SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 issue2The dialectical thinking of Bento de Jesus Caraça and his conception of mathematics educationConceptual change: critical analysis and proposals in the light of the meaningful learning theory author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Ciência & Educação (Bauru)

Print version ISSN 1516-7313On-line version ISSN 1980-850X

Ciênc. educ. (Bauru) vol.9 no.2 Bauru  2003

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000200009 

ARTIGOS

 

Fragmentos da história das concepções de mundo na construção das ciências da natureza: das certezas medievais às dúvidas pré-modernas

 

Episodes in the history of conceptions of the world of natural sciences: from medieval certainties to pre-modern doubts

 

 

Antônio Fernandes Nascimento Júnior

Professor Assistente Doutor da área de Pós-Graduação em Planejamento Regional e Urbano: Assentamentos Humanos da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Campus de Bauru, SP

 

 


RESUMO

A concepção filosófica do mundo se inicia com os gregos sintetizados por Platão e Aristóteles. Para o primeiro o mundo físico é aparente e para se chegar à verdade é preciso se lembrar das idéias originais que determinam seu significado. Para o segundo as coisas físicas são dirigidas pelas idéias e para entendê-las é preciso a lógica. Durante o helenismo a escola de Alexandria elabora o neoplatonismo, a base da Patrística. Após a queda de Roma, os filósofos bizantinos guardam a herança clássica. A Igreja constrói uma visão neoplatônica da cristandade, a Escolástica. No oriente os persas também sofreram a influência grega. Entre os árabes do Oriente o pensamento neoplatônico orienta filósofos e religiosos de forma que para eles a razão e a fé não se separam. Aí a ciências se desenvolvem na física, na alquimia, na botânica, na medicina, na matemática e na lógica, até serem subjugadas pela doutrina conservadora dos otomanos. Na Espanha mulçumana sem as restrições da teologia, a filosofia de Aristóteles é mais bem compreendida do que no resto do Islã. Também aí todas as ciências se desenvolvem rápido. Mas a Espanha sucumbe aos cristãos. Os árabes e judeus apresentam Aristóteles à Europa Ocidental que elabora um Aristóteles cristão. A matemática, a física experimental, a alquimia e a medicina dos árabes influenciam intensamente o Ocidente. Os artesãos constroem instrumentos cada vez mais precisos, os navegadores constroem navios e mapas mais eficientes e minuciosos, os armeiros calculam melhor a forma de lançamento e pontaria de suas armas e os agrimensores melhor elaboram a medida de sua área de mapeamento. Os artistas principalmente italianos, a partir dos clássicos gregos e árabes, criam a perspectiva no desenho, possibilitando a matematização do espaço. Os portugueses, junto com cientistas árabes, judeus e italianos, concluem um projeto de expansão naval e ampliam os horizontes do mundo. Os pensadores italianos, como uma reação à Escolástica, constroem um pensamento humanista influenciado pelo pensamento grego clássico original e pelos últimos filósofos bizantinos. Por todas essas mudanças se inicia a construção de um novo universo e de um novo método, que viria décadas mais tarde.

Unitermos: epistemologia e natureza, epistemologia clássica e medieval, filosofia das ciências de natureza.


ABSTRACT

The philosophical concept of world thought begins with the Greeks, synthesized by Plato and Aristotle. For Plato the one physical world is apparent and, to reach the truth, it is necessary to remember the original ideas that determine its meaning. For Aristotle, material things are guided by ideas and logic is needed to understand them. During the Hellenistic period, the school of Alexandria elaborated Neo-Platonism, the base of Patristics. After the fall of Rome, the Byzantine philosophers kept the classic inheritance. The Church built a Neo-Platonic vision of Christianity, Scholastacism. In the east the Persians also came under Greek influence. Among the Arabs of the East Neo-Platonic thought guided philosophers and religious people so that for them reason and faith were not separated. At this point sciences grew: physics, alchemy, botany, medicine, mathematics and logic, until they were overtaken by the conservative doctrine of the Ottomans. In Muslin Spain, without the restrictions of theology, Aristotle's philosophy was better understood than in the rest of Islam.

