in some species of bird. Growth 1983; 47: 317-329.        [ Links ]

Mast MG, Leach RM, MacNeil JH. Performance, composition and quality of broiler chickens fed dried whole eggs. Poultry Science 1984; 63: 1940-1945.        [ Links ]

Nessmith WB, Tokach MD, Goodband RD, Nelssen JL, Bergstrom JR, Dritz SS, Owen KQ, Richert BT, Smith JW. The effects of substituting spray-dried whole egg from egg grading plants for spray-dried plasma protein in phase I diets. Swine Day 1995; p. 60-64.        [ Links ]

Nir I, Nitsan Z, Ben-Avraham G. Development of the intestine, digestive enzymes and internal organs of the newly hatched chick. Proc. 8th WPSA, Nagoya, Japão. 1988.        [ Links ]

Nir I, Nitsan Z, Mahagna M. Comparative growth and development of the digestive organs and of some encimes in broiler and egg type chicks after hatching. British Poultry Science 1993; 34: 523-532.        [ Links ]

Nir I. Mecanismos de digestão e absorção de nutrientes durante a primeira semana. In: Conferência Apinco de Ciência e Tecnologia Avícolas: Simpósio Internacional sobre Manejo de Pintos de Corte. Anais..., Campinas, 1998; p. 121-139.        [ Links ]

Nitsan Z, Bem-Avraham G, Zoref Z, Nir I. Growth and development of the digestive organs and some enzymes in broiler chicks after hatching. British Poultry Science 1991a; 32: 515-523.        [ Links ]

Nitzan Z, Dunnington EA, Siegel PB. Organ growth and digestive enzyme levels to fifteem days of age in lines of chickens differing in body weight. Poultry Science 1991b; 70:2040-2048.        [ Links ]

Noy Y, Sklan D. Posthatch development in poultry. Journal Apllied Poultry Research 1997; 6: 344-354.        [ Links ]

Penz AMJr, Vieira SL. Nutrição na primeira semana. In: Conferência Apinco de Ciência e Tecnologia Avícolas: Simpósio Internacional sobre Manejo de Pintos de Corte. Anais..., Campinas, 1998. p. 121-139.        [ Links ]

Sell JL, Angel GR, Piquer FJ, Mallarino EG, Al-Batshab HA. Developmental patterns of selected characteristics of the gastrointestinal tract of Young turkeys. Poultry Science 1991; 70: 1200-1205.         [ Links ]

USDA – Agricultural Research Service, 1994.        [ Links ]

Washburn KW. Incidence, cause and prevention of egg shell breakage in commercial production. Poultry Science 1982; 61: 2005-2012.        [ Links ]

Wyatt CL, Weaver Jr WD, Beane WL. Influence of egg size, eggshell quality and posthach holding time on broiler performance. Poultry Science 1985; 64:2049-55.        [ Links ]

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons