SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue1Factors associated with self-rated positive health in active young men from Sergipe state, BrazilPhysical training for HIV positive individuals submitted to HAART: effects on anthropometric and functional parameters author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • text in English
  • English (pdf) | Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Rev Bras Med Esporte vol.19 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2013

http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922013000100002 

ARTIGO ORIGINAL
CLÍNICA MÉDICA DO EXERCÍCIO E DO ESPORTE

 

Respostas cardiopulmonares agudas de mulheres no treinamento de força

 

 

Márcio Antônio Gonsalves SindorfI; Gabriel Soliani CelanteI; Maria Imaculada de Lima MontebeloII; João Paulo BorinIII; Pamela Roberta Gomes GonelliI; Ricardo Adamoli SimõesI; Thiago Mattos Frota de SouzaI; Marcelo de Castro CesarI

ICurso de Educação Física - Faculdade de Ciências da Saúde - Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) - São Paulo - Brasil
IIFaculdade de Ciências Exatas e da Natureza - Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) - São Paulo - Brasil
IIIUniversidade Estadual de Campinas (Unicamp) - São Paulo - Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

OBJETIVO: Investigar as respostas cardiopulmonares de uma sessão de treinamento de força em mulheres jovens.
MÉTODO: Participaram do estudo 23 mulheres, com idade entre 18 e 29 anos. Todas as voluntárias foram submetidas aos seguintes testes: cardiopulmonar e de uma repetição máxima (1-RM). O protocolo de treinamento de força teve ênfase em hipertrofia muscular, três séries de oito a 12 repetições a 70% de 1-RM, com intervalos de um minuto e 30 segundos entre as séries. Durante a sessão de treinamento foi realizada a medida das variáveis cardiopulmonares por meio de analisador de gases metabólicos e módulo de telemetria.
RESULTADOS: Os resultados do consumo de oxigênio da sessão de treinamento foram de 8,43 ± 1,76 ml/kg/min e da frequência cardíaca de 108,08 ± 15,26 bpm. Os resultados do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca do treino foram inferiores (p < 0,01) ao do limiar ventilatório e das reservas do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca.
CONCLUSÃO: Os dados obtidos indicam que o presente protocolo de treinamento de força proporcionou pequena sobrecarga ao sistema cardiorrespiratório de mulheres jovens.

Palavras-chave: consumo de oxigênio, frequência cardíaca, ventilação pulmonar.


ABSTRACT

OBJETIVE: Investigate the cardiopulmonary responses of one strength training session in young women.
METHOD: Twenty-three women aged between 18 and 29 years participated in this study. All the volunteers were submitted to the following tests: cardiopulmonary and one-repetition maximum (1-RM). The strength training protocol had emphasis on muscular hypertrophy, three sets from eight to twelve repetitions under 70% of 1-RM, with a one minute thirty-second break between sets. During the training session, the cardiopulmonary variables were measured with a metabolic gas analyzer and a telemetry module.
RESULTS: The results of the oxygen consumption in the training session were from 8.43 + 1.76 ml/kg/min and of the heart rate of 108.08 + 15.26 bpm. The results of the oxygen consumption and of the heart rate in the training were lower (p < 0.01) than in the ventilatory threshold and of the oxygen consumption and the heart rate reserves.
CONCLUSION: The obtained data show that the present protocol of strength training provided low overload to the cardiopulmonary system of young women.

Keywords: oxygen consumption, heart rate, pulmonary ventilation.


 

 

INTRODUÇÃO

O treinamento de força tem sido objeto de diversos estudos, tanto por sua relação direta com a performance de diversas modalidades esportivas como pelos benefícios comprovados na prevenção e reabilitação de lesões musculoesqueléticas e doenças crônicas, como também em programas de treinamento visando a saúde e a qualidade de vida1. Destaca-se ainda os efeitos benéficos do treinamento de força na composição corporal e no desenvolvimento da força muscular2,3.

Para o treinamento de força, visando hipertrofia muscular, em indivíduos jovens, o American College of Sports Medicine (ACSM)1,4 recomenda de oito a dez exercícios, com uma ou mais séries de oito a 12 repetições a 70-85% de 1-RM com intervalos de um a dois minutos entre os exercícios. Os ajustes cardiorrespiratórios e/ou metabólicos no treinamento de força têm sido investigados por estudos prévios5-8, mas não em protocolos como o preconizado para mulheres jovens.