Keywords: epistemology and nature, classic and medieval epistemology, philosophy of the sciences of nature. 


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Referências

ALBUQUERQUE, L. de; SANTOS, A. M. dos. Cartógrafos portugueses. In: CHANDEIGNE, Michel (Org.). Lisboa Ultramarina 1415-1580: a invenção do mundo pelos navegadores portugueses. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 61-69.         [ Links ]

AL-JABRI, M. A. Introdução à crítica da razão árabe. São Paulo: EDUNESP, 1997.         [ Links ]

ALMEIDA, A. A. M. de. Saberes e práticas de ciência na Portugal dos descobrimentos. In: TENGORRINHA, José (Org.). História de Portugal. São Paulo: EDUNESP, 2000.         [ Links ]

ALTHEIM, F. A Ásia a caminho da Europa. Porto: Livros do Brasil, [s.d.         [ Links ]]

AUBENQUE, P. As filosofias helenísticas. In: CHATELET, F. (Org.). A Filosofia pagã. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.         [ Links ]

AZEVEDO, M. S. de. Mística islâmica. Petrópolis: Vozes, 2000.         [ Links ]

BADAWI, A. Historie da la philosophie em Islam. Paris: Urin, 1968. 2 v.         [ Links ]

BARON, S. W. História e historiografia do povo judeu. São Paulo: Perspectiva, 1974.         [ Links ]

BENSAÚDE, J. Histoire de la science nautique portugaise à l'époque des grandes découvertes: collection dês documents. Munich: Carl Kuhn, 1914.         [ Links ]

BORGER, H. Uma história do povo judeu. São Paulo: Sêfer, 1999.         [ Links ]

BRÉHIER, L. La civilisation byzantine. Paris: Albin Michael, 1970.         [ Links ]

BRUGGER, W. Philosophisches Wörterbuch. Freiburg: Verlaz Herder, 1957.         [ Links ]

CASINI, P. Natura. Milão: Instituto Editoriale Internazionale, 1975.         [ Links ]

CHASSOT, A. A Ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1994.         [ Links ]

CIPOLLA, C. M. Canhões e velas na primeira fase da expansão européia (1400-1700). Lisboa: Gradiva, 1965.         [ Links ]

COSTA, A. F. da. Pedro Nunes. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1938.         [ Links ]

COSTA, A. A. da. Introdução à história e filosofia das ciências. Lisboa: Publicações Europa-América, 1986.         [ Links ]

CROSBY, A. W. The measure of reality: quantification in Western Society, 1250-1600, Cambridge: Cambridge Unviersity Press, 1997.         [ Links ]

CUSA, N. de. A Visão de Deus. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 1998.         [ Links ]

DEUS, J. D. de. Ciência, curiosidade e maldição. Lisboa: Editora Gradiva, 1986.         [ Links ]

DEWDNEY, A. K. A Mathematical mystery tour: discovering the truth and beauty of the Cosmos. New York: John Wiley & Sons, 1999.         [ Links ]

FRIGHETTO, R. Cultura e poder na antigüidade tardia ocidental. Curitiba: Juruá, 2002.         [ Links ]

GILSON, E. La Philosophie au moyen âge: des origines patristiques a la fui du XIV siecle. Paris: Payot, 1952.         [ Links ]

GIORDANI, M. C. História do Império Bizantino. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1992.         [ Links ]

GOLDFARB, A. M. A. Ciência árabe. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 2., 1988, São Paulo. Anais... São Paulo: Nova Stella, 1989. p. 92-96.         [ Links ]

GROS, G. M. A primeira história andaluza das ciências. In: CARDAILLAC, L. (Org.). Toledo, século XII-XIII: muçulmanos, cristãos e judeus: o saber e a tolerância. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 176-191.         [ Links ]

HOURANI, A. Uma história dos povos árabes. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.         [ Links ]

JACQUART, D. A Escola de tradutores. In: CARDAILLAC, L. (Org.). Toledo, século XII-XIII: muçulmanos, cristãos e judeus: o saber e a tolerância. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 155-167.         [ Links ]

