SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue4Eye Tracking e Fonoaudiologia: teoria e práticas atuaisDescrição acústico-articulatória e perceptiva das líquidas do português brasileiro produzidas por crianças com e sem transtorno fonológico author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

On-line version ISSN 1982-0232

Rev. soc. bras. fonoaudiol. vol.13 no.4 São Paulo  2008

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342008000400020 

RESUMO

 

A prevalência do desvio fonológico em crianças de 4 a 6 anos de escolas públicas municipais de Salvador–BA

 

 

Laura Giotto Cavalheiro

Mestre, Professora do Curso de Fonoaudiologia do Centro Universitário Jorge Amado – UNIJORGE, União Metropolitana de Educação e Cultura – UNIME e Faculdade Nobre de Feira de Santana – FAN – Salvador (BA), Brasil

Endereço para correspondência

 

 

Este estudo teve por objetivos estimar a prevalência de desvios fonológicos em crianças de 4 a 6 anos que freqüentam escolas públicas municipais de Salvador-BA; verificar se a prevalência de desvios fonológicos varia conforme a idade, o sexo, e a classe socioeconômica; verificar a ocorrência de alterações no inventário fonético, sistema fonológico e os processos fonológicos de maior prevalência apresentados pelas crianças que apresentam desvio fonológico. A amostra foi formada por 2.880 crianças de ambos os sexos, na faixa etária de 4:0 a 6:11, de níveis socioeconômicos baixo, médio e alto. Todos foram submetidos às avaliações fonoaudiológicas e, posteriormente, avaliação fonológica, realizadas a fim de determinar a prevalência do desvio fonológico para diferentes sexos, faixas etárias e níveis socioeconômicos. Para a análise estatística, foram utilizados o Teste Qui-quadrado de Pearson ou Teste Exato de Fisher, com nível de significância de 5% (p<0,05). A prevalência do desvio fonológico foi de 9,17% na população estudada. Ao verificar esta prevalência, considerando a variável sexo, foi encontrada 13,33% para o sexo masculino e 5% para o feminino. Ao considerar a faixa etária 8,9% das crianças de 4:0 a 4:11, 9,48% para as crianças de 5:0 a 5:11 e 9,06% para as crianças de 6:0 a 6:11. Em relação ao nível sócio-econômico foi verificado que 8,75% dos sujeitos de nível sócio-econômico baixo apresentam desvio fonológico, 9,69% do nível médio, e 9,06% do alto. Das crianças avaliadas, apenas 1,11% tem inventário fonético incompleto e 1,32% sistema fonológico incompleto. Os processos fonológicos mais prevalentes são os de estruturação silábica, comparados aos de substituição, sendo que o processo fonológico mais tardiamente eliminado é o de redução de encontro consonantal. Há variação no desempenho relacionado aos processos fonológicos e, também, estatisticamente quando analisados os processos fonológicos em diferentes sexos e níveis socioeconômicos. Conclui-se, dessa forma, que há alta prevalência de desvio fonológico em crianças de 4:0 a 6:11, com variações na manifestação do desvio, considerando sexo e nível socioeconômico, diferentemente do que é observado ao analisar a faixa etária.

 

 

Endereço para correspondência:
Laura Giotto Cavalheiro
Al. Praia de Guaratuba, 1575/11, Stella Mares
Salvador – BA, CEP 41600-270
E-mail: laufono@uol.com.br

 

 

Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Maria – UFSM – Santa Maria (RS), Brasil, para obtenção do título de Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana, sob orientação da Profa. Dra. Márcia Keske-Soares. Trabalho Premiado com Menção Honrosa no Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia em 2008.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License