O teste cardiopulmonar permite a determinação do consumo máximo de oxigênio (VO2max) e o limiar anaeróbio por método ventilátório (LV), estes são importantes índices de limitação funcional cardiorrespiratória9. Valores percentuais do VO2max (50-85%)10 e da frequência cardíaca máxima (55/65%-90%)1 são utilizados na prescrição de intensidades do treinamento aeróbio. O American College of Sports Medicine1 propõe intensidades de treinamento aeróbio de 40-50% da reserva do consumo de oxigênio (VO2) e da frequência cardíaca (FC).

O presente estudo teve como objetivos determinar as respostas cardiopulmonares de uma sessão de treinamento de força, em mulheres jovens, e comparar os valores do consumo de oxigênio e da frequência cardíaca da sessão de treinamento de força com valores do limiar ventilatório e de reserva para verificar a sobrecarga cardiorrespiratória no treinamento de força proposto para indivíduos jovens e saudáveis1,4.

 

MÉTODOS

Casuística

Foram estudadas 23 mulheres, idade entre 18 e 29 anos, saudáveis, não tabagistas, em treinamento de força há no mínimo seis meses. Após a explicação do projeto, as voluntárias assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Metodista de Piracicaba, protocolo no 06/08.

As voluntárias responderam a um questionário de histórico de saúde antes do início do protocolo experimental, buscando descartar contraindicações aos testes e ao treinamento.

 

PROTOCOLO EXPERIMENTAL

Protocolo de testes

Após a avaliação clínica, as voluntárias foram submetidas a um protocolo de testes, cardiopulmonar e muscular, com intervalos de 48 a 72 horas. Todos ocorreram no Laboratório de Avaliação Antropométrica e do Esforço Físico e no Centro de Qualidade de Vida do Curso de Educação Física da Faculdade de Ciências da Saúde (FACIS) da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP).

Teste cardiopulmonar

As voluntárias foram submetidas ao teste cardiopulmonar em uma esteira ergométrica (Inbrasport ATL®), com protocolo contínuo de carga crescente, com carga inicial de 4,0 km/h (três minutos), e incrementos de 1,0 km/h a cada minuto até 10,0 km/h, a seguir incrementos de 2,5% de inclinação/minuto, até a exaustão11.

Os testes foram monitorizados continuamente nas derivações MC5, AVF e V2, com registros eletrocardiográficos ao final de cada estágio e na recuperação.

A medida do consumo de oxigênio, produção de gás carbônico e da ventilação pulmonar foi realizada de forma direta, por analisador de gases metabólicos (VO2000 - Medical Graphics®). Foram determinados o consumo máximo de oxigênio e o limiar anaeróbio por método ventilatório9.

A frequência cardíaca durante o teste em esteira foi medida a cada 60 segundos, por meio de sistema de telemetria (Polar® Vantage NV), sendo determinadas as frequências cardíacas máxima (FCmax) e do limiar ventilatório (FCLV).

Testes de uma repetição máxima

Foi realizado o teste de 1-RM de acordo com a seguinte ordem nos exercícios: supino reto, leg-press 45º, puxador costas, cadeira extensora, desenvolvimento posterior com barra, mesa flexora, tríceps testa com barra w e rosca direta com barra w12.

Medida das respostas cardiopulmonares durante o treinamento de força

Após os testes iniciais, as voluntárias realizaram uma sessão de treinamento de força com monitorização de variáveis cardiopulmonares por meio de analisador de gases metabólico e sistema de telemetria (VO2000 - Medical Graphics).

Foram determinadas as medidas pré-testes das voluntárias após as mesmas realizarem repouso em decúbito dorsal por 30 minutos. As medidas cardiopulmonares foram medidas durante 12 minutos em repouso, sendo desconsiderados os dois primeiros minutos de medida e determinado o consumo de oxigênio de repouso (VO2 repouso) e a frequência cardíaca de repouso (FC repouso) pela média dos últimos dez minutos.

Foram calculados o consumo de oxigênio de reserva (VO2 reserva) e a frequência cardíaca de reserva (FC reserva) pelas equações13.

Após as medidas em repouso, as voluntárias realizaram alongamentos estáticos e a seguir iniciavam o treinamento nos mesmos oito exercícios dos testes de 1-RM. A sessão de treinamento de força deu ênfase na hipertrofia muscular1,4: três séries de oito a 12 repetições a 70% de 1-RM, com intervalos de um minuto e 30 segundos entre as séries e os exercícios. Antes do início da sessão de treinamento era realizado aquecimento específico com cerca de 10 a 15% de 1-RM no supino reto, leg-press 45º e puxador costas.