JEAUNEAU, E. La Philosophie médiévale. Paris: Presses Universitaires de France, 1968.         [ Links ]

KOYRÉ, A. A Contribuição científica da Renascença. Quinzième Semaine de Syntèse: La Syntése, idée-force dans e'evolution de la pensèe. Paris: Albin Michel, 1951. p. 30-40.         [ Links ]

KRAUS, P. Jabir et lês origines de l'alchimie arabe. Cairo: Memoires de l'Institut d'Egypte, 1942.         [ Links ]

LACOSTE, Y. Ibn Khaldum: naissance de l'histoire, passé du Tiers monde. Paris: F. Maspero, 1966.         [ Links ]

LARA, T. A. A Filosofia nos tempos e contratempos da Cristandade Ocidental. Petrópolis: Vozes, 1999.         [ Links ]

LENOBLE, R. História da idéia da natureza. Lisboa: Edições 70, 1969.         [ Links ]

LIBERA, A. de. La philosophie médiévale. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.         [ Links ]

MOKTEFI, M.; AGEORGES, V. Les Arabes au temps de l'áge d'or. Paris: Editions Nathan, 1991.         [ Links ]

NASCIMENTO JUNIOR, A. F. Fragmentos da construção histórica do pensamento neoempirista. Ciência & Educação, Bauru, v.5, n.1, p. 37-54, 1998.         [ Links ]

______. Fragmentos da presença do pensamento dialético na história da construção das ciências da natureza. Ciência & Educação, Bauru, v.6, n.1, p. 119-139, 2000.         [ Links ]

______. Fragmentos da presença do idealismo na história da construção das ciências da natureza. Ciência & Educação, Bauru, v.7, n. 2, p. 265-285, 2001.         [ Links ]

PERROY, E. A Idade Média. São Paulo: Difel, 1965.         [ Links ]

PINSKY, J. Origens do nacionalismo judaico. São Paulo: Ática, 1997.         [ Links ]

PIRENNE, H. Maomé e Carlos Magno. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.         [ Links ]

PRICE, D. S. de. Science since Babilón. New Haven: Yale University Pres, 1974.         [ Links ]

RADULET, C. M. Os italianos em Portugal. In: CHANDEIGNE, Michel (Org.). Lisboa Ultramarina 1415-1580: a invenção do mundo pelos navegadores portugueses. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 95-104.         [ Links ]

ROCHA PINTO, J. O vento, o ferro e a muralha. In: CHANDEIGNE, Michel (Org.). Lisboa Ultramarina 1415-1580: a invenção do mundo pelos navegadores portugueses. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 195-209.         [ Links ]

RONCHI, V. Optics: the science on vision. New York: New York University Press, 1957.         [ Links ]

ROSSI, P. I filosofici e le machine: 1400 – 1700. Florença: Grangiacomo Feltrinelli Editore, 1971.         [ Links ]

RUNCIMAN, S. A Civilização Bizantina. São Paulo: Zahar, 1981.         [ Links ]

SACROBOSCO, Johannes de. Tratado da Esfera. São Paulo: EDUNESP, 1991.         [ Links ]

TATAKIS, B. La Philosophie Byzantine. Paris: Presses Universitaires de France, 1949.         [ Links ]

TELLO, P. L. A Judería, um certo sucesso. In: CARDAILLAC, L. (Org.). Toledo, século XII-XIII: muçulmanos, cristãos e judeus: o saber e a tolerância. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. p. 110-121.         [ Links ]

THORNDIKE, L. The Sphere of Sacrobosco and its commentators. Chicago: University of Chicago Press, 1949.         [ Links ]

THUILLER, P. De Arquimedes a Einstein: a face oculta da invenção científica. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.         [ Links ]

VÉDRINE, H. Les Philosophies de la Renaissance. Paris: Presses Universitaires de France, 1971.         [ Links ]

VENTURA, M. de S. Vida e obra de Pedro Nunes. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1985.         [ Links ]

 

 

Artigo recebido em agosto de 2002 e selecionado para publicação em outubro de 2003.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License