SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue6Benefits of resistance training in the improvement of functional capacity and health of paraplegics author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Rev Bras Med Esporte vol.16 no.6 Niterói Nov./Dec. 2010

http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922010000600015 

ERRATA

 

No Suplemento volume 16 Nº 4 – Julho/Agosto de 2010 da RBME na página 23 artigo 93 deve constar o seguinte artigo: influência da temperatura na capacidade antioxidante do miocárdio de ratos

 

 

Jayme Netto JuniorI; Flávia Alessandra GuarnierII; Carlos Marcelo PastreI; Thâmara AlvesI; Fernanda Assen Soares CampoyI; Mariana de Oliveira GoisI; Fábio do Nascimento BastosI; Rubens CecchiniI; Domingo Marcolino BraileIII

IUniversidade Estadual Paulista – Presidente Prudente, SP, Brasil
IIUniversidade Estadual de Londrina – Londrina, PR, Brasil
IIIFaculdade de Medicina de Ribeirão Preto – São José do Rio Preto, SP, Brasil

 

 

INTRODUÇÃO: O objetivo do presente estudo foi analisar a influência da temperatura na capacidade antioxidante total (TRAP) do miocárdio de ratos submetidos ao treinamento físico.
MATERIAL E MÉTODOS: Utilizou-se 20 ratos, divididos em quatro grupos. O treinamento consistiu em corrida em esteira, em um período de quatro semanas, com cinco sessões cada. G1 realizou treinamento à temperatura de 38 ± 2ºC; G2 não treinou à temperatura de 38 ± 2ºC; G3 realizou treinamento à temperatura de 22 ± 2ºC; e G4 não treinou à 22 ± 2ºC. A capacidade antioxidante total (TRAP) foi mensurada por meio de quimiluminescência. A estatística foi realizada por meio de análise de variância (2 x 2) complementada com o teste de Tukey.
RESULTADOS: Houve diferença significante (p < 0,0001) no consumo da TRAP em G1 (0,23 ± 0,03
µM Trolox) em relação aos demais grupos, G2 (0,48 ± 0,05µM Trolox), G3 (0,41 ± 0,03µM Trolox) e G4 (0,98 ± 0,17µM Trolox).
CONCLUSÃO: Pode-se concluir, a partir dos resultados observados, que, na prática de exercício físico em ambientes com temperaturas elevadas, houve aumento do consumo da capacidade antioxidante total no miocárdio de ratos.