Durante a sessão de treinamento de força foram realizadas medidas do consumo de oxigênio (l/min e em ml/kg/min), produção de dióxido de carbono (l/min), razão de trocas gasosas, ventilação pulmonar (l/min), equivalentes ventilatórios para o oxigênio e para o dióxido de carbono, pulso de oxigênio (ml/bat) e frequência cardíaca (bpm), por meio de analisador de gases metabólicos e módulo de telemetria. Após o término da sessão de treinamento, as voluntárias repousaram em decúbito dorsal, até os valores de VO2 serem similares ao pré-teste.

 

ANÁLISE DOS RESULTADOS

Para todas as variáveis foi realizada a análise descritiva dos resultados. Os resultados das variáveis cardiopulmonares foram expressos em valores absolutos, e os valores de VO2 e FC também em valores percentuais do máximo, obtidos no teste cardiopulmonar.

Os valores do consumo de oxigênio e frequência cardíaca durante o treinamento de força foram comparados com os valores do limiar ventilatório e de reserva do VO2 e da FC. Foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk para verificação da normalidade dos dados e o teste t de Student para comparação dos resultados, e o nível de significância adotado foi de 5%.

 

RESULTADOS

A tabela 1 mostra o resultado do teste cardiopulmonar, a tabela 2 apresenta o resultado do teste de 1-RM e carga utilizada na sessão de treinamento e a tabela 3, os dados das variáveis cardiopulmonares na sessão de treinamento de força. A duração da sessão de treinamento de força foi, em média, de 54 minutos e 43 segundos. Na sessão de treinamento os valores de VO2 foram de 18,41 ± 0,03% do VO2max, e os valores de FC foram de 56,10 ± 0,06% da FCmax.

 

 

 

 

 

 

A comparação do resultado do VO2 durante o treinamento mostrou valores inferiores ao VO2LV e ao mínimo de VO2 de reserva preconizado para o treinamento aeróbio1 (figuras 1 e 2). A FC também foi inferior no treinamento à FCLV e ao mínimo de FC de reserva preconizado para treinamento aeróbio1 (figuras 3 e 4). Os valores de VO2 retornaram às medidas pré-teste antes de 30 minutos da recuperação.

 

 

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Poucos estudos investigando as respostas cardiopulmonares agudas a um protocolo de treinamento de força em mulheres têm sido relatados na literatura, mas, nos últimos anos, o treinamento de força tem sido muito estudado e recomendado para previnir doenças crônicas3,14, e a participação das mulheres ao treinamento de força teve um importante aumento15,16. Neste sentido, considera-se importante conhecer as respostas cardiopulmonares de mulheres no treinamento de força.

Os resultados obtidos indicam que o VO2 do treinamento de força foi baixo em relação ao VO2max, sugerindo que este treinamento proporcionou pequena sobrecarga ao sistema cardiorrespiratório. Os valores do VO2 na sessão de treinamento foram inferiores ao LV e do mínimo recomendado de VO2 de reserva para treinamento aeróbio1.

Esses resultados estão de acordo com estudos prévios que investigaram as adaptações do sistema cardiorrespiratório em mulheres submetidas ao treinamento de força, e encontraram pouca ou nenhuma melhora na aptidão cardiorrespiratória2,17-20.

A maioria dos estudos encontrados na literatura que investigaram as respostas cardiopulmonares no treinamento de força5,7,8 teve seu enfoque em homens ou com protocolos diferentes ao do presente estudo6,21,22.

Bizen et al.23 investigaram as respostas metabólicas de um treinamento de força em indivíduos do sexo feminino. O treinamento foi de três séries de dez repetições, 60 segundos de intervalo entre exercícios, nove exercícios a 70% 1-RM. Encontraram valor médio de VO2 de 0,68 L/min, valor superior ao do presente estudo. Tal fato parece ser justificado pelo intervalo entre exercícios ser menor, e não fizeram comparações com o LV e o minimo de VO2 e FC de reserva proposto para treinamento aeróbio1.

A FC e o VO2 obtidos no presente estudo foram inferiores a de modalidades de exercícios físicos como a caminhada24, ginástica aeróbia e corrida em esteira rolante25, pedalagem em cicloergômetro em carga submaxima26,27, pump, step, body combat e spinning28, e em aulas de jump fit29.

