SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número2Editorial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Rev. soc. bras. fonoaudiol. v.13 n.2 São Paulo abr./jun. 2008

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342008000200001 

EDITORIAL

 

 

Profa. Dra. Fernanda Dreux M. Fernandes

 

 

Esta segunda edição de 2008 da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia conta com nove Artigos Originais, dois Estudos de Caso, um Refletindo sobre o Novo, uma Resenha e um Resumo. Como já está ficando tradicional, o editorial convidado é escrito pelas Diretoras Científicas da SBFa, Ana Luisa Navas e Beatriz Mendes, e aborda o 16º Congresso de Fonoaudiologia, que vai ocorrer de 24 a 27 de setembro, em Campos do Jordão, e que está sendo preparado com muito carinho.

Mangili, Amoroso, Nishimoto, Barros e Carrara-deAngelis, em seu artigo Voz, deglutição e qualidade de vida de pacientes com alteração de mobilidade de prega vocal unilateral pré e pós-fonoterapia descrevem estudo com 13 pacientes com alteração unilateral de mobilidade de prega vocal e concluem que a terapia fonoaudiológica parece ser efetiva na melhora da voz, da deglutição e da qualidade de vida em deglutição de pacientes com alterações na mobilidade das pregas vocais.

Freitas e Gómez apresentam o estudo Grau de percepção e incômodo quanto à condição facial em indivíduos com paralisia facial periférica na fase de seqüelas que investigou o conhecimento de 29 pacientes quanto à condição facial e o grau de incômodo e prejuízo em suas atividades diárias. Sua conclusão indica que a percepção da própria condição facial nem sempre é concordante entre o profissional e o paciente e que o impacto da condição facial na vida do paciente parece não depender do grau das seqüelas.

O artigo Medidas e proporções antropométricas orofaciais de crianças respiradoras orais escrito por Cattoni, Fernandes, Di Francesco e Latorre descreve as medidas e proporções orofaciais de 100 crianças respiradoras orais e comparar a média do lado direito da face com a média do lado esquerdo da face, segundo a idade. As conclusões revelam que não houve diferença significativa entre a maioria das médias das medidas.

Coutrin, Guedes e Motta escreveram o artigo Treinamento muscular na face: a prática dos fonoaudiólogos de Belo Horizonte com o objetivo de verificar a prática do fonoaudiólogo que atua em motricidade orofacial em Belo Horizonte, a respeito do treinamento da musculatura facial, comparando a conduta de profissionais com e sem especialização na área. A conclusão aponta que não houve diferença significativa na conduta dos fonoaudiólogos com e sem especialização.

O artigo Análise do desenvolvimento das habilidades diadococinéticas orais em crianças normais e com Transtorno Fonológico, de Wertzner, Alves e Ramos, buscou verificar o desempenho de 35 crianças com e sem transtorno fonológico em provas de diadococinesia e sua correlação com o índice Porcentagem de Consoantes Corretas Revisado. As autoras concluem enfatizando a importância da prova de diadococinesia para a avaliação e o diagnóstico diferencial do transtorno fonológico.

Barberena, Keske-Soares e Bolli Mota descrevem a pesquisa Generalização baseada nas relações implicacionais obtida pelo modelo "ABAB-Retirada e Provas Múltiplas" que analisou os dados de fala de oito sujeitos com desvios fonológicos e concluiu que o modelo foi eficaz no tratamento dos sujeitos com desvio fonológico.

Andreazza-Balestrin, Cielo e Lazzarotto investigaram a Relação entre desempenho em consciência fonológica e a variável sexo: um estudo com crianças pré-escolares num estudo com 43 pré-escolares e concluíram que parece haver relação entre o baixo índice de desvios fonológicos no sexo feminino e seu melhor desempenho em consciência fonológica.

San Jorge, de Vitto, Lamônica e Hage descrevem a pesquisa A exposição ao chumbo como fator de risco para alterações no desenvolvimento da linguagem que estudou a presença de alterações no desenvolvimento em 58 crianças com histórico de exposição ao chumbo. As autoras comentam que não foi encontrada correlação negativa entre a concentração de chumbo e o grau de alteração no desenvolvimento de linguagem das crianças estudadas.

O artigo Dificuldades e benefícios com o uso de prótese auditiva: percepção do idoso e sua família descrito por Miranda, Calais, Vieira, Carvalho, Borges e Iorio teve como objetivo caracterizar a percepção de 31 idosos e seus familiares quanto às dificuldades e os benefícios no início do processo de adaptação ao uso de prótese auditiva. Em sua conclusão as autoras informam que não houve concordância entre a percepção dos idosos e de seus familiares sobre os aspectos estudados, indicando a necessidade de orientação para ambos os grupos.

A pesquisa Perfil de desempenho em teste de triagem de processamento auditivo (SCAN) em crianças de sete e oito anos residentes em Cuiabá relatada por Rodrigues, Sameshima e Zaidan caracterizou o perfil de desempenho de 215 crianças normo-ouvintes de sete e oito anos no teste de triagem de processamento auditivo SCAN. Em sua conclusão os autores enfatizam a necessidade de estudos com casuísticas maiores, de diversas faixas etárias e de diversas regiões geográficas e condições sociais para que seja possível generalizar resultados.

O primeiro relato de caso é apresentado por Araújo e Lacerda e intitula-se Examinando o desenho infantil como recurso terapêutico para o desenvolvimento de linguagem de crianças surdas e descreve a utilização dos construtos teóricos e metodológicos da perspectiva Histórico-Cultural nas reflexões a respeito do processo terapêutico de duas crianças surdas bilíngües durante um ano.

A seguir Frias, Cárnio, Matas, Leite, Carvallo e Neves apresentam o trabalho Distúrbios de leitura e escrita em portadora do vírus da imunodeficiência humana: estudo de caso que descreve o caso de uma criança soropositiva para o para o vírus da imunodeficiência humana com distúrbios de leitura e escrita, analisando as estratégias mais funcionais e os resultados obtidos nas avaliações pré e pós-terapia fonoaudiológica.

O artigo de revisão apresentado por Souza e Payão aborda a Apraxia da fala adquirida e desenvolvimental: semelhanças e diferenças em que descrevem a existência de um número grande de trabalhos a respeito das características gerais da apraxia; pesquisas genéticas; estudos neurodesenvolvimentais; variabilidade dos sintomas; utilização de protocolos de análise e da análise acústica no diagnóstico.

O artigo Refletindo sobre o Novo é apresentado por Pereira e comenta o artigo Feminine after cricothyroid approximation? de Van Borsel e colaboradores, publicado este ano no Journal of Voice. O artigo aborda a questão da voz no transexualismo e a revisora comenta o fato de que essa área de atuação ainda é pouco explorada pelo fonoaudiólogo no Brasil.

A Resenha foi feita por Dias e aborda o artigo Cochlear implantation in deaf children with associated dizabilities: challenges and outcomes em que os autores afirmam que o implante coclear não é contra-indicado em casos de múltiplas deficiências, mas que os pais devem ser informados a respeito de suas limitações.

O Resumo apresentado nesta edição tem um valor especial pois envolve a tese de doutorado de Juliana Perina Gândara, uma das secretárias da revista e uma das grandes responsáveis pela evolução deste periódico. Em seu doutorado, defendido na Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP, Gândara investigou a Aquisição lexical no desenvolvimento normal e alterado de linguagem - um estudo experimental.

O crescimento da Fonoaudiologia acontece no reconhecimento de valores individuais e na união de forças, na alegria da conquista e na energia pela recuperação.

Para Ana Lu e Clay.

 

Fernanda

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons