SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 número2A poesia entrevista: uma bio-grafia de Armando Freitas FilhoRoberto Zular. Criação em processo. Ensaios de crítica genética índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Alea : Estudos Neolatinos

versão impressa ISSN 1517-106X

Alea v.5 n.2 Rio de Janeiro jul./dez. 2003

http://dx.doi.org/10.1590/S1517-106X2003000200011 

RESENHAS

 

A encenação da poesia e da tradução

 

 

Edson Rosa da Silva

[UFRJ]

 

 

A mesa/La table

Ponge, Francis
Edição bilíngüe. Tradução de Ignacio Antonio Neis e Michel Peterson
São Paulo: Iluminuras, 2002

 

Há duas questões que freqüentam com assiduidade os ensaios literários: qual o objeto da literatura e qual a sua forma de representação? Quanto à primeira, as respostas não são muitas: ou a literatura se volta para o mundo que nos cerca (e daí um número imenso de coisas a representar) ou volta-se para si mesma, refletindo sobre seus próprios processos de significação. Quanto à segunda, a resposta, embora mais simples, exige talvez mais nuance, pois a representação do mundo ou a dos processos de produção de texto pela palavra está sempre em suspenso: no limiar de mudanças – regras novas que outros tempos impõem – ou em risco de falência – o de sucumbir à impossibilidade de dizer.

Em se tratando de poesia, e mais ainda de poesia moderna (o adjetivo já aponta para a pluralidade do sentido das palavras), o impasse é ainda maior: fugindo ao descritivo e expressando-se por fragmentos, buscando a contenção e concentrando a tensão do sentido e da forma, o poema, ao significar o mundo e seus objetos ou a própria criação e seus mecanismos de expressão, constitui um foco de resistência ao uso comum da língua que faz explodir a clareza e todo sentido lógico.

Em suma, é disso que trata o volume intitulado A mesa, publicado pela editora Iluminuras, que, além de trazer primorosa tradução do poema La table, de Francis Ponge, reflete longamente sobre o processo tradutório, que norteou tal empreendimento, bem como sobre problemas concretos que nascem, não só da tradução de poesia, como também da especificidade da própria linguagem.

Em edição bilíngüe, o poema é apresentado em forma de dossiê, reunindo suas 63 folhas ou quadros, devidamente datados de 1967 a 1973, como um diário, com tradução de Ignacio Antonio Neis e Michel Peterson. Há quem considere as folhas ou quadros "como tentativas abortadas, tentações repelidas ou pranchas recusadas, [...] que exibem então os aleatórios da escritura no horizonte do texto perfeito, fechado a sete chaves". Por outro lado, há os que os consideram como "textos de pleno direito, que funcionam de maneira absolutamente autônoma" (: 99). Os tradutores se alinham com a segunda opção interpretativa, pois vêem na obra poética de Francis Ponge, poeta ainda pouco traduzido e difundido no Brasil, muito mais que uma simples poesia de objetos, a que muitas vezes a obra é reduzida, uma tentativa de desvelar o estado nascente da linguagem, uma tentativa de "dizer no sentido intransitivo do 'dizer', isto é, falar no momento presente, como homem, como animal, [...] e mostrar como as coisas se fazem no próprio momento, criar a comunicação direta, não pela recitação de um produto acabado, mas pelo exemplo de uma operação em ato, de uma palavra (e, portanto, de um pensamento) no estado nascente", como diz o poeta em entrevista a Philippe Sollers (: 18). Na realidade, o poeta não vê o mundo em suas formas acabadas, espreita coisas em formação; não fala uma linguagem em sua forma perfeita, balbucia sons e suspeita sentidos; não constrói poemas, dilacera formas já gastas e acabadas. Convém lembrar que A mesa data de um período fervilhante da vida intelectual francesa, em que grandes nomes trazem importantes inovações no campo das ciências sociais e humanas (Lacan, Foucault, Kristeva, Barthes, Derrida, Deleuze, entre outros).

A tradução, que respeita criteriosamente o formato das folhas originais, revela uma preocupação constante com as dificuldades que o texto pongiano suscita, e põe a descoberto a luta do tradutor entre traduzir o lado semântico das palavras e conservar sua forma significante: "[traduzir Ponge] leva a utilizar recursos polissêmicos da língua de chegada, mesmo quando estes estão ausentes no texto de partida, o que permite de alguma forma compensar a perda inicial e mergulhar o texto inventado em uma nova constelação significante" (: 43). Eis por que a publicação que a Iluminuras ora traz a público é precedida por um longo aparato teórico assinado pelos dois tradutores. As partes intituladas "Francis Ponge: de emendatione temporum" e "A fábrica d'A mesa", de autoria de Michel Peterson, ressaltam a importância da revolução pongiana na poesia, um modo de "apreensão do mundo que passa pelo poder sugestivo da sonoridade das palavras e das letras, desse resto germinador em que o sentido se ausenta no infinito do gozo" (: 27). Seu autor salienta ainda o papel fundamental de A mesa no conjunto da obra, pois considera tal poema "a certidão de nascimento do escritor Ponge", embora pertença a sua última fase. A datação não tem a menor importância: "A mesa é a cena originária da obra pongiana, e só!" (: 64). Com efeito, trata o poema como "um laboratório de pesquisa" (: 71) e uma oficina de trabalho poético, sobre cuja mesa o texto "recua , avança, desacelera, acelera, parece por um momento paralisado, mas acentua a seguir sua cadência através de ritmos imprevistos" (: 97).

A parte seguinte, "O canteiro da tradução", de autoria de Ignacio Antonio Neis, acha-se em perfeita consonância com as precedentes: desvenda, como o próprio título sugere, o trabalho árduo do operário da palavra, ou seja o tradutor-também-poeta. Analisando a "tradicional topologia dualista" (: 122) que opunha mensagem e forma, comenta as diversas tendências por que passou a técnica de tradução e discute as novas propostas que foram tomando corpo ao longo das pesquisas sobre o trabalho tradutório. A técnica mais apreciada é a que comandou o trabalho dos dois tradutores de A mesa, aquela que se condiciona à maneira específica pela qual cada poema produz sentidos – a significância: "o caminho para traduzir o poético passa pela recriação, na língua-alvo, da significância do poema", (: 128) ou seja, o predomínio do significante sobre o significado. O cerne da atividade tradutória, diz ainda o professor Neis, é o processo de geração de sentidos. Só desse modo a tradução da poesia criativa e inovadora de Francis Ponge se torna possível.

O público de língua portuguesa passa a dispor, assim, com a presente publicação, não só da possibilidade de acesso a mais um poema desse importante poeta francês da primeira metade do séc. XX, como também de uma competente reflexão sobre as mais modernas teorias de tradução poética.