A FC obtida no presente estudo ficou abaixo do LV e da FC de reserva1, embora em valores percentuais do máximo tenha ficado no limite inferior do recomendado para treinamento aeróbio, mas a FC não é considerado o parâmetro mais fidedigno para controlar a intensidade do treinamento de força, pois não há uma relação linear da FC com o VO2 no treinamento de força5,6.

No presente estudo foram encontrados baixos valores de pulso O2, estes valores são muito inferiores aos encontrados em ginástica aeróbica e corrida em esteira rolante25, caminhada24, pedalagem em cicloergômetro em carga submaxima26,28. Os baixos valores do pulso O2 deste estudo indicam que o treinamento com pesos acarretou em uma reposta cronotrópica excessiva em relação à demanda energética, corroborando outros estudos que indicam que a FC não é um parâmetro adequado para controlar a intensidade do treinamento de força5,6.

Os valores de ventilação pulmonar em valores absolutos foram inferiores ao de mulheres pedalando em cicloergômetro26, indicando que a carga ventilatória foi pequena; entretanto, os valores de equivalentes ventilatórios para o oxigênio26,28 e dióxido de carbono28 foram superiores aos de mulheres pedalando em cicloergômetro em carga submáxima, indicando que o treinamento com pesos acarretou uma resposta ventilatória exagerada em relação à demanda metabólica30.

As respostas agudas ao treinamento de força encontrados no presente estudo corroboram os resultados de Dionne et al.17, que investigaram as adaptações de um programa de treinamento de força, com um protocolo de três séries de dez repetições em nove exercícios com intervalo entre as séries de 60-90 segundos, por seis meses, e não encontraram alteração no VO2max em mulheres jovens.

Os resultados deste estudo indicam que o treinamento de força proposto pelo American College of Sports Medicine1,4 para hipertrofia muscular e manutenção da saúde não promoveu estímulo suficiente para melhoria da aptidão cardiorrespiratória de mulheres jovens aqui estudadas, sendo necessária a realização de treinamento aeróbio.

 

CONCLUSÃO

Os resultados obtidos indicam que o protocolo de treinamento de força estudado proporcionou pequena sobrecarga aeróbia para melhora do sistema cardiorrespiratório de mulheres jovens treinadas. Pode-se concluir que o protocolo de força proposto pelo ACSM de forma isolada não define mudanças na aptidão cardiorrespiratória.

 

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, pelo suporte financeiro, à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, pelas bolsas de mestrado, e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, pelas bolsas de iniciação científica.

Todos os autores declararam não haver qualquer potencial conflito de interesses referente a este artigo.

 

REFERÊNCIAS

1. American College of Sports Medicine. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness and flexibility in health adults. Med Sci Sports Exerc 1998;30:975-91.         [ Links ]

2. Souza TMF, Cesar MC, Borin JP, Gonelli PRG, Simões RA, Montebelo MIL. Efeitos do treinamento de resistência de força com alto número de repetições no consumo máximo de oxigênio e limiar ventilatório de mulheres. Rev Bras Med Esporte 2008;14:513-7.         [ Links ]

3. Kraemer WJ, Ratamess NA. Fundamentals of resistance training: Progression and exercise prescription. Med Sci Sports Exerc 2004;6:674-88.         [ Links ]

4. American College of Sports Medicine. Progression models in resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc 2009;41:687-708.         [ Links ]

5. Hurley BF, Seals DR, Ehsani AA, Cartier LJ, Dalsy GP, Hagberg JM, et al. Effects of high-intensity strenght training on cardiovascular function. Med Sci Sports Exerc 1984;16:483-88.         [ Links ]

6. Wilmore JH, Parr RB, Ward P, Vodak PA, Barstow TJ, Pipes TV, et al. Energy cost of circuit weight training. Med Sci Sports Exerc 1978;10:75-8.         [ Links ]

7. Glowacki SP, Martin SE, Maurer A., Baek W, Green JS, Crouse SF. Effects of resistance, endurance, and concurrent exercise outcomes in men. Med Sci Sports Exerc 2004;36:2119-27.         [ Links ]

8. Hunter GR, Seelhorst D, Snynder S. Comparison of metabolic and heart rate responses to super slow vs. traditional resistance training. J Strength Cond Res 2003;17:76-81.         [ Links ]

9. Wasserman K, Hansen JE, Sue DY, Casaburi R, Whipp BJ. Principles of Exercise Testing and Interpretation. 3. ed., Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 1999, 556p.         [ Links ]

10. American College of Sports Medicine. The recommended quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness in health adults. Med Sci Sports Exerc 1990;22:265-74.         [ Links ]

11. Cesar MC, Pardini DP, Barros TL. Efeitos do exercício de longa duração no ciclo menstrual, densidade óssea e potência aeróbia de corredoras. R bras Ci e Mov 2001;9:7-13.         [ Links ]

12. Brown LE, Weir JP. ASEP - Procedures recommendation I: accurate assessment of muscular strength and power. J Exerc Physiol 2001;4:1-21.         [ Links ]

13. Karvonen M, Kentala K, Musta O. The effects of training heart rate: a longitudinal study. Ann Med Exptl Biol Fenn 1957;35:307-15.         [ Links ]

14. Williams M.A. Resistance exercise in individuals with and without cardiovascular disease: 2007 Update. Circulation 2007;116:572-84.         [ Links ]

15. Kraemer WJ, Nindl BC, Ratamess NA, Gotshalk LA, Volek JS, Fleck SJ, et al. Changes in muscle hypertrophy in women with periodized resistance training. Med Sci Sports Exerc 2004;36:697-708.         [ Links ]

16. Schmitz KH, Hannan PJ, Stovitz SD, Bryan CJ, Warren M, Jensen MD. Strength training and adiposity in premenopausal women: strong, healthy, and empowered study. Am J Clin Nutr 2007;86:566-72.         [ Links ]

17. Dionne IJ, Melançon MO, Brochu M, Ades PA, Poelhman ET. Age - related differences in metabolic adaptations following resistance training in women. Experimental Gerontology 2004;39:133-8.         [ Links ]

18. Hoff J, Helgerud J, Wisloff U. Maximal strength training improves work economy in trained female cross-country skiers. Med Sci Sports Exerc 1999;31:870-77.         [ Links ]

19. Bishop D, Jenkins DG, Mackinnon LT, Mcenniery m, Carey MF. The effects of strength training on endurance performance and muscle characteristics. Med Sci Sports Exerc 1999;31:886-91.         [ Links ]

20. Cesar MC, Borin JP, Gonelli PRG, Simões RA, Souza TMF, Montebelo MIL. The effect of local muscle endurance training on cardiorespiratory capacity in young women. J Strength Cond Res 2009;23:1637-43.         [ Links ]

21. Phillips WT, Ziuraitis JR. Energy cost of the ACSM single-set resistance training protocol. J Strength Cond Res 2003;17:350-5.         [ Links ]

22. Phillips WT, Ziuraitis JR. Energy cost of single-set resistence training in older adults. J Strength Cond Res 2004;18:606-9.         [ Links ]

23. Bizen CA, Swan PD, Manore MM. Postexercise oxygen consumption and substrate use after resistance exercise in women. Med Sci Sports Exerc 2001;33:932-8.         [ Links ]

24. Elsangedy HM, Krinski K, Buzzachera CF, Nunes RFH, Almeida FAM, Baldar C, et al. Respostas fisiológicas e percentuais obtidas durante a caminhada em ritimo autosselecionado por mulheres com diferentes índices de massa corporal. Rev Bras Med Esporte 2009;15:287-90.         [ Links ]

25. Parker SB, Hurley BF, Hanlon DP, Vaccaro P. Failure of target heart rate to accurately monitor intensity during aerobic dance. Med Sci Sports Exerc 1989;21:230-4.         [ Links ]

26. Atomi Y, Ito K, Iwasaki H, Miyashita M. Effects of intensity and frequency of training on aerobic work capacity of young females. J Sports Med 1978;18:3-9.         [ Links ]

27. Redman LM, Scroop GC, Westlander G, Norman R. Effect of a synthetic progestin on the exercise status of sedentary young women. J Clin Endocrinol Metab 2005;90:3830-7.         [ Links ]

28. Rixon KP, Rehor PR, Bemben MG. Analysis of the assessment of caloric expenditure in four modes of aerobic dance. J Strength Cond Res 2006;20:593-6.         [ Links ]

29. Furtado E, Simão R, Lemos A. Análise do consume de oxigênio, frequência cardiac e dispêndio ernegético, durante as aulas do Jump Fit. Rev Bras Med Esporte 2004;10:371-5.         [ Links ]

30. Wasserman K, Whipp BJ. Exercise physiology in health and disease. Am Rev Resp Dis 1975;112:219-49.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Rua Dona Santina nº 1282, Bairro Jardim São Luiz
13405-367 - Piracicaba, SP, Brasil
E-mail: marcomarcio@bol.com.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License